Your browser doesn't support javascript.
Show: 20 | 50 | 100
Results 1 - 10 de 10
Filter
1.
Acta Paul. Enferm. (Online) ; 32(6): 683-690, Nov.-Dez. 2019. tab, graf
Article in Portuguese | LILACS-Express | ID: biblio-1054612

ABSTRACT

Resumo Objetivo: Investigar a prevalência do alto risco entre casos de óbitos a partir da classificação de risco de complicações clínicas associadas a aids e sua relação com variáveis sociodemográficas e terapêuticas. Métodos: Estudo epidemiológico, retrospectivo, envolvendo 80 casos de óbito por aids ocorridos entre 2007 e 2015 em um Estado do Nordeste brasileiro. A estratificação do risco considerou indicadores de acompanhamento obtidos no diagnóstico da infecção, atribuindo-se valores de 1,2 para carga viral, e 1,2 e 3 aos indicadores de linfócitos T CD4+, quantidade de doenças oportunistas, manifestações clínicas e doenças crónicas, com escore variando entre 5 e 14. Quanto maior esse escore, maior o risco para complicações clínicas. Os dados foram analisados estimando a prevalência e razão de prevalência para o alto risco, seguido do método de Weight of Evidence e estatística D de Somers. Resultados: Dos 80 casos estudados, 51,2% foram alocados no estrato de alto risco. O registro de antecedentes psiquiátricos aumentou em 2 vezes a prevalência para o alto risco e a faixa etária apresentou forte relação com esse estrato. A contagem de linfócitos T-CD4+, doenças oportunistas e manifestações clínicas foram os indicadores que apresentaram maior força de associação com a estratificação de risco. Conclusão: O estudo mostrou a prevalência do alto risco para o desenvolvimento de complicações clínicas, maior força associativa nos indicadores LT-CD4+, doenças oportunistas e manifestações clínicas com escore de risco proposto. Estes resultados sugerem a necessidade de atenção especial dos serviços de atenção especializada aos indivíduos acompanhados em nível ambulatorial.


Resumen Objetivo: Investigar la prevalencia del alto riesgo de casos de óbitos a partir de la clasificación de riesgo de complicaciones clínicas asociadas al SIDA y su relación con variables sociodemográficas y terapéuticas. Métodos: Estudio epidemiológico, retrospectivo, que incluyó 80 casos de óbito por SIDA ocurridos entre 2007 y 2015 en un estado del Nordeste brasileño. La estratificación del riesgo consideró indicadores de seguimiento obtenidos en el diagnóstico de la infección, con valores 1 y 2 para carga viral y 1,2 y 3 para indicadores de linfocitos T CD4+, cantidad de enfermedades oportunistas, manifestaciones clínicas y enfermedades crónicas, con puntuación que varía de 5 a 14. Cuanto más alta la puntuación, mayor riesgo de complicaciones clínicas. Los datos fueron analizados estimando la prevalencia y razón de prevalencia del alto riesgo, seguido del método de Weight of Evidence y estadística D de Somers. Resultados: De los 80 casos estudiados, el 51,2% fue ubicado en el estrato de alto riesgo. El registro de antecedentes psiquiátricos aumentó dos veces la prevalencia del alto riesgo y el grupo de edad presentó una fuerte relación con este estrato. El recuento de linfocitos T CD4+, enfermedades oportunistas y manifestaciones clínicas fueron los indicadores que presentaron mayor fuerza de asociación con la estratificación del riesgo. Conclusión: El estudio demostró la prevalencia del alto riesgo de desarrollo de complicaciones clínicas, mayor fuerza asociativa en los indicadores LT CD4+, enfermedades oportunistas y manifestaciones clínicas con puntuación de riesgo propuesto. Estos resultados sugieren la necesidad de una atención especial a los servicios de atención especializada a los individuos acompañados de forma ambulatoria.


Abstract Objective: To investigate the high risk prevalence among deaths from the risk classification of clinical complications associated with AIDS and its relation with sociodemographic and therapeutic variables. Methods: A retrospective epidemiological study involving 80 cases of death from AIDS between 2007 and 2015 in a Northeastern Brazilian state. Risk stratification considered follow-up indicators obtained in the infection diagnosis, assigning values of 1,2 for viral load, and 1,2 and 3 for CD4 + T lymphocytes indicators, number of opportunistic diseases, clinical manifestations and chronic diseases. ranging from 5 to 14. The higher this score, the greater the risk for clinical complications. Data were analyzed by estimating prevalence and prevalence ratio for high risk, followed by Weight of Evidence method and Somers' D statistic. Results: Of the 80 cases studied, 51.2% were allocated to the high-risk stratum. The record of psychiatric history increased by 2 times the prevalence for high risk and age group was strongly related to this stratum. T-CD4 + lymphocyte count, opportunistic diseases and clinical manifestations were the indicators that showed the strongest association strength with risk stratification. Conclusion: The study showed the prevalence of high risk for the development of clinical complications, greater associative strength in LT-CD4 + indicators, opportunistic diseases and clinical manifestations with proposed risk score. These results suggest the need for special attention from specialized care services to outpatients.

2.
Rev. bras. enferm ; 72(5): 1235-1242, Sep.-Oct. 2019. tab, graf
Article in English | LILACS-Express | ID: biblio-1042151

ABSTRACT

ABSTRACT Aim: To develop a clinical risk stratification score for people living with AIDS and to analyze its association with clinical and sociodemographic aspects. Method: Cross-sectional study involving 150 adults with AIDS, in outpatient follow-up. A structured instrument was applied and, sequentially, inferential statistical techniques on the developed score. Results: 45.3% of the participants were classified as in high clinical risk. TL-CD4+ <500cel/mm3 count, detectable viral load, presence of opportunistic diseases, chronic diseases and clinical manifestations were associated with high clinical risk. There was a significant difference in the mean risk between the categories of variables employment status (p = 0.003) and economic class (p = 0.035). There was a higher risk for brown people (OR = 5.55), unemployed status (OR = 16,51) and belonging to classes C (OR = 20.07) and D (OR = 53,32), and a lower risk for individuals with higher schooling (OR = 0.02). Conclusion: The proposed score quantifies clinical situations and points out sociodemographic aspects that predispose to instability and aggravation of AIDS, supporting the qualification of care.


RESUMEN Objetivo: Elaborar una puntuación para estratificación de riesgo clínico de personas viviendo con sida y analizar su asociación con aspectos clínicos y sociodemográficos. Método: Estudio transversal que involucra a 150 adultos con sida, en seguimiento de ambulatorio. Se aplicó instrumento estructurado y, secuencialmente, técnicas estadísticas que interfieren en la puntuación elaborada. Resultados: El 45,3% de los participantes fueron clasificados en el riesgo clínico alto. La cuenta de LT−CD4+<500cel/mm3, la carga viral detectable, la presencia de enfermedades oportunistas, las enfermedades crónicas y manifestaciones clínicas se asociaron al riesgo clínico elevado. Se verificó una diferencia significativa en el riesgo medio entre las categorías de variables de empleo (p=0,003) y la clase económica (p=0,035). Se constató un mayor riesgo para las personas pardas (OR=5,55), alejadas del empleo (OR=16,51) y pertenecientes a las clases C (OR=20,07) y D (OR=53,32), y menor riesgo entre los individuos con mayor escolaridad (OR=0,02). Conclusión: La puntuación propuesta cuantifica situaciones clínicas y apunta aspectos sociodemográficos que predisponen a la inestabilidad y agudización del sida, subsidiando la calificación del cuidado.


RESUMO Objetivo: Elaborar um escore para estratificação de risco clínico de pessoas vivendo co.m Aids e analisar sua associação com aspectos clínicos e sociodemográficos. Método: Estudo transversal envolvendo 150 adultos com aids, em acompanhamento ambulatorial. Aplicou-se instrumento estruturado e, sequencialmente, técnicas estatísticas inferenciais sobre o escore elaborado. Resultados: 45,3% dos participantes foram classificados no risco clínico alto. A contagem de LT-CD4+<500cel/mm3, carga viral detectável, presença de doenças oportunistas, doenças crônicas e manifestações clínicas associaram-se ao risco clínico elevado. Verificou-se diferença significativa no risco médio entre as categorias das variáveis situação empregatícia (p = 0,003) e classe econômica (p = 0,035). Constatou-se maior risco para pessoas pardas (OR = 5,55), afastadas do emprego (OR = 16,51) e pertencentes às classes C (OR = 20,07) e D (OR = 53,32), e menor risco entre os indivíduos com maior escolaridade (OR = 0,02). Conclusão: O escore proposto quantifica situações clínicas e aponta aspectos sociodemográficos que predispõem a instabilidade e agudização da aids, subsidiando a qualificação do cuidado.

3.
Cad. Saúde Pública (Online) ; 34(10): e00209416, oct. 2018. tab, graf
Article in Portuguese | LILACS (Americas) | ID: biblio-974579

ABSTRACT

O estabelecimento de metas universais voltadas ao controle do HIV/aids e a instituição do tratamento como forma de prevenção reforçam a necessidade do acompanhamento clínico continuado das pessoas vivendo com HIV/aids como um elemento indispensável ao cuidado destas, sendo a retenção no cuidado em saúde uma necessidade e um desafio. Neste estudo, objetivou-se construir um modelo preditivo de retenção de pessoas vivendo com HIV/aids no cuidado em saúde. Para tanto foi construído um modelo estatístico, árvore de decisão, com base em variáveis sociodemográficas, clínicas e relacionadas aos comportamentos em saúde, identificadas em um banco de dados que contemplava informações de 260 pessoas com HIV/aids, vinculadas a um serviço especializado no atendimento a estes indivíduos. O modelo subsidiou a identificação de nove variáveis cujos ganhos de informação foram significativos em relação à variável desfecho, provável retenção no cuidado em saúde, e à construção de 24 regras de decisão, dando origem a uma árvore com porcentual de acerto de 80,4%, as quais poderão contribuir com a identificação de possíveis estratégias no sentido de otimizar a retenção e contribuir com o alcance das metas propostas para o enfrentamento da epidemia nos próximos anos.


El estabelecimiento de metas universales dirigidas al control del VIH/SIDA, y la institución del tratamiento como forma de prevención, refuerzan la necesidad del seguimiento clínico continuado de las personas que viven con VIH/SIDA, como un elemento indispensable para el cuidado de estas, siendo la retención en el cuidado de salud una necesidad y un desafío. En este estudio, el objetivo fue construir un modelo predictivo de retención de personas viviendo con VIH/SIDA dentro del ámbito del cuidado en salud. Para tal fin, se construyó un modelo estadístico, un diagrama de árbol de decisión, en base a variables sociodemográficas, clínicas, y aquellas relacionadas con los comportamientos en salud, identificadas en un banco de datos que contemplaba información de 260 personas con VIH/SIDA, vinculadas a un servicio especializado en la atención a estos individuos. El modelo subsidió la identificación de nueve variables, cuyos réditos respecto a información fueron significativos en relación con la variable desenlace, probable retención en el cuidado en salud, y a la construcción de 24 reglas de decisión, dando origen a un árbol con un porcentaje de acierto de un 80,4%, que podría contribuir a la identificación de posibles estrategias, en el sentido de optimizar la retención y contribuir al alcance de las metas propuestas para enfrentar la epidemia en los próximos años.


The establishment of universal targets for HIV/AIDS control and the implementation of treatment as prevention reinforce the need for on-going clinical follow-up of persons living with HIV/AIDS as an essential element of their care, where retention in care is both a need and a challenge. This study aimed to create a predictive model for retention of persons living with HIV/AIDS in health care. A decision tree statistical model was created, based on sociodemographic, clinical, and health behavior variables, identified in a database with information from 260 persons with HIV/AIDS, enrolled in a specialized treatment service. The model enabled the identification of nine variables with significant information gains in relation to the outcome variable, probable retention in health care, and the development of 24 decision rules, giving rise to a decision tree with 80.4% correct answers, which can help identify possible strategies to optimize retention and contribute to achieving the proposed targets for confronting the epidemic in the coming years.


Subject(s)
Humans , Male , Female , Adolescent , Adult , Aged , Young Adult , Decision Trees , HIV Infections/drug therapy , Health Services/statistics & numerical data , Brazil , Decision Support Techniques , Continuity of Patient Care , Medication Adherence , Ambulatory Care , Middle Aged
4.
Rev Rene (Online) ; 19: e3321, jan. - dez. 2018. tab
Article in Portuguese | LILACS-Express | ID: biblio-956395

ABSTRACT

Objetivo investigar a prevalência de sífilis e seus fatores associados em mulheres egressas do sistema prisional. Métodos estudo transversal realizado com 56 mulheres cumprindo pena em regime aberto e semiaberto em Centro de Reeducação Feminina. Os dados foram coletados utilizando-se formulário contendo características sociodemográficas e práticas sexuais, bem como realizado teste rápido para sífilis. Procedeu-se análise descritiva, prevalência, teste qui-quadrado e teste exato de Fisher. Resultados a sífilis foi prevalente em 16,1% da amostra. Constatou-se maior prevalência em mulheres com mais de 35 anos (21,7%), cor branca (33,3%), casadas/união estável (21,4%), nível de escolaridade elevado (27,3%), evangélicas (33,3%), sem vida sexual ativa (20,0%), com múltiplos parceiros (16,7%), que relatavam usar preservativos com parceiros fixos (33,3%) e eventuais (28,0%), e que usavam drogas ilícitas (20,0%). Conclusão os achados apontam para importância da utilização de métodos de rastreio da infecção e evidenciam a necessidade de estratégias preventivas que considerem especificidades contextuais.


Objective to understand the existential experience of children undergoing chemotherapy on the importance of playing. Methods qualitative research performed in the outpatient clinic of a teaching hospital with five children undergoing chemotherapy. Data were collected through the interviews and analyzed in the light of the Humanistic Nursing Theory. Results the discourses revealed the children's understanding of their illness and their treatment, evidencing the deprivations experienced by them and the situation of emotional imbalance. Playing, according to the children's reports, elicited positive feelings and represented a way for time to pass faster. Conclusion the chemotherapy treatment was considered ambiguous, being an unpleasant experience, but necessary for cure. The games in the outpatient chemotherapy service were a viable tool to deal with the discontent before the situation lived, provoking positive feelings such as happiness and satisfaction.

5.
Rev Rene (Online) ; 19: e3321, jan. - dez. 2018.
Article in Portuguese | LILACS (Americas), BDENF | ID: biblio-909174

ABSTRACT

Objetivo: investigar a prevalência de sífilis e seus fatores associados em mulheres egressas do sistema prisional. Métodos: estudo transversal realizado com 56 mulheres cumprindo pena em regime aberto e semiaberto em Centro de Reeducação Feminina. Os dados foram coletados utilizando-se formulário contendo características sociodemográficas e práticas sexuais, bem como realizado teste rápido para sífilis. Procedeu-se análise descritiva, prevalência, teste qui-quadrado e teste exato de Fisher. Resultados: a sífilis foi prevalente em 16,1% da amostra. Constatou-se maior prevalência em mulheres com mais de 35 anos (21,7%), cor branca (33,3%), casadas/união estável (21,4%), nível de escolaridade elevado (27,3%), evangélicas (33,3%), sem vida sexual ativa (20,0%), com múltiplos parceiros (16,7%), que relatavam usar preservativos com parceiros fixos (33,3%) e eventuais (28,0%), e que usavam drogas ilícitas (20,0%). Conclusão: os achados apontam para importância da utilização de métodos de rastreio da infecção e evidenciam a necessidade de estratégias preventivas que considerem especificidades contextuais. (AU)


Subject(s)
Prisons , Sexually Transmitted Diseases , Treponema pallidum
6.
Rev. enferm. UERJ ; 25: [e9524], jan.-dez. 2017. tab
Article in Portuguese | LILACS (Americas), BDENF | ID: biblio-916211

ABSTRACT

Objetivo: analisar a oferta de ações de educação em saúde no cuidado às pessoas vivendo com AIDS. Método: estudo transversal desenvolvido em ambulatório especializado de referência na Paraíba, envolvendo 150 pessoas vivendo com AIDS, utilizando um formulário estruturado que contemplou variáveis nominais e intervalares. Os dados foram coletados de julho de 2011 a julho de 2012, após aprovação ética do projeto, e analisados segundo estatística descritiva. Resultados: observou-se valorização de aspectos da promoção da saúde voltados à adesão terapêutica, com ênfase na tomada dos medicamentos antirretrovirais e prevenção da transmissão da infecção, em detrimento de ações educativas inerentes à defesa dos direitos sociais e reprodutivos das pessoas em acompanhamento. Conclusão: as fragilidades na oferta de ações de educação em saúde comprometem a construção de competências por parte dos usuários do serviço para a corresponsabilização, autonomia e proatividade no cuidado com sua saúde e no controle da infecção.


Objective: to examine the supply of health education actions in care for people living with AIDS. Method: a cross-sectional study was conducted with 150 people with AIDS at a specialized outpatient referral clinic in Paraíba State, using a structured form that contemplating nominal and interval variables. Data were collected from July 2011 to July 2012, after ethics approval of the project, and analyzed by descriptive statistics. Results: emphasis was found to be placed on aspects of health promotion regarding adherence to therapy, particularly the taking of antiretroviral drugs and preventing transmission of infection, but to the detriment of educational actions addressing defense of the social and reproductive rights of people in treatment. Conclusion: weaknesses in the provision of health education actions undermine the service users' skill-building for co-responsibility, autonomy and proactivity in caring for their health and controlling the infection.


Objetivo: analizar la oferta de acciones de educación en salud en el cuidado de las personas que viven con el SIDA. Método: estudio transversal desarrollado en ambulatorio de referencia especializado en el estado de Paraíba, involucrando a 150 personas con SIDA, utilizando un formulario estructurado que contempló variables nominales e intervalares. Los datos fueron recolectados entre julio de 2011 y julio de 2012, tras la aprobación ética del proyecto, y analizados según estadística descriptiva. Resultados: se observó que fueron valorados los aspectos de la promoción de la salud orientados a la adhesión terapéutica con énfasis en la ingestión de los medicamentos antirretrovirales y prevención de la transmisión de la infección, en detrimento de acciones educativas inherentes a la defensa de los derechos sociales y reproductivos de las personas en seguimiento. Conclusión: las fragilidades en la oferta de acciones de educación en salud comprometen la construcción de competencias por parte de los usuarios del servicio para la corresponsabilización, autonomía y proactividad en el cuidado con su salud y en el control de la infección.


Subject(s)
Humans , Male , Female , Adolescent , Adult , Middle Aged , Aged , Health Education , Acquired Immunodeficiency Syndrome , Antiretroviral Therapy, Highly Active , Health Promotion , Health Services
7.
Rev. Nutr. (Online) ; 30(5): 555-566, Sept.-Oct. 2017. tab, graf
Article in English | LILACS (Americas) | ID: biblio-1041213

ABSTRACT

ABSTRACT Objective To validate self-reported weight and height data for people living with HIV/AIDS. Methods This cross-sectional study involved 481 people living with HIV/AIDS seen at a reference unit in João Pessoa, state of Paraíba, Brazil, between September and December 2015, 99 (20.5%) of whom had their weight and height measured. The intraclass correlation coefficient was calculated to determine the relationship between the self-reported and measured weight, height and body mass index values, and linear regression analysis was used to generate equations to predict weight and height. It were significant p-value under 5% for statistic tests applied. Results In the sample with measured values, 57.6% of men, with a mean age of 44 years old and a mean income per capita equivalent to US$145.50, high correlations (r>0.90) between the self-reported and measured values for weight, height and body mass index were observed. The accuracy was 92.6%, and the Kappa coefficient was greater than 0.85. Women tended to underestimate weight and overestimate height. The men overestimated weight and underestimated height. The intraclass correlation coefficients were greater than 0.95. Conclusion The use of self-reported measures of weight, height and body mass index for nutritional assessment of people living with HIV/AIDS is valid and must be considered for similar populations when time and resources are limiting factors.


RESUMO Objetivo Validar dados autorreferidos de peso e altura de pessoas vivendo com HIV/AIDS. Métodos Estudo seccional envolvendo 481 pessoas vivendo com HIV/AIDS atendidas em serviço de referência de João Pessoa, Paraíba, entre setembro a dezembro de 2015, dos quais 99 (20,5%) tiveram seu peso e altura aferidos. Calculou-se o coeficiente de correlação intraclasse para medir a relação entre as medidas referidas e aferidas de peso, altura e índice de massa corporal e utilizou-se regressão linear para construção de equações de predição do peso e altura. Foi significativo o valor de p menor que 5,0% para os testes estatísticos aplicados. Resultados Na amostra com medidas aferidas 57,6% homens, com idade média de 44 anos e renda per capita média equivalente a US$145,50. Observou-se alta correlação (r>0,90) entre as medidas referidas e aferidas de peso, altura e índice de massa corporal. A acurácia foi de 92,6% e a estatística Kappa foi superior a 0,85. As mulheres tendem a subestimar o peso e a superestimar a altura. Os homens superestimaram o peso e subestimaram a altura. Os coeficiente de correlação intraclasse foram superiores a 0,95. Conclusão A utilização de medidas autorreferidas de peso, altura e índice de massa corporal para avaliação nutricional em pessoas vivendo com HIV/AIDS é válida, e deve ter a sua utilização considerada quando a economia de tempo e recursos forem fatores limitantes, em populações semelhantes.


Subject(s)
Humans , Male , Female , HIV , Body Weights and Measures , Body Mass Index , Nutritional Status
8.
Ciênc. Saúde Colet ; 22(10): 3353-3364, Out. 2017. tab, graf
Article in Portuguese | LILACS-Express | ID: biblio-890153

ABSTRACT

Resumo Grupos populacionais vulneráveis, como pessoas vivendo com HIV/Aids (PVHA), podem ter alta prevalência de Insegurança Alimentar (IA). Estudo seccional avaliou a validade interna da escala EBIA e mediu a prevalência de IA em amostra de 796 PVHA em João Pessoa (PB). A validação foi feita por análise de Rasch. Testou-se a associação da insegurança alimentar com características sociodemográficas e clínicas com o teste qui-quadrado. Variáveis associadas foram incluídas em um modelo de regressão múltipla de Poisson. EBIA apresentou validade em PVHA com ajuste dentro dos limites esperados e severidade dos itens respeitando o modelo teórico e identificou 66,5% de IA na amostra (30,8% IA leve, 18,1% IA moderada e 17,6% IA grave). Insegurança alimentar moderada ou grave estiveram associadas à idade menor que 43 anos (RP = 1,49; IC95%: 1,14 - 1,86), escolaridade fundamental (RP = 1,64; IC95%: 1,24 - 2,17), renda per capita menor que ½ salário mínimo (RP = 1,83; IC95%: 1,37 - 2,44), falta de ocupação (RP = 1,59; IC95%: 1,16 - 2,19) e domicílios compostos somente por adultos com a pessoa de referência do sexo feminino (RP = 2,19; IC95%: 1,45 - 3,31). As PVHA estudadas apresentam alta prevalência de IA piorando suas condições de vida podendo agravar os problemas de saúde vivenciados por este grupo.


Abstract Vulnerable population groups, including people living with HIV/Aids (PLHA), may have a high prevalence of food insecurity (FI). A cross-sectional study evaluated the internal validity of the Brazilian Food Insecurity Scale (Escala Brasileira de Insegurança Alimentar - EBIA) and measured the prevalence of FI in a sample of 796 PLHA in João Pessoa, Paraíba State (PB). The validation was performed using a Rasch analysis. The association of FI with sociodemographic and clinical characteristics was assessed using the chi-square test. Associated variables were included in a Poisson multiple regression model. The EBIA was valid for PLHA with fit values within the expected limits and item severity conforming to the theoretical model. The EBIA identified 66.5% of PLHA with FI in the sample (30.8% mild FI, 18.1% moderate FI and 17.6% severe FI). Moderate FI and severe FI were associated with an age younger than 43 years (prevalence ratio (PR) = 1.49; 95% confidence interval (CI): 1.14-1.86), primary education (PR=1.64; 95% CI: 1.24-2.17), income per capita lower than ½ minimum wage (MW) (PR=1.83; 95% CI: 1.37-2.44), lack of occupation (PR=1.59; 95% CI: 1.16-2.19) and adult-only households with a female reference person (PR=2.19; 95% CI: 1.45-3.31). The PLHA in this study had a high prevalence of FI, worsening their living conditions and potentially exacerbating their health problems.

9.
Rev. Esc. Enferm. USP ; 50(5): 838-845, Sept.-Oct. 2016. tab, graf
Article in English | LILACS (Americas) | ID: biblio-829615

ABSTRACT

Abstract OBJECTIVE Analyzing the provision of actions related to managing clinical risk in managing specialized care for people living with AIDS. METHOD A cross-sectional study carried out in a reference outpatient clinic in Paraíba, with a sample of 150 adults with AIDS. Data were collected through primary and secondary sources using a structured questionnaire, analyzed using descriptive statistics, multiple correspondence analysis and logistic regression model to determine the association between "providing care" and "clinical risk." RESULTS Actions with satisfactory provision express a biological care focus; the dimensions that most contributed to a satisfactory assessment of care provision were "clinical and laboratory evaluations" and "prevention and self-care incentivization"; 45.3% of participants were categorized into high clinical risk, 34% into average clinical risk, and 20.7% into low clinical risk; a positive association between providing care and clinical risk was found. CONCLUSION The need to use risk classification technologies to direct the planning of local care provision became evident considering its requirements, and thus qualifying the care provided in these areas.


Resumen OBJETIVO Analizar la oferta de acciones relacionadas con el manejo de riesgo clínico en la gestión del cuidado especializado a personas viviendo con SIDA. MÉTODO Estudio transversal realizado en ambulatorio de referencia en el Estado de Paraíba, con muestra de 150 adultos con SIDA. Los datos fueron recolectados por medio de fuentes primarias y secundarias utilizándose formulario estructurado y analizados mediante estadística descriptiva, análisis de correspondencia múltiple y modelo de regresión logística para averiguar la asociación entre "oferta" y "riesgo clínico". RESULTADOS Las acciones de oferta satisfactoria expresan enfoque biologicista del cuidado; las dimensiones que más contribuyeron al juicio satisfactorio de la oferta fueron "evaluación clínica y de laboratorio" y "prevención y estímulo al autocuidado"; el 45,3% de los participantes fueron categorizados en riesgo clínico alto, el 34% en riesgo clínico medio y el 20,7% en riesgo clínico bajo; y se verificó asociación positiva entre oferta y riesgo clínico. CONCLUSIÓN Resultó evidente la necesidad de la utilización de tecnologías de clasificación de riesgo para dirigir la planificación de la oferta local, considerándose las necesidades, y así calificar el cuidado producido en esos espacios.


Resumo OBJETIVO Analisar a oferta de ações relacionadas ao manejo de risco clínico na gestão do cuidado especializado a pessoas vivendo com aids. MÉTODO Estudo transversal realizado em ambulatório de referência na Paraíba, com amostra de 150 adultos com aids. Os dados foram coletados por meio de fontes primárias e secundárias utilizando-se de formulário estruturado, e analisados através de estatística descritiva, análise de correspondência múltipla e modelo de regressão logística para averiguar a associação entre "oferta" e "risco clínico". RESULTADOS As ações de oferta satisfatória expressam foco biologicista do cuidado; as dimensões que mais contribuíram para o julgamento satisfatório da oferta foram "avaliação clínica e laboratorial" e "prevenção e estímulo ao autocuidado"; 45,3% dos participantes foram categorizados em risco clínico alto, 34% em risco clínico médio, e 20,7% em risco clínico baixo; e verificou-se associação positiva entre oferta e risco clínico. CONCLUSÃO Ficou evidente a necessidade da utilização de tecnologias de classificação de risco para direcionar o planejamento da oferta local, considerando-se as necessidades, e assim qualificar o cuidado produzido nestes espaços.


Subject(s)
Humans , Male , Female , Adult , Middle Aged , Acquired Immunodeficiency Syndrome/therapy , Risk Management , Cross-Sectional Studies
10.
Ciênc. saúde coletiva ; 21(2): 543-552, Fev. 2016. tab, graf
Article in English | LILACS (Americas) | ID: lil-773546

ABSTRACT

Resumo A oferta de cuidado às pessoas vivendo com HIV/Aids deve transcender os serviços ambulatoriais especializados e contar com a participação da Estratégia Saúde da Família. Compreendendo a importância da integração entre estes dois pontos da rede de atenção, o estudo teve como objetivo construir um modelo de suporte à decisão para auxiliar profissionais do serviço de saúde especializado a identificar os padrões de comportamento no uso dos serviços da Estratégia Saúde da Família das pessoas vivendo com HIV/Aids atendidas no ambulatório. Para tanto, foi proposto um modelo denominado árvore de decisão, criado a partir de um banco de dados com 141 pessoas com Aids, usuárias de um ambulatório especializado, utilizando-se como variável decisória o uso dos serviços da Estratégia Saúde da Família mediante a avaliação da integração do cuidado. O modelo possibilitou o estabelecimento de 23 regras, com um percentual de acerto de 80,1%, as quais poderão dar suporte à tomada de decisão dos profissionais na identificação de situações onde se apresenta a necessidade de estimular a utilização da Estratégia Saúde da Família pelos usuários.


Abstract The care offer to people living with HIV/AIDS must transcend specialized outpatient services and include the participation of the Family Health Strategy. By understanding the importance of integration between these two points in the care network, the study aimed to build a decision support model to assist professionals of specialized health services in identifying behavior patterns in the use of Family Health Strategy services by people living with HIV/AIDS attended in the outpatient clinic. Thus, was proposed a model called decision tree, created from a database of 141 people with AIDS, users of a specialized outpatient clinic. The decision-making variable was the use of Family Health Strategy services by evaluating the integration of care. The model enabled the establishment of 23 rules with 80.1% hit percentage, what may support the decision-making of professionals in identifying situations in which it is necessary to stimulate the use of the Family Health Strategy by users.


Subject(s)
Humans , Decision Trees , Health Services/statistics & numerical data , HIV Infections , Ambulatory Care , Decision Making , Life , Social Support
SELECTION OF CITATIONS
SEARCH DETAIL