Your browser doesn't support javascript.
loading
Show: 20 | 50 | 100
Results 1 - 20 de 28
Filter
1.
Revista Pesquisa em Fisioterapia ; 12(1)20220114. ilus, tab
Article in English, Portuguese | LILACS-Express | LILACS | ID: biblio-1373645

ABSTRACT

INTRODUÇÃO: Os pacientes criticamente doentes podem sofrer alterações funcionais, sociais e mentais, incluindo deficiência de conhecimento, memória e concentração após a admissão na unidade de terapia intensiva (UTI) e alta hospitalar. Apesar do conhecimento sobre o impacto da internação hospitalar na funcionalidade e qualidade de vida, ainda há pouco reconhecimento na literatura sobre este impacto a longo prazo. OBJETIVO: Verificar a independência funcional e a qualidade de vida (QOL) em pacientes acima de 1 ano após a alta da Unidade de Tratamento Intensivo (UTI). MÉTODOS: Este é um estudo de coorte prospectivo, foram admitidos na UTI e sob ventilação mecânica por mais de 48 horas, até 24 horas após a alta da UTI, acima de 18 anos de idade, de ambos os sexos e que concordaram em participar do estudo. Foram excluídos aqueles com sequelas neurológicas e traumas recorrentes que impossibilitavam a avaliação funcional. As variáveis independência funcional (Medida de Independência Funcional - FIM) e QOL foram medidas utilizando o questionário do formulário curto 36 (SF-36) no momento da alta da UTI (período I), 30 dias (período II), e 1 ano após (período III). RESULTADOS: 33 pacientes foram incluídos no estudo com uma idade média de 49,13±16,3 anos, e a principal causa de hospitalização foi distúrbios neurológicos, dos quais 5(14,70%) morreram, e dois não completaram as avaliações, resultando em um total de 26 pacientes avaliados 1 ano após a alta. A duração da internação na UTI (dias) foi de 16 (7 - 22) e o tempo de ventilação mecânica (dias) foi de 8,5 (2 - 13). Dez pacientes lá foram diagnosticados com sepse. Foram encontrados os seguintes valores nesses três momentos para as variáveis IF (I-51 [47-64,5]; II-80[59,5-108]; III104[82,8-123]) e QOL(I-67,4[57,3-81,1]; II-80,2[70,1-99,2]; III-93,5[88,5-96,5]). A independência funcional e QOL aumentou significativamente entre os momentos II e III, em comparação com os momentos I (p <0,05), sem diferença na comparação do período II em relação ao III. CONCLUSÃO: Os pacientes recuperam sua funcionalidade e qualidade de vida após trinta dias de alta da UTI. Entretanto, a funcionalidade e a qualidade de vida deste paciente não mudam após 1 ano de alta da UTI em relação ao período de 30 dias após a alta da UTI.


INTRODUCTION: Critically ill patients may experience functional, social, and mental changes, including impaired cognition, memory, and concentration after admission to the intensive care unit (ICU) and hospital discharge. Despite the knowledge about the impact of the hospital stay on functionality and quality of life, there is still little recognition in the literature of this impact in the long term. OBJECTIVE: To verify functional independence and quality of life (QOL) in patients over 1 year after discharge from the Intensive Care Unit (ICU). METHODS: This is a prospective cohort study, were admitted to the ICU and under mechanical ventilation for more than 48 hours, up to 24 hours after discharge from the ICU, over 18 years of age, of both sexes and who agreed to participate in the study. Those with neurological sequelae and recurrent trauma that made functional assessment impossible were excluded. Functional independence (Functional Independence Measure-FIM) and QOL variables were measured using the Short Form 36 questionnaire (SF-36) at the time of discharge from the ICU (period I), 30 days (period II), and 1 year after (period III). RESULTS: 33 patients were included in the study with a mean age of 49.13±16.3, and the main cause of hospitalization was neurological disorders, of which 5 (14.70%) died, and two did not complete the evaluations, resulting in a total of 26 patients evaluated 1 year after discharge. The length of ICU stay (days) was 16 (7 - 22) and the Mechanical Ventilation time (days) was 8,5 (2 - 13). Ten patients there were diagnosed with sepsis. The following values over these three moments were found for the variables IF (I-51 [47­64.5]; II-80[59.5­108]; III-104[82.8-123]) and QOL(I­67.4[57.3­81.1]; II-80.2[70.1­99.2]; III­93.5[88.5­ 96.5]). Functional independence and QOL increased significantly between moments II and III compared to moments I (p <0.05), with no difference, when comparing period II in relation to III. CONCLUSION: Patients recover their functionality and quality of life after thirty days of discharge from the ICU. However, this patient's functionality and quality of life do not change after 1 year of discharge from the ICU in relation to the period of 30 days after discharge from the ICU.

2.
Rev. Ciênc. Méd. Biol. (Impr.) ; 20(3): 418-424, dez 20, 2021. fig, tab
Article in Portuguese | LILACS | ID: biblio-1354267

ABSTRACT

Introdução: o processo de envelhecimento associado à hospitalização prolongada gera diminuição de massa e de força muscular dos membros inferiores, sendo necessárias intervenções para minimizar esses efeitos deletérios, como o treinamento de sentar-levantar. Este treinamento utiliza o peso do próprio corpo e é um movimento essencial para a manutenção da independência funcional. As respostas cardiovasculares agudas estão relacionadas com a segurança desta atividade, por isso é imprescindível a monitorização constante. Objetivo: avaliar a segurança e a viabilidade da realização do protocolo de sentar-levantar, observando os efeitos hemodinâmicos agudos em idosos hospitalizados. Metodologia: em uma amostra composta de idosos com estabilidade clínica, realizou-se um protocolo de sentar-levantar progressivo, com oito níveis em apenas uma sessão. Avaliaram-se variáveis hemodinâmicas, como pressão arterial sistólica e diastólica, pressão arterial média, frequência cardíaca e duplo produto, em repouso e após 1 min, 10 min e 30 min, sendo analisados e comparados médias e desvio-padrão. Resultados: observou-se um leve aumento nas variáveis pressão arterial sistólica, na frequência cardíaca e duplo produto, com normalização nos minutos seguintes ao protocolo. A pressão arterial diastólica e a arterial média apresentaram uma discreta diminuição no decorrer das mensurações. Observaram-se poucos eventos adversos na amostra, os quais foram solucionados após o repouso. Houve significância estatística entre a maior parte das variáveis, porém não houve significância clínica. Conclusão: o protocolo de sentarlevantar é viável e seguro em idosos hospitalizados, desde que seja realizado de acordo com os critérios de elegibilidade e monitorados.


Introduction: the aging process associated with prolonged hospitalization generates a decrease in muscle mass and strength in the lower limbs, requiring interventions to minimize these harmful effects, such as sit-to-stand training. This training uses the body's own weight and is an essential movement for the maintenance of functional independence. Acute cardiovascular responses are related to the safety of this activity, so constant monitoring is essential. Objective: evaluate the safety and feasibility of performing the sit-to-stand protocol, observing the acute hemodynamic effects in hospitalized elderly. Methods: in a sample composed of elderly people with clinical stability, a progressive sit-to-stand protocol was performed, with eight levels in just one session. Hemodynamic variables were evaluated, such as systolic and diastolic blood pressure, mean arterial pressure, heart rate and double product, at rest and after 1 min, 10 min and 30 min, and means and standard deviations were analyzed and compared. Results: there was a slight increase in the variables systolic blood pressure, heart rate and double product, with normalization in the minutes following the protocol. Diastolic blood pressure and mean arterial pressure showed a slight decrease during the measurements. Few adverse events were observed in the sample, which were resolved after rest. There was statistical significance among most of the variables, but there was no clinical significance. Conclusion: the sit-to-stand protocol is feasible and safe in hospitalized elderly, as long as it is performed according to eligibility criteria and monitored.


Subject(s)
Humans , Male , Female , Aged , Aged , Exercise , Hemodynamic Monitoring , Laboratory and Fieldwork Analytical Methods , Demography , Cross-Sectional Studies
3.
Revista Pesquisa em Fisioterapia ; 11(4): 791-797, 20210802. tab, ilus
Article in English, Portuguese | LILACS-Express | LILACS | ID: biblio-1349149

ABSTRACT

| INTRODUÇÃO: A Unidade de Terapia Intensiva (UTI) é um local destinado ao suporte adequado para pacientes que requerem monitorização e cuidado constante. Neste ambiente o fisioterapeuta auxilia na manutenção de funções vitais e colabora para a redução de complicações clínicas e do índice de mortalidade. Além disso, dentro das suas áreas de domínio, o fisioterapeuta compartilha a responsabilidade do manejo de procedimentos ventilatórios que substituem a ventilação espontânea. OBJETIVO: Descrever a autonomia em procedimentos ventilatórios pelos fisioterapeutas que atuam em UTI no estado da Bahia. METODOLOGIA: Trata-se de um estudo transversal com fisioterapeutas que atuam em UTI no estado da Bahia, inscritos no Conselho Regional de Fisioterapia e Terapia Ocupacional da 7ª Região (CREFITO-7), utilizando um questionário eletrônico desenvolvido pelos pesquisadores. Os dados foram submetidos à análise estatística descritiva e multivariada. O nível de significância adotado foi de p < 0,05. O tratamento estatístico foi realizado utilizando-se o Statistical Package for the Social Sciences, versão 21.0 (SPSS Inc., Chicago, IL, EUA). RESULTADOS: Foram avaliados 265 fisioterapeutas que atuam em terapia intensiva no estado da Bahia, com média de idade de 32,4 ±5,4 anos, sendo 61,9% do sexo feminino. Em relação a autonomia profissional, 94,3% declararam que a tomada de decisão (sobre os procedimentos fisioterapêuticos na UTI em que atuam) é de responsabilidade do fisioterapeuta. O maior nível de autonomia sobre os procedimentos ventilatórios foi observado para a aplicação de Ventilação Mecânica Não Invasiva VNI (97,7%), seguido do desmame (97,4%), indicação (97%) e manutenção (96,2%). CONCLUSÃO: Através do presente estudo foi possível concluir que os fisioterapeutas que atuam em UTI no Estado da Bahia declaram possuir autonomia profissional em relação a procedimentos ventilatórios, sobretudo para os não invasivos.


INTRODUCTION: The Intensive Care Unit (ICU) is a ward intended to the specialized support to critically ill patients or after undergoing a highly complex procedure, who need constant monitoring and care. In this environment, the physiotherapist works to maintain vital functions and helps reduce clinical complications and mortality rates. Furthermore, within their domains, the physiotherapist shares the responsibility for managing methods that replace spontaneous breaths. OBJECTIVE: To describe the autonomy in ventilatory procedures by physiotherapists working in ICUs in the state of Bahia. METHODOLOGY: This is a cross-sectional study with physiotherapists working in ICUs in the state of Bahia, registered at the Regional Council of Physiotherapy and Occupational Therapy of the 7th Region (CREFITO-7). In data, collect was used an electronic questionnaire was developed by the researchers. The data collected was analyzed through descriptive and multivariate statistics. A p-value < 0.05 was set as statistically significant. Statistical analysis was performed with Statistical Package for the Social Sciences, 21.0 version (SPSS Inc., Chicago, IL, EUA). RESULTS: Were evaluated a total of two hundred and sixty-five (265) physiotherapists who work at an Intensive Care Unit in the state of Bahia, with a mean age of 32.4 ±5.4 years, being 61.9% female. Regarding professional autonomy, 94.3% declared that decision-making about physical therapy procedures in the ICU where they work is the responsibility of the physiotherapists. The highest level of autonomy over ventilatory procedures was observed for the application of non-invasive ventilation (97.7%), followed by weaning from mechanical ventilation (97.4%), indication (97%), and maintenance (96.2%). CONCLUSION: Through this study, it was possible to conclude that physiotherapists working in ICUs in the State of Bahia claim to have professional autonomy in relation to ventilatory procedures, especially for the non-invasive ones.

4.
Revista Pesquisa em Fisioterapia ; 11(4): 841-851, 20210802. tab, ilus
Article in English, Portuguese | LILACS-Express | LILACS | ID: biblio-1349179

ABSTRACT

OBJETIVO: Fazer uma atualização da revisão de literatura sobre sarcopenia publicada em 2014 nesta revista. De acordo com o Consenso do Working Group on Sarcopenia in Older People (EWGSOP2), a sarcopenia foi redefinida como uma doença muscular, caracterizada pela redução da força muscular, associada à diminuição da qualidade/quantidade muscular e/ou desempenho físico, sendo classificada como primária, secundária, aguda e crônica. Além de consequências físicas como aumento da ocorrência de quedas e limitação para atividades cotidianas, pode promover alterações sistêmicas pelo desequilíbrio entre síntese e degradação proteica. A prevalência aumenta com a idade, sendo mais alta a partir de 60 anos. Estudos em seis países encontraram prevalência entre 4,6% e 22,1%, havendo oscilação de valores conforme definições utilizadas, métodos diagnósticos e os pontos de corte para índice de massa muscular (IMM). Como estratégia para refinar a detecção do risco da sarcopenia, o EWGSOP2 sugere aplicação do questionário SARC-F. Para mensuração da variável massa muscular, os métodos recomendados são Ressonância Magnética, Tomografia Computadorizada, Absorciometria de Raio-X de Dupla Energia, Bioimpedância Elétrica e Antropometria, existindo acurácias e custos variáveis entre eles. Na aferição da força muscular, a principal forma de mensuração é a força de preensão palmar. Já o desempenho físico pode ser quantificado através do teste de velocidade de marcha de quatro metros. As formas de tratamento são treino de exercícios de resistência progressiva e aeróbicos, além de uma nutrição adequada. O estilo de vida sedentário, obesidade e fragilidade são fatores desencadeantes de perda de massa e função muscular no ambiente clínico.


OBJECTIVES: To update on a sarcopenia literature review published in 2014 in this journal. According to the Working Group on Sarcopenia in Older People Consensus (EWGSOP2), sarcopenia was redefined as a muscular disease, characterized by muscular strength reduction, associated with a diminished muscular quantity and /or quality and /or low physical performance, being stratified as primary, secondary acute and chronic. Beyond physical consequences as a fall risk and daily activities, sarcopenia can promote a dysbalance between protein synthesis and degradation. Sarcopenia prevalence is higher with increasing age, especially after 60 years. Studies in six countries had found sarcopenia prevalence between 4.6% and 22.1%, but differences between definitions, diagnostic methods, and cutoff points to evaluate muscle mass and function are found. To improve sarcopenia risk detection, EWGSOP2 suggests the use of the SARC-F questionnaire. Muscle mass measurement recommended methods are Magnet Resonance Imaging, Computed Tomography, Double Energy X-Ray Absorptiometry, Electric Bioimpedance, and Anthropometry with variable accuracy and costs between these methods. To evaluate muscle strength, the handgrip strength test is the main method recommended. In addition, four Meter Gait speed is recommended to evaluate physical performance. Treatment options are progressive exercise, endurance training, and aerobic exercises, together with nutritional interventions. Sedentary lifestyle, obesity, and frailty are the main risks factors associated with muscle mass and function losses in the clinical setting

5.
Acta fisiátrica ; 28(2): 73-77, jun. 2021.
Article in Portuguese | LILACS-Express | LILACS | ID: biblio-1348725

ABSTRACT

The measurement of peripheral muscle strength in the hospital environment directs rehabilitation and contributes to predicting mortality in the elderly. Objective: To evaluate the variation of muscle strength during hospitalization in hospitalized elderly. Methods: This is a retrospective longitudinal study with stable elderly admitted at an ICU of a large public hospital in Salvador, Bahia State, Brazil. Three measurements of handgrip strength (HGS) were performed, and the highest value was considered for analysis. Other variables collected were cognitive function (MMSE) and Charlson's comorbidity index (CCI). Student T-test was used to test the variation of HGS between admission and discharge. Results: The sample consisted of 80 elderlies with an average age of 68.1 ± 5.8 years, mostly male (77.5%) and with surgical profiles (92.5%). In the comparison between HGS at admission and discharge, no significant differences were found (29.8 ± 7.5 kgf; 30.0 ± 7.8 kgf; p-value= 0.698). However, different forms of variation were observed 36.2% of participants had an increase in HGS (27.8 ± 9.3 kgf to 32.3 ± 9.6 kgf), whereas 38, 7% had a loss of HGS (30.9 ± 6.7 kgf to 26.8 ± 6.9 kgf) between admission and discharge. Conclusion: There are different trajectories in HGS from admission to discharge in hospitalized elderly, and understanding the factors that favor these variations is important for the rehabilitation process.


A mensuração da força muscular periférica (FMP) no ambiente hospitalar direciona a reabilitação e contribui para predição da mortalidade dos idosos. Objetivo: Avaliar a variação da força muscular ao longo da internação em idosos hospitalizados. Métodos: Trata-se de um estudo longitudinal prospectivo, com idosos estáveis das enfermarias e UTI´s de um hospital de grande porte da rede pública estadual, em Salvador-BA. Foram realizadas 3 medidas de dinamometria de preensão palmar, sendo considerado para análise o maior valor. Outras variáveis coletadas foram a função cognitiva (MEEM) e índice de comorbidades de Charlson (ICC). Para comparação da variação da FPP entre a admissão e alta realizado o teste T de Student. Resultados: A amostra foi composta por 80 idosos com média de idade 68,1 ± 5,8 anos, majoritariamente do sexo masculino (77.5%) e com perfil cirúrgico (92,5%). Na comparação entre a FPP na admissão e alta não foram encontradas diferenças significativas (29,8±7,5 kgf; 30,0±7,8 kgf; valor de p= 0,698). Entretanto, observou-se formas distintas de variação ao longo da internação, sendo que 36,2% dos pacientes apresentaram aumento da FPP(27,8 ± 9,3 kgf para 32,3 ± 9,6 kgf), enquanto que 38,7% tiveram perda da FPP(30,9 ± 6,7 kgf para 26,8 ± 6,9 kgf) entre a admissão e a alta. Conclusão: Existem diferentes trajetórias da FMP desde admissão até a alta em idosos hospitalizados. Compreender quais são os fatores que favorecem essas variações é algo importante para o processo de reabilitação.

6.
Rev. Pesqui. Fisioter ; 10(4): 774-784, Nov. 2020. ilus, tab
Article in English, Portuguese | LILACS | ID: biblio-1247815

ABSTRACT

Um curto período de hospitalização, se acompanhado de imobilidade, pode ser capaz de promover declínio das funções musculoesqueléticas, gerando impacto negativo na funcionalidade e qualidade de vida. Com isso, tem-se tornado cada vez mais comum a adoção de estratégias terapêuticas como o uso da plataforma vibratória (PV). OBJETIVO: Sistematizar evidências sobre a funcionalidade e a segurança da aplicação da PV em pacientes adultos hospitalizados. MÉTODOS: Revisão sistemática, registrada na PROSPERO com código CRD42019119672. Desenvolvida nas bases: LILACS, SciELO, MedLine/PubMed, EBSCOhost e PEDro. Descritores e palavras-chave: "Whole body vibration", "Intensive Care Units", "hospitalization", "muscle strenght", e "functional capacity". Incluídos estudos que analisaram os efeitos e a segurança da aplicação da PV em pacientes adultos hospitalizados. A qualidade metodológica foi avaliada através da escala Downs and Black. RESULTADOS: Incluídos 2 estudos, um ensaio clínico randomizado e outro estudo de intervenção controlado. A amostra variou entre 24 e 40 sujeitos, de ambos os sexos, média de idade 52±4 anos, com diagnóstico de DPOC e condições variadas. Houve uma melhora na distância percorrida no teste de caminhada de seis minutos e diminuição no tempo do teste de sentar e levantar, aumento dos níveis de irisina e melhora na qualidade de vida, em relação aos parâmetros dos sinais vitais não teve alterações significativas. O escore metodológico foi em média 16. CONCLUSÃO: Os resultados indicam que a PV parece ser viável e segura, podendo trazer efeitos favoráveis na funcionalidade para o tratamento em pacientes adultos hospitalizados, sendo uma alternativa para a reabilitação de forma precoce.


A short period of hospitalization, if accompanied by immobility, may be able to promote a decline in musculoskeletal functions, generating a negative impact on functionality and quality of life. As a result, the adoption of therapeutic strategies such as the use of the vibrating platform (PV) has become increasingly common. OBJECTIVE: To systematize evidence on the functionality and safety of the application of PV in hospitalized adult patients. METHODS: Systematic review, registered at PROSPERO with code CRD42019119672. Developed in the bases: LILACS, SciELO, MedLine / PubMed, EBSCOhost and PEDro. Keywords and keywords: "Whole body vibration", "Intensive Care Units", "hospitalization", "muscle strength", and "functional capacity". Included studies that analyzed the effects and safety of the application of PV in hospitalized adult patients. Methodological quality was assessed using the Downs and Black scale. RESULTS: Included 2 studies, a randomized clinical trial and another controlled intervention study. The sample varied between 24 and 40 subjects, of both sexes, mean age 52 ± 4 years, with a diagnosis of COPD and varied conditions. There was an improvement in the distance covered in the six-minute walk test and a decrease in the time of the sit and stand test, an increase in irisin levels and an improvement in quality of life, in relation to the vital signs parameters, there was no significant change. The methodological score was on average 16. CONCLUSION: The results indicate that PV seems to be viable and safe, and may have favorable effects on functionality for treatment in hospitalized adult patients, being an alternative for early rehabilitation.


Subject(s)
Hospitalization , Muscle Strength , Intensive Care Units
7.
Rev. bras. ter. intensiva ; 32(3): 398-404, jul.-set. 2020. tab, graf
Article in English, Portuguese | LILACS | ID: biblio-1138504

ABSTRACT

RESUMO Objetivo: Avaliar a reprodutibilidade intra e interexaminador das mensurações da resistência e das complacências estática e dinâmica do sistema respiratório em pacientes sob ventilação mecânica. Métodos: Trata-se de estudo analítico realizado com indivíduos com idade ≥ 18 anos, em ventilação mecânica invasiva, que não tinham diagnóstico clínico de doença do aparelho respiratório e/ou anormalidade de caixa torácica. Foram realizadas três aferições da mecânica respiratória com intervalo de 1 minuto entre elas. A primeira e a terceira aferições foram realizadas pelo avaliador A e a segunda aferição, pelo avaliador B. A comparação dos valores de resistência e complacências estática e dinâmica do sistema respiratório foi calculada por meio do coeficiente de correlação intraclasse. Resultados: Foram realizadas 198 aferições da mecânica respiratória em 66 pacientes sob ventilação mecânica, com idade média de 52,6 ± 18,6 anos, índice de massa corporal médio de 21,6 ± 2,1kg/m2, predomínio do perfil cirúrgico (61,5%) e sexo feminino (53,8%). Foram obtidos valores médios das três aferições para resistência do sistema respiratório (A1: 15,7 ± 6,8cmH2O/L/s; B1: 15,7 ± 6,4cmH2O/L/s e A2: 15,9 ± 6,2cmH2O/L/s), para complacência estática do sistema respiratório (A1: 42,1 ± 13,7mL/cmH2O; B1: 42,4 ± 14,6mL/cmH2O e A2: 42,2 ± 14,5mL/cmH2O) e para complacência dinâmica do sistema respiratório (A1: 21,3 ± 7,3mL/cmH2O; B1: 21,4 ± 7,5mL/cmH2O e A2: 21,3 ± 6,2mL/cmH2O). Também foram encontrados valores do coeficiente de correlação intraclasse para resistência do sistema respiratório (R = 0,882 e p = 0,001; R = 0,949 e p = 0,001 - interexaminadores A1 versus B e B versus A2, respectivamente; R = 0,932 e p = 0,001 - intraexaminador); complacência estática do sistema respiratório (R = 0,951 e p = 0,001; R = 0,958 e p = 0,001 - interexaminadores A1 versus B e B versus A2, respectivamente; R = 0,965 e p = 0,001 - intraexaminador) e complacência dinâmica do sistema respiratório (R = 0,957 e p = 0,001; R = 0,946 e p = 0,001 - interexaminadores A1 versus B e B versus A2 respectivamente; R = 0,926 e p = 0,001 - intraexaminador). Conclusão: A mensuração de mecânica respiratória apresenta boa reprodutibilidade intra e interexaminador para as aferições de resistência e complacências estática e dinâmica do sistema respiratório em pacientes ventilados.


ABSTRACT Objective: To evaluate the intra- and interexaminer reproducibility of measurements of the resistance and static and dynamic compliance of the respiratory system in patients on mechanical ventilation. Methods: This was an analytical study conducted with individuals aged ≥ 18 years who were on invasive mechanical ventilation and had no clinical diagnosis of respiratory system disease and/or chest abnormality. Three measurements of respiratory mechanics were performed with a 1-minute interval between them. The first and third measurements were performed by examiner A, the second by examiner B. The values for the resistance and static and dynamic compliance of the respiratory system were compared using the intraclass correlation coefficient. Results: A total of 198 measurements of respiratory mechanics were performed for 66 patients on mechanical ventilation. The patients had a mean age of 52.6 ± 18.6 years and a mean body mass index of 21.6 ± 2.1kg/m2; a surgical profile (61.5%) and female sex (53.8%) were predominant. Mean values were obtained for the three measurements of respiratory system resistance (A1: 15.7 ± 6.8cmH2O/L/s; B1: 15.7 ± 6.4cmH2O/L/s and A2: 15.9 ± 6.2cmH2O/L/s), respiratory system static compliance (A1: 42.1 ± 13.7mL/cmH2O; B1: 42.4 ± 14.6mL/cmH2O and A2: 42.2 ± 14.5mL/cmH2O) and respiratory system dynamic compliance (A1: 21.3 ± 7.3mL/cmH2O; B1: 21.4 ± 7.5mL/cmH2O and A2: 21.3 ± 6.2mL/cmH2O). The intraclass correlation coefficient was also calculated for respiratory system resistance (R = 0.882 and p = 0.001; R = 0.949 and p = 0.001 - interexaminer A1 versus B and B versus A2, respectively; R = 0.932 and p = 0.001 - intraexaminer); respiratory system static compliance (R = 0.951 and p = 0.001; R = 0.958 and p = 0.001 - interexaminer A1 versus B and B versus A2, respectively; R = 0.965 and p = 0.001 - intraexaminer) and respiratory system dynamic compliance (R = 0.957 and p = 0.001; R = 0.946 and p = 0.001 - interexaminer A1 versus B and B versus A2, respectively; R = 0.926 and p = 0.001 - intraexaminer). Conclusion: The measurements of resistance and static and dynamic compliance of the respiratory system show good intra- and interexaminer reproducibility for ventilated patients.


Subject(s)
Humans , Male , Female , Adult , Middle Aged , Aged , Respiration, Artificial/methods , Respiratory Mechanics/physiology , Airway Resistance/physiology , Lung Compliance/physiology , Reproducibility of Results
8.
Rev. Pesqui. Fisioter ; 10(1): 43-49, Fev. 2020. tab, ilus
Article in English, Portuguese | LILACS | ID: biblio-1223362

ABSTRACT

A sarcopenia é uma síndrome caracterizada por perda progressiva e generalizada de massa e força do músculo esquelética, bem como possivelmente da musculatura respiratória com risco de desfechos adversos, como declínio da funcionalidade, má qualidade de vida e morte. O risco de complicações respiratórias e infecções na população idosa é elevado, o que pode ser devido, em parte, as alterações da força do diafragma. OBJETIVO: Avaliar a associação entre força muscular periférica e força muscular respiratória em idosos hospitalizados. MÉTODOS: Trata-se de um estudo realizado em um hospital público na cidade de Salvador, Bahia. As variáveis primárias mensuradas foram medidas antropométricas, força de preensão palmar, força muscular respiratória através da aferição da pressão inspiratória máxima (PImáx), velocidade de marcha e presença de tabagismo. As variáveis secundárias extraídas a partir de dados de prontuário foram idade, gênero, diagnóstico médico admissional, perfil clínico admissional (clínico ou cirúrgico), tempo de internação no momento da coleta e índice de comorbidades de Charlson. Para avaliação entre as variáveis da FPP e força muscular respiratória foi utilizado a análise da correlação de Pearson. RESULTADOS: Dos 95 idosos avaliados, 73,7% era do sexo masculino, 89,5% tinham internação por motivo cirúrgico (40,2% cirurgias abdominais; 30,4% cirurgias urológicas; 16,3% amputações; 13,1% outras cirurgias), IMC 24,5 ± 4,1Kg/m2. A média de idade foi 68,1±6,1 anos, força de preensão palmar 31,3 ± 9,1Kgf e PImáx -77,5±33,2 cm H2O. O tempo para avaliação inicial foi de 4,3 ± 3,1 dias após internação hospitalar. O índice de comorbidades de Charlson foi de 3,6 ± 1,89 e a pontuação do mini-exame do estado mental foi 22,9±7,22. A correlação entre a força de preensão palmar e a força muscular respiratória foi moderada (R=-0,439 e valor de p= 0,001). CONCLUSÃO: Existe relação entre FMR e FMP, bem como a FMR pode predizer dinapenia. Apesar disso, recomenda-se que a avaliação da FMR e FMP sejam feitas de forma individualizada para um posterior direcionamento do plano terapêutico, já que esta relação foi apenas moderada.


Sarcopenia is a syndrome characterized by the progressive and widespread loss of skeletal muscle mass and strength, which can be used as a life-threatening respiratory massage, such as decline in function, poor quality of life, and death. The risk of respiratory and control complications in the elderly population is one that may be due to a change in the strength of the diaphragm. OBJECTIVE: To assess the association between peripheral muscle strength and respiratory muscle strength in hospitalized elderly. METHODS: this is a study carried out in a public hospital in Salvador, Bahia. The primary variables measured were anthropometric measurements, palmar grip strength, respiratory muscle strength through maximal inspiratory pressure (MIP), gait velocity and presence of smoking. The secondary variables extracted from medical records were age, gender, admission medical diagnosis, admission clinical profile (clinical or surgical), length of hospital stay at time of collection and Charlson comorbidities index. The Pearson correlation analysis was used to evaluate the PPF variables and respiratory muscle strength. RESULTS: Of the 95 elderly patients evaluated, 73.7% were male, 89.5% were hospitalized for surgical reasons (40.2% were abdominal surgeries, 30.4% were urological surgeries, 16.3% were amputations, 13.1% were other surgeries ), BMI 24.5 ± 4.1 kg / m2. The mean age was 68.1 ± 6.1 years, palmar grip strength 31.3 ± 9.1 Kgf and PImax -77.5 ± 33.2 cm H2O. The time for initial evaluation was 4.3 ± 3.1 days after hospital admission. The Charlson comorbidities index was 3.6 ± 1.89 and the mini-mental status score was 22.9 ± 7.22. The correlation between palmar grip strength and respiratory muscle strength was moderate (R = -0.439 and p = 0.001). CONCLUSION: There is a relationship between FMR and FMP, and FMR can predict dynapenia. Despite this, it is recommended that the evaluation of FMR and FMP be made in an individualized way for a subsequent direction of the therapeutic plan, since this relationship was only moderate.


Subject(s)
Respiration , Aged , Muscle Strength
9.
Rev. Ciênc. Méd. Biol. (Impr.) ; 18(3): 344-346, dez 20, 2019. tab
Article in Portuguese | LILACS | ID: biblio-1359103

ABSTRACT

Introdução: as doenças respiratórias crônicas resultam de uma combinação de fatores genéticos, fisiológicos, ambientais e comportamentais, sendo associadas a um grande número de internamentos e óbitos anualmente em todo o mundo, sendo evidenciado também importante impacto socioeconômico. Objetivo: descrever o número de internações, o tempo de permanências, a taxa de mortalidade e os custos hospitalares por doenças respiratórias obstrutivas crônicas em regiões brasileiras no período compreendido entre os anos de 2016 e 2018. Metodologia: estudo descritivo, de natureza quantitativa, realizado a partir de informações de saúde relativas ao período de 2016 a 2018, obtidas em dados secundários coletados no Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde (DATASUS) do Ministério da Saúde, através do Sistema de Informações Hospitalares (SIH/SUS). Resultados: entre os anos de 2016 e 2018, houve 345.527 internações por doenças pulmonares obstrutivas crônicas no Brasil. Os pacientes permaneceram em média seis dias internados, sendo registrados gastos hospitalares de R$ 287.168.494,88 e uma taxa de mortalidade de 7,63 por mil habitantes. Houve maior número de internações e quantidade de dias de internamento nas regiões sul e sudeste. Conclusão: as estratégias de proteção contra doenças crônicas não transmissíveis mostram ­ se como uma necessidade global e envolve grande número de internamentos e óbitos, sendo proposta nesse estudo a discussão também dos impactos socioeconômicos dessa problemática.


Introduction: chronic respiratory diseases result from a combination of genetic, physiological, environmental and behavioral factors, and are associated with great number of hospitalizations and deaths annually worldwide, also evidencing an important socioeconomic impact. Objective: to describe the number of hospitalizations, length of stay, mortality rate and hospital costs due to chronic obstructive respiratory diseases in Brazilian regions between 2016 and 2018. Methodhology: this is a descriptive quantitative study based on health information from 2016 to 2018 obtained from secondary data collected from the Department of Informatics of SUS ­ Brazilian public health care combined system ­ (DATASUS) of the Ministry of Health, through the Hospital Information System. (SIH/SUS). Results: between 2016 and 2018, there were 345,527 hospitalizations for chronic obstructive pulmonary diseases in Brazil, patients remained on average six days hospitalized with medical expenses of R $ 287,168,494.88 and a mortality rate of 7.63 per thousand inhabitants. There were higher number of hospitalizations and number of days of medical care in the south and southeast regions. Conclusion: protection strategies against chronic noncontagious diseases are a global necessity and involve large amount of hospitalizations and deaths, therefore, it is also proposed in this study a discussion on socioeconomic impacts of this problem.


Subject(s)
Humans , Male , Female , Respiratory Tract Diseases , Brazil , Chronic Disease , Epidemiology , Mortality , Hospitalization , Epidemiology, Descriptive , Database , Evaluation Studies as Topic
10.
Rev. bras. ter. intensiva ; 31(4): 521-528, out.-dez. 2019. tab, graf
Article in Portuguese | LILACS | ID: biblio-1058055

ABSTRACT

RESUMO Objetivo: Comparar as propriedades de medida (consistência interna, confiabilidade intra e interavaliadores, validade do construto, e efeitos teto e piso) da Escala de Estado Funcional para UTI (FSS-ICU - Functional Status Score for the ICU) e da Medida de Independência Funcional (MIF)-domínio motor). Métodos: Neste estudo de propriedades de medida, a FSS-ICU e a MIF foram aplicadas em 100 pacientes (72,1 ± 15,9 anos; 53% masculino; Sequential Organ Failure Assessment = 11,0 ± 3,5 pontos; Simplified Acute Physiology Score 3 = 50,2 ± 16,8 pontos) na unidade de terapia intensiva na linha de base e após 2 horas pelo fisioterapeuta 1 (teste e reteste) e 30 minutos após a linha de base pelo fisioterapeuta 2. As propriedades de medidas avaliadas foram a consistência interna (alfa de Cronbach), as confiabilidades intra e interavaliadores (coeficiente de correlação intraclasse), a concordância (erro padrão de medida), a diferença mínima detectável com confiança de 90%, os efeitos teto e piso (frequência de pontuação máxima e mínima) e a validade do construto (correlação de Pearson). Resultados: Para a FSS-ICU e a MIF, foram encontradas adequadas consistência interna (alfa de Cronbach: FSS-ICU = 0,95 e MIF = 0,86), confiabilidades intra e interavaliadores para pontuação geral da FSS-ICU e MIF (coeficiente de correlação intraclasse > 0,75), concordância (diferença mínima detectável com confiança de 90% e MIF = 1,0 ponto; erro padrão de medida: FSS-ICU = 2% e MIF = 1%) e validade do construto (r = 0,94; p < 0,001). A FSS-ICU apresentou efeito teto de 16% e a MIF de 18%. Conclusão: As escalas FSS-ICU e MIF têm adequadas propriedades de medida para avaliarem funcionalidade em pacientes críticos, embora apresentem efeito teto.


ABSTRACT Objective: To compare the measurement properties (internal consistency, intra and interrater reliability, construct validity, and ceiling and floor effects) of the Functional Status Score for the ICU (FSS-ICU) and the Functional Independence Measure (FIM-motor domain). Methods: In this study of measurement properties, the FSS-ICU and FIM were applied to 100 patients (72.1 ± 15.9 years; 53% male; Sequential Organ Failure Assessment = 11.0 ± 3.5 points, Simplified Acute Physiology Score 3 = 50.2 ± 16.8 points) in an intensive care unit at baseline and after 2 hours by physiotherapist 1 (test and retest) and 30 minutes after baseline by physiotherapist 2. The measurement properties evaluated were internal consistency (Cronbach's alpha), intra- and interrater reliability (intraclass correlation coefficient), agreement (standard error of measurement) and minimum detectable change at a 90% confidence level, ceiling and floor effects (frequency of maximum and minimum scores) and construct validity (Pearson's correlation). Results: The FSS-ICU and FIM presented adequate internal consistency (Cronbach's alpha, FSS-ICU = 0.95 and FIM = 0.86), intra-and interrater reliability for overall FSS-ICU and FIM score (ICC > 0.75), agreement (minimum detectable change at a 90% confidence level: FSS-ICU and FIM = 1.0 point; standard error of measurement: FSS-ICU = 2% and FIM = 1%) and construct validity (r = 0.94; p < 0.001). However, the FSS-ICU and FIM presented ceiling effects (maximum score for 16% of patients for the FSS-ICU and 18% for the FIM). Conclusion: The FSS-ICU and FIM present adequate measurement properties to assess functionality in critically ill patients, although they present ceiling effects.


Subject(s)
Humans , Male , Female , Aged , Aged, 80 and over , Critical Illness/therapy , Physical Functional Performance , Intensive Care Units , Severity of Illness Index , Brazil , Activities of Daily Living , Reproducibility of Results , Middle Aged
11.
Rev. Pesqui. Fisioter ; 9(2): 159-165, Maio 2019. tab, ilus
Article in English, Portuguese | LILACS | ID: biblio-1150886

ABSTRACT

INTRODUÇÃO: Episódios de quedas estão associados com redução da mobilidade e mortalidade e são mais comuns em idosos. O Timed up and Go (TUG) é um dos principais instrumentos para rastrear o risco de cair em idosos. OBJETIVO: Avaliar a associação do teste TUG para autorrelato de quedas no último ano em idosos hospitalizados. MATERIAIS E MÉTODOS: Estudo transversal realizado em um hospital privado da cidade de Salvador/BA, no período de Agosto de 2013 a Janeiro de 2014. Foram incluídos indivíduos de ambos os sexos, a partir do 1º ao 5º dia de internação. A acurácia do teste foi calculada pela curva ROC (Receiver Operator Characteristic) e análise dos valores de sensibilidade e especificidade. Os resultados foram dispostos em média e desvio padrão ou valor absoluto e percentual. Foi considerado significativo um valor de p <0,05. RESULTADOS: Foram inclusos 68 idosos, com idade média 70,4 ± 7,7 anos, IMC = 25,66 ± 5,26 kg/m2, índice de Charlson 5,35 ± 1,97 e tempo médio de internação 2,76 ± 1,71 dias. O tempo médio de realização do TUG foi 10,02 ± 5,38 segundos. A acurácia do TUG foi considerada moderada (0,67; IC = 0,54 - 0,80; p=0,029). O ponto de corte de 9,2 segundos encontrado na curva ROC foi o ponto de maior associação com autorrelato de quedas com uma sensibilidade de 67,7% e especifidade 68,2%. CONCLUSÃO: O desempenho no TUG tem associação com autorrelato de quedas no último ano em idosos hospitalizados.


INTRODUCTION: Episodes of falls are associated with decreased mobility and mortality and are more common in the elderly. Timed up and Go (TUG) is one of the key tools for tracking the risk of falling in the elderly. OBJECTIVE: To evaluate the association of the TUG test for self-report of falls in the last year in hospitalized elderly. MATERIALS AND METHODS: A cross-sectional study was conducted at a private hospital in the city of Salvador, Bahia, from August 2013 to January 2014. Individuals of both sexes were included from the 1st to 5th day of hospitalization. The accuracy of the test was calculated by the Receiver Operator Characteristic (ROC) curve and analysis of the sensitivity and specificity values. The results were arranged as mean and standard deviation or absolute and percentage values. A value of p <0.05 was considered significant. RESULTS: We included 68 elderly people, mean age 70.4 ± 7.7 years, BMI = 25.66 ± 5.26 kg / m2, Charlson index 5.35 ± 1.97 and mean time of hospitalization 2.76 ± 1.71 days. The mean TUG time was 10.02 ± 5.38 seconds. The cutoff point of 9.2 seconds found in the ROC curve was the point of greatest association with self-report of falls with a sensitivity of 67.7% and specificity of 68.2%. CONCLUSION: TUG performance is associated with self-report of falls in the last year in hospitalized elderly.


Subject(s)
Health of the Elderly , Mobility Limitation , Hospitalization
12.
Rev. Pesqui. Fisioter ; 9(2): 250-263, Maio 2019. ilus, tab
Article in English, Portuguese | LILACS | ID: biblio-1151327

ABSTRACT

INTRODUÇÃO: O edema agudo de pulmão cardiogênico (EAPC) representa uma importante causa de insuficiência respiratória aguda podendo ser atenuada com a instalação de ventilação mecânica não-invasiva (VNI). OBJETIVO: Comparar pressão positiva contínua (CPAP) e pressão positiva de dois níveis (BIPAP) na via aérea em pacientes adultos com EAPC, quanto à função pulmonar, ao tempo de permanência, suas complicações e a dispneia através de uma revisão sistemática. METODOLOGIA: Ensaios clínicos controlados e randomizados (ECR), revisados por dois revisores independentes, conforme recomendações PRISMA, nas bases de dados PubMed e Biblioteca Cochrane. Incluídos estudos originais que utilizaram a CPAP e a BIPAP em pacientes com EAPC publicados na língua inglesa. A Escala PEDro foi utilizada para analisar a qualidade metodológica dos estudos e a Cochrane Collaboration para análise de risco de viés. RESULTADOS: Foram incluídos 13 artigos, publicados entre os anos 1997 e 2014. Os níveis de CPAP variaram entre 5 e 20 cmH2O nos estudos, e BIPAP apresentou-se com pressão inspiratória positiva (IPAP) entre 8 e 20 cmH2O e pressão expiratória positiva (PEEP) entre 3 e 10 cmH2O. Os estudos apresentaram CPAP e BIPAP sem diferença estatisticamente significante para a melhora da função pulmonar (FR, PaO2 e PaCO2), tempo de internamento, taxas de mortalidade, entubação e infarto agudo do miocárdio (IAM); mostrando-se como modalidades igualmente eficazes. CONCLUSÃO: CPAP e a BIPAP garantem os mesmos efeitos para melhora da função pulmonar, não mantém relação com a permanência da internação e complicações, e melhoram o quadro de dispneia.


INTRODUCTION: Acute cardiogenic lung edema (EAPC) represents an important cause of acute respiratory failure and can be attenuated with the installation of non-invasive mechanical ventilation (NIV). OBJECTIVE: To compare the use of continuous positive pressure (CPAP) and two-way positive airway pressure (BIPAP) in adult patients with acute pulmonary edema of pulmonary function, length of stay and complications, and dyspnea through a systematic review METHODOLOGY: Systematic review of randomized controlled trials (RCTs) performed by two independent reviewers, as recommended by the PRISMA platform, in the PubMed and Cochrane Library databases. Original studies using CPAP and BIPAP were used in patients with acute cardiogenic lung edema published in English. The PEDro Scale was used to analyze the methodological quality of the studies and Cochrane Collaboration. RESULTS: We included 13 articles, published between 1997 and 2014. CPAP levels ranged from 5 to 20 cmH2O in the studies, and BIPAP presented positive inspiratory pressure (IPAP) between 8 and 20 cmH2O and positive expiratory pressure (EPAP) between 3 and 10 cmH2O. The studies presented CPAP and BIPAP without statistically significant difference for the improvement of the pulmonary function (FR, PaO2 and PaCO2), permanence of hospitalization, mortality rates, intubation and acute myocardial infarction (AMI); as equally effective modalities. CONCLUSION: CPAP and BIPAP guarantee the same effects to improve pulmonary function, does not maintain relation with the permanence of hospitalization and complications, namely: mortality, intubation and AMI, and improve dyspnea.


Subject(s)
Noninvasive Ventilation , Pulmonary Edema , Heart Failure
13.
Rev. Pesqui. Fisioter ; 9(1): 10-17, Fev. 2019. graf, fig
Article in English, Portuguese | LILACS | ID: biblio-1150699

ABSTRACT

INTRODUÇÃO: A avaliação da capacidade vital (CV) é um método de avaliação respiratória relevante, visto que seus dados contribuem para o diagnóstico de doenças e alterações. OBJETIVO: Avaliar a viabilidade e confiabilidade relativa e absoluta da CV mensurada através do ventilômetro. MATERIAIS E MÉTODOS: Estudo transversal realizado entre setembro a outubro de 2010, onde foram incluídos indivíduos saudáveis em um hospital na cidade de Salvador/BA. As mensurações da CV foram realizadas em três momentos através do ventilômetro, sendo realizadas por dois avaliadores distintos (A e B). A primeira medida foi avaliada pelo examinador A (A1), a segunda pelo examinador B e a terceira novamente pelo examinador A (A2). Para confiabilidade inter-examinador utilizou-se as medidas A1 x B e B x A2 e para intra-examinador A1 x A2. Para análise estatística foi realizada o coeficiente de correlação intra-classe (CCI) para confiabilidade relativa e a análise de Bland-Altmann para confiabilidade absoluta. RESULTADOS: A amostra foi composta por 30 indivíduos, com idade média de 29,4 ± 6,0 anos. Não houve diferença na comparação das médias (A1 x B, p=0,55; B x A2, p=0,62 e A1 x A2, p=0,40). A confiabilidade relativa intra-examinador foi 0,97 (p=0,0001) e as inter-examinadores 0,87 (p=0,0001) e 0,97 (p=0,0001). A confiabilidade absoluta apresentou concordância, porém com viés variável (- 0,09; - 0,05 e - 0,03). CONCLUSÕES: Houve uma alta confiabilidade relativa e moderada confiabilidade absoluta da capacidade vital aferida através do ventilômetro.


INTRODUCTION: Vital capacity (VC) assessment is a relevant respiratory assessment method, since its data contribute to the diagnosis of diseases and alterations of this system. OBJECTIVES: The aim of this study was to evaluate the feasibility and the relative and absolute reliability of CV measured by the ventilometer. MATERIALS AND METHODS: A cross-sectional study was conducted between September and October 2010, where healthy individuals were included in a hospital in the city of Salvador / BA. CV measurements were performed in the three moments through the ventilometer, being performed by two different raters (A and B). The first measure was reviewed by the observer A (A1), the second by observer B and the third again by observer A (A2). For inter-rater reliability, we used the measures A1 x B and B x A2 and intra-rater A1 x A2. RESULTS: The sample was composed of 30 subjects, meanage 29.4 ± 6.0 years. There was no difference in the comparison of means (A1 x B, p = 0.55, B x A2, p = 0.62 and A1 x A2, p =0.40). The intra-rater reliability relative was 0.97 (p = 0.0001) and inter-rater 0.87 (p = 0.0001) and 0.97 (p = 0.0001). The absolute reliability showed agreement, but with variable bias (- 0.09, - 0.05 and - 0.03). CONCLUSION: There was a relative high reliability and moderate absolute reliability of vital capacity measured by the ventilometer.


Subject(s)
Vital Capacity , Respiratory Function Tests , Reproducibility of Results
14.
Rev. Pesqui. Fisioter ; 9(1): 129-138, Fev. 2019. ilus, tab
Article in English, Portuguese | LILACS | ID: biblio-1150849

ABSTRACT

INTRODUÇÃO: A síndrome do desconforto respiratório agudo (SDRA) é caracterizada por resposta inflamatória da membrana alvéolo capilar a injúrias pulmonares diretas ou indiretas, cursando com redução de complacência e presença de infiltrados pulmonares. Tal condição provoca alterações na mecânica pulmonar e nas trocas gasosas, gerando hipoxemia. OBJETIVO: Revisar sistematicamente ensaios clínicos randomizados que investigaram os efeitos da posição prona e suas repercussões na oxigenação, mecânica respiratória, mortalidade e ocorrência de eventos adversos em pacientes com SDRA. MATERIAIS E MÉTODOS: Revisão sistemática da literatura, seguindo as recomendações PRISMA. As buscas foram realizadas nas bibliotecas de dados PubMed, BVS, PEDro e SciELO, por dois revisores independentes. Incluído estudos ensaio clínico randomizado que apresentavam intervenção a terapia de posicionamento em prono, que compararam a ventilação na posição prona com a supina. Os desfechos analisados foram oxigenação, mecânica respiratória, mortalidade e ocorrência de eventos adversos, através de análise descritiva. A qualidade metodológica dos estudos foi avaliada pela escala PEDro. Foram incluídos os ensaios clínicos randomizados RESULTADOS: Foram analisados 8 artigos, com média 6 na escala PEDro. Os estudos demonstraram resultados positivos na oxigenação, pouca influência na mecânica respiratória, melhora nas taxas de mortalidade e alta prevalência de efeitos adversos, minimizados com a capacitação da equipe. Destaco a variedade metodológica e dos desfechos como limitação da pesquisa. CONCLUSÃO: A posição prona é capaz de promover efeitos benéficos na oxigenação, complacência, mortalidade e queda de eventos adversos em indivíduos com SDRA. Entretanto, destaca-se a necessidade de realização de novos ensaios clínicos sobre o tema, que ofereçam amostras satisfatórias e metodologias semelhantes.


INTRODUCTION: The acute respiratory distress syndrome (ARDS) is characterized by an inflammatory response of the alveolar-capillary membrane to direct or indirect pulmonary injuries with a reduction in to complacency and the presence of pulmonary infiltrates. Such condition causes changes in lung mechanics and gas exchange, causing hypoxemia. OBJECTIVE: To systematically review randomized clinical trials investigating the effects of the disease and its repercussions on oxygenation, respiratory mechanics, mortality and occurrence of adverse events in patients with ARDS. MATERIALS AND METHODS: Systematic review of the literature, following PRISMA recommendations. The searches were performed in the PubMed, BVS, PEDro and SciELO data libraries by two independent reviewers. Included studies randomized clinical trial that presented intervention to positioning therapy in prone, comparing ventilation in prone position with supine. The methodological quality of the studies was evaluated by the PEDro scale. The outcomes analyzed were oxygenation, respiratory mechanics, mortality and occurrence of adverse events, through descriptive analysis. RESULTS: Eight articles were analyzed, with an average of 6 on the PEDro scale. Studies have shown positive oxygenation results, low respiratory mechanics influence of respiratory mechanics, improved in mortality rates and high of adverse effects minimized with team training. I highlight the methodological variety and outcomes as a limitation of the research. CONCLUSION: The prone position is capable of promoting beneficial effects in oxygenation, compliance, mortality and reduction of adverse events in individuals with ARDS. However, it is noteworthy the need to perform new clinical trials on the subject, which offer satisfactory samples and similar methodologies.


Subject(s)
Respiratory Distress Syndrome , Respiratory Mechanics , Oxygenation
15.
Int. j. cardiovasc. sci. (Impr.) ; 31(3): 244-249, jul.-ago. 2018. tab, graf
Article in English, Portuguese | LILACS | ID: biblio-908894

ABSTRACT

Fundamentos: A ventilação mecânica (VM) e a circulação extracorpórea (CEC) estão associadas a um declínio da mecânica pulmonar que pode impactar as trocas gasosas. Objetivo: Avaliar o impacto da mecânica pulmonar sobre a duração da VM e trocas gasosas no pós-operatório de cirurgia cardíaca. Métodos: Estudo de coorte realizado com pacientes submetidos a cirurgia cardíaca. Todos os pacientes foram submetidos a avaliação da mecânica pulmonar (complacência estática e resistência das vias aéreas) e gasometria arterial assim que admitidos à unidade de terapia intensiva (UTI) e foram acompanhados até o momento da extubação e, em seguida, até a alta hospitalar. Para correlacionar as variáveis preditoras com o desfecho, foi utilizado o teste de Pearson. Valores de p < 0,05 foram considerados significativos. Resultados: O estudo incluiu 50 pacientes (46 mulheres, 52%), com idade média de 57,5 ± 13,5 anos. A duração da VM foi de 7,7 ± 3,0 horas, a complacência estática foi de 35,5 ± 9,1 cm H2O, a resistência foi de 6,0 ± 2,3 cm H2O, a duração média de estadia na UTI foi de 2,9 ± 1,1 dias e o índice de oxigenação foi de 228,0 ± 33,4 mmHg. Não houve uma correlação significativa entre a duração da VM e a complacência estática (p = 0,73), porém houve uma forte correlação entre a complacência estática e as trocas gasosas (r = 0,8, p < 0,001). Conclusão: A mecânica pulmonar apresenta forte correlação com as trocas gasosas e fraca correlação com a duração da VM no pós-operatório de cirurgia cardíaca


Background: Mechanical ventilation (MV) and extracorporeal circulation (ECC) are associated with a decline in pulmonary mechanics that may affect gas exchange. Objective: To evaluate the impact of pulmonary mechanics on MV duration and gas exchange in the postoperative period of cardiac surgery. Methods: This was a cohort study in patients undergoing cardiac surgery. All patients underwent evaluation of pulmonary mechanics (static compliance and airway resistance) and arterial blood gas analysis upon admission to the intensive care unit (ICU) and were followed up until extubation and hospital discharge. Results: The study included 50 patients (46 women, 52%) with a mean age of 57.5 ± 13.5 years. The MV duration was 7.7 ± 3.0 hours, static compliance was 35.5 ± 9.1 cm H2O, resistance was 6.0 ± 2.3 cm H2O, mean length of ICU stay was 2.9 ± 1.1 days, and oxygenation index was 228.0 ± 33.4 mmHg. No significant correlation was found between MV duration and static compliance (p = 0.73), but a strong correlation was found between static compliance and gas exchange (r = 0.8 and p < 0.001). Conclusion: Pulmonary mechanics have a strong correlation with gas exchange and a weak correlation with MV duration after cardiac surgery


Subject(s)
Humans , Male , Female , Adult , Middle Aged , Postoperative Care , Respiration, Artificial , Thoracic Surgery , Oxygenation , Therapeutics , Respiratory Mechanics , Data Interpretation, Statistical , Cohort Studies , Extracorporeal Circulation/methods , Cardiac Surgical Procedures/methods , Intensive Care Units
16.
Rev. bras. med. trab ; 16(2): 225-235, abr.-jun-2018.
Article in English, Portuguese | LILACS | ID: biblio-909240

ABSTRACT

Contexto: A dor lombar apresenta alta prevalência na população economicamente ativa, promovendo a diminuição da capacidade produtiva, absenteísmo, prejuízos à qualidade de vida e afastamento previdenciário. Medidas diversas têm sido adotadas no intuito de diminuir esse infortúnio laboral, destacando-se a prática de exercício físico no ambiente de trabalho. Objetivo: O objetivo desta revisão foi identificar estudos que utilizaram o exercício físico realizado no ambiente laboral para tratamento da dor lombar. Métodos: Trata-se de uma revisão sistemática com metanálise. Foi realizada busca eletrônica na base de dados MEDLINE utilizando os descritores "workplace"; "low back pain" e "exercise" e os respectivos sinônimos e palavras-chaves identificados nos Descritores em Ciências da Saúde e no Medical Subject Headings. Resultados: Foram considerados todos os estudos que adotaram exercício físico no ambiente de trabalho e possuíam desfechos relacionados à dor lombar. Foram encontrados 499 estudos em potencial, resultando na inclusão final de 15 artigos. O tempo de tratamento variou de 3 semanas a 18 meses, e as principais intervenções foram exercícios de força, alongamentos e relaxamento muscular. Conclusão: A metanálise demonstrou que não há efeito do exercício físico no ambiente de trabalho na redução da percepção da dor lombar (diferença entre médias=0.62, CI95%, -0.8,2.04; p<0.4). Esta revisão sistemática foi registrada no PROSPERO, sob protocolo CRD42017071563


Background: The prevalence of low back pain is high among the economically active population. Low back pain reduces productivity and causes absenteeism, impaired quality of life and leaves of absence. Several measures were suggested to reduce the occurrence of this occupational condition, among which physical exercise at the workplace stands out. Aim: To analyze studies which assessed physical exercise at the workplace for treatment of low back pain. Methods: The present study consisted of a systematic review with meta-analysis. An electronic search was conducted on database MEDLINE using keywords "workplace," "low back pain" and "exercise," synonyms and headings located on Health Sciences Descriptors and Medical Subject Headings. We considered all the studies that included physical exercise at the workplace and defined low back pain as outcome. Results: We located 499 potential studies and finally included 15 for review. The duration of treatment varied from 3 weeks to 18 months, and the main interventions were strength and stretching exercises and muscle relaxation. Conclusions: The meta-analysis showed that physical exercise at the workplace did not reduce the occurrence of low back pain (difference of means=0.62, 95%CI -0.8­2.04, p<0.4). The present systematic review was registered in database PROSPERO, registration number CRD42017071563.


Subject(s)
Workplace , Exercise , Low Back Pain/therapy , Occupational Diseases
17.
Fisioter. Bras ; 19(3): f:300-I:308, 2018.
Article in Portuguese | LILACS | ID: biblio-912059

ABSTRACT

Introdução: A realização de cirurgias abdominais possuem riscos de complicações pulmonares no período pós-operatório. A atuação fisioterapêutica no ambiente hospitalar vem se destacando na melhoria das funções pulmonares e na otimização da capacidade funcional. O presente estudo teve como objetivo analisar a eficácia de um protocolo fisioterapêutico em pacientes no pós-operatório de cirurgias abdominais eletivas. Métodos: Trata-se de um estudo intervencionista de abordagem quantitativa, tipo ensaio clínico randomizado. O grupo intervenção após solicitação da prescrição médica foi submetido a um protocolo de assistência fisioterapêutica, e o grupo controle, por não ter sido prescrito pelo médico assistente, realizou a avaliação e recebeu orientações quanto à necessidade da deambulação e da importância da inspiração profunda. As análises foram realizadas através software Statistical Package for Social Sciences, sendo adotado nível de significância valor de p menor que 0,05. Resultados: A amostra foi composta por 93 pacientes divididos em dois grupos homogêneos. As principais causas de internamento foram cirurgias cesarianas e histerectomias. A média de atendimentos de fisioterapia realizada no grupo intervenção foi 6,3 ± 3,7 sessões. Em relação às variáveis respiratórias o GI mostrou-se estatisticamente superior, com exceção no grau de dispneia e na característica da tosse. A capacidade aeróbica no momento da alta hospitalar foi superior no grupo intervenção. O tempo de internamento e os custos hospitalares foram inferiores no grupo submetido ao protocolo. Conclusão: Conclui-se que a realização de um programa de fisioterapia no pós-operatório se faz uma estratégia segura, melhora significativamente as funções respiratórias e reduz o tempo de internamento hospitalar. (AU)


Introduction: The performance of abdominal surgeries presents risks of pulmonary complications in the postoperative period. Physical therapy in the hospital environment has been emphasized in the improvement of pulmonary functions and optimization of functional capacity. The present study aimed to analyze the efficacy of a physiotherapeutic protocol in patients in the postoperative period of elective abdominal surgeries. Methods: This is an interventional study with a quantitative approach, like a randomized clinical trial. The intervention group after requesting the medical prescription was submitted to a physiotherapeutic assistance protocol, and the control group, because it was not prescribed by the attending physician, carried out the evaluation and received guidance on the need for ambulation and the importance of deep inspiration. The analyzes were carried out through software Statistical Package for Social Sciences, being adopted level of significance value of p less than 0.05. Results: The sample consisted of 93 patients divided into two homogeneous groups. The main causes of hospitalization were cesarean surgeries and hysterectomies. The average number of physical therapy visits performed in the intervention group was 6.3 ± 3.7 sessions. Regarding the respiratory variables, GI was statistically superior, except for the degree of dyspnea and the characteristic of cough. The aerobic capacity at the moment of hospital discharge was higher in the intervention group. The hospitalization time and hospital costs were lower in the group submitted to the protocol. Conclusion: It is concluded that the implementation of a physiotherapy program in the postoperative period is a safe strategy, significantly improves respiratory functions and reduces hospitalization time. (AU)


Subject(s)
Humans , Male , Female , Adult , Middle Aged , Aged , Aged, 80 and over , Postoperative Period , Laparotomy , Pain, Postoperative , Physical Therapy Specialty
18.
Acta fisiátrica ; 24(4): 180-185, dez. 2017.
Article in English, Portuguese | LILACS | ID: biblio-968619

ABSTRACT

O surgimento da terapia antirretroviral (TARV) eficaz, transformou o perfil evolutivo da infecção pelo vírus da imunodeficiência humana adquirida (HIV) em uma doença crônica, com o aumento da expectativa de vida e complicações relacionadas ao uso desta, como a fraqueza muscular. Objetivo: Descrever a ocorrência de dinapenia e sua relação com qualidade de vida em indivíduos infectados com HIV. Métodos: Estudo observacional, de corte transversal, onde a força de preensão palmar foi avaliada através da dinamometria. Foram incluídos indivíduos infectados pelo HIV com idade ≥18 anos e capacidade para aferição da força muscular. O diagnóstico de dinapenia foi determinado pelos critérios definidos pela literatura para avaliação da força de preensão palmar e o índice de massa corporal (IMC). Para avaliação da qualidade de vida utilizou-se o questionário de qualidade de vida Short-Form Health Survey (SF-36). Outras variáveis mensuradas foram tempo de uso de TARV e o Índice de Comorbidades de Charlson (ICC), além de idade, sexo e peso. Resultados: A presença de dinapenia foi de 11,6% na amostra estudada. Houve associação de dinapenia com as variáveis idade (p=0,0001), presença de cormobidades (p=0,0001), menor força de preensão palmar (p=0,0001) e menor IMC (p=0,033). A qualidade de vida mostrou-se comprometida tanto nos domínios de aspectos físicos quanto nos de aspectos mentais. Conclusão: Existe dinapenia em uma parte dos indivíduos com HIV e houve associação desta com pior qualidade de vida, sugerindo a necessidade de rastreio e tratamento deste problema nessa população, muitas vezes subnotificado


The appearance of effective antiretroviral therapy (ART) has transformed the evolutionary profile of acquired human immunodeficiency virus (HIV) into a chronic disease, with increased life expectancy but complications related to its use, such as muscle weakness. Objective: Describe the occurrence of dynapenia and its relationship with quality of life in HIV infected individuals. Methods: This is a cross-sectional observational study, in which handgrip strength was evaluated with handgrip dynamometry. HIV-infected individuals aged ≥18 years and ability to have muscle strength measured were included. The diagnosis of dynapenia was determined by the literature for handgrip strength evaluation and body mass index (BMI). Short-Form Health Survey (SF-36) was used to evaluate the quality of life, and other variables such as time to use ART and the Charlson Comorbidity Index (CCI), as well as age, gender and weight were recorded. Results: The presence of dynapenia was 11.6% in the sample studied. There was an association of dynapenia with the variables age (p = 0.0001), presence of cormobities (p = 0.0001), lower handgrip strength (p = 0.0001) and lower BMI (p = 0.033). The quality of life has been compromised in both the physical and mental domains. Conclusion: There is dynapenia in part of the individuals with HIV and its association with poorer quality of life was found, what suggests the necessity of screening and treatment of this often underreported health problem in this population


Subject(s)
Humans , Quality of Life , HIV Seropositivity , Muscle Weakness , Cross-Sectional Studies , Observational Study
19.
Rev. bras. med. esporte ; 22(5): 408-411, set.-out. 2016. tab, graf
Article in Portuguese | LILACS-Express | LILACS | ID: lil-798058

ABSTRACT

RESUMO Introdução: Testes físicos seguros e confiáveis são importantes para rastrear risco de queda em idosos, entretanto, não existem estudos que tenham avaliado a segurança e a confiabilidade do teste Timed Up and Go (TUG) em idosos hospitalizados. Objetivos: Avaliar a segurança e reprodutibilidade do TUG em idosos hospitalizados. Métodos: Trata-se de um estudo transversal no qual foram coletadas três aferições do TUG para cada idoso, sendo considerado o melhor desempenho em segundos (s). Outras variáveis coletadas foram função cognitiva (MEEM), índice de comorbidades de Charlson, perfil admissional (clínico ou cirúrgico), relato de quedas no último ano e IMC. Para avaliar a confiabilidade relativa utilizou-se o coeficiente de correlação intraclasse (CCI) e para a confiabilidade absoluta, a análise de Bland-Altman. Resultados: Foram incluídos 68 idosos com média de idade de 70,4 ± 7,7 anos, índice de Charlson 5,4 ± 2,0 e predomínio do perfil clínico (64,7%). Nenhum dos 204 testes foi interrompido pelos critérios estabelecidos. Houve redução gradativa entre a primeira e a terceira aferição (1a = 11,6 ± 6,54; 2a = 10,7 ± 6,22 e 3a = 10,3 ± 5,54; p = 0,001) e elevado CCI (1a e 2a: CCI = 0,98; 1a e 3a: CCI = 0,98; 2a e 3a: CCI = 0,98; p = 0,001), sendo que a maior correlação com o melhor desempenho foi associada a 3a aferição (CCI = 0,99; p = 0,001). Identificou-se que os menores viés (0,29 s) e limites de concordância (-1,1 a 1,68 s) ocorreram também entre a terceira aferição e a de melhor desempenho. A medida de erro do método para avaliação da variabilidade foi 0,5 s e a alteração clinicamente significante 3,4 s. Conclusão: O TUG foi um instrumento seguro e com boa reprodutibilidade para mensuração do desempenho físico em idosos hospitalizados.


ABSTRACT Introduction: Safe and reliable physical tests are important to identify risk of falling in the elderly. However, there are no studies that have evaluated the safety and reliability of the test Timed Up and Go (TUG) in hospitalized elderly. Objectives: To evaluate the safety and reproducibility of the TUG in hospitalized elderly. Methods: This is a cross-sectional study where three measurements of the TUG were collected for each elderly, being considered the best performance in seconds (sec). Other variables collected were cognitive function (MMSE), Charlson comorbidity index, admission profile (clinical or surgical), history of falls in the last year and BMI. To assess the relative reliability we used the intraclass correlation coefficient (ICC), and for the absolute reliability we used the Bland-Altman analysis. Results: The study included 68 elderly with a mean age 70.4 ± 7.7 years, Charlson index 5.4 ± 2.0 and prevalence of clinical profile (64.7%). None of the 204 tests was interrupted by the established criteria. There was a gradual reduction between the first and third measurement (1st = 11.6 ± 6.54; 2nd = 10.7 ± 6.22 and 3rd = 10.3 ± 5.54; p = 0.001) and high ICC (1st and 2nd: ICC = 0.98; 1st and 3rd: ICC = 0.98; 2nd and 3rd: ICC = 0.98; p = 0.001), and the highest correlation with the best performance was associated with third measurement (ICC = 0.99; p = 0.001). We identified that the smallest bias (0.29 sec) and limits of concordance (-1.1 to 1.68 sec) also occurred between the third measurement and the best performance. The measure of the method error to evaluate the variability was 0.5 sec, and the clinically significant change was 3.4 sec. Conclusion: The TUG was a safe instrument with good reproducibility for measuring physical performance in hospitalized elderly.


RESUMEN Introducción: Pruebas físicas seguras y fiables son importantes para el rastreo del riesgo de caídas en los ancianos; sin embargo, no existen estudios que evaluaron la seguridad y la fiabilidad de la prueba Timed Up and Go (TUG) en ancianos hospitalizados. Objetivos: Evaluar la seguridad y fiabilidad del TUG en ancianos hospitalizados. Métodos: Se trata de un estudio transversal en el que se recogieron tres mediciones del TUG para cada anciano y se considera el mejor rendimiento en segundos (s). Otras variables recogidas fueron la función cognitiva (MMSE), el índice de comorbilidad de Charlson, perfil de ingreso hospitalario (clínico o quirúrgico), antecedentes de caídas en el último año y el IMC. Para evaluar la fiabilidad relativa se utilizó el coeficiente de correlación intraclase (CCI) y para la fiabilidad absoluta, el análisis de Bland-Altman. Resultados: Se incluyeron 68 ancianos con una edad media de 70,4 ± 7,7 años, índice de Charlson 5,4 ± 2,0 y prevalencia del perfil clínico (64,7%). Ninguna de las 204 pruebas fue interrumpida por los criterios establecidos. Hubo una reducción gradual entre la primera y tercera medición (1a = 11,6 ± 6,54, 2a = 10,7 ± 6,22 y 3a = 10,3 ± 5,54, p = 0,001) y CCI alto (1a y 2a: CCI = 0,98; 1a y 3a: CCI = 0,98; 2a y 3a: CCI = 0,98; p = 0,001), y la más alta correlación con el mejor rendimiento se asoció con la tercera medición (ICC = 0,99; p = 0,001). Se identificó que el sesgo más pequeño (0,29 s) y límites de concordancia (-1,1 a 1,68 s) también se produjo entre la tercera medición y el mejor rendimiento. La medición del error del método para la evaluación de la variabilidad fue de 0,5 s y el cambio clínicamente significativo fue 3,4 s. Conclusión: El TUG fue un instrumento seguro y reproducible para medir el rendimiento físico en ancianos hospitalizados.

20.
Rev. bras. geriatr. gerontol ; 19(2): 257-264, tab, graf
Article in Portuguese | LILACS-Express | LILACS | ID: lil-785202

ABSTRACT

Resumo Introdução: Massa e força muscular esquelética são variáveis que contribuem para o diagnóstico de sarcopenia. Objetivo: Avaliar a associação entre força e massa muscular esquelética em idosos hospitalizados. Método: Estudo transversal, realizado em hospital privado na cidade de Salvador-BA. Foram incluídos idosos ≥60 anos, entre o 1o e o 5o dia de internação hospitalar e que estivessem sem sedação e/ou drogas vasoativas. A massa muscular foi obtida por meio de equação antropométrica e a variável força por meio da força de preensão palmar. Fraqueza muscular foi identificada se <20 kgf para mulheres e <30 kgf para homens e a massa muscular reduzida quando o índice de massa muscular foi ≤8,9 kg/m2 para homens e ≤6,37 kg/m2 para mulheres. A correlação de Pearson foi utilizada para avaliar a relação entre massa e força e a acurácia para avaliar a capacidade da massa predizer força. Resultados: Entre os 110 idosos avaliados, houve moderada correlação entre massa e força (R=0,691; p=0,001). Entretanto, a acurácia foi fraca da massa para predizer força muscular (acurácia=0,30; IC 95% = 0,19-0,41; p=0,001). Os idosos com fraqueza eram mais velhos que os sem fraqueza, sem diferença nas outras variáveis. Conclusão: Existe uma relação linear entre massa e força muscular esquelética, porém a massa não prediz força, o que sugere que as duas medidas continuem sendo realizadas de forma independente.


Abstract Introduction: The variables mass and skeletal muscle strength contribute to the diagnosis of sarcopenia. Objective: To evaluate the association between strength and skeletal muscle mass in hospitalized elderly persons. Method: A cross-sectional study was carried out in a private hospital in the city of Salvador in Bahia. The study included individuals ≥60 years during their first and fifth day of hospitalization and who were neither sedated nor had taken vasoactive drugs. Muscle mass was calculated using an anthropometric equation and force was measured through handgrip strength. Muscle weakness was identified as <20 kgf for women and <30 kgf for men, and reduced muscle mass was when the muscle mass index was ≤8.9 kg/m2 for men and ≤6.37 kg/m2 for women. The Pearson correlation was used to evaluate the relationship between mass and strength and the accuracy of using mass to predict strength. Results: In 110 patients included, there was a moderate correlation between mass and strength (R=0.691; p=0.001). However, the accuracy of using mass to predict muscle strength was low (accuracy=0.30; CI 95% = 0.19-0.41; p=0.001). The elderly patients with muscle weakness were older than those without muscle weakness, with no differences between the other variables. Conclusion: There is a linear relation between skeletal muscle mass and strength, but mass did not predict strength, which suggests that the two measures continue to perform independently.

SELECTION OF CITATIONS
SEARCH DETAIL