Your browser doesn't support javascript.
loading
Show: 20 | 50 | 100
Results 1 - 12 de 12
Filter
Add filters








Year range
2.
Biosci. j. (Online) ; 34(5): 1339-1348, sept./oct. 2018.
Article in English | LILACS | ID: biblio-967324

ABSTRACT

The spleen is a secondary lymphoid organ with importance in clinical surgery. Due this and the lack of data in the literature, the current paper analyzes the organ´s morphology and segmentation in collared peccaries. Twenty animals were used at the Center for the Multiplication of Wild Animals of the Universidade Federal Rural do SemiÁrido, Mossoró RN Brazil. The spleen was removed with the splenic pedicle preserved, identifying the lineal artery and vein. Fragments from four spleens were harvested to be examined under light microscopy. They were fixed in a paraformaldehyde solution 4% and buffered with sodium phosphate 0.1M, pH 7.4. Routine histological techniques were performed: the spleens were dehydrated in increasing ethanol concentrations; diaphanized in xylol; soaked in paraffin; 7µm cuts were obtained and stained by hematoxylin-eosin or Gomori trichrome technique. The intraparenchemal vascularization of sixteen spleens were analyzed by latex or vinilite acetate perfusal of the lineal artery and vein and the organ fixed, respectively, in a water solution of formaldehyde 10% or immersed in a solution of sulfuric acid 30%. The collared peccary´s spleen had a tongue-like shape. Under the microscope, the spleen featured an intermediary type, with a great amount of white pulp, a predominance of red pulp and few trabeculae. The spleen´s segments had three different regions, namely dorsal, middle and ventral, in irrigation terms with a possible surgical removal of the dorsal region. Knowledge on the angio-architecture and segmentation of the spleen will be a contribution for surgical procedures in wild species, having a great relevance when partial splenectomy is required.


O baço é um órgão linfoide secundário e com importância na clínica cirúrgica. Diante da inexistência de dados na literatura, este artigo estudou a morfologia e segmentação deste órgão em catetos. Foram utilizados 20 animais que vieram a óbito por causas naturais no Centro de Multiplicação de Animais Silvestres da Universidade Federal Rural do Semi-Árido, Mossoró-RN, Brasil. O baço foi coletado preservando-se o pedículo esplênico, pelo qual identificavam-se a artéria e a veia lienais. Fragmentos de quatro baços foram coletados para análise em microscopia de luz. Estes foram fixados em solução de paraformaldeído a 4% tamponado com fosfato de sódio 0,1M, pH 7,4 e submetidos a técnicas histológicas de rotina. Os baços foram desidratados em concentrações crescentes de etanol; diafanizados em xilol; embebidos em parafina e obtidos cortes de 7µm e corados pela técnica de hematoxilina-eosina ou tricrômio de Gomori. A vascularização intraparenquimal de vinte baços foram analisadas através da perfusão de latex ou acetato de vinilite na artéria e veia lienais e logo o órgão foi fixado, respectivamente, em solução aquosa de formaldeído a 10% ou imersos em solução de ácido sulfúrico a 30%. O baço do cateto apresentou-se como uma estrutura longa com forma similar a uma língua. Microscopicamente, o baço caracterizou-se como do tipo intermediário, possuindo quantidade considerável de polpa branca, com predominância da polpa vermelha e poucas trabéculas. A segmentação do baço em termos de irrigação apresentou três regiões distintas: dorsal, média e ventral, com a região dorsal passível de remoção cirúrgica. O conhecimento sobre a angioarquitetura e segmentação do baço de cateto contribuirá para a realização de procedimentos cirúrgicos nesta espécie silvestre e de grande importância quando se fizer necessário a esplenectomia parcial.


Subject(s)
Spleen , Splenic Artery , General Surgery , Histological Techniques , Anatomy , Animals, Wild , Splenectomy , Surgical Procedures, Operative
3.
Biosci. j. (Online) ; 33(2): 354-363, mar./apr. 2017. ilus, tab
Article in English | LILACS | ID: biblio-966157

ABSTRACT

The greater rhea (Rhea americana americana) is a bird of the Rheidae family, and is known as a ratite for being a flightless bird. This animal has great reproductive and productive potential, according to the products and by-products that it can provide such as meat, leather, feathers and fat which are very popular in the world market. Given its economic importance and lack of information in the literature on its morphology, especially in regard to its cardiovascular apparatus, this study aimed to describe the collateral arteries of the aortic arch, in order to establish the origin and distribution of arteries and thus contribute information to the biology of the species. The bodies of 20 young and adult rheas of both sexes which had died from natural causes and were being stored in a freezer at CEMAS / UFERSA were used. The study was approved by CEUA /UFERSA (Opinion No. 09/2015, process No. 23091.004968 / 2015-23). The animals were thawed and had the cannulated thoracic aorta artery and the vascular system perfused with Neoprene 450 latex colored with yellow pigment. Subsequently, the animals were fixed in 3.7% aqueous solution of formaldehyde, and after 72 hours dissections were carried out, images were obtained and schematic drawings were prepared. The right and left brachiocephalic trunks emerged from the aortic arch in 100% of the specimens from the right brachiocephalic trunk origined a common trunk the thyroid arteries, syringotracheal trunk, vertebral artery, superficial lateral cervical artery, basecervical artery, and ascending esophageal artery. The left brachiocephalic trunk collaterally stemmed in the left common carotid artery, which in turn led to the left internal carotid and a common trunk which stemmed the thyroid arteries, the syringotracheal trunk, vertebral artery, superficial lateral cervical artery, basecervical artery and descending esophageal artery. At the end of its trajectory, the right and left brachiocephalic trunks give rise to the right and left subclavian arteries, which in turn, stem the sternoclavicular, axillary, and intercostal arteries, pectoral trunk, cranial pectoral arteries, pectoral caudal artery and collateral branches of the pectoral trunk. Based on the results, it was concluded that the aortic arch in rheas issued right and left brachycephalic trunks.


A ema (Rhea americana americana) é uma ave da família Rheidae e por isto denominada de ratita, por não apresentar aptidões para o voo. Este animal tem grande potencial reprodutivo e produtivo, em função dos produtos e subprodutos que podem fornecer como carne, couro, penas e gordura muito procurados no mercado mundial. Dada a sua importância econômica e pela falta de informação na literatura sobre sua morfologia, principalmente no que diz respeito ao seu aparelho cardiovascular, objetivou-se descrever os ramos colaterais do arco aórtico, de modo a estabelecer a origem e distribuição destas artérias e, assim, contribuir com informações para a biologia da espécie. Foram utilizadas 20 emas jovens e adultas de ambos os sexos, oriundas do CEMAS/UFERSA, as quais vieram a óbito por causas naturais e que se encontravam armazenadas em freezer. A experimentação foi aprovada pela CEUA/UFERSA (Parecer n° 09/2015, processo n° 23091.004968/2015-23). Os animais foram descongelados e tiveram a artéria aorta torácica canulada e o sistema vascular perfundido com látex Neoprene 450 corado com pigmento amarelo. Posteriormente, os animais foram fixados em solução aquosa de formaldeído a 3,7% e após 72 horas realizaram-se as dissecações e obtenção de imagens fotográficas e elaboração de desenhos esquemáticos. Em 100% dos espécimes, emergiram a partir do arco aórtico os troncos braquiocefálicos direito e esquerdo. O tronco braquiocefálico direito emitiu colateralmente a partir de um tronco comum as artérias tireoide, tronco siringotraqueal, vertebral, cervical superficial lateral, basecervical e esofageana ascendente. Já o tronco braquiocefálico esquerdo emitiu colateralmente a artéria carótida comum esquerda, que por sua vez, originou a carótida interna esquerda e um tronco comum que emitiu as artérias tireoide, tronco siringotraqueal, vertebral, cervical superficial lateral, basecervical e esofageana descendente. No final de seu percurso, os troncos braquiocefálicos direito e esquerdo, originaram as artérias subclávias direita e esquerda, que por sua vez, emitiram as artérias esternoclaviculares, axilar, intercostal, tronco peitoral, peitorais craniais e peitoral caudal e ramos colaterais do tronco peitoral. Com base nos resultados, concluiu-se que, em emas, o arco aórtico emitiu os troncos braquicefálicos direito e esquerdo.


Subject(s)
Aorta, Thoracic , Carotid Artery, Internal , Brachiocephalic Trunk , Rheiformes
4.
Rev. bras. ciênc. vet ; 24(1): 12-17, jan.-mar.2017. il.
Article in Portuguese | LILACS | ID: biblio-966947

ABSTRACT

Objetivou-se descrever e sistematizar as artérias da base do encéfalo. Foram utilizados dez gerbils que se encontravam armazenados em freezer no laboratório de Morfofisiologia Animal Aplicada da Universidade Federal Rural do Semiárido. Os animais foram descongelados, incisados na linha mediana para identificação do ventrículo esquerdo, o qual foi perfurado e injetados 3ml de Látex Neoprene 650 na concentração de 20% e no pigmento vermelho. Posteriormente aguardou-se cerca de 1 minuto em virtude da polimerização do Látex e logo após foram fixados por imersão em solução aquosa de Formaldeído a 3,7% e após 72 horas, tiveram os encéfalos removidos da calota craniana para análise de sua superfície ventral. Foi visto que o sistema vertebrobasilar e carótico estiveram presentes em todos os animais analisados, mostrando-se responsável pela vascularização do encéfalo caudal e rostral, respectivamente. As principais artérias observadas no modelo padrão incluem as ímpares: basilar, espinhal ventral, ramo medial da artéria cerebral rostral e as pares: vertebral, cerebelar caudal, cerebelar média, trigeminal, cerebelar rostral, ramo terminal da basilar, carótida interna, cerebral caudal, hipofisária, cerebral média, cerebral rostral, lateral do bulbo olfatório e etmoidal interna. Conclui-se com base nos resultados que a irrigação da superfície ventral encefálica do gerbil foi suprida pelos sistemas vertebro-basilar e carótico de forma equivalente, pertencendo assim ao modelo do tipo II. O circuito arterioso apresentou-se aberto caudalmente e fechado rostralmente, fato que difere do relatado em roedores como capivara, cutia, preá, chinchila e nutria.


The objective was to describe and systematize the arteries of the base of the brain. Ten gerbils were used, which were stored in a freezer in the Laboratory of Applied Animal Morphophysiology of the Federal Rural Semi-Arid University. The animals were thawed, incised in the midline to identify the left ventricle, which was punctured and injected 3 ml of Latex Neoprene 650 at a concentration of 20% and red pigment. After about one minute the polymerization of the Latex was delayed and afterwards fixed by immersion in 3.7% aqueous Formaldehyde solution and after 72 hours the brain was removed from the skull cap for analysis of its ventral surface. It was observed that the vertebro-basilar and carotid system were present in all animals analyzed, being responsible for the vascularization of the caudal and rostral encephalon, respectively. The main arteries observed in the standard model include the odd: basilar, ventral spinal, medial branch of the rostral cerebral artery and, the pairs: vertebral, cerebellar caudal, cerebellar medial, trigeminal, cerebellar rostral, terminal branch of the basilar, internal carotid, caudal cerebral, Pituitary, middle cerebral, rostral, lateral, olfactory and internal ethmoidal. Based on the results, the irrigation of the ventral brain surface of the gerbil was supplied by the vertebro-basilar and carotic systems in an equivalent way, thus belonging to the type II model. The arterial circuit was open caudally and closed rostrally, a fact that differs from that reported in rodents such as capybara, agouti, cavy, chinchilla and nutria


Subject(s)
Animals , Gerbillinae
5.
Biosci. j. (Online) ; 32(3): 713-720, may/june 2016. ilus, tab
Article in English | LILACS | ID: biblio-965513

ABSTRACT

The Mongolian gerbil, belonging to the Muridae family, is characterized as an economic asset in the pet market due to its easy management. Current research analyzes and describes the origin of the nerves that make up the lumbosacral plexus in the species, foregrounding comparative anatomy, especially among wild rodents. The experiment, approved by the Committee of Institutional Bioethics, involved 15 animals which had been used in other studies and were donated to the Laboratory of Applied Animal Morphophysiology of the Federal Rural University of the Semi-Arid, Mossoró, Rio Grande do Norte, Brazil. The animals were fixed in a water solution of formaldehyde 10%. After 72 hours, they were dissected, the abdominal cavity was opened and eviscerated, and the psoas minor, psoas major and the quadratus lumborum muscles were removed to inspect the nerves that form the lumbosacral plexus. Results were given in percentages and grouped in tables. The lumbosacral plexus of the Mongolian gerbil frequently derived from the ventral roots of the last thorax nerves, from the seven lumbar nerves and from the four sacral nerves (Type II ­ T12-S4). The nerves of the gerbil´s lumbosacral plexus are the iliohypogastricus, ilioinguinalis, cutaneus femoris lateralis, genitofemoralis, femoralis, obturatorius, ischiadicus, gluteus cranialis, pudendus, gluteus caudalis and rectales caudales nerves. Information on the origin of the nerves of the gerbil´s lumbosacral plexus and their description is relevant for clinical and surgical studies, and for the application of techniques or anesthetic drugs.


O esquilo da Mongólia é um roedor pertencente à família Muridae, caracterizado por seu interesse econômico no mercado pet e por ser de fácil manejo. Esta pesquisa analisa e descreve a origem dos nervos que formam o plexo lombossacral da espécie. No experimento foram utilizados 15 animais, provenientes de outros estudos aprovados pelo Comitê de Bioética Institucional, que foram doados ao Laboratório de Morfofisiologia Animal Aplicada da Universidade Federal Rural do Semi-Árido, Mossoró, Rio Grande do Norte. Os animais foram fixados em solução aquosa de formaldeído a 10%. Após 72 horas, os animais foram dissecados, realizando-se a abertura da cavidade abdominal, depois, eviscerados e em seguida, os músculos psoas maior, psoas menor e quadrado lombar foram removidos para visualização dos nervos que formam o plexo lombossacral. Os resultados foram expressos em percentagens e agrupados em tabelas. O plexo lombossacral do gerbil originou-se mais frequentemente das raízes ventrais do último nervo torácico, dos sete nervos lombares e dos quatro nervos sacrais (Tipo II ­ T12-S4). Os nervos que formaram o plexo lombossacral do gerbil foram: ílio-hipogástrico, ílioinguinal, cutâneo femoral lateral, genitofemoral, femoral, obturatório, isquiático, glúteo cranial, pudendo, glúteo caudal, e nervo retal caudal. O conhecimento sobre a origem e os nervos do plexo lombossacral no gerbil mostra-se útil para estudos clínico-cirúrgicos e aplicação de técnicas ou fármacos anestésicos.


Subject(s)
Gerbillinae , Lumbosacral Plexus , Muridae , Nervous System
6.
Braz. arch. biol. technol ; 58(4): 512-520, Jul-Aug/2015. tab
Article in English | LILACS-Express | LILACS | ID: lil-753958

ABSTRACT

Glycosaminoglycans (GAGs) are heteropolysaccharides in mammalian tissue and consist of repeated disaccharide units with mono-sulfated or non-sulfated monosaccharides. GAGs are important components of the Extracellular Matrix (ECM) with several physiological roles, in the recognition, migration, adhesion, proliferation and differentiation processes. They are also important in angiogenesis, blood homeostasis, immune reactions, follicule development and also in the development of pathologies such as infertility, tumors and metastases. It has been shown that the profile of glycosaminoglycans in the uterine and placental tissues is highly variable throughout the reproductive cycle and during pregnancy. It may be directly related to their physiological or pathological functions in the tissue. The latter has recently triggered special clinical interest. Current review collaborates for a deeper knowledge on the profile and importance of GAGs in uterine and placental tissues throughout the reproductive cycle and pregnancy. It also covers information on the involvement of these molecules in pathological processes.

7.
Ciênc. rural ; 40(8): 1741-1745, ago. 2010. ilus, tab
Article in Portuguese | LILACS-Express | LILACS | ID: lil-558778

ABSTRACT

O preá do semiárido nordestino (Galea spixii Wagler, 1831) é um roedor pertencente à família Caviidae. Pouca literatura é encontrada sobre essa espécie em relação a sua morfologia e seu comportamento ambiental e reprodutivo. Com o objetivo de entender a morfologia geral, em foco, na inervação do membro pélvico dessa espécie, neste trabalho, foi explorado o nervo isquiático, o qual é o maior de todos os nervos do organismo. Foram utilizados 10 preás (cinco machos e cinco fêmeas) que vieram a óbito por causas naturais, oriundos do Centro de Multiplicação de Animais Silvestres da Universidade Federal Rural do Semiárido (CEMAS/UFERSA). Os animais foram fixados após o óbito em solução aquosa de formaldeído 10 por cento e, após 48 horas de imersão nessa solução, foram dissecados para exposição do nervo isquiático. Dessa forma, os dados obtidos foram compilados em tabelas e expressos em desenhos esquemáticos e fotografias. Os pares de nervos isquiáticos originaram-se de raízes ventrais de L6L7S1 (70 por cento) e de L7S1S2 (30 por cento) e distribuíram-se pelos músculos glúteo profundo, bíceps femural, semitendinoso e semimembranoso.


The Galea of the semi-arid northeast (Galea spixii Wagler, 1831) is a rodent belonging to the family Caviidae. Little literature is found on this species in relation to morphology, environmental and reproductive behavior. With a view to understanding the general morphology, particularly, in the innervation of the pelvic limb of this species, ponder the sciatic nerve, which is the largest of all the nerves of the body. 10 cavies were used (five males, five females) that they had died of natural causes, originating from breeders scientific, legally licensed by IBAMA, the UFRSA, Mossoró, RN. The animals were fixed after the death in an aqueous solution of formaldehyde 10 percent and after 48 hours of immersion in it, were dissected to expose the sciatic nerve. Thus, the data were compiled in tables and expressed in drawings and photographs. The pairs of sciatic nerves were derived from ventral roots L6L7S1 (70 percent) and L7S1S2 (30 percent) and were distributed by the deep gluteal muscles, biceps femural, semitendinosus and semimembranosus muscles.

8.
Pesqui. vet. bras ; 30(4): 351-357, abr. 2010. ilus, graf, tab
Article in English | LILACS | ID: lil-548888

ABSTRACT

Corpus luteum is a temporary endocrine gland that regulates either the estrous cycle and pregnancy. It presents extreme dependency on the adequate blood supply. This work aims to evaluate goat corpus luteum (CL) vascular density (VD) over the estrous cycle. For that purpose, 20 females were submitted to estrus synchronization/ovulation treatment using a medroxyprogesterone intra-vaginal sponge as well as intramuscular (IM) application of cloprostenol and equine chorionic gonadotrophine (eCG). After sponge removal, estrus was identified at about 72hs. Once treatment was over, female goats were then subdivided into 4 groups (n=5 each) and slaughtered on days 2, 12, 16 and 22 after ovulation (p.o). Ovaries were collected, withdrawn and weighted. CL and ovaries had size and area recorded. Blood samples were collected and the plasma progesterone (P4) was measured through RIA commercial kits. The VD was 24.42±6.66, 36.26±5.61, 8.59±2.2 and 3.97±1.12 vessels/mm² for days 2, 12, 16 and 22 p.o, respectively. Progesterone plasma concentrations were 0.49±0.08, 2.63±0.66, 0.61±0.14 and 0.22±0.04ng/ml for days 2, 12, 16 e 22 p.o, respectively. Studied parameters were affected by the estrous cycle phase. Values greater than 12 p.o were observed. In the present work we observed that ovulation occurred predominantly in the right ovary (70 percent of the animals), which in turn presented bigger measures than the contra lateral one. There is a meaningful relationship between the weight and size of the ovary and these of CL (r=0.87, r=0.70, respectively, p<0.05). It is possible to conclude that morphology of goat's ovaries and plasma progesterone concentration changed according to estrous cycle stages. We propose these parameters can be used as indicators of CL functional activity.


O corpo lúteo é uma glândula endócrina temporária que regula tanto o ciclo estral quanto a prenhez, apresentando extrema dependência de aporte sanguíneo adequado. Objetivaram-se avaliar mudanças morfométricas dos ovários e densidade vascular (DV) dos corpos lúteos (CL) de cabras ao longo do ciclo estral (AOLC). Vinte animais foram submetidos ao tratamento para indução/sincronização do estro, usando esponjas intravaginais commedroxiprogesterona, associadas a aplicações intramusculares de cloprostenol e gonadotrofina coriônica eqüina. Após remoção das esponjas, o estro foi identificado em aproximadamente de 72h. Concluído o tratamento, as cabras foram subdivididas em 4 grupos (n=5 cada) para abate nos dias 2, 12, 16 e 22 após ovulação (p.o.). Posteriormente, foram retirados os ovários e realizadas as mensurações de peso, tamanho e área do órgão e dos CL. Amostras de sangue foram coletadas e a progesterona sérica (P4) mensurada utilizando-se RIA convencional. A DV média dos CL AOLC foi 24,42±6,66; 36,26±5,61; 8,59±2,2 e 3,97±1,12 vasos/mm2 para os dias 2, 12, 16 e 22 p.o., respectivamente. A concentração média de P4 foi de 0,49±0,08; 2,63±0,66; 0,61±0,14 e 0,22±0,04ng/ml para os dias 2, 12, 16 e 22 p.o., respectivamente. Os parâmetros em estudo também se mostraram afetados pela fase do ciclo estral, sendo observados os maiores (p < 0,05) valores no dia 12 p.o. Neste experimento, a ovulação ocorreu predominantemente no ovário direito (70 por cento dos animais), o qual apresentou medidas maiores que o contralateral. Observou-se ainda alta correlação significativa entre o peso do ovário e o do CL (r=0,87; p<0,05) e entre o tamanho destes órgãos (r=0,70; p<0,05). Conclui-se que, a morfologia dos ovários de cabras e a concentração sérica de progesterona variam em função da fase do ciclo estral e podem ser utilizadas como parâmetro na avaliação funcional do órgão.


Subject(s)
Animals , Female , Corpus Luteum/blood supply , Ovary/physiology , Goats/blood , Estrous Cycle
9.
Braz. j. vet. res. anim. sci ; 43(5): 647-653, 2006. tab, ilus
Article in Portuguese | LILACS | ID: lil-467116

ABSTRACT

Para conhecer a origem do nervo isquiático de mocós (Kerodon rupestris WIED,1820) junto aos forames intervertebrais e a musculatura envolvida em seu trajeto, foram utilizados 10 animais adultos, oriundos do Centro de Multiplicação de Animais Silvestres da Escola Superior de Agricultura de Mossoró (CEMAS-ESAM). Após o óbito natural, estes foram fixados em formol a 10%, e foram dissecados para exposição e visualização do nervo isquiático. Os resultados foram expressos em percentual. Foram verificadas variações na quantidade de vértebras lombares e sacrais. Cinco animais (50%) apresentaram sete vértebras lombares e três sacrais, dois (20%) apresentaram sete vértebras lombares e quatro sacrais, e dois (20%) apresentaram seis vértebras lombares e três sacrais. Um animal (10%) apresentou seis vértebras lombares e quatro sacrais. Portanto, a origem do nervo foi diferenciada. Cinco animais (50%) tiveram a participação de Lsubscrito7, Ssubscrito1, Ssubscrito2; dois animais (20%) Lsubscrito7, Ssubscrito1, com pequena contribuição de Ssubscrito2. Dois animais (20%), de Lsubscrito6, Ssubscrito1, Ssubscrito2; e um animal (10%), de Lsubscrito6, Ssubscrito1 com uma pequena contribuição de Ssubscrito2. A última raiz do nervo isquiático em todas as suas origens, contribuiu para a formação da primeira raiz do nervo pudendo. Constatou-se que ao longo de seu trajeto os nervos isquiáticos cederam ramos para os músculos glúteo médio, glúteo profundo, glúteo surpeficial, emitindo ramos musculares para o bíceps femoral ou da coxa, e para os músculos semimembranoso e semitendinoso, que continua com um tronco calibroso, originando os nervos fibular lateralmente, medialmente o tibial e caudalmente o cutâneo sural plantar lateral.


To know the origin of the ischiatic nerve in mocos (Kerodon rupestris Wied,1820) near by intervertebral forames and the muscling belonging to its routes were used 10 adult animals, from CEMAS-ESAM. After natural obit, they were fixed in formol (10%) and dissected to exposition and to singt of the ischiatic nerve. The results were indicated in percentage. Variations in the quantity of the lumber and sacral vertebras nere observed, five animals (50,00%) reveled seven lumbar vertebras and three sacral ones; two animals recrealed seven lumbar vertebras and four sacral ones, and two animals reveled six lumbar vertebras and three sacral ones. An animal (10,00%) revealed six lumbar vertebras and four ones. Therefore, the origin of the nerve was differentiated five animals (50,00%) had the participation of Lsubscript7,Ssubscript1,Ssubscript2; two animals (20,00%) with Lsubscript7,Ssubscript1; and a little part of Ssubscript2. Two animals (20,00%) with Lsubscript6,Ssubscript1,Ssubscript2, and an animal (10,00%) with Lsubscript6,Ssubscript1, and a little part of Ssubscript2. The last root of the ischiatic nerve in all its origins, contribute to the constitution of the first root of pudental nerve. It was verified that in all its route, the ischiatic nerves (100,00%) ceded branches to the muscles: medial gluteus, deep gluteus, superficial gluteus, emiting muscular branches to the femoral biceps or to thigh, and to the semi-membranous and semi-tendinous muscles, that is continuous with a high calibre trunk, originating the fibular nerve(sideways), the tibial nerve(medial) and the lateral plantar sural cutaneous nerve (caudal).


Subject(s)
Animals , Male , Female , Peroneal Nerve/anatomy & histology , Tibial Nerve/anatomy & histology , Rodentia/anatomy & histology
10.
Braz. j. vet. res. anim. sci ; 43(5): 620-628, 2006. tab, ilus
Article in Portuguese | LILACS | ID: lil-467120

ABSTRACT

O mocó (Keredon rupestris), é um roedor da fauna silvestre brasileira, pertencente à família dos cavídeos, e da subfamília caviinae. No Brasil, o mocó já vem sendo criado em cativeiro com o objetivo de fornecer alimento, manter a espécie e proporcionar o desenvolvimento de pesquisas voltadas ao conhecimento mais aprofundado desta espécie. Nossa pesquisa visa conhecer a origem e os nervos resultantes do plexo lombossacral deste animal, fornecendo subsídios indispensáveis para o estudo da anatomia comparativa, especialmente dos mamíferos Silvestres. Foram utilizados 10 animais adultos de diferentes idades provenientes do Centro de Multiplicação de Animais Silvestres da ESAM (CEMAS-ESAM). Foram fixados em solução aquosa de formal a 10% durante 48 horas, realizou-se dissecação de cada antímero a fim de expor os nervos através da retirada dos músculos psoas maior e psoas menor, cujos resultados foram registrados através de desenhos esquemáticos e imagens fotografadas. Observaram-se variações no número de vértebras lombares e sacrais destes animais, alterando a relação entre os nervos que dão origem ao plexo lombossacral que apresentou três tipos diferentes de constituição. As raízes ventrais originando-se a partir dos três últimos nervos lombares e dos três primeiros nervos sacrais correspondeu a 80% dos exemplares estudados, onde o tipo II (Lsubscrito5,Lsubscrito6Lsubscrito7,Ssubscrito1,Ssubscrito2 e Ssubscrito3). foi o mais comumente encontrado (50%) das amostras. Os nervos considerados originários do plexo foram o Femoral, obturatório, isquiático, glúteo cranial, glúteo caudal e pudendo.


Rock cavy (Kerondon rupestris) is a rodent of the Brazilian wild fauna, belonging to the cavied family, and to the caviinae under family. In Brazil, this animal is already been raised in captivity with the aim of food supply, to preserve the species and to offer subsidy to the research development concerning to the deeper knowledge of these species. To know the origin and the nerves of the rock cavy (Keredon rupestris) lumbar sacral plexus, supplying indispensable subsidies for the study of the comparative anatomy, especially of the wild mammals, we intended to accomplish this research. Ten adult animals of different ages from the Wild Animals Multiplication Center (CEMAS) of the Superior School of Agriculture of Mossoró (ESAM) were used. The segments were fastened in 10% aqueous solution of formal for 48 hours, followed by dissection in order to expose the nerves by the retreat of the muscles, psoas major and psoas minor, and the results were registered by schematic drawings and photographed images. Differences were observed in the number of lumbar and sacral vertebrae of these animals. The lumbar sacral Plexus presented their ventral roots starting from the last three lumbar nerves and from the first three sacral nerves, corresponding to 80% of the studied animals. The type II (Lsubscript5,Lsubscript6,Lsubscript7,Ssubscript1,Ssubscript2 e Ssubscript3) was the most commonly found (50%) of the between samples. Considered nerves, originated in the plexus, were: femoral, obturatory, ischiatic, cranial gluteus, caudal gluteus and pudendus.


Subject(s)
Animals , Male , Female , Animals, Wild/anatomy & histology , Lumbosacral Plexus/anatomy & histology , Lumbosacral Plexus/growth & development , Rodentia/anatomy & histology
11.
Braz. j. vet. res. anim. sci ; 42(1): 19-25, 2005. ilus, tab
Article in Portuguese | LILACS | ID: lil-435640

ABSTRACT

O presente trabalho foi desenvolvido visando contribuir com informações a respeito de aspectos biométricos e patológicos em testículos de catetos (Tayassu tajacu). Utilizaram-se doze animais, com idades superior a dez anos, provenientes do Centro de Multiplicação de Animais Silvestres CEMAS/ESAM. Após a coleta, os testículos foram submetidos a biometria e em seguida fixados em solução de Bouin. Posteriormente, conservou-se a amostra em álcool a 70% e submeteu-se ao processamento histológico de rotina. A leitura das lâminas foi realizada em microscópio óptico e os resultados obtidos analisados estatisticamente através dos testes t e Z. Os valores médios de comprimento, circunferência e peso, entre o testículo direito e esquerdo, não revelam diferença estatística, ao se aplicar o teste t. Porém, o mesmo teste demonstrou correlação com significância a 1 % de probabilidade entre a gônada direita e esquerda, ao se comparar cada variável biométrica. Dos 12 animais utilizados, oito (67%) apresentaram alterações testiculares, as quais corresponderam a degeneração (63%), rarefação do epitélio (25%) e orquite (12%). Através do teste Z houve significância, a 2,5%, ao se compararem às freqüências entre degeneração e rarefação, assim como degeneração e orquite. Verificou-se que, à medida que uma das variáveis biométricas de um testículo apresenta modificação, há uma correspondência com o órgão contralateral. A patologia mais frequente foi à degeneração testicular, a qual demonstrou correlação.


Subject(s)
Biometry/methods , Orchitis/diagnosis , Swine/anatomy & histology , Testis/anatomy & histology
12.
Braz. j. vet. res. anim. sci ; 40(6): 391-396, 2003. ilus, tab
Article in Portuguese | LILACS | ID: lil-359798

ABSTRACT

O mocó, Kerodon rupestris, um mamífero roedor da família dos cavídeos muito parecido com preá, é um animal altamente adaptado às condições de calor e de escassez de água e de alimento, principalmente nos períodos das grandes secas que assolam periodicamente a região do semi-árido nordestino. Verifica-se que na literatura há escassez de dados referentes à anatomia funcional dos mocós e, em especial de trabalhos envolvendo a anatomia do sistema nervoso. Objetivando elucidar o comportamento anatômico do plexo braquial de mocó e com o propósito de contribuir para o desenvolvimento da neuroanatomia comparada, procedeu-se esta pesquisa, na qual foram utilizados dez animais adultos de diferentes idades (nove machos e uma fêmea) que vieram a óbito no Centro de Multiplicação de Animais Silvestres (CEMAS) da Escola Superior de Agricultura de Mossoró-ESAM. Após a fixação em solução aquosa de formol a 10,00 por cento, realizou-se a dissecação bilateral da origem dos plexos braquiais, sendo os resultados registrados em desenhos esquemáticos, e suas disposições agrupadas em tabelas para posterior análise estatística, fundamentada na freqüência percentual. Observando-se que o plexo braquial de mocó é resultante de comunicações estabelecidas, principalmente, entre os ramos ventrais dos três últimos nervos cervicais e dos dois primeiros nervos torácicos, havendo contribuição do quinto nervo cervical em 35,00 por cento dos casos. O plexo braquial originou-se mais freqüentemente a partir de C6, C7, C8, T1 e T2, consiguando-se em 40,00 por cento das dissecações.


Subject(s)
Animals , Male , Female , Anatomy , Brachial Plexus , Rodentia
SELECTION OF CITATIONS
SEARCH DETAIL