Your browser doesn't support javascript.

Biblioteca Virtual em Saúde

Campus Virtual de Saúde Pública

Home > Pesquisa > ()
Imprimir Exportar

Formato de exportação:

Exportar

Email
Adicionar mais destinatários
| |

Piolho (Pediculose)

Rafael Figueiredo; Christovão Paiva; Marcela Morato.
Recursos Educacionais Abertos em Pt_BR | CVSP - Brasil | ID: cvsp-brasil--324250
oai:brasil.campusvirtualsp.org:324250 2017-12-22 type:LearningObject Piolho (Pediculose) Rafael Figueiredo Christovão Paiva Marcela Morato A pediculose, popularmente conhecida como infestações de piolhos, é uma doença parasitária contagiosa que pode surgir na cabeça, corpo, cílios, sobrancelhas ou na região dos pêlos pubianos. Como ectoparasitas, os piolhos vivem no exterior do hospedeiro, utilizando do sangue humano como sua fonte de nutrição, o que pode causar sensação de coceira e formigamento na região afetada. O piolho é pequeno e sem asas, pode ser visto a olho nu e a sua infestação ocorre do contato direto com o cabelo de uma pessoa infectada ou através de objetos compartilhados. Nos últimos trinta anos observou-se um aumento significativo na incidência de casos devido a multiplicação rápida do parasita, que, ao longo de sua curta vida de trinta a quarenta dias, é capaz de depositar mais de duzentos ovos. Crianças em idade escolar são as mais atingidas pelo tipo capilar, com maior incidência em meninas, mas podem abranger qualquer sexo e idade, inclusive os adultos. A apresentadora Marcela Morato conversa com o pesquisador do Instituto Oswaldo Cruz IOC/Fiocruz, Júlio Vianna Barbosa sobre as causas, transmissão, sintomas, tratamentos e prevenção. Participantes: Ilma da Silva, mãe de Maria Clara da Silva, 12 anos. Canal Saúde Fiocruz 2017-12-22T00:00:00 Learning Object Vídeo https://www.arca.fiocruz.br/handle/icict/23761 pt_BR Prover saberes sobre as causas, transmissão, sintomas, tratamentos e prevenção da pediculose (piolhos).
A pediculose, popularmente conhecida como infestações de piolhos, é uma doença parasitária contagiosa que pode surgir na cabeça, corpo, cílios, sobrancelhas ou na região dos pêlos pubianos. Como ectoparasitas, os piolhos vivem no exterior do hospedeiro, utilizando do sangue humano como sua fonte de nutrição, o que pode causar sensação de coceira e formigamento na região afetada. O piolho é pequeno e sem asas, pode ser visto a olho nu e a sua infestação ocorre do contato direto com o cabelo de uma pessoa infectada ou através de objetos compartilhados. Nos últimos trinta anos observou-se um aumento significativo na incidência de casos devido a multiplicação rápida do parasita, que, ao longo de sua curta vida de trinta a quarenta dias, é capaz de depositar mais de duzentos ovos. Crianças em idade escolar são as mais atingidas pelo tipo capilar, com maior incidência em meninas, mas podem abranger qualquer sexo e idade, inclusive os adultos. A apresentadora Marcela Morato conversa com o pesquisador do Instituto Oswaldo Cruz IOC/Fiocruz, Júlio Vianna Barbosa sobre as causas, transmissão, sintomas, tratamentos e prevenção. Participantes: Ilma da Silva, mãe de Maria Clara da Silva, 12 anos.