Your browser doesn't support javascript.
loading
Show: 20 | 50 | 100
Results 1 - 20 de 94
Filter
1.
Arq. bras. cardiol ; 117(5): 924-931, nov. 2021. tab, graf
Article in English, Portuguese | LILACS | ID: biblio-1350033

ABSTRACT

Resumo Fundamento: A hipertrofia ventricular esquerda (HVE) é um importante fator de risco cardiovascular, independente da hipertensão arterial. Apesar da evolução dos exames de imagem, o eletrocardiograma (ECG) ainda é o mais utilizado na avaliação inicial, porém, com baixa sensibilidade. Objetivo: Avaliar o desempenho dos principais critérios eletrocardiográficos para HVE em indivíduos hipertensos idosos e muito idosos. Métodos: Em coorte de hipertensos foram realizados ECGs e EcoDopplercardiogramas (ECO), e separados em três grupos etários: <60 anos, Grupo I; 60-79 anos Grupo II; e ≥80 anos, Grupo III. Os critérios eletrocardiográficos mais utilizados foram aplicados para o diagnóstico da HVE: Perúgia; Peguero-Lo Presti; Gubner-Ungerleider; Narita; (Rm+Sm) x duração; Cornell voltagem; Cornell voltagem duração; Sokolow-Lyon voltagem; R de aVL ≥11 mm; RaVL duração. Na avaliação do desempenho desses critérios, além da sensibilidade (Sen) e especificidade (Esp), foram analisadas as "Odds Ratios diagnóstico" (DOR). Consideramos p-valor <0,05 para as análises, com testes bi-caudais. Resultados: Em 2.458 pacientes, a HVE estava presente pelo ECO em 781 (31,7%). Nos Grupos I e II, os melhores desempenhos foram para os critérios de Narita, Perúgia, (Rm+Sm) x duração, sem diferenças estatísticas entre eles. No Grupo III (muito idosos) os critérios de Perúgia e (Rm+Sm) x duração tiveram os melhores desempenhos: Perúgia [44,7/89,3; (Sen/Esp)] e (Rm+Sm) duração [39,4%/91,3%; (Sen/Esp), p<0,05)], com os melhores resultados de DOR:6,8. Isto sugere que nessa população de muito idosos esses critérios têm maior poder discriminatório para separar pacientes com HVE. Conclusão: Nos hipertensos muito idosos os critérios eletrocardiográficos de Perúgia e (Rm+Sm) x duração apresentaram os melhores desempenhos diagnósticos para HVE.


Abstract Background: Left ventricular hypertrophy (LVH) is an important cardiovascular risk factor, regardless of arterial hypertension. Despite the evolution of imaging tests, the electrocardiogram (ECG) is still the most used in the initial evaluation, however, with low sensitivity. Objective: To evaluate the performance of the main electrocardiographic criteria for LVH in elderly and very elderly hypertensive individuals. Methods: In a cohort of hypertensive patients, ECGs and doppler echocardiographies (ECHO) were performed and separated into three age groups: <60 years, Group I; 60-79 years Group II; and ≥80 years, Group III. The most used electrocardiographic criteria were applied for the diagnosis of LVH: Perugia; Pegaro-Lo Presti; Gubner-Ungerleider; Narita; (Rm+Sm) x duration; Cornell voltage; Cornell voltage duration; Sokolow-Lyon voltage; R of aVL ≥11 mm; RaVL duration. In evaluating the performance of these criteria, in addition to sensitivity (Sen) and specificity (Esp), the "Diagnostic Odds Ratios" (DOR) were analyzed. We considered p-value <0.05 for the analyses, with two-tailed tests. Results: In 2,458 patients, LVH was present by ECHO in 781 (31.7%). In Groups I and II, the best performances were for the criteria of Narita, Perugia, (Rm+Sm) x duration, with no statistical differences between them. In Group III (very elderly) the Perugia criteria and (Rm+Sm) x duration had the best performances: Perugia [44,7/89.3; (Sen/Esp)] and (Rm+Sm) duration [39.4%/91.3%; (Sen/Esp), p<0.05)], with the best PAIN results:6.8. This suggests that in this very elderly population, these criteria have greater discriminatory power to separate patients with LVH. Conclusion: In very elderly hypertensive patients, the Perugia electrocardiographic criteria and (Rm+Sm) x duration showed the best diagnostic performance for LVH.


Subject(s)
Humans , Aged , Hypertrophy, Left Ventricular/diagnostic imaging , Hypertension/diagnosis , Odds Ratio , Sensitivity and Specificity , Electrocardiography , Middle Aged
3.
Arq. bras. cardiol ; 117(3): 457-462, Sept. 2021. tab, graf
Article in English, Portuguese | LILACS | ID: biblio-1339194

ABSTRACT

Resumo Fundamento Pouco se conhece sobre a relação entre sarcopenia e hemodinâmica central em idosos longevos. Objetivo Estudar a relação da rigidez arterial com a composição corporal em idosos longevos. Métodos A composição corporal foi avaliada por meio da absortometria de Raio X de dupla energia (DEXA) e dos parâmetros de circulação central (PCC) obtidos por método oscilométrico não invasivo, com o Mobil-O-Graph 24h PWA Monitor®. Os parâmetros centrais avaliados foram: velocidade da onda de pulso (VOP), augmentation index (AIx), índice de amplificação da pressão de pulso (iAPP) e pressão de pulso central (PPc). Estes foram correlacionados com massa magra total (MM) e apendicular (MA), percentual de gordura corporal e índice de Baumgartner (IB). Aceitou-se nível de significância de 5%. Resultados Participaram 124 longevos, com idade média de 87,1 anos (DP±4,3 anos), sendo 74,2% mulheres e 57,3% brancos. Houve correlação inversa do AIx com as variáveis MM (r = - 0,391, p < 0,001), MA (r= -0,378, p< 0,001) e IB (r = -0,258, p 0,004). A PPc apresentou associação inversa com MM (r= -0,268, p =0,003), MA (r=-0,288, p= 0,001) e IB (r= -0,265, p = 0,003). Houve relação direta apenas entre AIx e percentual de gordura corporal (r= 0,197, p= 0,029). Conclusão Em idosos longevos, o percentual de gordura corporal se associa diretamente com a rigidez arterial e tem associação inversa com a quantidade de MM. Esses achados podem estar associados ao maior risco cardiovascular.


Abstract Background Arterial stiffness, obesity and sarcopenia correlate with each other and with cardiac outcomes in younger adults. However, there is little evidence of the association between body composition and markers of central arteries stiffness in long-lived people. Objective To evaluate the relationship between arterial stiffness and body composition in functionally independent long-lived individuals. Methods This is a cross-sectional analysis of the association between markers of arterial stiffness and body composition among participants in a longitudinal cohort of elderly individuals aged 80 years or older who were functionally independent and lived in the community . Body composition measurements were performed using dual energy X-ray absorptiometry (DEXA) and central circulation parameters (CCP) obtained by a non-invasive oscillometric method through the Mobil-O-Graph 24h PWA Monitor® device. The central parameters evaluated were: pulse wave velocity (PWV), augmentation Index (AIx), pulse pressure amplification index (PPAi) and central pulse pressure (cPP). These were correlated to total lean mass (LM) and appendicular lean mass (aLM), body fat percentage, and Baumgartner's Index (BI). The level of significance was set at 5% for all tests. Results Data from 124 elderly people with a mean age of 87.1 years (SD ± 4.3 years) were analyzed, with 74.2% of women and 57.3% of white. There was a statistically significant inverse correlation of AIx with LM (r = -0.391, p <0.001), aLM (r = -0.378, p <0.001), and BI (r = -0.258, p = 0.004). Also, cPP had an inversely proportional association with LM (r = -0.268, p = 0.003), aLM (r = -0.288, p = 0.001), and BI (r = -0.265, p = 0.003). When assessing the relationship between fat mass and CCP, a statistically significant direct relationship was observed only between AIx and body fat percentage (r = 0.197, p = 0.029). Conclusion In long-lived people, body fat percentage is directly associated with arterial stiffness and inversely associated with the amount of LM. These findings may be associated with increased cardiovascular risk.


Subject(s)
Humans , Female , Adult , Middle Aged , Aged , Aged, 80 and over , Vascular Stiffness , Blood Pressure , Body Composition , Cross-Sectional Studies , Pulse Wave Analysis
4.
Arq. bras. cardiol ; 116(4): 774-781, abr. 2021. tab, graf
Article in English, Portuguese | LILACS | ID: biblio-1285205

ABSTRACT

Resumo Fundamento: Principal causa de morte em todo o mundo, as doenças cardiovasculares (DCV) e sua prevalência nos médicos cardiologistas são pouco conhecidas. Objetivos: Descrever os hábitos de vida e os fatores de risco cardiovascular e verificar a prevalência de diagnóstico, conhecimento e controle dos fatores de risco cardiovasculares (FRCV) de médicos cardiologistas associados e especialistas pela Sociedade Brasileira de Cardiologia. Métodos: Estudo multicêntrico nacional transversal que avaliou cardiologistas brasileiros por meio de questionário sobre hábitos de vida, doenças preexistentes, medicações em uso, medidas antropométricas, pressão arterial e dosagens de glicose e lípideos sanguíneos. Resultados: Foram avaliados 555 cardiologistas, 67,9% do sexo masculino, média de idade de 47,2±11,7 anos. A maioria era não tabagista (88,7%), fisicamente ativa (77,1%), consumia bebida alcóolica (78,2%), com circunferência abdominal normal (51,7%) e excesso de peso (56,1%). As prevalências de hipertensão arterial sistêmica (HAS), diabetes mellitus (DM) e dislipidemia (DLP) foram de 32,4%, 5,9% e 49,7%, respectivamente e, destes, apenas 57,2%, 45,5% e 49,6% sabiam ter as doenças. Conclusões: Os cardiologistas brasileiros participantes do estudo apresentaram prevalências significativas de HAS, DM e DLP, mas apenas a metade dos participantes sabia ser portador dessas condições e, entre eles, as taxas de controle eram baixas para HAS e DLP, apesar de os cardiologistas serem profissionais detentores de conhecimento diferenciado sobre esses FRCV. Os achados representam um alerta para a abordagem dos FRCV em cardiologistas brasileiros e estimulam a realização de estudos futuros.


Abstract Background: A major cause of death worldwide, cardiovascular diseases and their prevalence in cardiologists are little known. Objectives: To describe life habits and cardiovascular risk factors (CVRF) and to investigate the prevalence of diagnosis, awareness, and control of these CVRF among cardiologists members affiliated to and specialists from the Brazilian Society of Cardiology. Methods: National multicenter cross-sectional study to assess Brazilian cardiologists using a questionnaire on life habits, preexisting diseases, current medications, anthropometric measurements, blood pressure, and levels of glucose and lipids. Results: A total of 555 cardiologists were evaluated, of which 67.9% were male, with a mean age of 47.2±11.7 years. Most were non-smoker (88.7%) and physically active (77.1%), consumed alcohol (78.2%), had normal weight circumference (51.7%), and were overweight (56.1%). The prevalence of systemic arterial hypertension (SAH), diabetes mellitus (DM), and dyslipidemia (DLP) were 32.4%, 5.9%, and 49.7%, respectively, of which only 57.2%, 45.5%, and 49.6%, respectively, were aware of the diseases. Conclusions: The Brazilian cardiologists participating in the study had a high prevalence of SAH, DM and DLP, but only a half of participants were aware of these conditions and, among these, the rates of controlled disease were low for SAH and DLP, although cardiologists are professionals with great knowledge about these CVRF. These findings represent a warning sign for the approach of CVRF in Brazilian cardiologists and encourage the conduction of future studies.


Subject(s)
Humans , Male , Female , Adult , Cardiology , Cardiovascular Diseases/epidemiology , Specialization , Brazil/epidemiology , Cross-Sectional Studies , Risk Factors , Heart Disease Risk Factors , Middle Aged
5.
Barroso, Weimar Kunz Sebba; Rodrigues, Cibele Isaac Saad; Bortolotto, Luiz Aparecido; Mota-Gomes, Marco Antônio; Brandão, Andréa Araujo; Feitosa, Audes Diógenes de Magalhães; Machado, Carlos Alberto; Poli-de-Figueiredo, Carlos Eduardo; Amodeo, Celso; Mion Júnior, Décio; Barbosa, Eduardo Costa Duarte; Nobre, Fernando; Guimarães, Isabel Cristina Britto; Vilela-Martin, José Fernando; Yugar-Toledo, Juan Carlos; Magalhães, Maria Eliane Campos; Neves, Mário Fritsch Toros; Jardim, Paulo César Brandão Veiga; Miranda, Roberto Dischinger; Póvoa, Rui Manuel dos Santos; Fuchs, Sandra C; Alessi, Alexandre; Lucena, Alexandre Jorge Gomes de; Avezum, Alvaro; Sousa, Ana Luiza Lima; Pio-Abreu, Andrea; Sposito, Andrei Carvalho; Pierin, Angela Maria Geraldo; Paiva, Annelise Machado Gomes de; Spinelli, Antonio Carlos de Souza; Nogueira, Armando da Rocha; Dinamarco, Nelson; Eibel, Bruna; Forjaz, Cláudia Lúcia de Moraes; Zanini, Claudia Regina de Oliveira; Souza, Cristiane Bueno de; Souza, Dilma do Socorro Moraes de; Nilson, Eduardo Augusto Fernandes; Costa, Elisa Franco de Assis; Freitas, Elizabete Viana de; Duarte, Elizabeth da Rosa; Muxfeldt, Elizabeth Silaid; Lima Júnior, Emilton; Campana, Erika Maria Gonçalves; Cesarino, Evandro José; Marques, Fabiana; Argenta, Fábio; Consolim-Colombo, Fernanda Marciano; Baptista, Fernanda Spadotto; Almeida, Fernando Antonio de; Borelli, Flávio Antonio de Oliveira; Fuchs, Flávio Danni; Plavnik, Frida Liane; Salles, Gil Fernando; Feitosa, Gilson Soares; Silva, Giovanio Vieira da; Guerra, Grazia Maria; Moreno Júnior, Heitor; Finimundi, Helius Carlos; Back, Isabela de Carlos; Oliveira Filho, João Bosco de; Gemelli, João Roberto; Mill, José Geraldo; Ribeiro, José Marcio; Lotaif, Leda A. Daud; Costa, Lilian Soares da; Magalhães, Lucélia Batista Neves Cunha; Drager, Luciano Ferreira; Martin, Luis Cuadrado; Scala, Luiz César Nazário; Almeida, Madson Q; Gowdak, Marcia Maria Godoy; Klein, Marcia Regina Simas Torres; Malachias, Marcus Vinícius Bolívar; Kuschnir, Maria Cristina Caetano; Pinheiro, Maria Eliete; Borba, Mario Henrique Elesbão de; Moreira Filho, Osni; Passarelli Júnior, Oswaldo; Coelho, Otavio Rizzi; Vitorino, Priscila Valverde de Oliveira; Ribeiro Junior, Renault Mattos; Esporcatte, Roberto; Franco, Roberto; Pedrosa, Rodrigo; Mulinari, Rogerio Andrade; Paula, Rogério Baumgratz de; Okawa, Rogério Toshiro Passos; Rosa, Ronaldo Fernandes; Amaral, Sandra Lia do; Ferreira-Filho, Sebastião R; Kaiser, Sergio Emanuel; Jardim, Thiago de Souza Veiga; Guimarães, Vanildo; Koch, Vera H; Oigman, Wille; Nadruz, Wilson.
Arq. bras. cardiol ; 116(3): 516-658, Mar. 2021. graf, tab
Article in Portuguese | SES-SP, LILACS, SES-SP, CONASS, SESSP-IDPCPROD, SES-SP | ID: biblio-1248881
8.
Rev. Bras. Hipertens ; 27(1): 25-29, 20200310.
Article in Portuguese | LILACS-Express | LILACS | ID: biblio-1373508

ABSTRACT

Estenoses da artéria renal (EAS) é um estreitamento ou bloqueio de uma artéria para os rins. Pode causar insuficiência renal e pressão alta. Fumantes e ex-fumantes têm maior risco de contrair RAS. Os homens são afetados com essa condição duas vezes mais que as mulheres. É mais comum nas idades de 50 e 70. Colesterol alto, diabetes, excesso de peso e histórico familiar de doenças cardíacas também são fatores de risco para RAS. A pressão alta é uma causa e resultado do RAS. A causa mais comum de bloqueio da artéria renal é a arteriosclerose (espessamento e endurecimento das paredes da artéria) com acúmulo de colesterol e placa. Isso é semelhante ao que é visto nas artérias coronárias do coração, nas artérias carótidas, no cérebro e nos vasos das pernas. Apresentamos um caso de doença vascular renal em um homem diabético e ex-fumante e é apresentada uma atualização sobre a doença.


Renal artery stenoses (RAS) is a narrowing or blockage of an artery to the kidneys. It may cause kidney failure and high blood pressure. Smokers and ex-smokers have a greater risk of getting RAS. Men are affected with this condition twice as often as women. It>s most common in the ages of 50 and 70. High cholesterol, diabetes, being overweight, and having a family history of heart disease are also risk factors for RAS. High blood pressure is both a cause and a result of RAS. The most common cause of renal artery blockages is arteriosclerosis (the thickening and hardening of artery walls) with cholesterol and plaque build-up. This is similar to what is seen in the coronary arteries of the heart, the carotid arteries to the brain and the leg vessels.We presente a case of renal vascular disease in a diabetic and ex-smoker man and an up to date about the disease is presented.

9.
Arq. bras. cardiol ; 113(3): 400-400, Sept. 2019.
Article in English | LILACS | ID: biblio-1038548
10.
Rev. Soc. Cardiol. Estado de Säo Paulo ; 29(3): 261-267, jul.-set. 2019. ilus
Article in English, Portuguese | LILACS | ID: biblio-1023048

ABSTRACT

Os três estudos que tiveram importante influência na prática clínica de quem trabalha com hipertensão arterial foram os estudos SIMPLICITY HTN-3, PATHWAY 2 e SPRINT. O estudo SIMPLICITY HTN-3 pôs a dúvida um procedimento que já estava sendo utilizado na prática clínica, qual seja, denervação do nervo simpático renal através de ablação por ondas de radiofrequência. Foi o primeiro estudos com grupo controle que não mostrou diferença entre os desfechos específicos de controle da pressão arterial em pacientes com hipertensão resistente. Portanto, o estudo SIMPLICITY HTN 3 modificou a prática clínica no sentido de que todas as diretrizes de hipertensão são unânimes em afirmar que tal procedimento atualmente deva ser reservado para laboratórios específicos de investigação clínica do método e não deve ser empregado como opção estabelecida de tratamento. O estudo PATHWAY 2 consolida o uso do bloqueador de receptor de mineralocorticoides (espironolactona) como o quarto medicamento no fluxograma de tratamento da hipertensão arterial resistente. Os resultados foram tão impactantes que a diretriz europeia de hipertensão arterial mudou substancialmente a orientação da sequência farmacológica do tratamento. Por fim, o estudo SPRINT demonstrou a necessidade de intervenção em pacientes com hipertensão arterial com valores pressóricos abaixo de 140/90 mmHg na dependência da quantidade de risco adicional dos pacientes. Os resultados do estudo SPRINT motivaram alterações ou inclusões de seus dados em várias diretrizes nacionais e internacionais, tais como Sociedade Brasileira de Cardiologia, American Heart Association e European Society of Cardiology


The three studies that have had an important influence on the clinical practice of who works with arterial hypertension were the SIMPLICITY HTN-3, PATHWAY 2 and SPRINT studies. The SIMPLICITY HTN-3 study raised doubts around a procedure that was already being used in clinical practice, the denervation of the sympathetic renal nerve through radiofrequency wave ablation. It was the first study with a control group that did not show a difference between the specific blood pressure control outcomes in patients with resistant hypertension. Therefore, the Simplicity HTN 3 Study modified clinical practice in the sense that all hypertension guidelines are unanimous in stating that currently such a procedure should be reserved for specific clinical investigation laboratories researching the method and should not be used as an established treatment option. The PATHWAY2 study consolidated the use of the mineralocorticoid receptor blocker (spironolactone) as the fourth drug in the resistant arterial hypertension treatment flowchart. The results were so impactful that the European guideline for arterial hypertension changed its orientation around the pharmacological sequence of resistant hypertension treatment substantially. Finally, the SPRINT study demonstrated the need for intervention in patients with arterial hypertension with pressure values below 140/90 mmHg, depending on the amount of additional cardiovascular risk in those patients. The results of the SPRINT study promoted changes to or inclusions of its data in various national and international guidelines, such as the Brazilian Society of Cardiology, the American Heart Association and the European Society of Cardiology


Subject(s)
Humans , Male , Female , Evidence-Based Practice/methods , Hypertension/therapy , Spironolactone , Guidelines as Topic/standards , Doxazosin , Bisoprolol , Blood Pressure Monitoring, Ambulatory/methods , Evidence-Based Medicine/methods , Arterial Pressure , Antihypertensive Agents
11.
Rev. Soc. Bras. Clín. Méd ; 16(2): 108-112, 20180000. tab, graf
Article in Portuguese | SES-SP, LILACS, SES-SP, SESSP-IDPCPROD, SES-SP | ID: biblio-913371

ABSTRACT

OBJETIVO: Descrever o perfil de pacientes com e sem apneia obstrutiva do sono. MÉTODOS: Estudo transversal, descritivo, observacional, realizado em centro terciário de cardiologia, por meio da análise de 255 prontuários de pacientes consecutivos submetidos à polissonografia em um laboratório do sono do hospital. Os pacientes foram divididos de acordo com a presença de apneia obstrutiva do sono clinicamente significativa (índice de apneia e hipopneia ≥15 eventos/hora). Dentre as informações analisadas, estavam: características clínicas; dados antropométricos; antecedentes pessoais; medicamentos em uso; doença aterosclerótica; exames laboratoriais e polissonografia. RESULTADO: A prevalência da apneia obstrutiva do sono foi de 35,6%; deste porcentual, 90,1% apresentaram hipertensão arterial sistêmica; 70,3%, dislipidemias; 36,3%, tabagismo; e 35,2%, diabetes. Não houve diferença estatística com relação à maior parte dos parâmetros analisados, mas os pacientes com apneia obstrutiva do sono eram, em sua maioria, do sexo feminino, com idade mais avançada e maior índice de massa corporal, quando comparados aos indivíduos sem apneia obstrutiva do sono. CONCLUSÃO: Foi alta a prevalência de apneia obstrutiva do sono em indivíduos portadores de diversos fatores de risco cardiovasculares. Esta condição deve sempre ser pesquisada em indivíduos de maior risco cardiovascular.(AU)


OBJECTIVE: To describe the profile of patients with and without obstructive sleep apnea. METHODS: This is a cross-sectional, descriptive and observational study that was conducted in a tertiary cardiology center through the analysis of 255 records of consecutive patients who underwent polysomnography in a sleep laboratory of the hospital. Patients were divided according to the presence of clinically significant obstructive sleep apnea (apnea-hypopnea index ≥15 events/ hour). The analyses included: clinical features, anthropometric data, personal background, ongoing medication, atherosclerotic disease, laboratory tests and polysomnography. RESULTS: The prevalence of obstructive sleep apnea was 35.6%; of these, 90.1% had hypertension, 70.3% dyslipidemias, 36.3% were smokers, and 35.2% had diabetes. There was no statistical difference in most of the parameters analyzed; however, patients with obstructive sleep apnea were mostly female, older and with higher BMI when compared to individuals without obstructive sleep apnea. CONCLUSION: The prevalence of obstructive sleep apnea was high in individuals with various cardiovascular risk factors. Therefore, it is a condition that should always be investigated in patients with higher cardiovascular risk.(AU)


Subject(s)
Humans , Male , Female , Adult , Middle Aged , Aged , Polysomnography/methods , Sleep Apnea, Obstructive/diagnosis , Sleep Apnea, Obstructive/epidemiology , Hypertension/complications , Obesity/complications , Risk Factors
12.
Arq. bras. cardiol ; 109(6,supl.1): 1-31, dez. 2017. tab
Article in Portuguese | LILACS | ID: biblio-887990

ABSTRACT

Resumo Fundamentação: desde o primeiro posicionamento da Sociedade Brasileira de Diabetes (SBD) sobre diabetes e prevenção cardiovascular, em 2014,1 importantes estudos têm sido publicados na área de prevenção cardiovascular e tratamento do diabetes,2 os quais contribuíram para a evolução na prevenção primária e secundária nos pacientes com diabetes. Ferramentas de estratificação de risco mais precisas, novos fármacos hipolipemiantes e novos antidiabéticos com efeitos cardiovasculares e redução da mortalidade, são parte desta nova abordagem para os pacientes com diabetes. O reconhecimento de que o diabetes é uma doença heterogênea foi fundamental, sendo claramente demonstrado que nem todos os pacientes diabéticos pertencem a categorias de risco alto ou muito alto. Um porcentual elevado é composto por pacientes jovens, sem os fatores de risco clássicos, os quais podem ser classificados adequadamente em categorias de risco intermediário ou mesmo em baixo risco cardiovascular. O presente posicionamento revisa as melhores evidências atualmente disponíveis e propõe uma abordagem prática, baseada em risco, para o tratamento de pacientes com diabetes. Estruturação: perante este desafio e reconhecendo a natureza multifacetada da doença, a SBD uniu-se à Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC) e à Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabolismo (SBEM), e formou um painel de especialistas, constituído por 28 cardiologistas e endocrinologistas, para revisar as melhores evidências disponíveis e elaborar uma diretriz contendo recomendações práticas para a estratificação de risco e prevenção da Doença Cardiovascular (DVC) no Diabetes Melito (DM). As principais inovações incluem: (1) considerações do impacto de novos hipolipemiantes e das novas medicações antidiabéticas no risco cardiovascular; (2) uma abordagem prática, baseada em fator de risco, para orientar o uso das estatinas, incluindo novas definições das metas da Lipoproteína de Baixa Densidade-colesterol (LDL-colesterol) e colesterol não Lipoproteína de Alta Densidade HDL; (3) uma abordagem baseada em evidências, para avaliar a isquemia miocárdica silenciosa (IMS) e a aterosclerose subclínica em pacientes com diabetes; (4) as abordagens mais atuais para o tratamento da hipertensão; e (5) recomendação de atualizações para o uso de terapia antiplaquetária. Esperamos que esta diretriz auxilie os médicos no cuidado dedicado aos pacientes com diabetes. Métodos: inicialmente, os membros do painel foram divididos em sete subcomitês para definirem os tópicos principais que necessitavam de uma posição atualizada das sociedades. Os membros do painel pesquisaram e buscaram no PubMed estudos clínicos randomizados e metanálises de estudos clínicos e estudos observacionais de boa qualidade, publicados entre 1997 e 2017, usando termos MeSH: [diabetes], [diabetes tipo 2], [doença cardiovascular], [estratificação de risco cardiovascular] [doença arterial coronária], [rastreamento], [isquemia silenciosa], [estatinas], [hipertensão], [ácido acetilsalicílico]. Estudos observacionais de baixa qualidade, metanálises com alta heterogeneidade e estudos transversais não foram incluídos, embora talvez tenham impactado no Nível de Evidência indicado. A opinião de especialistas foi usada quando os resultados das buscas não eram satisfatórios para um item específico. É importante salientar que este posicionamento não teve a intenção de incluir uma revisão sistemática rigorosa. Um manuscrito preliminar, destacando recomendações de graus e níveis de evidência (Quadro 1), foi esboçado. Este passo levou a várias discussões entre os membros dos subcomitês, que revisaram os achados e fizeram novas sugestões. O manuscrito foi, então, revisto pelo autor líder, encarregado da padronização do texto e da inclusão de pequenas alterações, sendo submetido à apreciação mais detalhada pelos membros dos comitês, buscando uma posição de consenso. Depois desta fase, o manuscrito foi enviado para a banca editorial e edição final, sendo encaminhado para publicação. Quadro 1 Graus de recomendações e níveis de evidências adotados nesta revisão Grau de recomendação Classe I A evidência é conclusiva ou, se não, existe consenso de que o procedimento ou tratamento é seguro e eficaz Classe II Há evidências contraditórias ou opiniões divergentes sobre segurança, eficácia, ou utilidade do tratamento ou procedimento Classe IIa As opiniões são favoráveis ao tratamento ou procedimento. A maioria dos especialistas aprova Classe IIb A eficácia é bem menos estabelecida, e as opiniões são divergentes Classe III Há evidências ou consenso de que o tratamento ou procedimento não é útil, eficaz, ou pode ser prejudicial Níveis de Evidência A Múltiplos estudos clínicos randomizados concordantes e bem elaborados ou metanálises robustas de estudos clínicos randomizados B Dados de metanálises menos robustas, um único estudo clínico randomizado ou estudos observacionais C Opinião dos especialistas


Subject(s)
Humans , Cardiovascular Diseases/etiology , Cardiovascular Diseases/prevention & control , Evidence-Based Medicine/standards , Diabetic Cardiomyopathies/prevention & control , Societies, Medical , Brazil , Risk Factors , Risk Assessment , Diabetic Cardiomyopathies/etiology , Hypercholesterolemia/complications , Cholesterol, LDL
14.
Rev. Soc. Cardiol. Estado de Säo Paulo ; 26(1): 34-38, jan.-mar.2016.
Article in Portuguese | SES-SP, LILACS, SES-SP, SESSP-IDPCPROD, SES-SP | ID: lil-789774

ABSTRACT

A otimização das medidas para controle volêmico tem papel preponderante naabordagem de pacientes com disfunção cardíaca e renal combinada, uma vez quealterações crônicas ou agudas em um desses órgãos, em geral, induzem ou perpetuam anormalidades (funcionais e/ou estruturais) no outro. Esta revisão de literatura propõe uma análise sobre as principais medidas terapêuticas no cardiopata com disfunção renal...


Optimizing the methods used in the control of volemia is very important in the treatment of patients with combined heart and renal dysfunction, as chronic or acute changes in either of these organs generally induces or perpetuates abnormalities (functional and/orstructural) in the other. This literature review analyzes the main therapeutic methods used in heart disease with renal dysfunction...


Subject(s)
Humans , Male , Female , Heart Failure/complications , Heart Failure/therapy , Renal Insufficiency/complications , Renal Insufficiency/therapy , Cardio-Renal Syndrome/diagnosis , Cardio-Renal Syndrome/therapy , Heart Diseases/complications , Heart Diseases/diagnosis , Shock, Cardiogenic , Peritoneal Dialysis/methods , Risk Factors , Ultrafiltration/methods
15.
Rev. bras. cardiol. invasiva ; 22(2): 155-160, Apr-Jun/2014. tab, graf
Article in Portuguese | SES-SP, LILACS, SES-SP, SESSP-IDPCPROD, SES-SP | ID: lil-722249

ABSTRACT

Introdução: A denervação simpática renal percutânea surgiu como método adjunto no controle de condições clínicas associadas à hiperatividade simpática. Ela resulta em aumento do fluxo sanguíneo renal e em redução da vasoconstrição. Os efeitos da denervação simpática renal percutânea no diâmetro da artéria renal ainda não foram descritos. Nosso objetivo foi avaliar tais efeitos por meio da angiografia quantitativa. Métodos: Estudo prospectivo e observacional que incluiu pacientes consecutivos submetidos à denervação simpática renal percutânea. Resultados: Selecionamos 31 pacientes, sendo 21 submetidos à denervação simpática renal percutânea para controle da hipertensão arterial resistente e 10 para controle de arritmias ventriculares refratárias. Dezessete pacientes não realizaram arteriografia renal no seguimento por não completarem o período protocolar de 6 meses ou por contraindicação clínica. Adicionalmente, uma paciente realizou denervação simpática renal percutânea unilateral, sendo também excluída desta análise. Assim, 52 angiografias renais (26 pares) de 13 pacientes foram analisadas. A média do diâmetro máximo da artéria renal direita, antes do procedimento, foi de 4,54 ± 0,21 mm e aumentou para 5,2 ± 0,44 mm aos 6 meses (p = 0,01). Da mesma forma, observou-se aumento significativo do diâmetro da artéria renal esquerda aos 6 meses de seguimento, ampliando de 4,37 ± 0,42 para 5,23 ± 0,77 mm (p = 0,02). Conclusões: Os resultados desta análise ilustram o incremento significativo dos diâmetros das artérias renais após denervação simpática renal percutânea. Ensaios clínicos randomizados...


Background: Percutaneous renal sympathetic denervation was developed as an adjunct method to treat clinical conditions associated to sympathetic hyperactivity. Percutaneous renal sympathetic denervation increases the renal blood flow and reduces vasoconstriction. The effects of percutaneous renal sympathetic denervation in renal artery diameter have not been reported. Our objective was to evaluate such effects by quantitative angiography. Methods: Prospective, observational, study including consecutive patients undergoing percutaneous renal sympathetic denervation. Results: Thirty-one patients were selected, 21 were submitted to percutaneous renal sympathetic denervation to control resistant arterial hypertension and 10 to control refractory ventricular arrhythmias. Seventeen patients did not perform renal arteriography in the follow-up due to clinical contraindications or because they did not complete the 6-month period established by the protocol. In addition, one patient performed a unilateral percutaneous renal sympathetic denervation and was also excluded from this analysis. Therefore, 52 renal angiographies (26 pairs) of 13 patients were analyzed. Mean maximal diameter of the right renal artery before the procedure was 4.54 ± 0.21 mm and increased to 5.2 ± 0.44 mm at 6 months (p = 0.01). Likewise, there was a significant increase in the diameter of the left renal artery at 6 months of follow-up, increasing from 4.37 ± 0.42 to 5.23 ± 0.77 mm (p = 0.02). Conclusions: The results of this analysis illustrate the significant increment in renal artery diameter after percutaneous renal sympathetic denervation. Randomized controlled clinical trials are required to consolidate our observations...


Subject(s)
Humans , Male , Female , Middle Aged , Angiography/methods , Renal Artery , Hypertension/physiopathology , Sympathectomy/methods , Catheter Ablation/methods , Statistical Analysis , Observational Study , Prospective Studies , Drug Resistance , Kidney
16.
Arq. bras. cardiol ; 102(4): 355-363, abr. 2014. tab, graf
Article in Portuguese | SES-SP, LILACS, SES-SP, SESSP-IDPCPROD, SES-SP | ID: lil-709314

ABSTRACT

Fundamento: A hipertensão arterial sistêmica constitui importante problema de saúde pública e significativa causa de mortalidade cardiovascular. A elevada prevalência e as reduzidas taxas de controle tensional despertaram o interesse por estratégias terapêuticas alternativas. A denervação simpática renal percutânea surgiu como perspectiva no tratamento de hipertensos resistentes. Objetivo: Avaliar a factibilidade e a segurança da denervação renal com cateter irrigado. Métodos: Dez hipertensos resistentes foram submetidos ao procedimento. O desfecho primário foi a segurança, avaliada por eventos adversos periprocedimento, função renal e anormalidade vascular renal aos 6 meses. Os desfechos secundários constituíram mudanças na pressão arterial (consultório e monitorização ambulatorial) e no número de anti-hipertensivos aos 6 meses. Resultados: A média de idade foi de 47,3 (± 12) anos, 90% eram mulheres. No primeiro caso, houve dissecção de artéria renal causada por trauma da bainha, fato que não se repetiu após ajuste técnico, demonstrando efeito da curva de aprendizado. Nenhum caso de trombose/infarto renal ou óbito foi reportado. Não se observou elevação dos níveis séricos de creatinina durante o seguimento. Aos 6 meses, diagnosticou-se um caso de estenose significativa de artéria renal, sem repercussão clínica. A denervação renal reduziu a pressão arterial de consultório, em média, em 14,6/6,6 mmHg (p = 0,4 tanto para pressão arterial sistólica como para a diastólica). A redução média da pressão arterial pela monitorização ambulatorial foi de 28/17,6 mmHg (p = 0,02 e p = 0,07 para pressão arterial sistólica e diastólica, ...


Background: Systemic hypertension is an important public health problem and a significant cause of cardiovascular mortality. Its high prevalence and the low rates of blood pressure control have resulted in the search for alternative therapeutic strategies. Percutaneous renal sympathetic denervation emerged as a perspective in the treatment of patients with resistant hypertension. Objective: To evaluate the feasibility and safety of renal denervation using an irrigated catheter. Methods: Ten patients with resistant hypertension underwent the procedure. The primary endpoint was safety, as assessed by periprocedural adverse events, renal function and renal vascular abnormalities at 6 months. The secondary endpoints were changes in blood pressure levels (office and ambulatory monitoring) and in the number of antihypertensive drugs at 6 months. Results: The mean age was 47.3 (± 12) years, and 90% of patients were women. In the first case, renal artery dissection occurred as a result of trauma due to the long sheath; no further cases were observed after technical adjustments, thus showing an effect of the learning curve. No cases of thrombosis/renal infarction or death were reported. Elevation of serum creatinine levels was not observed during follow-up. At 6 months, one case of significant renal artery stenosis with no clinical consequences was diagnosed. Renal denervation reduced office blood pressure levels by 14.6/6.6 mmHg, on average (p = 0.4 both for systolic and diastolic blood pressure). Blood pressure levels on ambulatory monitoring decreased by 28/17.6 mmHg (p = 0.02 and p = 0.07 for systolic and diastolic blood pressure, respectively). A mean reduction of 2.1 antihypertensive drugs was observed. Conclusion: Renal denervation is feasible and safe in the treatment of resistant systemic arterial hypertension. Larger studies are required to confirm our findings. .


Subject(s)
Humans , Male , Female , Adult , Middle Aged , Catheter Ablation/methods , Hypertension/surgery , Kidney/innervation , Sympathectomy/methods , Angiography , Blood Pressure Monitoring, Ambulatory , Blood Pressure/physiology , Creatinine/blood , Feasibility Studies , Renal Artery/innervation , Reproducibility of Results , Time Factors , Treatment Outcome
17.
Rev. bras. cardiol. invasiva ; 22(1): 73-80, Jan-Mar/2014. tab, graf
Article in Portuguese | SES-SP, LILACS, SES-SP | ID: lil-712733

ABSTRACT

Introdução: Resultados de 3 anos do Symplicity HTN-1 mostraram superioridade da denervação simpática renal percutânea comparada à terapia medicamentosa em hipertensos resistentes. Entretanto, os desfechos de eficácia da denervação simpática renal percutânea no Symplicity HTN-3, primeiro ensaio controlado com procedimento simulado, não foram alcançados. Nosso objetivo foi relatar os resultados de segurança e de eficácia da denervação simpática renal percutânea utilizando o cateter de ablação por radiofrequência de ponta irrigada em hipertensos resistentes. Métodos: Vinte e um pacientes foram submetidos ao procedimento desde julho 2012, dentre eles nove com seguimento ≥ 12 meses, os quais foram incluídos nesta análise. O desfecho primário foi a segurança, avaliada por eventos adversos peri-procedimento, função renal e anormalidade vascular renal aos 6 meses. Os desfechos secundários incluíram mudanças na pressão arterial obtida no consultório e no número de anti-hipertensivos aos 12 meses. Resultados: A média de idades foi 48,8 ± 11,7 anos. No primeiro caso, houve dissecção de artéria renal causada por trauma da bainha. Nenhum caso de trombose, infarto renal ou óbito foi observado. Não se constatou elevação dos níveis séricos de creatinina durante o seguimento. Aos 6 meses, diagnosticou-se um caso de estenose significativa de artéria renal, sem repercussão clínica. A redução média da pressão arterial no consultório foi de 41,1 ± 33,2/18,6 ± 15,2 mmHg (p = 0,04 para pressão arterial sistólica e p = 0,08 para pressão arterial diastólica) e houve redução de 2,0 ± 2,3 no número de anti-hipertensivos aos 12 meses (p = 0,03). Conclusões: A denervação simpática renal percutânea, utilizando o cateter de ablação por radiofrequência de ponta irrigada, mostrou ser factível, segura e eficaz.


Background: The 3-year results of the Symplicity HTN-1 trial have shown the superiority of renal sympathetic denervation over drug treatment in patients with resistant hypertension. However, the efficacy of renal sympathetic denervation was not confirmed by Symplicity HTN-3, the first sham-controlled study. Our objective was to report the safety and efficacy of renal sympathetic denervation using the irrigated radiofrequency ablation catheter in patients with resistant hypertension. Methods: Twenty-one patients were submitted to the procedure since July 2012, nine of them had a follow-up ≥ 12 months and were included in this analysis. The primary endpoint was safety, evaluated by periprocedural adverse events, renal function and renal vascular abnormalities at 6 months. Secondary endpoints included changes in blood pressure obtained in office and in the number of anti-hypertensive drugs at 12 months. Results: Mean age was 48.8 ± 11.7 years. In the first case, there was a renal artery dissection caused by the vascular sheath. There were no cases of thrombosis, renal infarction or death. Serum creatinine levels did not increase during the follow-up period. At 6 months, one case of significant renal stenosis without clinical impact was diagnosed. The average reduction in office blood pressure was 41.1 ± 33.2/18.6 ± 15.2 mmHg (p = 0.04 for systolic blood pressure and p = 0.08 for diastolic blood pressure) and there was a mean reduction of 2.0 ± 2.3 in the number of anti-hypertensive drugs at 12 months (p = 0.03). Conclusions: Renal sympathetic denervation using the irrigated radiofrequency ablation catheter proved to be feasible, safe and effective.


Subject(s)
Humans , Male , Female , Middle Aged , Catheter Ablation/methods , Hypertension/physiopathology , Hypertension/therapy , Drug Resistance , Angiography/methods , Antihypertensive Agents/administration & dosage , Antihypertensive Agents/therapeutic use , Treatment Outcome , Sympathectomy/adverse effects
19.
Arq. bras. cardiol ; 102(2): 110-119, 03/2014. tab, graf
Article in Portuguese | LILACS | ID: lil-704617
20.
Arq. bras. cardiol ; 101(5): 423-433, nov. 2013. tab
Article in Portuguese | LILACS | ID: lil-696884

ABSTRACT

FUNDAMENTO: O envelhecimento e a aterosclerose estão relacionados à hipertensão renovascular em indivíduos idosos. Independentemente das comorbidades, a estenose de artéria renal é, por si só, importante causa de morbidade e mortalidade cardiovascular. OBJETIVO: Definir a sensibilidade, a especificidade, o valor preditivo positivo e o valor preditivo negativo dos exames não invasivos utilizados no diagnóstico de estenose da artéria renal. MÉTODOS: Um grupo de 61 pacientes recrutados permitiram a análise de 122 artérias e a definição de sensibilidade, especificidade e da contribuição relativa de cada exame realizado (Doppler, cintilografia e angiotomografia, comparados a arteriografia renal). RESULTADOS: A média das idades foi de 65,43 (desvio padrão: 8,7) anos. Das variáveis relacionadas à população do estudo e comparadas à arteriografia, duas estiveram correlacionadas à estenose da artéria renal, à disfunção renal e aos triglicerídeos. A mediana do ritmo de filtração glomerular foi de 52,8 mL/min/m². O Doppler identificou sensibilidade de 82,90%, especificidade de 70%, valor preditivo positivo de 85% e valor preditivo negativo de 66,70%. Para a tomografia, encontraram-se sensibilidade de 66,70%, especificidade de 80%, valor preditivo positivo de 87,50% e valor preditivo negativo de 55,20%. Esses achados permitiram identificar os exames que melhor detectavam a estenose. CONCLUSÃO: A tomografia e o Doppler mostraram qualidade e grande possibilidade no diagnóstico de estenose da artéria renal, com vantagem para o segundo, pois não há necessidade do uso de meio de contraste na avaliação de uma doença que, frequentemente, ocorre em diabéticos e associa-se à disfunção renal e à disfunção ventricular esquerda grave.


BACKGROUND: Aging and atherosclerosis are related to renovascular hypertension in elderly individuals. Regardless of comorbidities, renal artery stenosis is itself an important cause of cardiovascular morbidity and mortality. OBJECTIVE: To define the sensitivity, specificity, positive predictive value, and negative predictive value of noninvasive imaging tests used in the diagnosis of renal artery stenosis. METHODS: In a group of 61 patients recruited, 122 arteries were analized, thus permitting the definition of sensitivity, specificity, and the relative contribution of each imaging study performed (Doppler, scintigraphy and computed tomographic angiography in comparison to renal arteriography). RESULTS: The mean age was 65.43 years (standard deviation: 8.7). Of the variables related to the study population that were compared to arteriography, two correlated with renal artery stenosis, renal dysfunction and triglycerides. The median glomerular filtration rate was 52.8 mL/min/m². Doppler showed sensitivity of 82.90%, specificity of 70%, a positive predictive value of 85% and negative predictive value of 66.70%. For tomography, sensitivity was 66.70%, specificity 80%, positive predictive value 87.50% and negative predictive value 55.20%. With these findings, we could identify the imaging tests that best detected stenosis. CONCLUSION: Tomography and Doppler showed good quality and efficacy in the diagnosis of renal artery stenosis, with Doppler having the advantage of not requiring the use of contrast medium for the assessment of a disease that is common in diabetics and is associated with renal dysfunction and severe left ventricular dysfunction.


Subject(s)
Aged , Female , Humans , Male , Middle Aged , Diagnostic Imaging/methods , Renal Artery Obstruction/diagnosis , Atherosclerosis/complications , Hypertension, Renovascular/complications , Predictive Value of Tests , Prospective Studies , Risk Factors , Renal Artery Obstruction/etiology , Sensitivity and Specificity , Tomography, X-Ray Computed , Ultrasonography, Doppler
SELECTION OF CITATIONS
SEARCH DETAIL