Your browser doesn't support javascript.
loading
Show: 20 | 50 | 100
Results 1 - 19 de 19
Filter
1.
Rev. bras. ciênc. mov ; 26(2): 34-42, abr.-jun. 2018.
Article in English | LILACS | ID: biblio-911166

ABSTRACT

Was compared exercise tolerance, respiratory and cardiovascular functions between non--diabetics and type 2 diabetics individuals (T2DM) without chronic heart failure. Thirteen normaglycemic men (non-diabetic group ­ NDG) and eight T2DM (diabetic group ­ DG) performed a cardiopulmonary exercise test (CPX) on motor treadmill (test initiated at 3 km.h-1 with an increment of 1 km.h-1 every two minutes) to evaluate respiratory function, cardiovascular parameters and exercise tolerance. Workload and oxygen uptake ( O2) values at ventilatory threshold were signifi cantly lower for DG (DG: 5.6 ± 0.5 km/h and 13.1 ± 3.8 mL.(kg.min)-1; NDG: 6.5 ± 0.5 km/h and 16.4 ± 2.8 mL.(kg.min)-1; p < 0.05). Peak O2 and workload were signifi cantly lower for DG (22.7 ± 5.7 mL.(kg.min)-1;8.2 ± 0.7 km/h) when compared with NDG (30.8 ± 5.4 mL.(kg.min)-1; 11.6 ± 1.5 km/h). Oxygen uptake effi ciency slope (OUES) and circulatory power were signifi cantly lower (p < 0.05) in DG, although no signifi cant alterations were found in functional capacity and ventilatory effi ciency. T2DM in absence of chronic heart failure presented exercise intolerance and lower cardiorespiratory fi tness. Peak circulatory power and OUES were also reduced in these individuals....(AU)


Foi comparar a tolerância ao exercício, funções respiratória e cardiovascular entre indivíduos não diabéticos e diabéticos tipo 2 sem doenças crônicas cardíacas. Treze homens normoglicêmicos (NDG) e oito homens diabéticos tipo 2 (DG) que realizaram um teste cardiopulmonar de esforço (TCPE) em uma esteira motorizada (o teste iniciou-se em 3km.h-1 com incremento de 1km.h-1 a cada dois minutos) que avaliou a função respiratória, parâmetros cardiovasculares e tolerância ao exercício. Valores de consumo de oxigênio e intensidades na intensidade do limiar ventilatório foram signifi cativamente menores para o DG (DG: 5,6 ± 0,5 km/h-1 e 13,1 ± 3,8 ml.(kg.min)-1; NDG: 6,5 ± 0,5 km/h-1 e 16,4 ± 2,8 ml.(kg.min)-1; p < 0,05). Consumo de oxigênio pico e intensidade associada foram signifi cativamente menores para o DG (DG: 22,7 ± 5,7 ml.(kg.min)-1; 8,2 km/h-1 ± 0,7 km/h-1) quando comparado com o NDG (30,8 ± 5,4 ml.(kg.min)-1; 11,6 ± 1,5 km/h). Oxygen uptake effi ciency slope (OUES) e circulatory power foram signifi cativamente menores para o DG (p < 0,05) embora não foram encontradas diferenças signifi cativas na efi ciência ventilatória. Em indivíduos portadores de diabetes tipo 2, mesmo sem a presença conhecida de doenças cardiovasculares, apresentaram menores níveis de condicionamento cardiorrespiratório e tolerância ao exercício. Circulatory power pico e OUES também foram reduzidos nesses indivíduos....(AU)


Subject(s)
Humans , Male , Diabetes Mellitus , Exercise Test , Heart Failure , Heart Function Tests , Physical Education and Training
2.
Rev. bras. med. esporte ; 20(1): 21-25, Jan-Feb/2014. tab
Article in Portuguese | LILACS | ID: lil-704734

ABSTRACT

INTRODUÇÃO: Muitos trabalhos têm estudado o comportamento hormonal nos exercício resistido, entretanto poucos relacionam os hormônios cortisol, GH e insulina. OBJETIVO: Estudar os ajustes das concentrações plasmáticas dos hormônios cortisol, GH e insulina em exercícios resistidos de mesma intensidade com relação à massas musculares distintas. MÉTODOS: Dez voluntários, com 20,3 ± 4,2 anos, 74,1 ± 10,2 kg de peso, 177,2 ± 4,6 cm de estatura e 23,8 ± 3,2 kg/m2 de IMC, realizaram uma sessão de leg press (LP) e supino reto (SR) com quatro séries com 10 repetições a 70% 1 RM com três minutos de intervalo. Foram coletadas amostras de sangue para dosagem das concentrações plasmáticas de cortisol, GH e insulina em repouso (Pré) e em 0' (Rec. 0'), 30' (Rec. 30') e 90' (Rec. 90') de recuperação. RESULTADOS: As concentrações plasmáticas de cortisol foram significativamente reduzidas ao final da recuperação em LP (2,20±0,37 ng/dl para 1,33±0,38ng/dl) em relação à pré-dosagem. As concentrações de GH e insulina elevaram-se significativamente durante a recuperação. GH em LP foi significativamente maior em Rec. 0' (2,75±3,29 ng/ml para 9,60±5,32 ng/dl) do que em pré. A insulina elevou-se significativamente em Rec. 30' em LP (14,70±7,92 ulU/ml para 21,66 ± 8,61 ulU/ml) e em SR (6,17 ± 2,99 ulU/ml para 19,70 ± 13,8 ulU/ml) em relação à pré. As concentrações plasmáticas de insulina pré em LP foram significativamente superiores a SR (14,70 ulU/ml e 6,17 ± 2,99 ulU/ml). CONCLUSÃO: O exercício resistido promoveu diferentes ajustes nas concentrações hormonais de cortisol, GH e insulina durante o período de recuperação. .


INTRODUCTION: Many works have studied the hormonal behavior in resistance exercise, however, few relate the cortisol, GH and insulin hormones. OBJECTIVE: To study the adjustments of plasma concentrations of the cortisol, GH and insulin hormones in resisted exercises of the same relative intensity with different muscle musses. METHODS: Ten volunteers, aged 20.3 ± 4.2 years, weight 74.1 ± 10.2 Kg, 177.2 ± 4.6 cm of stature and 23.8 ± 3.2 Kg/m2 of BMI, underwent a session of leg press (LP) and bench press (BP) with four sets of 10 repetitions at 70% 1 RM with three minutes apart. We collected blood samples to measure plasma concentrations of cortisol, GH and insulin at rest (Pre) and 0' (Rec. 0'), 30' (Rec. 30') and 90' (Rec. 90') of recovery. RESULTS: Plasma concentrations of cortisol decreased significantly at the end of the recovery in LP (2.20 ± 0.37 ng/dl to 1.33 ± 0.38 ng/dl) compared to pre. The GH and insulin concentrations significantly increased during recovery. GH was significantly higher in LP Rec. 0' (2.75 ± 3.29 ng/ml to 9.60 ± 5.32 ng/dl) than in pre. Insulin was significantly elevated in Rec. 30' in LP (14.70 ± 7.92 ulU/ml to 21.66 ± 8.61 ulU/ml) and BP (6.17 ± 2.99 ulU/ml to 19.70 ± 13.8 ulU/ml) for pre. The plasma insulin concentrations pre PL were significantly higher in the BP (14.70 ulU/ml and 6.17 ± 2.99 ulU/ml). CONCLUSION: Resisted exercise promoted different adjustments in hormone concentrations of cortisol, GH and insulin during the recovery period. .


INTRODUCCIÓN: Muchos trabajos han estudiado el comportamiento hormonal en el ejercicio de resistencia, sin embargo, pocos se refieren el cortisol, GH y las hormonas insulina. OBJETIVO: Estudiar los ajustes de las concentraciones plasmáticas de las hormonas cortisol, GH e insulina en ejercicios resistidos, de igual intensidad, en relación con las masas musculares diferentes. MÉTODOS: Diez voluntarios, con 20,3 ± 4,2 años, 74,1 ± 10,2 kg de peso, 177,2 ± 4,6 cm de estatura y 23,8 ± 3,2 kg/m2 de IMC, realizaron una sesión de leg press (LP) y supino recto (SR) con cuatro series, de 10 repeticiones a 70% 1 RM, con tres minutos de intervalo. Se recolectaron muestras de sangre para dosificación de las concentraciones plasmáticas de cortisol, GH e insulina en reposo (Pré) y en 0' (Rec. 0'), 30' (Rec. 30') y 90' (Rec. 90') de recuperación. RESULTADOS: Las concentraciones plasmáticas de cortisol se redujeron significativamente al final de la recuperación en LP (2,20±0,37 ng/dl para 1,33±0,38ng/dl) en relación con la predosificación. Las concentraciones de GH e insulina aumentaron significativamente durante la recuperación. GH en LP fue significativamente mayor en Rec. 0' (2,75±3,29 ng/ml para 9,60±5,32 ng/dl) en comparación con la predosificación. La insulina se elevó significativamente en Rec. 30' en LP (14,70±7,92 ulU/ml para 21,66 ± 8,61 ulU/ml) y en SR (6,17 ± 2,99 ulU/ml para 19,70 ± 13,8 ulU/ml) en relación con la predosificación. Las concentraciones plasmáticas de insulina, predosificación, en LP fueron significativamente superiores a SR (14,70 ulU/ml y 6,17 ± 2,99 ulU/ml). CONCLUSIÓN: El ejercicio resistido causó diferentes ajustes en las concentraciones hormonales de cortisol, GH e insulina durante el período de recuperación. .

3.
Clinics ; 68(9): 1247-1254, set. 2013. tab, graf
Article in English | LILACS | ID: lil-687758

ABSTRACT

OBJECTIVE: The objective of this study was to assess the effects of resistance training on oxidative stress markers in the livers of ovariectomized rats. METHOD: Adult Sprague-Dawley rats were divided into the following four groups (n = 8 per group): sham-operated sedentary, ovariectomized sedentary, sham-operated resistance training, and ovariectomized resistance training. During the resistance training period, the animals climbed a 1.1-m vertical ladder with weights attached to their tails; the sessions were conducted 3 times per week, with 4-9 climbs and 8-12 dynamic movements per climb. The oxidative stress was assessed by measuring the levels of reduced glutathione and oxidized glutathione, the enzymatic activity of catalase and superoxide dismutase, lipid peroxidation, vitamin E concentrations, and the gene expression of glutathione peroxidase. RESULTS: The results showed significant reductions in the reduced glutathione/oxidized glutathione ratio (4.11±0.65 nmol/g tec), vitamin E concentration (55.36±11.11 nmol/g), and gene expression of glutathione peroxidase (0.49±0.16 arbitrary units) in the livers of ovariectomized rats compared with the livers of unovariectomized animals (5.71±0.71 nmol/g tec, 100.14±10.99 nmol/g, and 1.09±0.54 arbitrary units, respectively). Moreover, resistance training for 10 weeks was not able to reduce the oxidative stress in the livers of ovariectomized rats and induced negative changes in the hepatic anti-oxidative/oxidative balance. CONCLUSION: Our findings indicate that the resistance training program used in this study was not able to attenuate the hepatic oxidative damage caused by ovariectomy and increased the hepatic oxidative stress. .


Subject(s)
Animals , Female , Rats , Liver/metabolism , Ovariectomy , Oxidative Stress , Resistance Training , Biomarkers/metabolism , Catalase/analysis , Glutathione/analysis , Lipid Peroxidation , Physical Conditioning, Animal/methods , Random Allocation , Rats, Sprague-Dawley , Real-Time Polymerase Chain Reaction , Reproducibility of Results , Time Factors , Treatment Outcome , Thiobarbituric Acid Reactive Substances/analysis , Vitamin E/analysis
4.
Arq. bras. cardiol ; 100(1): 44-51, jan. 2013. graf, tab
Article in Portuguese | LILACS | ID: lil-662383

ABSTRACT

FUNDAMENTO: A Tolerância ao Esforço Físico (TEF) é uma medida de condicionamento cardiorrespiratório. A capacidade aeróbica é reduzida na Insuficiência Cardíaca (IC), embora não haja dados disponíveis sobre esse parâmetro em animais com disfunção ventricular e sem sinais de IC. OBJETIVO: Avaliar a TEF em ratos com disfunção ventricular diastólica isolada ou associada com disfunção sistólica induzida pela Estenose da Aorta ascendente (EAo). MÉTODOS: Ratos Wistar machos jovens (20-30 dias de idade) foram divididos em Grupo Controle (GC, n = 11) e Grupo EAo (n = 12). Os animais foram avaliados em 6 e 18 semanas após a cirurgia para EAo. O teste ergométrico foi feito até a exaustão e foram avaliadas a velocidade da esteira e a concentração de lactato [LAC] no limiar de lactato, velocidade da esteira e [LAC] na exaustão, e tempo total do teste. RESULTADOS: Dados ecocardiográficos revelaram remodelação do átrio esquerdo e hipertrofia concêntrica ventricular esquerda em 6 e 18 semanas. A fração de encurtamento endocárdico mostrou-se maior no grupo EAo do que no GC em 6 e 18 semanas. A fração de encurtamento da parede média mostrou-se maior no grupo EAo do que no GC em 6 semanas. O índice cardíaco mostrou-se semelhante no GC e no grupo EAo em 6 e 18 semanas, tendo diminuído entre 6-18 semanas em ambos os grupos. A razão entre a onda E a onda A foi maior no GC do que no grupo EAo em ambos os períodos e não se alterou em ambos os grupos entre a semana 6 e a semana 18. Os parâmetros do teste de esforço na esteira foram semelhantes nos dois grupos tanto na semana 6 quanto na semana 18. CONCLUSÃO: Embora a EAo promova a disfunção diastólica isolada ou associada à disfunção sistólica, em 6 ou 18 semanas, ela não é suficiente para alterar a tolerância ao esforço físico.


BACKGROUND: Physical stress tolerance (ST) is a measurement of cardiorespiratory fitness. Aerobic capacity is reduced in heart failure (HF) although there is no data available on this parameter in animals with ventricular dysfunction and no signs of HF. OBJECTIVE: Evaluate ST in rats with ventricular diastolic dysfunction isolated or associated with systolic dysfunction induced by ascending aortic stenosis (AoS). METHODS: Young male Wistar rats (20-30 days old), divided in: control group (CG, n=11) and AoSG group, (n=12). Animals were assessed at 6 and 18 weeks after AoS surgery. Treadmill exercise test was until exhaustion and evaluated treadmill speed and lactate concentration [LAC] at lactate threshold, treadmill speed and [LAC] at exhaustion, and total testing time. RESULTS: Echocardiography data revealed remodeling of the left atrium and left ventricular concentric hypertrophy at 6 and 18 weeks. Endocardial fractional shortening was greater in AoSG than CG at 6 and 18 weeks. Midwall fractional shortening was greater in AoSG than in CG only 6 week. Cardiac index was similar in CG and AoSG at 6 and 18 weeks and decreased between from 6 to 18 weeks in both groups. The E wave to A wave ratio was greater in CG than in AoSG at both periods and did not change in both groups between week 6 and 18. Treadmill stress testing parameters were similar in both groups at 6 or 18 weeks. CONCLUSION: Although AoS promotes isolated diastolic dysfunction or associated with systolic dysfunction at 6 or 18 weeks, it is not sufficient to modify physical stress tolerance.


Subject(s)
Animals , Male , Rats , Aortic Valve Stenosis/physiopathology , Exercise Tolerance/physiology , Physical Conditioning, Animal/physiology , Stress, Physiological/physiology , Ventricular Dysfunction/physiopathology , Diastole/physiology , Echocardiography , Lactic Acid/blood , Rats, Wistar , Systole/physiology , Time Factors , Ventricular Remodeling/physiology
5.
Rev. bras. cineantropom. desempenho hum ; 14(1): 83-92, 2012. ilus, graf, tab
Article in Portuguese | LILACS | ID: lil-611243

ABSTRACT

O agachamento afundo possui um posicionamento dos membros inferiores diferencial em relação ao agachamento padrão, necessitando de maiores esclarecimentos acerca das participações dos músculos envolvidos. O objetivo foi analisar a atividade eletromiográfica dos músculos vastus lateralis (VL), vastus medialis (VM), bíceps femoris (BF) e semitendinosus (ST) durante a execução do agachamento afundo até à exaustão com o membro inferior posicionado frontalmente e posteriormente. Participaram do estudo nove mulheres ativas com média (DP) de idade de 22 (3,4) anos e massa corporal 60,3 (4,1) kg. O agachamento afundo foi dividido em duas etapas, diferindo apenas o posicionamento do membro inferior dominante (randomizado). Os sinais eletromiográficos foram captados utilizando um eletromiógrafo e analisados os valores "root mean square" (RMS) na fase concêntrica. Os resultados indicaram um aumento significativo do RMS em função do tempo para o membro inferior posicionado frontalmente e posteriormente (p< 0,001). No membro posicionado frontalmente, o aumento do RMS correspondeu a 50 por cento para o VL, 54 por cento para o VM e 48 por cento para o BF. O membro posicionado posteriormente apresentou um aumento de 75 por cento para o VL, 113 por cento para o VM, 62 por cento para o BF e 48 por cento para o ST. O RMS também foi significativamente maior no músculo VM em relação ao ST no membro inferior posicionado anteriormente (p = 0,03) e em relação ao ST e BF no membro inferior posicionado posteriormente (p = 0,02). Não ocorreu interação significativa entre o efeito do tempo e músculo na atividade eletromiográfica. O RMS normalizado não apresentou diferenças estatisticamente significativas no que se refere ao posicionamento do membro inferior dominante. A atividade muscular foi semelhante em ambos os posicionamentos do membro inferior, apresentando maior aumento de ativação dos músculos VL e VM em relação ao BF e ST.


The position of lower limbs during lunge is different from squat without clear understanding on differences in muscle activation. The objective was to compare the electromyographic activity of the vastus lateralis (VL), vastus medialis (VM), biceps femoris (BF) and semitendinosus (ST) during the execution of the lunge to exhaustion of the lower limb, changing position of the legs frontally and posteriorly. Nine active women participated of this study with a mean (SD) age of 22 (3.4) years and body mass 60.3 (4.1) kg. The lunge was divided in two phases, changing the forward leg (random order). The electromyographic signals were captured by an eletromyograph, and the root mean square (RMS) values were analyzed during the concentric phase. There was a significant increase of the RMS in time for the LL positioned frontally and posterior (p< 0,001). For the forward position, the increase of RMS was 50 percent for VL, 54 percent for VM and 48 percent for BF. The backward position had an increase of 75 percent for VL, 113 percent for VM, 62 percent for BF and 48 percent for ST. The RMS was significantly higher for VM than for ST the forward position (p = 0,03) and ST and BF for the backward position (p = 0,02). No interaction was observed between time and muscle in the electromyigraphic activity. The normalized RMS was not statistically different comparing the forward and backward position of the dominant leg. Muscle activity was similar in both positions of the LL, showing increased activation of the VM and VL muscles in relation to the BF and ST.

6.
Rev. bras. med. esporte ; 16(4): 278-281, jul.-ago. 2010. graf, tab
Article in Portuguese | LILACS | ID: lil-555938

ABSTRACT

Foi investigada a influência do gênero no tempo limite (Tlim) e na cinética do VO2 durante corrida na velocidade associada ao VO2max (vVO2max) em nove homens e nove mulheres, todos adultos, jovens e sedentários, com idades entre 20 e 30 anos. Homens e mulheres realizaram dois testes em esteira rolante, sendo um teste incremental para determinar VO2max (42,66 ± 4,50 vs. 32,92 ± 6,03mL.kg-1.min-1) e vVO2max (13.2 ± 1.5 vs. 10,3 ± 2,0km.h-1), respectivamente. Um segundo teste com carga constante na vVO2max até a exaustão. O Tlim e a cinética do VO2 foram determinados. Não houve diferença significante entre homens e mulheres para constante de tempo (τ) (35,76 ± 21,03 vs. 36,5 ± 6,21s, respectivamente; P = 0,29); Tlim (308 ± 84,3 vs. 282,11 ± 57,19s, respectivamente; P = 0,68), tempo para atingir o VO2max (TAVO2max) (164,48 ± 96,73 vs. 167,88 ± 28,59s, respectivamente; P = 0,29), tempo para atingir o VO2max em percentual do Tlim ( por centoTlim) (50,24 ± 16,93 vs. 62,63 ± 16,60 por cento, respectivamente; P = 0,19), tempo mantido no VO2max (TMVO2max) (144,08 ± 42,55 vs. 114,23 ± 76,96s, respectivamente; P = 0,13). Estes resultados sugerem que a cinética do VO2 e o Tlim são similares entre homens e mulheres sedentários na vVO2max.


The aim of this study was to investigate the influence of gender on Tthre and VO2 response during running exercise performed at vVO2max. Therefore, eighteen untrained individuals (9 male and 9 female) with normal weight and aged between 20 - 30 years (VO2max = 42.66 ± 4.50 vs 32.92 ± 6.03 mL.kg-1.min-1 and vVO2max = 13.2 ± 1.5 vs 10.3 ± 2.0 km.h-1, for male and female, respectively) were assessed. Subjects performed two exercise tests on treadmill. First one was an incremental test to determine VO2max, velocity at VO2max (vVO2max) and second test was performed at steady velocity - vVO2max - until exhaustion. The threshold time (Tthre) and VO2 kinetics response was determined. No significant differences were observed between men and women for time constant (τ) (35.76 ± 21.03 vs 36.5 ± 6.21s, respectively; P = 0.29); Tthre (308 ± 84.3 vs 282.11 ± 57.19s, respectively; P = 0.68), time to achieve VO2max (TAVO2max) (164.48 ± 96.73 vs 167.88 ± 28.59s, respectively; P = 0.29), time to achieve VO2max in Tthre percentage ( percentTthre) (50.24 ± 16.93 vs 62.63 ± 16.60 percent, respectively; P = 0.19); time maintained at VO2max (TMVO2max) (144.08 ± 42.55 vs 114.23 ± 76.96s, respectively; P = 0.13). These results suggest that the VO2 kinetics response and Tthre is similar between untrained men and women at the vVO2max.


Subject(s)
Humans , Male , Female , Oxygen Consumption/physiology , Exercise Test , Kinetics , Sex Distribution , Exercise Tolerance/physiology
7.
Rev. bras. med. esporte ; 13(3): 185-189, maio-jun. 2007. ilus, tab
Article in English, Portuguese | LILACS | ID: lil-472214

ABSTRACT

O objetivo do presente estudo foi determinar a tolerância à acidose através de uma série de nados intervalados de alta intensidade e relacionar com a velocidade de limiar anaeróbio (VLan), concentração de lactato sanguíneo de pico ([Lac]pico), capacidade de trabalho anaeróbio (CTA), freqüência de braçada (fB), comprimento de braçada (CB) e índice de braçada (IB) na predição da performance de 100m de natação. Dez nadadores realizaram seis nados máximos de 100m no estilo crawl com intervalo de seis minutos. Amostras de sangue foram coletadas cinco minutos após cada nado para posterior análise de lactacidemia ([Lac]). Através da razão entre [Lac] e os respectivos tempos de execução dos seis nados, determinou-se a tolerância à acidose (TA). O número de braçadas realizadas durante os seis esforços foi anotado para determinação da fB, CB, IB. Um nado máximo de 100m foi utilizado como parâmetro de performance (P100) e amostras de sangue foram coletadas para determinação da concentração de lactato sanguíneo de pico ([Lac]pico). Três esforços progressivos de 400m foram realizados para determinação da VLan correspondente à concentração fixa de 3,5mM de lactato. Esforços máximos de 200 e 400m foram realizados para determinação da CTA por regressão linear (coeficiente linear). Os resultados apresentaram significativas correlações (p < 0,05) da TA com VLan (r = 0,77), [Lac]pico (r = 0,81), CB (r = 0,85) e IB (r = 0,84). Além disso, a P100 foi correlacionada com VLan (r = 0,88), TA (r = 0,95), [Lac]pico (r = 0,77), CB (r = 0,97) e IB (r = 0,96). Conclui-se que a TA determinada a partir de série de treinamento intervalado de alta intensidade parece ser útil para determinar a aptidão anaeróbia e predizer a performance de 100m de natação, além de ser influenciada pelo CB e IB.


The aim of the present study was to determine the acidosis tolerance through one high intensity interval swim serie and to relate with anaerobic threshold speed (ATS), blood lactate peak concentration ([Lac]peak), anaerobic work capacity (AWC), stroke rate (SR), stroke length (SL) and stroke index (SI) in swimming 100 m performance prediction. Ten swimmers performed six maximal swims along 100 m by crawl style with 6 minutes for a rest. Blood samples were taken 5 minutes before each swim for lactate analyses ([Lac)]. Through the division of the [Lac] for the time to complete the 6 swims, was determined acidosis tolerance (AT). The numbers of strokes in the six efforts were taken for SR, SL and SI determination. A maximal 100 m swim was considered as performance parameter (P100) and blood samples were taken for blood lactate peak concentration determination ([Lac]peak). Three progressive efforts along 400 m were accomplished for ATS determination corresponding to 3.5 mM lactate fixed concentration; 200 and 400 m maximal efforts were accomplished for AWC determination by linear regression (linear coefficient). The results showed significant correlations (p < 0.05) of AT with ATS (r = 0.77), [Lac]peak (r = 0.81), SL (r = 0.85) and SI (r = 0.84). Moreover, P100 was correlated with ATS (r = 0.88), AT (r = 0.95), [Lac]peak (r = 0.77), SL (r = 0.97) and SI (r = 0.96). It was concluded that AT determined through a high intensity training series appears to be useful to anaerobic fitness determination and 100 m swim performance prediction, besides suffer SL and SI influence.


Subject(s)
Humans , Male , Female , Anaerobic Threshold , Athletic Performance , Lactic Acid/analysis , Acidosis, Lactic/blood , Swimming
8.
Clinics ; 62(2): 113-120, Apr. 2007. graf, tab
Article in English | LILACS | ID: lil-449649

ABSTRACT

OBJECTIVE: To evaluate the influence of physical training with or without noninvasive ventilation at 2 levels of pressure in the airways (BiPAP®) in patients with chronic obstructive pulmonary disease. METHODS: Eighteen patients with FEV1 = 34 ± 8 percent of predicted values, mean age of 68 ± 9 years were randomly distributed into 2 groups, one group performing physical training on a treadmill and the other group performing physical training associated with BiPAP® (physical training+B), for 30 minutes, 3 times a week for 12 weeks. The training velocity was based on a test of cardiopulmonary force performed pre- and postintervention, which registered the values for heart rate, systolic blood pressure, diastolic blood pressure, peripheral oxygen saturation, blood lactate, sensation of dyspnea, respiratory muscle strength, and analysis of gases expired such as oxygen consumption and the production of carbon dioxide. RESULTS: For both groups, there was a significant improvement in dyspnea and peripheral oxygen saturation at identical levels of physical exercise, in distance walked during the physical training, and in respiratory muscle strength (P < 0.05). Only the physical training+B group had a significant improvement in heart rate, systolic blood pressure, and oxygen consumption after training (P < 0.05). Significant reductions of blood lactate were observed at identical levels of exercise in physical training+B when compared to isolated physical training (from 1.3 ± 0.7 mMol/L versus 2.5 ± 0.9 mMol/L, (P < 0.05), respectively). CONCLUSION: Physical training associated with BiPAP® enhanced the oxidative muscular capacity and could be an adjunctive recourse for physical rehabilitation in patients with chronic obstructive pulmonary disease.


OBJETIVO: Avaliar a influência do treinamento físico, com e sem ventilação não invasiva com dois níveis de pressão nas vias aéreas (BiPAP®), em pacientes com doença pulmonar obstrutiva crônica. MÉTODOS: Dezoito pacientes com VEF1=34±8 por cento do previsto, idade média de 68±9 anos, foram randomicamente distribuídos em dois grupos, um grupo realizando treinamento físico em esteira e outro grupo realizando treinamento físico associado ao BiPAP® (treinamento físico+B), durante 30 minutos, 3 vezes por semana, por 12 semanas. A velocidade do treinamento foi baseada no teste cardiopulmonar realizado pré e pós-intervenção, com registro dos valores de freqüência cardíaca, pressão arterial sistólica, pressão arterial diastólica, saturação periférica de oxigênio, lactato sanguíneo, sensação de dispnéia, força muscular respiratória e análise de gases expirados como consumo de oxigênio, produção de dióxido de carbono. RESULTADOS: Em ambos os grupos houve melhora significativa na dispnéia e saturação periférica de oxigênio no mesmo nível de esforço, na distância percorrida no teste cardiopulmonar e na força muscular respiratória (p<0,05). Somente o grupo treinamento físico+B teve melhora significativa de freqüência cardíaca, pressão arterial sistólica e consumo de oxigênio após treinamento (p<0,05). Além disso, significativa redução do lactato sanguíneo foi observada para o mesmo nível de exercício no grupo treinamento físico+B quando comparado com treinamento físico isolado (1,3±0,7 e 2,5±0,9mMol/L, p<0,05, respectivamente). CONCLUSÃO: O treinamento físico associado com BiPAP® aumenta a capacidade muscular oxidativa, e pode ser um recurso coadjuvante da reabilitação física de pacientes com doença pulmonar obstrutiva crônica.


Subject(s)
Aged , Female , Humans , Male , Exercise Therapy , Pulmonary Disease, Chronic Obstructive/rehabilitation , Respiration, Artificial , Exercise Test , Oxygen Consumption/physiology , Pulmonary Gas Exchange/physiology , Respiratory Physiological Phenomena , Severity of Illness Index , Treatment Outcome
9.
Rev. bras. med. esporte ; 12(6): 333-338, nov.-dez. 2006. tab, graf
Article in Portuguese | LILACS | ID: lil-454212

ABSTRACT

Com o objetivo de analisar a possibilidade de identificar o limiar glicêmico (LG), bem como comparar e correlacionar as intensidades dos limiares glicêmico e de lactato (LL) em exercícios resistidos incrementais, 12 voluntários do sexo masculino (24,4 ± 1,2 anos) adaptados ao exercício resistido foram submetidos a testes incrementais realizados nos exercícios leg press 45° (LP) e supino reto (SR). As intensidades aplicadas nos estágios incrementais de 1 min foram de 10 por cento, 20 por cento, 25 por cento, 30 por cento, 35 por cento, 40 por cento, 50 por cento, 60 por cento, 70 por cento, 80 por cento e 90 por cento da carga máxima (1RM) determinada anteriormente, ou até a exaustão voluntária. As coletas sanguíneas para as dosagens das concentrações de lactato e glicose sanguínea foram realizadas durante os 2 min de pausa entre os estágios (YSI 2300 S). O comportamento da glicemia e lactatemia foram similares em ambos os exercícios estudados. Não foram encontradas diferenças significativas (p > 0,05) entre as percentuais de 1RM nos limiares lactatêmicos e glicêmicos observados, respectivamente, no LP (36,6 ± 1,4 por cento e 32,9 ± 1,5 por cento) e SR (31,2 ± 1,2 por cento e 31,2 ± 1,8 por cento). Alta correlação foi observada entre os limiares glicêmico e lactatêmico identificados tanto no LP (r = 0,80; p < 0,001) quanto no SR (r = 0,73; p < 0,006). Concluiu-se que foi possível identificar os limiares de lactato e glicêmico em exercícios resistidos incrementais. No entanto, o significado desses limiares bem como sua validade para avaliação funcional e prescrição de exercícios devem ser melhor investigados.


The purpose of this study was to verify the possibility of identifying the blood glucose threshold (GT) as well as to compare and correlate the GT with the lactate threshold (LT) during resistance exercises. Twelve healthy male volunteers aged 24.4 ± 1.2 years and adapted to resistance training were submitted to an incremental resistance exercise with graded intensities according to their maximal workload (kg) performed for 1 repetition (1RM) on both leg press (LP) and bench press (BP). The intensities applied for each 1 min stage were of 10 percent, 20 percent, 25 percent, 30 percent, 35 percent, 40 percent, 50 percent, 60 percent, 70 percent, 80 percent and 90 percent of 1RM, respectively, or until volitional exhaustion. Blood lactate and glucose measurements were done each 2 min rest between each stage (YSI 2300 S). The blood lactate and glucose responses were similar for both exercises. No differences were verified for the relative intensity ( percent 1RM) at which the inflection point of blood lactate and glucose curves were observed respectively for LP (36.6 ± 1.4 percent and 32.9 ± 1.5 percent) and BP (31.2 ± 1.2 percent and 31.2 ± 1.8 percent) (p > 0.05). Additionally, a high correlation was verified between LT and GT identified both on LP (r = 0.80) and SR (r = 0.73) (p < 0,05). It was concluded that it is possible to identify the LT and GT on resistance exercises. However, additional studies should investigate the meaning of these thresholds and their validity for exercise evaluation and training prescription.


Con el objetivo de analizar la posibilidad de identificar el límite glicémico (LG), bien como comparar y correlacionar las intensidades de los límites glicémico y de lactato (LL) en ejercicios continuos incrementales, doce voluntarios del sexo masculino (24,4 ± 1,2 años) adaptados al ejercicio continuo fueron sometidos a tests incrementales realizados en los ejercicios leg press 45° (LP) y supino recto (SR). Las intensidades aplicadas en las etapas incrementales de 1 min fueron 10 por ciento, 20 por ciento, 25 por ciento, 30 por ciento, 35 por ciento, 40 por ciento, 50 por ciento, 60 por ciento, 70 por ciento, 80 por ciento y 90 por ciento de la carga máxima (1RM) determinada anteriormente, o hasta la extenuación voluntaria. Las colectas sanguíneas para los dosajes de las concentraciones de lactato y glicosis sanguínea fueron realizadas durante los 2 min de pausa entre las etapas (YSI 2300 S). El comportamiento de glicemia y lactatemia fueron similares en ambos ejercicios estudiados. No se encontraron diferencias significativas (p > 0,05) entre los percentiles de 1RM en los límites lactatémicos y glicémicos observados respectivamente en LP (36,6 ± 1,4 por ciento y 32,9 ± 1,5 por ciento) y SR (31,2 ± 1,2 por ciento y 31,2 ± 1,8 por ciento). Se observó alta correlación entre los límites glicémico y lactacidémico identificados tanto en LP (r = 0,80; p < 0,001) como en SR (r = 0,73; p < 0,006). Concluimos que fue posible identificar los límites de lactato y glicemia en ejercicios continuos incrementales. Sin embargo, el significado de estos límites así como su validez para la evaluación funcional y prescripción de ejercicios deben ser mejor investigados.


Subject(s)
Humans , Male , Young Adult , Anaerobic Threshold , Lactic Acid/blood , Exercise , Resistance Training
10.
Ciênc. rural ; 36(2): 509-513, mar.-abr. 2006. tab, graf
Article in Portuguese | LILACS | ID: lil-423190

ABSTRACT

Colheu-se sangue de 13 eqüinos competindo na prova de Fundo do Concurso Completo de Equitação, categoria internacional três estrelas, e dosou-se lactato sangüíneo na manhã antes da prova, antes e imediatamente depois das fases B e D e 10 minutos após a fase D. Foi observado aumento significativo nas concentrações de lactato apenas após o término da fase D, demonstrando que os animais foram submetidos a um grande esforço físico, com desenvolvimento de acidose metabólica decorrente do acúmulo de lactato. Houve diminuição significativa dos valores dez minutos após o término do cross-country, exceto para o eqüino de número 12, único animal a completar o percurso dentro do tempo estipulado, o qual apresentou sinais clínicos de exaustão.


Subject(s)
Blood , Horses , Lactic Acid , Data Interpretation, Statistical
11.
Rev. bras. med. esporte ; 11(4): 219-223, jul.-ago. 2005. tab, graf
Article in Portuguese | LILACS | ID: lil-418486

ABSTRACT

O limiar anaeróbio individual (IAT), o limiar glicêmico individual (IGT), a velocidade associada ao VO2max (Vmax), a velocidade média em corrida de 3.000m (Vm3km) e a velocidade crítica (VC) têm sido utilizados na avaliação aeróbia e prescrição de exercício para atletas-corredores. No entanto, estudos comparando estes parâmetros e sua possível aplicação para indivíduos não atletas ainda não foram realizados. Os objetivos do presente estudo foram comparar e estabelecer as relações entre IAT, IGT, Vmax, Vm3km e VC em indivíduos fisicamente ativos não atletas. Onze indivíduos fisicamente ativos e saudáveis (20,7 ± 1,8 anos; 74,2 ± 14,5kg; 48,9 ± 5,8mlO2.kg.min-1) realizaram randomicamente os seguintes testes de corrida em dias distintos: 1) determinação da Vm3km a partir do desempenho em corrida de 3.000m; 2) desempenho em corrida de 500m e 3) teste incremental em esteira ergométrica para determinação do IAT, IGT, VO2max e Vmax. A VC foi determinada por regressão linear (relação distância-tempo) a partir dos testes de 3km e 500m. Não foram verificadas diferenças entre as velocidades do IAT e IGT (184,8 ± 27,7 e 182,8 ± 27,9m.min-1; P > 0,05), e entre Vmax e Vm3km (211,1 ± 30 e 213,4 ± 32,2m.min-1; P > 0,05). Apesar da alta correlação entre as variáveis estudadas, a VC (199,8 ± 30,4m.min-1) superestimou o IAT e o IGT (P < 0,001). Concluímos que a Vm3km pode ser utilizada como referência de Vmax e que a VC identificada em pista pode ser útil para avaliar a aptidão aeróbia e identificar domínios de intensidade de exercício para indivíduos jovens fisicamente ativos, mas não como referência de limiar anaeróbio.


Subject(s)
Humans , Running/physiology , Exercise , Blood Glucose/metabolism , Anaerobic Threshold/physiology , Oxygen Consumption , Guidelines as Topic , Physical Endurance/physiology
12.
Rev. nutr ; 18(3): 349-356, maio-jun. 2005. tab, graf
Article in Portuguese | LILACS | ID: lil-415965

ABSTRACT

OBJETIVO: Avaliar os níveis de L-carnitina livre no plasma, o estado nutricional, a função pulmonar e a tolerância ao exercício em pacientes com doença pulmonar obstrutiva crônica e verificar as correlações entre a composição corporal e as frações de L-carnitina no plasma. MÉTODOS: Quarenta pacientes entre 66,2±9 anos, com diagnóstico clínico de doença pulmonar obstrutiva crônica, foram divididos em dois grupos: G1, com índice de massa corporal menor que 20kg/m², e G2, com índice de massa corporal maior que 20kg/m². Foram mensurados os parâmetros espirométricos, a tolerância ao exercício no teste de caminhada, a força muscular respiratória, a composição corporal por meio da impedância bioelétrica e as dosagens da L-carnitina plasmática, através de amostras de sangue. RESULTADOS: Foram observados menores valores das variáveis espirométricas (p<0,01), da força muscular respiratória e dos níveis de L-carnitina nos pacientes do G1; porém, não houve diferença entre os grupos quanto à capacidade de realizar exercício físico dinâmico de baixa intensidade. Correlações significativas entre o percentual de gordura e os níveis de L-carnitina plasmática foram observadas nos pacientes (r=0,53 com p<0,002); sendo que, nos pacientes com índice de massa corporal menor que 18kg/m², essa relação aumentou (r<0,73 com p<0,01). CONCLUSAO: Na doença pulmonar obstrutiva crônica, a desnutrição está associada tanto aos prejuízos da função pulmonar e da força muscular respiratória, quanto aos baixos níveis de L-Carnitina plasmática.


Subject(s)
Middle Aged , Humans , Carnitine , Nutritional Status , Nutrition Disorders , Body Composition/physiology , Pulmonary Disease, Chronic Obstructive/physiopathology , Electric Impedance
13.
Rev. bras. med. esporte ; 10(6): 475-486, nov.-dez. 2004. tab, graf
Article in Portuguese, English | LILACS | ID: lil-398536

ABSTRACT

O objetivo do estudo foi verificar a possibilidade de determinar o teste de lactato mínimo (TLM) com concentrações de sódio (Na+), potássio (K+) e lactato (LAC) na saliva em ergômetro de braço e cicloergômetro. Foram participantes deste estudo oito mesa-tenistas de nível internacional. Como estímulo anaeróbio no TLM em ambos os ergômetros foram utilizados testes máximos de 30 segundos. No ergômetro de braço isocinético (Cybex Ube 2432) foi aplicada a força máxima com rotação fixa em 102rpm e no cicloergômetro, aplicada a carga de 7,5 por cento do peso corporal (Kp). Após o estímulo anaeróbio no ergômetro de braço, foi iniciado um teste incremental com rotações na manivela constante a 60rpm, iniciado a 49 watts com aumento de 16 watts a cada estágio de três minutos de exercício. A intensidade correspondente ao TLM foi determinado com amostras de sangue e saliva (LACmin braço; Na+min braço-saliva e K+min braço-saliva, respectivamente). Para o cicloergômetro, a carga inicial foi de 85 watts e aumento de 17 watts com rotação do pedal constante a 70rpm. Cada estágio de exercício também teve a duração de três minutos. O LACmin foi determinado utilizando amostras de sangue e saliva (LACmin ciclo; Na+min ciclo-saliva, K+min ciclo-saliva e LACmin ciclo-saliva, respectivamente). Em ambos os ergômetros, as intensidades obtidas no TLM foram correspondentes à derivada zero do ajuste polinomial entre metabólito versus intensidade. Foram utilizados, como procedimentos estatísticos, o teste ANOVA One Way, teste t de Student pareado e teste de correlação de Pearson com níveis de significância de 5 por cento. Os LACmin determinados com amostras de sangue e de saliva, tanto para o ergômetro de braço (LACmin braço 91,71 ± 12,43; Na+min braço-saliva 71,99 ± 23,42; K+min braço-saliva 79,67 ± 17,72), quanto para cicloergômetro (LACmin ciclo 157,68 ± 13,48; LACmin ciclo-saliva 135,49 ± 33,2; Na+min ciclo-saliva 121,81 ± 51,31; K+min ciclo-saliva 135,49 ± 33,21), não foram diferentes...


Subject(s)
Humans , Male , Anaerobic Threshold , Analysis of Variance , Lactic Acid/metabolism , Lactic Acid/blood , Exercise Test , Exercise/physiology , Homeostasis/physiology , Saliva/metabolism , Tennis
14.
Rev. bras. educ. fís. esp ; 18(2): 201-212, abr.-jun. 2004. tab, graf
Article in Portuguese | LILACS | ID: lil-496260

ABSTRACT

Os objetivos do presente estudo foram comparar diferentes protocolos lactacidímicos e analisar avalidade do menor valor glicímico para a determinação do limiar anaeróbio em natação. Dez nadadores treinados (19,4 mais ou menos 1,6 anos) participaram de quatro a cinco avaliações separadas por 48 ou 72 h em piscina de 25 m. A velocidade de máximo estado estável de lactato (VMEE) foi determinada a partir da resposta lactacidímica a esforços de 2000 m em intensidade constante, enquanto as velocidades de limiar de lactato (VLL) e menor glicemia (V 0,05) de VLL (1,27 mais ou menos 0,10 m.s-1) e V < GLIC (1,25 mais ou menos 0,09 m.s-1). A lactacidemia relativa a VLM (7,05 mais ou menos 2,52 mM) foi significativamente maior (p < 0,05) que aquelas relativas a VMEE (4,41 mais ou menos 1,27 mM) e VLL (3,41 mais ou menso 1,38 mM). Esses dados sugerem que o teste de lactato mínimo superestima o máximo estado estável e que o menor valor glicímico constitui um bom indicador do limiar anaeróbio também durante a natação.


Subject(s)
Adult , Humans , Lactic Acid/analysis , Lactic Acid/blood , Anaerobic Threshold , Glucose , Swimming
15.
Rev. bras. educ. fís. esp ; 18(1): 31-46, jan.-mar. 2004. ilus, tab, graf
Article in Portuguese | LILACS | ID: lil-420535

ABSTRACT

A razão entre as concentrações dos hormônios Testosterona e Cortisol (T/C) tem silo utilizada para um melhor controle das cargas de treinamento. Os objetivos deste estudo foram investigar e comparar o comportamento da razão T/C e sue relação com o volume e intensidade realizados durante um período de treinamento de atletas velocistas e fundistas. Corredores velocistas (CV-25,8 ± 3,5anos; 174 ± 7,2 cm, 71,1 ± 3,7 kg; n = 6) e fundistas (CF-27,5 ± 8,7 anos, 174 ± 3,8 cm, 67,7 ± 5,8 kg; n = 6), executaram o seguinte teste padronizado de corrida pré e pós um mesociclo de treino: 1 x 500 m a máxima intensidade e 6 x 800 m progressivos. Sangue venoso (5 ml) foi coletado em repouso, após a corrida de 500 m e ao final de 6 x 800 m para determinação das concentrações de testosterona e cortisol (radioimunoensaio). Os fundistas realizaram um maior volume de treinamento, enquanto os velocistas realizaram treinamentos de menor volume, porem mais intensos e com maior participação anaeróbia. Não houve diferença significante para os valores médios da razão T/C para ambos os grupos após o período de treinamento. No entanto, quando se observa o comportamento individual da razão T/C, note-se uma resposta adaptativa adequada para alguns indivíduos e inadequadas para outros, sendo que a maior incidência de queda da razão T/C foi observada entre os CF. Conclui-se que a utilização da razão T/C para o controle das cargas de treinamento deve ser feita individualmente, e que aparentemente esta variável sofre uma maior influência do volume do treinamento do que da intensidade do mesmo.


Subject(s)
Male , Humans , Hydrocortisone , Physical Education and Training , Testosterone
16.
J. Health Sci. Inst ; 21(4): 337-343, out.-dez. 2003. graf
Article in Portuguese | LILACS | ID: lil-389323

ABSTRACT

O aumento da parcela da população idosa é urna realidade mundial. Os benefícios dos exercícios à saúde são reconhecidos cientificamente. Dentre os componentes de um programa de treinamento físico, a discriminação da intensidade é crucial. Neste contexto, o limiar de lactato (LL) tem sido considerado um excelente critério para a prescrição da intensidade. Além disso, o LL tem sido amplamente investigado em fisiologia do exercício, devido à sua utilidade na avaliação, prescrição e predição de performance. Apesar disso, raros estudos abordam-no em relação ao envelhecimento. Embora o LL tenha sido pouco estudado em idosos, sua aplicabilidade tem aumentado em populações especiais como diabéticos e cardiopatas. Isso porque sua determinação não necessita conduzir o indivíduo até o esforço máximo. Dentre as várias alterações relacionadas ao comportamento do jactado e o envelhecimento, destaca-se: redução na lactacidemia máxima após um esforço máximo; um aumento no LL expresso em percentual do VO, (85por cento versus 50-60por cento em jovens sedentários); uma diminuição na capacidade para empreender esforços anaerábios (queda na capacidade de reserva - CR). O somatório da diminuição do VO, com o aumento do LL em por cento do VO, 2max causaria a redução da CR. Metodologias, para determinação do LL, que se utilizem concentrações fixas têm sido consideradas inapropriadas para os idosos devido à menor lactacidemia máxima observada nessa população. Os mecanismos fisiológicos através dos quais essas alterações ocorrem carecem de maior esclarecimento. Os poucos estudos que investigaram o LL (como intensidade), o consideraram como seguro e eficaz na melhoria da capacidade aerábia e da aptidão física. Outros estudos necessitam ser realizados para se conhecer melhor a relação entre LL e envelhecimento.(au)


Subject(s)
Humans , Adolescent , Aged , Aging , Physical Fitness/physiology , Exercise Therapy , Lactic Acid
17.
Rev. bras. ciênc. mov ; 11(3): 91-96, 2003.
Article in Portuguese | LILACS | ID: lil-524484

ABSTRACT

A glutamina (gln) é o aminoácido livre mais abundante no corpo humano representando cerca de 20% do total de aminoácidos livres no plasma e mais de 60% do pool de aminoácidos livres totais no músculo. A gln é considerada um aminoácido condicionalmente essencial sob certas condições clínicas como traumas, estresse, septicemia, câncer e esforço físico intenso. É um importante substrato celular não só por ser um aminoácido, mas por também ser fonte de energia, de nitrogênio e de carbono, para a síntese de outras moléculas. Atualmente, é um dos suplementos nutricionais mais utilizados por atletas e praticantes de atividades físicas como suplemento ergogênico por ser considerado natural e legal, ou seja, passível de promover melhoria de performance e crescimento da massa muscular magra. Com o objetivo de analisar as pesquisas publicadas envolvendo o desempenho no exercício e o uso de suplementação por glutamina e seus possíveis efeitos ergogênicos, utilizamos nesta revisão as pesquisas registradas nos principais bancos de dados eletrônicos e principais revistas científicas da área de nutrição e fisiologia aplicada. Concluímos que muito ainda deve ser pesquisado para o conhecimento efetivo sobre os efeitos ergogênicos da suplementação por gln. The development of physical fitness, as well as sports in their different forms of manifestation, are objectives to be achieved in programs of physical education and sports in which an individual is submitted to a training process. [For this, it is necessary that people train.] Consequently, the physical educator or sports professional must have knowledge of their concepts and relations. From the presentation of evolutive aspects of concepts of physical fitness, sports, and sports training, the aim of this paper was to analyze the relations between them.


Glutamine (gln) is the most abundant free amino acid in the human body, accounting for about 20% of the total of free amino acids in the plasma and more than 60 % of the pool of free amino acids in skeletal muscles. Gln is considered a “conditionally” essential amino acid under certain clinical conditions, such as trauma, stress, sepsis, cancer, and intense physical effort. Glutamine is an important cellular substrate, not just because it is an amino acid, but also because it is a source of energy, nitrogen, and carbon for the synthesis of other molecules. Currently, glutamine is a natural, legal nutritional supplement usually included in the diet of athletes and non-athletes as an ergogenic aid to improve body composition such as lean muscle growth and exercise performance. With the objective of analyzing the literature on exercise, the use of glutamine supplementation and its possible ergogenic effects, this paper examines the main scientific databases and journals on the subject of nutrition and applied physiology. The conclusion reached is that much more research on the ergogenic effects of glutamine supplementation must take place.


Subject(s)
Exercise , Glutamine , Dietary Supplements
18.
Rev. bras. ativ. fís. saúde ; 8(1): 30-37, 2003. tab, graf
Article in Portuguese | LILACS | ID: lil-359946

ABSTRACT

A capacidade aeróbia dos pacientes com Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica (DPOC) é reduzida devido à limitação ventilatória, levan- do-os a sobrecarga cardiovascular e acidose láctica a baixas cargas de trabalho. Os objetivos deste estudo foram avaliar os efeitos do Treinamen- to Físico (TF) sobre as respostas cardiovasculares e os níveis de lactato sangüíneo em pacientes com DPOC. Vinte pacientes com DPOC (VEF1 < 65 por cento do previsto), com idade média de 64.9 ± 6 anos, foram submetidos a um Teste lncremental limitado por sintomas em uma esteira rolante (Imbramed ATI Milenium). Durante o teste foram verificados os valores da Pressão Arterial (PÁ), Freqüência Cardíaca (FC) e coletadas amostras de sangue para determinação da lactacidemia e do limiar Anacróbio (Lan). Os pacientes foram submetidos ao TF com duração de 1 hora, 3 vezes pôr semana, durante 6 semanas consecutivas. Através do teste de Wilcoxon constatou-se reduções significativas da FC (de 137.3±8.6 para 127.3-9.4 bpm) e aumento da distância percorrida (de 922±350.7 para 1142±359.7 metros) somente para o GI. Além disso, observou-se maiores ganhos da distância percorrida e redução do lactato no GI quando comparado com G2 pelo teste de Mann-Witney. Conclui-se que o TF neste estudo foi efetivo para reduzir a factacidemia e a FC, retardando o tempo de exaustão, e melhorando a capacidade aeróbia desses pacientes.


Subject(s)
Humans , Male , Female , Lactic Acid/blood , Arterial Pressure , Heart Rate , Lung Diseases, Obstructive , Physical Exertion , Physical Fitness , Spirometry
19.
Rev. paul. educ. fís ; 12(1): 17-30, jan.-jun. 1998. tab, graf
Article in Portuguese | LILACS | ID: lil-258227

ABSTRACT

Com o objetivo de comparar os valores de Limiar Anaeróbico (AT) determinados pelo lactato sanguíneo (lac) e glicemia (glic), 12 corredores homens (25,5 mais ou menos 7,0 anos) realizaram os seguintes testes de corrida: a) "performance" em 3.000 m (Vm3Km); b) lactato mínimo (Lacmin): 1 x 500 m à máxima velocidade (vel), seguido de 6 x 800 m a intensidades de 87 a 98 porcento da Vm3Km, com pausa de 45 s; a vel correspondente a menor (lac) durante o teste foi considerada como AT (Tegtbur et alii, 1993); c) limiar anaeróbico individual (IAT): 8 x 800 m a intensidades progressivas de 84 a 102 porcento da Vm3Km, com pausa de 45 s; o AT foi determinado considerando-se a cinética do lac durante o teste (Stegmann et alii, 1981); d) vel correspondente à (4 mmol.1) (Vel4mM) : interpolaçäo entre lac e vel em 2 x 1.200 m a intensidades de 85 e 100 porcento respectivamente da Vm3Km; e) vel correspondente à menor glic nos testes do IAT (0,05; vide tabela abaixo)...


Subject(s)
Humans , Male , Adult , Running/physiology , Sports/physiology , Track and Field , Blood Glucose/analysis , Anaerobic Threshold/physiology , Lactates/analysis , Clinical Chemistry Tests
SELECTION OF CITATIONS
SEARCH DETAIL