Your browser doesn't support javascript.
loading
Show: 20 | 50 | 100
Results 1 - 11 de 11
Filter
1.
Acta fisiátrica ; 28(2): 73-77, jun. 2021.
Article in Portuguese | LILACS-Express | LILACS | ID: biblio-1348725

ABSTRACT

The measurement of peripheral muscle strength in the hospital environment directs rehabilitation and contributes to predicting mortality in the elderly. Objective: To evaluate the variation of muscle strength during hospitalization in hospitalized elderly. Methods: This is a retrospective longitudinal study with stable elderly admitted at an ICU of a large public hospital in Salvador, Bahia State, Brazil. Three measurements of handgrip strength (HGS) were performed, and the highest value was considered for analysis. Other variables collected were cognitive function (MMSE) and Charlson's comorbidity index (CCI). Student T-test was used to test the variation of HGS between admission and discharge. Results: The sample consisted of 80 elderlies with an average age of 68.1 ± 5.8 years, mostly male (77.5%) and with surgical profiles (92.5%). In the comparison between HGS at admission and discharge, no significant differences were found (29.8 ± 7.5 kgf; 30.0 ± 7.8 kgf; p-value= 0.698). However, different forms of variation were observed 36.2% of participants had an increase in HGS (27.8 ± 9.3 kgf to 32.3 ± 9.6 kgf), whereas 38, 7% had a loss of HGS (30.9 ± 6.7 kgf to 26.8 ± 6.9 kgf) between admission and discharge. Conclusion: There are different trajectories in HGS from admission to discharge in hospitalized elderly, and understanding the factors that favor these variations is important for the rehabilitation process.


A mensuração da força muscular periférica (FMP) no ambiente hospitalar direciona a reabilitação e contribui para predição da mortalidade dos idosos. Objetivo: Avaliar a variação da força muscular ao longo da internação em idosos hospitalizados. Métodos: Trata-se de um estudo longitudinal prospectivo, com idosos estáveis das enfermarias e UTI´s de um hospital de grande porte da rede pública estadual, em Salvador-BA. Foram realizadas 3 medidas de dinamometria de preensão palmar, sendo considerado para análise o maior valor. Outras variáveis coletadas foram a função cognitiva (MEEM) e índice de comorbidades de Charlson (ICC). Para comparação da variação da FPP entre a admissão e alta realizado o teste T de Student. Resultados: A amostra foi composta por 80 idosos com média de idade 68,1 ± 5,8 anos, majoritariamente do sexo masculino (77.5%) e com perfil cirúrgico (92,5%). Na comparação entre a FPP na admissão e alta não foram encontradas diferenças significativas (29,8±7,5 kgf; 30,0±7,8 kgf; valor de p= 0,698). Entretanto, observou-se formas distintas de variação ao longo da internação, sendo que 36,2% dos pacientes apresentaram aumento da FPP(27,8 ± 9,3 kgf para 32,3 ± 9,6 kgf), enquanto que 38,7% tiveram perda da FPP(30,9 ± 6,7 kgf para 26,8 ± 6,9 kgf) entre a admissão e a alta. Conclusão: Existem diferentes trajetórias da FMP desde admissão até a alta em idosos hospitalizados. Compreender quais são os fatores que favorecem essas variações é algo importante para o processo de reabilitação.

2.
Acta fisiátrica ; 28(2): 111-115, jun. 2021.
Article in Portuguese | LILACS-Express | LILACS | ID: biblio-1348793

ABSTRACT

A Escala de Equilíbrio de Berg (EEB) e a Escala de Avaliação Postural para Pacientes com Sequelas de AVE (EAPA) são ferramentas de medida úteis e válidas na prática clínica. Objetivo: Comparar a responsividade da EEB e EAPA na avaliação do equilíbrio de indivíduos pós-AVE trombolisado na fase aguda. Métodos: Trata-se de um estudo longitudinal analítico, realizado em uma Unidade de AVC, no qual foram aplicados a EEB e a EAPA nas primeiras 24 horas e no sétimo dia de internamento ou no dia da alta. Para determinação da responsividade adotou-se o Índice de Tamanho de Efeito (TE) e a Média de Resposta Padronizada (MRP), sendo calculados efeito solo e teto de ambas as escalas. Resultados: 44 pacientes, predominantemente do sexo masculino, média de idade 60 (±13) anos e mediana NIHSS 3,5 [1-6]. Ambos os instrumentos de avaliação detectaram melhora do equilíbrio. As escalas apresentaram TE pequeno, sendo o TE da EEB igual a 0,2 e o da EAPA igual a 0,3. A MRP foi moderada para as duas escalas, sendo a MRP da EEB igual a 0,7 e da EAPA igual a 0,6. A EAPA apresentou efeito solo menor do que a EEB nas primeiras 24 horas, enquanto no sétimo dia, a EEB apresentou efeito teto menor. Conclusão: A EAPA pode ser uma melhor opção para avaliação do equilíbrio em pacientes pós-AVE nas primeiras 24 horas, à medida em que a EEB pode ser uma melhor escolha para avaliação a partir do sétimo dia nessa população específica.


The Berg Balance Scale (BBS) and Postural Assessment for Stroke Scale (PASS) are useful and valid measurement tools in clinical practice. Objective: To compare the responsiveness of BBS and PASS in assessing the balance of post-stroke thrombolyzed individuals in the acute phase. Methods: This is a longitudinal analytical study, conducted in a Stroke Unit, in which BSS and PASS were applied in the first 24 hours and on the seventh day of hospitalization or on the day of discharge. To determine responsiveness, the Effect Size Index (ES) and the Standardized Response Mean (SRM) were adopted, and the soil and ceiling effect of both scales were also calculated. Results: 44 patients, predominantly male, mean age 60 (±13) years and median NIHSS 3.5 [1-6]. Both assessment instruments detected improved balance. Both scales presented small ES, with the BBS ES being equal to 0.2 and PASS equal to 0.3. The SRM was moderate for both scales, with the SRM of the BBS equal to 0.7 and the PASS equal to 0.6. The PASS had a lower soil effect than BBS in the first 24 hours, and on the seventh day, BBS had a lower ceiling effect. Conclusion: PASS can be a best option for balance assessment in patients post-stroke in the first 24 hours, while BBS may be a better choice for evaluation from the seventh post-stroke in this specific population.

3.
Rev. Pesqui. Fisioter ; 10(4): 708-714, Nov. 2020. ilus, tab
Article in English, Portuguese | LILACS | ID: biblio-1247746

ABSTRACT

Aneurisma cerebral (AC) é a dilatação anormal de uma artéria que irriga o cérebro. Cerca de 3,2% da população mundial apresenta algum AC com potencial risco de evoluir para hemorragia subaracnóidea (HSA). OBJETIVO: Descrever o perfil clínico, sociodemográfico e funcional de indivíduos com diagnóstico clínico de AC atendidos em Salvador/BA. MÉTODO: Estudo observacional e transversal, realizado em um hospital de referência em Salvador/BA. Indivíduos maiores de 18 anos com diagnóstico de AC (N=25) roto ou não roto, foram avaliados o perfil sociodemográfico (idade, sexo, escolaridade e ocupação), clinico (comorbidades, hábitos de vida e nível de consciência através da ECG, Escala de Coma de Glasgow) e funcional (MRC, Medical Research Council; ECT, Escala de Comprometimento de Tronco e Rankin Modificada). Variáveis qualitativas foram apresentadas por frequências relativas e as variáveis quantitativas por meio de médias, desvio-padrão ou medianas e intervalo mínimo e máximo. RESULTADOS: Foram incluídos 13 indivíduos diagnosticados com AC, idade mediana de 51, sendo 84,6% do sexo feminino, 30,8% ativos no mercado de trabalho. 61,5% da população apresentou AC não roto e ECG 15. Observamos HAS em 53,8% e obesidade em 7,7%. Cerca de 61,5% eram sedentários, 15,4% etilistas e 30,8% tabagistas. Na avaliação da funcionalidade, o escore MRC mediano foi de 54, Rankin a mediana foi 4 e na ECT de 19,5. CONCLUSÃO: Os achados demonstram uma predominância dos AC em mulheres e declínio funcional dos indivíduos durante o internamento, tornando-se necessário intervenções que visem minimizar possíveis perdas funcionais nesta população.


Cerebral aneurysm (AC) is the abnormal dilation of an artery that irrigates the brain. About 3.2% of the world population has some CA with a potential risk of developing subarachnoid hemorrhage (SAH). OBJECTIVE: To describe the clinical, sociodemographic and functional profile of individuals with a clinical diagnosis of CA treated in Salvador / BA. METHODS: Observational and cross-sectional study, carried out in a reference hospital in Salvador / BA. Individuals over 18 years of age diagnosed with CA (N = 25) ruptured or not, the sociodemographic profile (age, sex, education and occupation), clinical (comorbidities, lifestyle and level of consciousness through ECG, Scale Glasgow Coma) and functional (MRC, Medical Research Council; ECT, Trunk Compromise Scale and Modified Rankin). Qualitative variables were presented by relative frequencies and quantitative variables by means of means, standard deviation or medians and minimum and maximum intervals. RESULTS: 13 individuals diagnosed with CA were included, with a median age of 51, 84.6% of whom were female, 30.8% were active in the labor market. 61.5% of the population had a diagnosis of non-ruptured AC and ECG 15. We observed SAH in 53.8% and obesity in 7.7%. About 61.5% were sedentary, 15.4% drinkers and 30.8% smokers. In the evaluation of functionality, the median MRC score was 54, Rankin the median was 4 and in ECT it was 19.5. CONCLUSION: The findings demonstrate a predominance of CA in women and functional decline of individuals during hospitalization, making interventions necessary to minimize possible functional losses in this population.


Subject(s)
Aneurysm , Health Profile , International Classification of Functioning, Disability and Health
4.
Rev. bras. ter. intensiva ; 32(3): 398-404, jul.-set. 2020. tab, graf
Article in English, Portuguese | LILACS | ID: biblio-1138504

ABSTRACT

RESUMO Objetivo: Avaliar a reprodutibilidade intra e interexaminador das mensurações da resistência e das complacências estática e dinâmica do sistema respiratório em pacientes sob ventilação mecânica. Métodos: Trata-se de estudo analítico realizado com indivíduos com idade ≥ 18 anos, em ventilação mecânica invasiva, que não tinham diagnóstico clínico de doença do aparelho respiratório e/ou anormalidade de caixa torácica. Foram realizadas três aferições da mecânica respiratória com intervalo de 1 minuto entre elas. A primeira e a terceira aferições foram realizadas pelo avaliador A e a segunda aferição, pelo avaliador B. A comparação dos valores de resistência e complacências estática e dinâmica do sistema respiratório foi calculada por meio do coeficiente de correlação intraclasse. Resultados: Foram realizadas 198 aferições da mecânica respiratória em 66 pacientes sob ventilação mecânica, com idade média de 52,6 ± 18,6 anos, índice de massa corporal médio de 21,6 ± 2,1kg/m2, predomínio do perfil cirúrgico (61,5%) e sexo feminino (53,8%). Foram obtidos valores médios das três aferições para resistência do sistema respiratório (A1: 15,7 ± 6,8cmH2O/L/s; B1: 15,7 ± 6,4cmH2O/L/s e A2: 15,9 ± 6,2cmH2O/L/s), para complacência estática do sistema respiratório (A1: 42,1 ± 13,7mL/cmH2O; B1: 42,4 ± 14,6mL/cmH2O e A2: 42,2 ± 14,5mL/cmH2O) e para complacência dinâmica do sistema respiratório (A1: 21,3 ± 7,3mL/cmH2O; B1: 21,4 ± 7,5mL/cmH2O e A2: 21,3 ± 6,2mL/cmH2O). Também foram encontrados valores do coeficiente de correlação intraclasse para resistência do sistema respiratório (R = 0,882 e p = 0,001; R = 0,949 e p = 0,001 - interexaminadores A1 versus B e B versus A2, respectivamente; R = 0,932 e p = 0,001 - intraexaminador); complacência estática do sistema respiratório (R = 0,951 e p = 0,001; R = 0,958 e p = 0,001 - interexaminadores A1 versus B e B versus A2, respectivamente; R = 0,965 e p = 0,001 - intraexaminador) e complacência dinâmica do sistema respiratório (R = 0,957 e p = 0,001; R = 0,946 e p = 0,001 - interexaminadores A1 versus B e B versus A2 respectivamente; R = 0,926 e p = 0,001 - intraexaminador). Conclusão: A mensuração de mecânica respiratória apresenta boa reprodutibilidade intra e interexaminador para as aferições de resistência e complacências estática e dinâmica do sistema respiratório em pacientes ventilados.


ABSTRACT Objective: To evaluate the intra- and interexaminer reproducibility of measurements of the resistance and static and dynamic compliance of the respiratory system in patients on mechanical ventilation. Methods: This was an analytical study conducted with individuals aged ≥ 18 years who were on invasive mechanical ventilation and had no clinical diagnosis of respiratory system disease and/or chest abnormality. Three measurements of respiratory mechanics were performed with a 1-minute interval between them. The first and third measurements were performed by examiner A, the second by examiner B. The values for the resistance and static and dynamic compliance of the respiratory system were compared using the intraclass correlation coefficient. Results: A total of 198 measurements of respiratory mechanics were performed for 66 patients on mechanical ventilation. The patients had a mean age of 52.6 ± 18.6 years and a mean body mass index of 21.6 ± 2.1kg/m2; a surgical profile (61.5%) and female sex (53.8%) were predominant. Mean values were obtained for the three measurements of respiratory system resistance (A1: 15.7 ± 6.8cmH2O/L/s; B1: 15.7 ± 6.4cmH2O/L/s and A2: 15.9 ± 6.2cmH2O/L/s), respiratory system static compliance (A1: 42.1 ± 13.7mL/cmH2O; B1: 42.4 ± 14.6mL/cmH2O and A2: 42.2 ± 14.5mL/cmH2O) and respiratory system dynamic compliance (A1: 21.3 ± 7.3mL/cmH2O; B1: 21.4 ± 7.5mL/cmH2O and A2: 21.3 ± 6.2mL/cmH2O). The intraclass correlation coefficient was also calculated for respiratory system resistance (R = 0.882 and p = 0.001; R = 0.949 and p = 0.001 - interexaminer A1 versus B and B versus A2, respectively; R = 0.932 and p = 0.001 - intraexaminer); respiratory system static compliance (R = 0.951 and p = 0.001; R = 0.958 and p = 0.001 - interexaminer A1 versus B and B versus A2, respectively; R = 0.965 and p = 0.001 - intraexaminer) and respiratory system dynamic compliance (R = 0.957 and p = 0.001; R = 0.946 and p = 0.001 - interexaminer A1 versus B and B versus A2, respectively; R = 0.926 and p = 0.001 - intraexaminer). Conclusion: The measurements of resistance and static and dynamic compliance of the respiratory system show good intra- and interexaminer reproducibility for ventilated patients.


Subject(s)
Humans , Male , Female , Adult , Middle Aged , Aged , Respiration, Artificial/methods , Respiratory Mechanics/physiology , Airway Resistance/physiology , Lung Compliance/physiology , Reproducibility of Results
5.
Rev. Pesqui. Fisioter ; 10(3): 537-542, ago.2020. ilus, tab
Article in English, Portuguese | LILACS | ID: biblio-1224123

ABSTRACT

A Posição Prona (PP) geralmente é utilizada em casos de Insuficiência Respiratória Aguda (IRpA) grave, em pacientes com Síndrome da Angústia Respiratória Aguda (SARA) e em ventilação mecânica invasiva, com o objetivo de melhorar a oxigenação. Entretanto, pode ser útil em casos de IRpA leve secundária ao COVID -19 reduzindo a necessidade de ventilação mecânica invasiva e as complicações associadas ao ventilador. OBJETIVO: Descrever o relato de caso do uso da posição prona (PP) em pacientes em ventilação espontânea com Insuficiência Respiratória Leve secundária ao COVID-19. MÉTODO: Trata-se de um relato de caso de um paciente com diagnóstico de COVID-19, com IRpA leve, com dispneia, tosse, hipoxemia e dessaturação, que dentre as técnicas de tratamento utilizou um protocolo de posição prona por períodos de duas horas, duas vezes ao dia, durante todo o período de internação. RESULTADOS: O paciente apresentou hipoxemia (SPO2 -94% e PO2- 62,9), associada a dispneia (Borg 6) na admissão, tendo apresentado melhora na dispneia (Borg 4) e saturação na oximetria de pulso de 96% após 24 horas de início do protocolo. Após 48 horas apresentou melhora gasométrica com valores e SPO2 e PO2 de 96,5% e 80,6 mmHg respectivamente. CONCLUSÃO: A posição prona em pacientes em ventilação espontânea, com insuficiência respiratória leve secundária ao COVID-19 é segura e pode ser utilizada como terapia adjuvante ao tratamento desse perfil de pacientes.


The Prone Position (PP) is generally used in cases of Acute Respiratory Insufficiency (IRPA), in patients with Acute Respiratory Distress Syndrome (ARDS) and in invasive mechanical ventilation, in order to improve oxygenation, but it can be used useful in cases of mild IRPA, using the need for invasive mechanical ventilation and complications associated with the ventilator. OBJECTIVES: To describe or report the case of using the prone position (PP) in patients with spontaneous ventilation with mild respiratory failure secondary to COVID-19. METHODS: this is a case of a patient diagnosed with COVID-19, with an IRPA level, with dyspnea, cough, hypoxemia and desaturation, which includes treatment techniques that use a prone position protocol for two hours, twice a day for the entire hospital stay. RESULTS: The patient presented hypoxemia (SpO2 -94% and PO2- 62.9), associated with a food (Borg 6) on admission, having received improvements in food (Borg 4) and 96% saturation in pulse oximetry after 24 hours from the beginning of the protocol and after 48 hours it improves the gasometric and SpO2 and PaO2 values of 96.5% and 80.6 mmHg, respectively. CONCLUSION: The prone position in patients on spontaneous ventilation, with respiratory failure secondary to COVID-19 is safe and can be used as adjunctive therapy to treatment in this patient profile.


Subject(s)
Coronavirus Infections , Respiratory Insufficiency , Prone Position
6.
Rev. Pesqui. Fisioter ; 10(1): 43-49, Fev. 2020. tab, ilus
Article in English, Portuguese | LILACS | ID: biblio-1223362

ABSTRACT

A sarcopenia é uma síndrome caracterizada por perda progressiva e generalizada de massa e força do músculo esquelética, bem como possivelmente da musculatura respiratória com risco de desfechos adversos, como declínio da funcionalidade, má qualidade de vida e morte. O risco de complicações respiratórias e infecções na população idosa é elevado, o que pode ser devido, em parte, as alterações da força do diafragma. OBJETIVO: Avaliar a associação entre força muscular periférica e força muscular respiratória em idosos hospitalizados. MÉTODOS: Trata-se de um estudo realizado em um hospital público na cidade de Salvador, Bahia. As variáveis primárias mensuradas foram medidas antropométricas, força de preensão palmar, força muscular respiratória através da aferição da pressão inspiratória máxima (PImáx), velocidade de marcha e presença de tabagismo. As variáveis secundárias extraídas a partir de dados de prontuário foram idade, gênero, diagnóstico médico admissional, perfil clínico admissional (clínico ou cirúrgico), tempo de internação no momento da coleta e índice de comorbidades de Charlson. Para avaliação entre as variáveis da FPP e força muscular respiratória foi utilizado a análise da correlação de Pearson. RESULTADOS: Dos 95 idosos avaliados, 73,7% era do sexo masculino, 89,5% tinham internação por motivo cirúrgico (40,2% cirurgias abdominais; 30,4% cirurgias urológicas; 16,3% amputações; 13,1% outras cirurgias), IMC 24,5 ± 4,1Kg/m2. A média de idade foi 68,1±6,1 anos, força de preensão palmar 31,3 ± 9,1Kgf e PImáx -77,5±33,2 cm H2O. O tempo para avaliação inicial foi de 4,3 ± 3,1 dias após internação hospitalar. O índice de comorbidades de Charlson foi de 3,6 ± 1,89 e a pontuação do mini-exame do estado mental foi 22,9±7,22. A correlação entre a força de preensão palmar e a força muscular respiratória foi moderada (R=-0,439 e valor de p= 0,001). CONCLUSÃO: Existe relação entre FMR e FMP, bem como a FMR pode predizer dinapenia. Apesar disso, recomenda-se que a avaliação da FMR e FMP sejam feitas de forma individualizada para um posterior direcionamento do plano terapêutico, já que esta relação foi apenas moderada.


Sarcopenia is a syndrome characterized by the progressive and widespread loss of skeletal muscle mass and strength, which can be used as a life-threatening respiratory massage, such as decline in function, poor quality of life, and death. The risk of respiratory and control complications in the elderly population is one that may be due to a change in the strength of the diaphragm. OBJECTIVE: To assess the association between peripheral muscle strength and respiratory muscle strength in hospitalized elderly. METHODS: this is a study carried out in a public hospital in Salvador, Bahia. The primary variables measured were anthropometric measurements, palmar grip strength, respiratory muscle strength through maximal inspiratory pressure (MIP), gait velocity and presence of smoking. The secondary variables extracted from medical records were age, gender, admission medical diagnosis, admission clinical profile (clinical or surgical), length of hospital stay at time of collection and Charlson comorbidities index. The Pearson correlation analysis was used to evaluate the PPF variables and respiratory muscle strength. RESULTS: Of the 95 elderly patients evaluated, 73.7% were male, 89.5% were hospitalized for surgical reasons (40.2% were abdominal surgeries, 30.4% were urological surgeries, 16.3% were amputations, 13.1% were other surgeries ), BMI 24.5 ± 4.1 kg / m2. The mean age was 68.1 ± 6.1 years, palmar grip strength 31.3 ± 9.1 Kgf and PImax -77.5 ± 33.2 cm H2O. The time for initial evaluation was 4.3 ± 3.1 days after hospital admission. The Charlson comorbidities index was 3.6 ± 1.89 and the mini-mental status score was 22.9 ± 7.22. The correlation between palmar grip strength and respiratory muscle strength was moderate (R = -0.439 and p = 0.001). CONCLUSION: There is a relationship between FMR and FMP, and FMR can predict dynapenia. Despite this, it is recommended that the evaluation of FMR and FMP be made in an individualized way for a subsequent direction of the therapeutic plan, since this relationship was only moderate.


Subject(s)
Respiration , Aged , Muscle Strength
7.
Rev. Pesqui. Fisioter ; 9(4): 464-469, Nov. 2019. tab
Article in English, Portuguese | LILACS | ID: biblio-1151798

ABSTRACT

INTRODUÇÃO: A Neuromuscular Electrical Stimulation (NMES) é um importante aliado do paciente crítico, favorecendo contrações ativas mesmo em estado que requer imobilidade. OBJETIVO: Verificar a segurança da aplicação da NMES em Unidades de Terapia Intensiva (UTIs) de um hospital público da cidade de Salvador. MÉTODO: Trata-se de estudo piloto, de intervenção. Os dados foram coletados no período de fevereiro a junho de 2018, com amostra por conveniência em uma população de pacientes críticos intubados e em uso de vasopressores. Foi aplicada uma única sessão de 45 minutos de NMES em ambos os quadríceps (músculo reto femoral e vasto lateral), sendo coletados os seguintes dados hemodinâmicos 5 minutos antes da aplicação e logo após a terapêutica: frequência cardíaca, pressão arterial sistólica, diastólica e média; e frequência respiratória. Estes dados foram avaliados seguindo recomendações de segurança já descritas previamente. Para análise estatística, as variáveis foram descritas através de médias e desvio-padrão, mediana e intervalo interquartílico e percentuais obtidos nas variáveis do estudo. A distribuição dos dados foi avaliada pelo teste Shapiro-Wilk, e os testes Mann Whitney e T de student foram utilizados. RESULTADOS: A amostra foi composta por 8 pacientes sendo 1 excluído. Destes, 85,7% era do sexo feminino, sendo o diagnóstico clínico de Sepse evoluindo para choque em 85,7%, média da idade de 61±9,5 anos e APACHE II de 29±5,5. Não foram evidenciadas diferenças estatísticas em relação aos dados hemodinâmicos coletados pré e pós eletroestimulação. Estes dados são semelhantes aos resultados encontrados por outros autores em populações sem uso de vasopressores. CONCLUSÃO: É possível sugerir que a aplicação da NMES no doente crítico em uso de vasopressores é uma técnica segura e viável desde que respeitando os limites estabelecidos e parâmetros corretos baseados em evidências


INTRODUCTION: Neuromuscular Electrical Stimulation (NMES) is an important ally of the critically ill patient, favoring active contractions even when in a state that requires immobility. OBJECTIVE: The objective of this study was to verify the safety of NMES application in Intensive Care Units (ICUs) of a public hospital in the city of Salvador. MATERIAL AND METHODS: This is a pilot, study of intervention. Data were collected from February to June 2018, having as population critically ill intubated patients using vasopressors. A single 45-minute NMES session was applied to both quadriceps (rectus femoris and vastus lateralis), and the following hemodynamic data were collected 5 minutes before application and soon after therapy: cardiac frequency, systolic, diastolic and medium blood pressure and respiratory frequency. Data were collected following security recommandations, described earlier. For statistical analysis, the variables were described by mean and standard deviation, median and interquartile interval and percentages obtained for the variables of the study. The distribution of data was evaluated by the Shapiro-Wilk test and Mann Whitney test and t test were used. RESULTS: The sample consisted of 8 patients, being 1 excluded. Of these, 85.7% were female, with a clinical diagnosis of Sepsis in 85.7%, mean age of 61±9.5 years and APACHE II of 29±5.5. No statistical differences were observed in relation to hemodynamic data collected before and after electrostimulation. These data are similar to those found by other authors in populations without vasopressors usage. CONCLUSION: It is possible to suggest that the application of NMES in critically ill patients using vasopressors is a safe and viable technique as long as respecting the established limits and correct evidence-based parameters.


Subject(s)
Transcutaneous Electric Nerve Stimulation , Intensive Care Units , Metabolism
8.
Rev. Pesqui. Fisioter ; 9(3): 301-306, ago.2019. tab
Article in English, Portuguese | LILACS | ID: biblio-1151336

ABSTRACT

INTRODUÇÃO: O envelhecimento é um processo natural de redução progressiva da reserva funcional dos indivíduos e o fator que determina saúde dos idosos é a independência nas suas atividades habituais, que consiste em sua funcionalidade e quando acometidos por alguma enfermidade tendem a ter uma recuperação mais lenta, em comparação aos pacientes jovens, devido ao declínio funcional inerente ao processo de senescência, o que pode resultar em maior risco de morte. OBJETIVO: Avaliar o impacto da capacidade funcional na mortalidade de idosos após seis meses de alta da Unidade de Terapia Intensiva. METODOLOGIA: Trata-se de um estudo de coorte, ambispectivo, realizado em uma Unidade de Terapia Intensiva de um hospital público de grande porte, localizado na cidade de Salvador, Bahia em 2018. A amostra foi composta por pacientes idosos admitidos na UTI, com idade igual ou superior a 60 anos, onde foram aplicadas as Escalas de Mobilidade em UTI (EMU) e Estado Funcional (FSS) para avaliar a capacidade funcional no dia da alta da UTI e através de contato telefônico, foi observado a ocorrência de óbito após 6 meses da alta. Foram excluídos pacientes com instabilidade hemodinâmica, desordens congnitivas. e aqueles onde houve impossibilidade de contato telefônico. Para análise estatística dos dados de variáveis contínuas foram avaliados com medidas de tendência central e dispersão, variáveis categóricas avaliadas com medidas de frequência e para relacionar a capacidade funcional e mortalidade foi utilizado o teste não paramétrico de Mann-Whitney com o uso do software SPSS. RESULTADOS: A amostra foi composta por 30 pacientes, sendo a maior parte composta por indivíduos do sexo masculino (60,0%), com média de idade 68,0(±6,7) anos, com perfil diagnóstico predominantemente clínico (70,0%), média de tempo de internamento de 3,2 (±1,8) dias, capacidade funcional aferida pela escala do estado funcional (FSS) da alta de 29,3(±8,5) e pela escala de mobilidade em UTI (EMU) da alta de 8,8 (± 2,6). Dos pacientes inicialmente avaliados, 08 (21,1%) foram excluídos por impossibilidade de contato por telefônico após a alta, tendo completado o estudo com 30 pacientes, destes 11 (28,9%), evoluíram a óbito em até seis meses após a alta da UTI. Um dado que chama atenção é a taxa de mortalidade nos pacientes estudados, que chegou a 36,6% CONCLUSÃO: O status funcional, de pacientes idosos, no momento da alta da UTI está relacionado com uma maior taxa de mortalidade em seis meses após a alta da unidade de terapia intensiva.


INTRODUCTION: Aging is a natural process of progressive reduction of the functional reserve of individuals and the factor that determines health of the elderly is the independence in their usual activities, which consists of their functionality and when affected by some disease tend to have a slower recovery , compared to young patients, due to the functional decline inherent in the senescence process, which may result in an increased risk of death. OBJECTIVE: To evaluate the impact of functional capacity on the mortality of the elderly after six months of discharge from the Intensive Care Unit. METHODOLOGY: This is an ambispective cohort study performed in an Intensive Care Unit of a large public hospital, located in the city of Salvador, Bahia, Brazil in 2018. The sample consisted of elderly patients admitted to the ICU with age equal to or greater than 60 years, where the ICU Mobility Scales and Functional State Scale (FSS) were used to assess functional capacity on the day of ICU discharge and through telephone contact, the occurrence of death after 6 months of discharge. Patients with hemodynamic instability, cognitive disorder and those who did not have telephone contact were excluded. Statistical analysis of the continuous variables data were evaluated with measures of central tendency and dispersion, categorical variables evaluated with frequency measures and to relate the functional capacity and mortality was used the non-parametric Mann-Whitney test with the use of SPSS software. RESULTS: The sample consisted of 30 patients, most of them male patients (60.0%), with a mean age of 68.0 (± 6.7 years), with a predominantly clinical diagnostic profile (70, 0%), mean hospitalization time of 3.2 (± 1.8) days, functional capacity measured by the functional status scale (FSS) of the discharge of 29.3 (± 8.5) and the mobility scale in ICU discharge of 8.8 (± 2.6). Of the patients initially evaluated, 08 (21.1%) were excluded due to the impossibility of contact by telephone after discharge, having completed the study with 30 patients, of these 11 (28.9%), died within six months after discharge from the ICU. CONCLUSION: The functional status of elderly patients at discharge from the ICU is related to a higher mortality rate in six months after surgery. discharge from the intensive care unit.


Subject(s)
Intensive Care Units , Mortality , Physical Therapy Specialty
9.
Rev. Pesqui. Fisioter ; 9(2): 187-193, Maio 2019. tab
Article in English, Portuguese | LILACS | ID: biblio-1150941

ABSTRACT

INTRODUÇÃO: As complicações adquiridas em UTIs podem afetar negativamente a funcionalidade, mobilidade e função pulmonar, levando a um prognóstico menos favorável. OBJETIVO: Correlacionar funcionalidade com função pulmonar na admissão e alta de pacientes internados em UTIs adulto. MÉTODOS: Trata-se de um estudo observacional, descritivo e transversal, com abordagem quantitativa. Os dados sociodemográficos foram obtidos nos prontuários; a funcionalidade e mobilidade foram medidas pela FSS-ICU e IMS, respectivamente; e a função pulmonar, representada pela medida da CVL. A análise dos dados foi realizada no programa BioEstat 5.3, com o teste de Shapiro-Wilk para avaliar a distribuição dos dados, e como a mesma não foi normal, utilizamos o teste de Wilcoxon de amostras relacionadas. O nível de significância adotado foi de p ≤ 0,05 e os coeficientes de correlação com valores entre 0,00 e 0,25 apontaram pouca ou nenhuma correlação; 0,25 a 0,50, um grau fraco de correlação; 0,50 a 0,75, uma correlação de moderada a boa; acima de 0,75, um grau bom a excelente. RESULTADOS: Foram incluídos 44 participantes sendo 61,4% sexo masculino. A média da idade foi de 53,68 anos (DP: 16,73), um tempo médio de internação de 3,52 dias (DP: 1,53), diagnósticos predominantemente cirúrgicos (79,5%) e 97,7% receberam alta da UTI. Foi encontrada correlação fraca entre FSS-ICU - CVL e IMS - CVL, mas com significância estatística de 0,01 e <0,01, respectivamente, no momento da alta, mas não no da admissão. CONCLUSÃO: Houve baixa correlação entre funcionalidade e mobilidade com função pulmonar no momento da alta de pacientes internados em UTIs.


INTRODUCTION: The complications acquired in ICUs can negatively affect functionality, mobility and pulmonary function, leading to a less favorable prognosis. PURPOSE: To correlate function with pulmonary function in the admission and discharge of patients hospitalized in adult ICUs. METHODS: This is an observational, descriptive and cross-sectional study with a quantitative approach. Sociodemographic data were obtained in medical records; functionality and mobility were measured by FSSICU and IMS, respectively; and pulmonary function, represented by the CVL measurement. Data analysis was performed in the BioEstat 5.3 program, with the Shapiro-Wilk test to evaluate the distribution of the data, and since it was not normal, we used the Wilcoxon test of related samples. The significance level adopted was p ≤ 0.05 and the correlation coefficients with values between 0.00 and 0.25 indicated little or no correlation; 0.25 to 0.50, a weak degree of correlation; 0.50 to 0.75, a moderate to good correlation; above 0.75, a good to excellent grade. RESULTS: We included 44 participants, 61.4% male. The mean age was 53.68 years (SD: 16.73), mean hospitalization time of 3.52 days (SD:1.53), diagnoses predominantly surgical (79.5%) and 97.7% were discharged from the ICU. We found a weak correlation between FSS-ICU-CVL and IMS-CVL, but with a statistical significance of 0.01 and <0.01, respectively, at discharge, but not at admission. CONCLUSION: There was a low correlation between functionality and mobility with pulmonary function at the time of discharge from ICU patients.


Subject(s)
Intensive Care Units , Physical Therapy Specialty , Mobility Limitation
10.
Rev. Pesqui. Fisioter ; 8(3): 361-367, ago., 2018. tab
Article in English, Portuguese | LILACS | ID: biblio-915984

ABSTRACT

INTRODUÇÃO: Pacientes pós-cirúrgicos podem apresentar redução da capacidade funcional e força muscular devido as complicações pós-operatórias ou do internamento hospitalar. Porém, até o momento pouco se sabe sobre o estado funcional de indivíduos internados na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) cirúrgica. OBJETIVO: Verificar a força muscular periférica e a capacidade funcional de indivíduos no pós-operatório internados em uma UTI cirúrgica. MÉTODOS: Estudo transversal, descritivo, do qual participaram 72 pacientes admitidos na UTI cirúrgica com idade ≥18 anos, de ambos os sexos, no período pós-operatório. Os critérios de exclusão foram os casos onde os pacientes estivessem: hemodinamicamente instáveis, com desordem cognitiva ou com comunicação limitada que comprometesse a acurácia do registro de dados e aqueles que se recusaram a participar da pesquisa. A avaliação da capacidade funcional foi realizada através da medida de independência funcional, a força muscular através do Medical Research Council. RESULTADOS: A média de idade 51.2 ± 19 anos, sendo 35 (46,8%) do sexo feminino. A média da capacidade funcional foi 95,7 ± 21,3, sendo que 40 (55,6%) dos pacientes apresentaram dependência modificada (assistência de até 25% das tarefas) e 28 (38,9%) independência completa/modificada. A mediana da força muscular periférica foi 58 (48-60). A mediana do tempo de permanência na UTI foi 4 (2-7) dias. O tempo de permanência na ventilação mecânica foi de 24 horas para a maioria dos indivíduos 46 (63,9%). CONCLUSÃO: A força muscular periférica dos pacientes internados em UTI cirúrgica no pós-operatório não foi encontrada alterada. No entanto, grande parte dos pacientes apresentaram limitações funcionais. [AU]


BACKGROUND: Post-surgical patients may present functional capacity reduction and muscle strength due to postoperative complications or hospitalization. However, so far little is known about the functional status of individuals hospitalized in the Intensive Care Unit (ICU). OBJECTIVE: To verify the peripheral muscular strength and the functional capacity of an individual in the postoperative period hospitalized in a surgical ICU. METHODS: A cross-sectional, descriptive study in which 72 patients admitted to the surgical ICU, aged ≥18 years, of both sexes, participated in the postoperative period. Exclusion criteria were cases where patients were: hemodynamically unstable, with cognitive disorder or with limited communication that compromised the accuracy of the data record and those who refused to participate in the study. The functional capacity assessment was performed through functional independence measure, muscle strength through the Medical Research Council. RESULTS: The mean age was 51.2 ± 19 years, of which 35 (46.8%) were female. The mean functional capacity was 95.7 ± 21.3; 40 (55.6%) of the patients had modified dependence (up to 25% of the tasks) and 28 (38.9%) complete / modified independence. The median of peripheral muscle strength was 58 (48-60). The median length of ICU stay was 4 (2-7) days. The duration of mechanical ventilation was 24 hours for most of the individuals 46 (63.9%). CONCLUSION: The peripheral muscle strength of patients admitted to the surgical ICU postoperatively was not found to be altered. However, most patients had functional limitations. [AU]


Subject(s)
Muscle Strength , Intensive Care Units
11.
Rev. Pesqui. Fisioter ; 8(2): 167-174, maio, 2018. tab, ilus
Article in English, Portuguese | LILACS | ID: biblio-912922

ABSTRACT

Introdução: Os pacientes neurocirúrgicos são predispostos a disfunções neurológicas inerentes à doença de base, às alterações sensório-motoras, cognitivas e tem sua mobilidade reduzida na fase aguda pós-operatória. Objetivo: Investigar a correlação entre desempenho funcional e o tempo de permanência de pacientes neurocirúrgicos na unidade de terapia intensiva (UTI) e descrever a frequência de retirada do leito nesse período. Métodos: Trata-se de um estudo observacional, de corte transversal, realizado em uma UTI cirúrgica de um hospital de alta complexidade da rede pública estadual em Salvador, Bahia. Foram incluídos indivíduos adultos submetidos a algum tipo de neurocirurgia, sendo excluídos aqueles transferidos para outra unidade ou hospital antes da alta. Retirou-se dos prontuários dados sociodemográficos, clínicos e sobre a retirada do leito. A medida de independência funcional (MIF) foi avaliada no momento da alta e a correlação com o tempo de internação na UTI foi verificada através do coeficiente de Spearman. Resultados: Foram incluídos no estudo 26 pacientes, sendo 57,7% (15) do sexo feminino, com idade média de 37,2±12,9 anos. Foi observado que 56% (14) dos pacientes foram mobilizados em menos de 24 horas de internação da UTI e aqueles que não foram mobilizados durante o internamento tiveram como justificativa a restrição médica. Não houve correlação entre o escore funcional da MIF na alta com o tempo de internação na UTI (r= 0,3 p=0,11). Conclusão: A prática de retirada do leito foi iniciada dentro das 24 horas de internação na UTI, evidenciando um perfil de pacientes com independência funcional modificada ou completa na alta, entretanto sem correlação com o tempo de internação na UTI. [AU]


Introduction: Neurosurgical patients are predisposed to neurological dysfunctions inherent to baseline disease, sensory-motor and cognitive alterations, and their mobility is reduced in the acute postoperative phase. Objective: To investigate the correlation between functional performance and length of stay of neurosurgical patients in the intensive care unit (ICU) and to describe the frequency of bed removal in this period. Methods: This is a cross-sectional, observational study performed at a surgical ICU of a highly complex hospital of the state public network in Salvador, Bahia. Adult subjects submitted to some type of neurosurgery were included, excluding those transferred to another unit or hospital before discharge. Sociodemographic, clinical data and bedside removal were removed from the medical records. The functional independence measure (FIM) was assessed at the time of discharge and the correlation with ICU length of stay was verified using the Spearman coefficient. Results: A total of 26 patients were included in the study, of which 57.7% (15) were females, with a mean age of 37.2 ± 12.9 years. It was observed that 56% (14) of the patients were mobilized in less than 24 hours of ICU admission and those who were not mobilized during hospitalization had medical justification. There was no correlation between the MIF functional score at discharge and the length of ICU stay (r = 0.3; p = 0.11). Conclusion: The practice of bed withdrawal was started within 24 hours of ICU stay, evidencing a profile of patients with modified or complete functional independence at discharge, but without correlation with the length of ICU stay. [AU]


Subject(s)
Early Ambulation , Intensive Care Units , Neurosurgery
SELECTION OF CITATIONS
SEARCH DETAIL