Your browser doesn't support javascript.
loading
Show: 20 | 50 | 100
Results 1 - 10 de 10
Filter
2.
Arq. bras. cardiol ; 118(3): 625-633, mar. 2022. tab, graf
Article in English, Portuguese | LILACS | ID: biblio-1364342

ABSTRACT

Resumo Fundamento O tecido adiposo epicárdico (TAE) é aumentado em comorbidades comuns na insuficiência cardíaca (IC). Dessa forma, o TAE teria o potencial de mediar efeitos que levam à deterioração da função cardíaca. Objetivos Esta metanálise tem o objetivo de investigar se a quantidade de TAE em todos os tipos de IC e cada tipo de IC são significativamente diferentes dos pacientes de controle. Métodos Esta metanálise seguiu as diretrizes da Meta-analysis of Observational Studies in Epidemiology (Metanálise de estudos observacionais em epidemiologia). A pesquisa foi realizada nos bancos de dados MEDLINE, Embase e Lilacs até novembro de 2020. Dois autores realizaram a triagem, a extração de dados e a avaliação de qualidade. Um p-valor <0,05 foi definido como estatisticamente significativo. Resultados Foram incluídos oito estudos observacionais, compreendendo 1248 pacientes no total, dos quais 574 eram de controle, 415 tinham IC com fração de ejeção reduzida (ICFER) e 259 tinham IC com fração de ejeção de faixa média ou preservada (ICFEfm ou ICFEP). A quantidade de TAE não era diferente entre todos os tipos de IC e o grupo de controle (DMP = -0,66, IC 95%: -1,54 a 0,23, p =0,14) . Analisando cada fenótipo de IC separadamente, pacientes com ICFER tinham TAE reduzido em comparação aos pacientes de controle (DMP = 1,27, IC 95%: - 1,87 a -0,67, p <0,0001), enquanto os pacientes com ICFEfm ou ICFEP tiveram TAE aumentado em comparação aos pacientes de controle (DMP = 1,24, IC 95%: 0,99 a 1,50, p <0,0001). Conclusão A quantidade de TAE não era significativamente diferente entre todos os tipos de IC e o grupo de controle. Em pacientes com ICFER o volume de TAE era reduzido, enquanto em pacientes com ICFEP e ICFEfm, a quantidade de TAE era significativamente aumentada. Número de registro PROSPERO: CRD42019134441.


Abstract Background Epicardial adipose tissue (EAT) is increased in comorbidities common in heart failure (HF). In this sense, EAT could potentially mediate effects that lead to an impaired cardiac function. Objectives This meta-analysis aims to investigate if the amount of EAT in all-types of HF and each HF phenotype is significantly different from control patients. Methods This meta-analysis followed the Meta-analysis Of Observational Studies in Epidemiology guidelines. The search was performed in the MEDLINE, Embase, and Lilacs databases until November 2020. Two authors performed screening, data extraction, and quality assessment. A p-value <0.05 was defined as statistically significant. Results Eight observational studies were included, comprehending 1,248 patients in total, from which 574 were controls, 415 had HF with reduced ejection fraction (HFrEF) and 259 had HF with mid-range or preserved ejection fraction (HFmrEF or HFpEF). The amount of EAT was not different between all types of HF and the control group (SMD = -0.66, 95% CI: -1.54 to 0.23, p =0.14). Analyzing each HF phenotype separately, patients with HFrEF had a reduced EAT when compared to the controls (SMD= -1.27, 95% CI: - 1.87 to -0.67, p <0.0001), while patients with HFmrEF or HFpEF showed an increased EAT when compared to controls (SMD= 1.24, 95% CI: 0.99 to 1.50, p <0.0001). Conclusion The amount of EAT was not significantly different between all types of HF and the control group. In patients with HFrEF, the EAT volume was reduced, whereas in HFpEF and HFmrEF, the amount of EAT was significantly increased. PROSPERO registration number: CRD42019134441.


Subject(s)
Humans , Heart Failure , Phenotype , Prognosis , Stroke Volume , Adipose Tissue , Observational Studies as Topic
3.
Arq. bras. cardiol ; 117(2): 300-306, ago. 2021. tab, graf
Article in Portuguese | LILACS | ID: biblio-1339168

ABSTRACT

Resumo Fundamento: A classificação da insuficiência cardíaca (IC) por fenótipos possui grande relevância na prática clínica. Objetivo: O estudo visou analisar a prevalência, as características clínicas e os desfechos entre os fenótipos de IC no contexto da atenção primária. Métodos: Trata-se de uma análise de um estudo de coorte que incluiu 560 indivíduos, com idade ≥ 45 anos, que foram selecionados aleatoriamente em um programa de atenção primária. Todos os participantes foram submetidos a avaliações clínicas, dosagem do peptídeo natriurético tipo B (BNP), eletrocardiograma e ecocardiografia em um único dia. A IC com fração de ejeção do ventrículo esquerdo (FEVE) < 40% foi classificado como IC com fração de ejeção reduzida (ICFEr), FEVE de 40% a 49% como IC com fração de ejeção intermediária (ICFEi) e FEVE ≥ 50% como IC com fração de ejeção preservada (ICFEp). Após 5 anos, os pacientes foram reavaliados quanto à ocorrência do desfecho composto de óbito por qualquer causa ou internação por doença cardiovascular. Resultados: Dos 560 pacientes incluídos, 51 pacientes tinham IC (9,1%), 11 dos quais tinham ICFEr (21,6%), 10 tinham ICFEi (19,6%) e 30 tinham ICFEp (58,8%). A ICFEi foi semelhante à ICFEp nos níveis de BNP (p < 0,001), índice de massa do ventrículo esquerdo (p = 0,037) e índice de volume do átrio esquerdo (p < 0,001). O fenótipo de ICFEi foi semelhante ao de ICFEr em relação à doença arterial coronariana (p = 0,009). Após 5 anos, os pacientes com ICFEi apresentaram melhor prognóstico quando comparados aos pacientes com ICFEp e ICFEr (p < 0,001). Conclusão: A prevalência de ICFEI foi semelhante ao observado em estudos anteriores. A ICFEI apresentou características semelhantes a ICFEP neste estudo. Nossos dados mostram que a ICFEi teve melhor prognóstico em comparação com os outros dois fenótipos.


Abstract Background: The classification of heart failure (HF) by phenotypes has a great relevance in clinical practice. Objective: The study aimed to analyze the prevalence, clinical characteristics, and outcomes between HF phenotypes in the primary care setting. Methods: This is an analysis of a cohort study including 560 individuals, aged ≥ 45 years, who were randomly selected in a primary care program. All participants underwent clinical evaluations, b-type natriuretic peptide (BNP) measurements, electrocardiogram, and echocardiography in a single day. HF with left ventricular ejection fraction (LVEF) < 40% was classified as HF with reduced ejection fraction (HFrEF), LVEF 40% to 49% as HF with mid-range ejection fraction (HFmrEF) and LVEF ≥ 50% as HF with preserved ejection fraction (HFpEF). After 5 years, the patients were reassessed as to the occurrence of the composite outcome of death from any cause or hospitalization for cardiovascular disease. Results: Of the 560 patients included, 51 patients had HF (9.1%), 11 of whom had HFrEF (21.6%), 10 had HFmrEF (19.6%) and 30 had HFpEF (58.8%). HFmrEF was similar to HFpEF in BNP levels (p < 0.001), left ventricular mass index (p = 0.037), and left atrial volume index (p < 0.001). The HFmrEF phenotype was similar to HFrEF regarding coronary artery disease (p = 0.009). After 5 years, patients with HFmrEF had a better prognosis when compared to patients with HFpEF and HFrEF (p < 0.001). Conclusion: The prevalence of ICFEI was similar to that observed in previous studies. ICFEI presented characteristics similar to ICFEP in this study. Our data show that ICFEi had a better prognosis compared to the other two phenotypes.


Subject(s)
Humans , Heart Failure , Phenotype , Primary Health Care , Prognosis , Stroke Volume , Cohort Studies , Ventricular Function, Left
6.
Arq. bras. cardiol ; 114(4): 627-635, Abr. 2020. tab, graf
Article in English, Portuguese | LILACS, SES-SP | ID: biblio-1131190

ABSTRACT

Abstract Background: Atrial fibrillation (AF) is known to induce atrial remodeling, which promotes fibrosis related to arrhythmogenesis. Accordingly, since scars induced by catheter ablation (CA) can reduce unablated fibrotic areas, greater extent of left atrial (LA) scarring may be associated with less AF recurrence after CA. Objectives: This study aims to investigate, through systematic review and meta-analysis, whether the amount of LA scarring, seen on late gadolinium enhancement magnetic resonance imaging, is associated with less AF recurrence after CA. Methods: The recommendations of the MOOSE guideline were followed. Database search was conducted in PubMed and Cochrane Central Register of Controlled Trials (comentário 1) until January 2019 (comentário 2). Two authors performed screening, data extraction, and quality evaluation. All studies were graded as good quality. A funnel plot was generated, showing no publication bias. Statistical significance was defined as p value < 0.05. Results: Eight observational studies were included in the systematic review, four of which were included in the meta-analysis. Six of the eight studies included in the systematic review showed that greater extension of LA scarring is associated with less AF recurrence after CA. Meta-analysis showed that greater extension of LA scarring is associated with less AF recurrence (SMD = 0.52; 95% CI 0.27 - 0.76; p < 0.0001). Conclusion: Greater extension of LA scarring is possibly associated with less AF recurrence after CA. Randomized studies that explore ablation methods based on this association are fundamental.


Resumo Fundamento: A fibrilação atrial (FA) é conhecida por induzir o remodelamento atrial, que promove fibrose, provocando, por sua vez, mais arritmogênese. Dessa forma, visto que as cicatrizes induzidas pela ablação por cateter (AC) podem reduzir as áreas fibróticas, uma maior extensão de cicatrizes do átrio esquerdo (AE) pode estar associada a uma menor recorrência da FA após AC. Objetivos: Por meio de revisão sistemática e metanálise, o presente estudo visa investigar se a extensão total de cicatriz do AE, visualizada na ressonância magnética com realce tardio de gadolínio após a ablação, está associada a uma menor recorrência de FA após AC. Métodos: Foram seguidas as recomendações das diretrizes MOOSE. A busca foi realizada nas bases de dados PubMed e Cochrane Central Register of Controlled Trials até Janeiro de 2019. Dois autores realizaram triagem, extração de dados e avaliação da qualidade dos estudos. Em relação à qualidade, todos os estudos foram classificados como bons. Foi gerado um gráfico de funil, o qual não mostrou viés de publicação. Foi adotado nível de significância p < 0,05. Resultados: Oito estudos observacionais foram incluídos na revisão sistemática, dos quais quatro foram incluídos na metanálise. Dos oito estudos incluídos na revisão, seis mostraram que maior extensão de cicatrização do AE está associada a uma menor recorrência de FA após AC. A metanálise também demonstrou que maior extensão de cicatrização do AE está associada a uma menor recorrência de FA (SMD = 0,52; IC 95% 0,27 - 0,76; p < 0,0001). Conclusão: Uma maior extensão de cicatrização do AE está possivelmente associada a uma menor recorrência de FA após AC. Estudos randomizados que explorem métodos de ablação baseados nessa associação são fundamentais.


Subject(s)
Humans , Atrial Fibrillation , Catheter Ablation , Recurrence , Treatment Outcome , Contrast Media , Gadolinium , Heart Atria
9.
Arq. bras. cardiol ; 112(6): 784-790, Jun. 2019. graf
Article in English, Portuguese | LILACS | ID: biblio-1011208

ABSTRACT

Abstract In 2016, the European Society of Cardiology (ESC) recognized heart failure (HF) with ejection fraction between 40 and 49% as a new HF phenotype, HF with mid-range ejection fraction (HFmrEF), with the main purpose of encouraging studies on this new category. In 2018, the Brazilian Society of Cardiology adhered to this classification and introduced HFmrEF in Brazil. This paper presents a narrative review of what the literature has described about HFmrEF. The prevalence of patients with HFmrEF ranged from 13 to 24% of patients with HF. Analyzing the clinical characteristics, HFmrEF shows intermediate characteristics or is either similar to HF with preserved ejection fraction (HFpEF) or to HF with reduced fraction (HFrEF). Regarding the prognosis, HFmrEF's all-cause mortality is similar to HFpEF's and lower than HFrEF's. Studies that analyzed cardiac mortality concluded that there was no significant difference between HFmrEF and HFrEF, both of which were lower than HFpEF. Despite the significant increase of publications on HFmrEF, there is a great scarcity of prospective studies and clinical trials that allow delineating specific therapies for this new phenotype. To better treat HFmrEF patients, it is fundamental that cardiologists and internists understand the differences and similarities of this new phenotype.


Resumo Em 2016, a Sociedade Europeia de Cardiologia (ESC) reconheceu a insuficiência cardíaca (IC) com fração de ejeção do ventrículo esquerdo entre 40% e 49% como um novo fenótipo de IC, a IC com fração de ejeção intermediária (ICFEI), tendo como principal intuito, incentivar estudos sobre essa nova categoria. Em 2018, a Sociedade Brasileira de Cardiologia aderiu a essa classificação e introduziu a ICFEI no Brasil. O presente trabalho traz uma revisão narrativa sobre o que a literatura descreve até o momento sobre ICFEI. A prevalência de pacientes com ICFEI variou de 13-24% dos pacientes com IC. Quando avaliadas as características clínicas, a ICFEI apresenta um caráter intermediário ou se assemelha algumas vezes com a IC de fração de ejeção preservada (ICFEP) e outras com a IC de fração reduzida (ICFER). Quanto ao prognóstico, a ICFEI apresenta mortalidade por todas as causas semelhante a ICFEP e menor que a ICFER. Os estudos que analisaram a mortalidade por causa cardíaca concluíram que não houve diferença significativa entre ICFEI e ICFER, sendo ambas menores que a ICFEP. Apesar do considerável aumento de publicações sobre a ICFEI, ainda existe uma grande carência de estudos prospectivos e ensaios clínicos que possibilitem delinear terapias específicas para esse novo fenótipo. O conhecimento das particularidades da ICFEI por cardiologistas e internistas é fundamental para o melhor manejo desses pacientes.


Subject(s)
Humans , Stroke Volume/physiology , Heart Failure/diagnosis , Heart Failure/physiopathology , Heart Failure/drug therapy , Heart Failure/epidemiology , Prognosis , Prevalence , Hospitalization
10.
Arq. bras. cardiol ; 112(5): 501-508, May 2019. tab, graf
Article in English | LILACS | ID: biblio-1011187

ABSTRACT

Abstract Background: Radiofrequency catheter ablation (RFCA) is a standard procedure for patients with atrial fibrillation (AF) not responsive to previous treatments, that has been increasingly considered as a first-line therapy. In this context, perioperative screening for risk factors has become important. A previous study showed that a high left atrial (LA) pressure is associated with AF recurrence after ablation, which may be secondary to a stiff left atrium. Objective: To investigate, through a systematic review and meta-analysis, if LA stiffness could be a predictor of AF recurrence after RFCA, and to discuss its clinical use. Methods: The meta-analysis followed the MOOSE recommendations. The search was performed in MEDLINE and Cochrane Central Register of Controlled Trials databases, until March 2018. Two authors performed screening, data extraction and quality assessment of the studies. Results: All studies were graded with good quality. A funnel plot was constructed, which did not show any publication bias. Four prospective observational studies were included in the systematic review and 3 of them in the meta-analysis. Statistical significance was defined at p value < 0.05. LA stiffness was a strong independent predictor of AF recurrence after RFCA (HR = 3.55, 95% CI 1.75-4.73, p = 0.0002). Conclusion: A non-invasive assessment of LA stiffness prior to ablation can be used as a potential screening factor to select or to closely follow patients with higher risks of AF recurrence and development of the stiff LA syndrome.


Resumo Fundamento: A ablação por cateter de radiofrequência (ACRF) é um procedimento padrão para pacientes com fibrilação atrial (FA) não responsivos a tratamentos prévios, que tem sido cada vez mais considerada como terapia de primeira linha. Nesse contexto, o screening para fatores de risco perioperatório tornou-se importante. Um estudo prévio mostrou que uma pressão do átrio esquerdo (AE) elevada está associada a recorrência de FA após a ablação, podendo ser secundária a um AE rígido. Objetivo: Investigar, por meio de revisão sistemática e metanálise, se a rigidez do AE é um preditor de recorrência de FA após ACRF, e discutir seu uso na prática clínica. Métodos: A metanálise foi realizada seguindo-se as recomendações do MOOSE. A busca foi realizada nas bases de dados MEDLINE e Cochrane Central Register of Controlled Trials, até março de 2018. Dois autores realizaram triagem, extração de dados e avaliação da qualidade dos estudos. Resultados: Todos os estudos obtiveram boa qualidade. Um gráfico de funil foi construído, não identificando viés de publicação. Quatro estudos prospectivos observacionais foram incluídos na revisão sistemática e 3 deles na metanálise. Foi adotado o nível de significância estatística de p < 0,05. Rigidez do AE foi um forte preditor independente da recorrência de FA após ACRF (HR = 3,55, IC 95% 1,75-4,73, p = 0,0002). Conclusão: A avaliação não invasiva da rigidez do AE antes da ablação pode ser utilizada como um potencial fator de rastreamento para a seleção ou acompanhamento de pacientes com maiores riscos de recorrência de FA e desenvolvimento da síndrome do AE rígido.


Subject(s)
Humans , Atrial Fibrillation/physiopathology , Atrial Function, Left/physiology , Catheter Ablation , Atrial Remodeling/physiology , Prognosis , Recurrence , Atrial Fibrillation/diagnosis , Predictive Value of Tests
SELECTION OF CITATIONS
SEARCH DETAIL