Your browser doesn't support javascript.
Show: 20 | 50 | 100
Results 1 - 17 de 17
Filter
1.
Rev. bras. med. fam. comunidade ; 15(42): 2078, 20200210.
Article in Portuguese | LILACS-Express | ID: biblio-1050488

ABSTRACT

Introdução: Pessoas com diabetes podem sofrer com o estresse da doença e apresentar sentimentos como culpa, raiva, medo e depressão, que caracterizam o Sofrimento Emocional Específico da Diabetes. Objetivo: estimar a frequência desse sofrimento e seus fatores associados em pessoas assistidas na atenção primária em Blumenau, Santa Catarina. Métodos: Trata-se de estudo transversal. Pessoas com diabetes assistidas por 4 equipes de saúde da família (n=196) responderam ao questionário "Problems Areas in Diabetes", que apresenta 20 questões em 4 subdimensões, além de questões sobre suas características sociodemográficas (sexo, idade, escolaridade) e clínicas (tempo de doença, uso de insulina e medicação antidepressiva). Estimou-se os escores de sofrimento geral e subdimensões com base na soma das respostas em escala de 0 (melhor) a 100 (pior). Mediu-se a frequência do sofrimento emocional grave (escore >40) e sua associação com as variáveis de estudo por regressão logística não condicional. Resultados: Participaram 196 pessoas, 58,2% eram mulheres, 26,2% faziam uso de insulina e 20,6% de antidepressivos. A idade média foi de 61,6 anos, o tempo médio de tratamento de diabetes foi 9,5 anos. O escore médio de sofrimento emocional foi de 33,6 (dp=27,6) e mediana de 23,8. 36,2% dos participantes apresentaram sofrimento emocional grave. O sofrimento emocional grave se mostrou principalmente entre pessoas com 19 a 64 anos (OR=2,1, IC95%1,1 - 4,1), com tempo de doença de 2 a 5 anos (OR=6,4; IC95% 1,1 - 36,1) e 5 anos e mais (OR=5,4; IC95% 1,1 - 28,8) e em uso de medicação antidepressiva (OR=2,8 IC95% 1,3 - 6,0). Conclusão: Mais de um terço das pessoas com diabetes tem sofrimento emocional grave, marcadamente os adultos com mais tempo de doença e com tratamento para depressão. Sugere-se que essas pessoas tenham seu cuidado priorizado pelas equipes de saúde na atenção primária.


Introduction: Diabetic persons can suffer from stress of the disease and present feelings such as guilt, anger, fear and depression, featuring the diabetes specific-emotional distress. Objective: to measure the frequency of this distress and its associated factors in people assisted in the primary health care of Blumenau, Santa Catarina. Methods: This is a cross-sectional study. People with diabetes assisted by 4 family health teams (n = 196) answered the "Problems Areas in Diabetes" questionnaire, which presents 20 questions in 4 sub-dimensions, as well as questions about their sociodemographic (gender, age, education) and clinical characteristics (insulin and antidepressant medication use). Overall distress scores and sub-dimensions were estimated based on the sum of responses on a scale from 0 (best) to 100 (worst). The frequency of severe emotional distress was measured (score> 40) and its association with study variables were estimated by unconditional logistic regression. Results: 196 people participated, 58.2% were women, 26.2% were on insulin and 20.6% on antidepressants. The mean age was 61.6 years and the mean duration of diabetes treatment was 9.5 years. The average score of emotional distress was 33.6 (dp=27,6) and median of 23,8. 36,2% of participants had severe emotional distress. Severe emotional distress was mainly seen among people aged 19-64 years (OR = 2.1, 95% CI 1.1 - 4.1), with disease duration from 2 to 5 years (OR = 6.4, 95% CI , 1 - 36.1) and 5 years andmore (OR = 5.4, 95% CI 1.1 - 28.8) and on antidepressant medication (OR = 2.8 95% CI 1.3 - 6.0 ). Conclusion: More than a third of people with diabetes have severe emotional distress, notably adults with longer ilness and treatment for depression. It is suggested that these people must have their care prioritized by health teams in primary care.


Introducción: Introducción: Las personas con diabetes pueden sufrir con el estrés de la enfermedad y presentar sentimientos como culpa, rabia, miedo y depresión, que caracterizan el Sufrimiento Emocional Específico de la Diabetes. Objetivo: estimar la frecuencia de ese sufrimiento y factores asociados em personas asistidas en la atención primaria en Blumenau, Santa Catarina. Métodos: este es un estudio transversal. Las personas con diabetes asistidas por 4 equipos de salud de la familia (n = 196) respondieron el cuestionario "Áreas problemáticas en diabetes", que presenta 20 preguntas en 4 subdimensiones, así como preguntas sobre sus características sociodemográficas (género, edad, educación) y características clínicas (tempo de enfermedad, uso de insulina y medicación ntidepresiva). Los puntajes de angustia y subdimensiones generales se estimaron en función de la suma de las respuestas en una escala de 0 (mejor) a 100 (peor). Se ha medido la frecuencia de angustia emocional severa (puntaje >40) y su asociación con variables de estudio por regresión logística incondicional. Resultados: Han participado 196 personas, 58,2% eran mujeres, 26,2% hacían uso de insulina y 20,6% de antidepresivos. La edad media fue de 61,6 años, el tiempo promedio de tratamiento de la diabetes fue de 9,5 años. El puntaje promedio de sufrimiento emocional fue de 33,6 (dp = 27,6) y mediana de 23,8. El 36,2% de los participantes presentaron un sufrimiento emocional grave. El sufrimiento emocional grave se mostró principalmente entre personas de 19 a 64 años (OR = 2,1, IC95% 1,1 - 4,1), con tempo de enfermedad de 2 a 5 años (OR = 6,4, IC95% 1,1 - 36,1) y 5 años y más (OR = 5,4, IC95% 1,1 - 28,8) y en uso de medicación antidepressiva (OR = 2,8 IC95% 1,3 - 6, 0). Conclusión: Más de un tercio de las personas con diabetes tienen sufrimiento emocional severa, especialmente adultos con enfermedades más prolongadas y tratamiento para la depresión. Se sugiere que estas personas tengan su atención priorizada por los equipos de salud en la atención primaria.

2.
ACM arq. catarin. med ; 47(2): 124-136, abr. - jun. 2018.
Article in Portuguese | LILACS-Express | ID: biblio-913554

ABSTRACT

Estudos populacionais permitem identificar padrões de consumo de medicamentos e auxiliam na formulação de políticas de saúde. O objetivo deste estudo foi descrever o perfil de consumo de medicamentos de pessoas com idade entre 20-79 anos residentes da cidade de Pomerode ­ SC. Tratase de um estudo transversal quantitativo com dados parciais do Projeto "Leben und Gesundheit ­ Vida e Saúde em Pomerode". Os dados obtidos previamente através da aplicação de questionários que continham perguntas acerca do uso de medicamentos contínuos e esporádicos. Esses foram classificados de acordo com o código ATC. Foram entrevistadas 436 pessoas. A média de idade dos entrevistados foi de 53,1 anos. 61,5% dos entrevistados relataram fazer uso de medicamentos contínuos, enquanto 47,5% relatam que fizeram uso de medicamento esporádico nos últimos 15 dias. A média de medicamentos contínuos por pessoa foi de 3,3. Os medicamentos contínuos mais consumidos foram do sistema cardiovascular (39,7%) e sistema nervoso (17,5%). A taxa de polifarmácia foi de 24,3%, sendo maior entre idosos (38,4 vs 15,6 p<0,0001) e com pior condição de saúde (6,9% vs 50%, p=0,006). 58,2% se mostrou aderente ao tratamento. As classes terapêuticas de medicamentos esporádicos mais utilizadas foram analgésicos (38,2%) e anti-inflamatórios (13,0%). Constatou-se uma elevada frequência de uso de medicamentos em Pomerode acima do observado em outros estudos populacionais em municípios brasileiros.


Population studies allow the identification of drug consumption patterns and help in the formulation of health policies. The objective of this study was to describe the drug consumption profile of people aged between 20-79 years living in the city of Pomerode - SC. This is a cross-sectional quantitative study with partial data from the project "Leben und Gesundheit - Life and Health in Pomerode". The data obtained previously through the application of questionnaires that contained questions about the use of continuous and sporadic drugs. These were classified according to the ATC code. 436 people were interviewed (mean age=53.1 years). 61.5% of the respondents reported using continuous medications, while 47.5% reported having used sporadic medication in the last 15 days. The median of continuous medication per person was 3.3. The most commonly used continuous drugs were cardiovascular system (39.7%) and nervous system (17.5%). The polypharmacy rate was 24.3%, being higher among the elderly (38.4 vs 15.6 p <0.0001) and with poorer health status (6.9% vs 50%, p = 0.006). 58.2% showed adherence to the treatment. The most commonly used therapeutic classes of sporadic drugs were analgesics (38.2%) and anti-inflammatories (13.0%). A high frequency of drug use in Pomerode was observed above that observed in other population studies in Brazilian municipalities.

3.
Cad. saúde colet., (Rio J.) ; 26(1): 23-30, jan.-mar. 2018. tab, graf
Article in Portuguese | LILACS-Express | ID: biblio-952491

ABSTRACT

Resumo Introdução A inacurada mensuração da pressão arterial (MPA) pode gerar resultados prejudiciais às pessoas e ao sistema de saúde. Objetivo Avaliar o processo e a estrutura de MPA realizadas por profissionais de enfermagem em Unidades de Atenção Primária (UAP) do Sistema Único de Saúde (SUS) de Blumenau. Método Estudo avaliativo transversal de 16 etapas do processo de 381 MPA, definidas nas VI Diretrizes Brasileiras de Hipertensão e análise de aspectos físico-estruturais de 18 UAP. Resultados Os níveis médios ruído foram 60,4 ± 7,4 dB, a temperatura média de 22,8 °C ± 1,9. Os esfigmomanômetros não eram aferidos e calibrados semestralmente em 16 das 18 unidades. Das 16 etapas, apenas seis tiveram conformidade maior de 70% e quatro etapas tiveram zero de conformidade. Destaca-se o uso de braçadeira inapropriada (32%) e somente quatro medidas sistólicas e 11 diastólicas não terminavam em dígito zero. Dentre os mensuradores, 77,1% informaram nunca terem recebido treinamento prévio em MPA pelo SUS. Conclusões A estrutura e o processo de MPA nas UAP apresentaram inconformidades na maioria das etapas recomendadas. Os gestores locais devem prover condições estruturais e tecnológicas adequadas a correta MPA de modo a evitar danos às pessoas e gastos desnecessário para o SUS.


Abstract Introduction Inaccurate blood pressure measurement (BPM) can produce harmful results for people and the health system. Objective To evaluate the process and the BPM structure performed by nursing professionals in Primary Care Units (PCU) of the Unified Health System (SUS) of Blumenau-SC. Method Cross-sectional evaluation study of 16 stages of the 381 MPA process defined in the VI Brazilian Guidelines on Hypertension and analysis of physical and structural aspects of PCU 18. Results The average of noise were 60.4 ± 7.4 dB, the average temperature was 22.8 °C ± 1.9. The sphygmomanometers were not checked and calibrated every six months in 16 of the 18 units. Of the 16 steps, only six had higher compliance than 70% and accordingly had four steps of zero. Noteworthy is the use of inappropriate bracket (32%) and only 4 systolic and 11 diastolic did not end in zero digit. Nurses reported that 77.1% never had received prior training in BPM by SUS. Conclusions The structure and process of BMP presented unconformities in most recommended steps. Local managers should provide structural and technological conditions appropriate to correct BPM in order to prevent damage to people and unnecessary expenses for SUS.

4.
Rev. saúde pública (Online) ; 52: 62, 2018. tab, graf
Article in English | LILACS-Express | ID: biblio-962266

ABSTRACT

ABSTRACT OBJECTIVE To present the development and validation of the WebAd-Q Questionnaire, a self-report instrument to monitor adherence to antiretroviral therapy in HIV/AIDS centers in Brazil. METHODS The WebAd-Q is an electronic questionnaire that has three questions about the use of antiretrovirals in the last week. It was constructed from interviews and focus groups with 38 patients. Its validity was tested in a study with a sample of 90 adult patients on antiretroviral therapy for at least three months. We used electronic monitoring bottles, pill counting, and self-report interview to compare adherence. The WebAd-Q was answered on the sixtieth day, twice, with at least one hour of interval. The viral load of the patients was obtained from the service records. We have analyzed the agreement between the answers to the WebAd-Q, the associations, and the correlations with viral load and performance compared to other measures of adherence. RESULTS Among the invited patients, 74 (82.2%) answered the WebAd-Q. No difficulties were reported to answer the questionnaire. The average answer time was 5 min 47 sec. The set of three questions of the WebAd-Q obtained agreement of 89.8%, with Kappa of 0.77 (95%CI 0.61-0.94). The non-adherence answers of the WebAd-Q were associated with detectable viral load. We obtained moderate viral load correlations with the non-adherence scale according to the WebAd-Q. For the three questions of the WebAd-Q, patients with non-adherence answers were also reported as less adherent according to the other measures of adherence. CONCLUSIONS The WebAd-Q answered all the issues considered relevant in the validation of questionnaires, was well understood by patients, was associated with viral load, and obtained good agreement and good performance compared to the other measures. The feasibility analysis of its implementation still depends on a national study on its applicability.


RESUMO OBJETIVO Apresentar o desenvolvimento e a validação do Questionário WebAd-Q, um instrumento de autorrelato para monitorar a adesão à terapia antirretroviral em serviços de HIV/Aids no Brasil. MÉTODOS O WebAd-Q é um questionário eletrônico que contém três perguntas sobre a tomada dos antirretrovirais na última semana. Foi construído a partir de entrevistas e grupos focais com 38 pacientes. Sua validade foi testada em estudo com uma amostra de 90 pacientes maiores de 18 anos, sob terapia antirretroviral há pelo menos três meses. Foram utilizadas as seguintes medidas de adesão comparativas: monitoramento eletrônico, contagem de pílulas e entrevista de autorrelato. O WebAd-Q foi respondido no sexagésimo dia por duas vezes, com intervalo mínimo de uma hora. A carga viral dos pacientes foi obtida nos registros do serviço. Analisamos a concordância entre as respostas ao WebAd-Q, associações e correlações com a carga viral e o desempenho em comparação às demais medidas de adesão. RESULTADOS Entre os pacientes convidados, 74 (82,2%) responderam ao WebAd-Q. Não foram relatadas dificuldades em responder ao questionário. O tempo médio de resposta foi de 5 min 47 seg. O conjunto das três questões do WebAd-Q obteve concordância de 89,8%, com Kappa de 0,77 (IC95% 0,61-0,94). As respostas de não adesão do WebAd-Q associaram-se à carga viral detectável. Foram obtidas correlações moderadas da carga viral com escala de não adesão segundo o WebAd-Q. Para as três perguntas do WebAd-Q, pacientes com respostas de não adesão foram também apontados como menos aderentes segundo as demais medidas de adesão. CONCLUSÕES O WebAd-Q atendeu a todos os quesitos considerados relevantes na validação de questionários, foi bem entendido por pacientes, apresentou associação com a carga viral e obteve boa concordância e bom desempenho em comparação a medidas concorrentes. A análise da viabilidade de sua implementação ainda depende de um estudo nacional de aplicabilidade.

5.
ACM arq. catarin. med ; 46(4): 27-42, 01/12/2017.
Article in Portuguese | LILACS-Express | ID: biblio-913427

ABSTRACT

O objetivo deste estudo foi verificar a tendência temporal da mortalidade infantil e suas principais causas entre as regiões de saúde de Santa Catarina entre 2004 e 2013. Estudo ecológico de séries temporais em que foram calculadas a Taxa de Mortalidade Infantil (TMI) geral e pelas principais causas de óbito infantil em Santa Catarina e suas Regiões de Saúde. Foi analisada a tendência temporal dos coeficientes por regressão linear simples e verificada possível autocorrelação serial. Houve 10076 óbitos infantis em Santa Catarina no período do estudo; a TMI reduziu de 13,61 para 10,46, sendo as principais causas relacionadas às afecções do período perinatal e às malformações congênitas. No período analisado, doze regiões diminuíram a TMI por afecções do período perinatal e dez regiões aumentaram a TMI por malformações congênitas. Observou-se tendência temporal de redução significativa da TMI geral e da TMI por afecções originadas do período perinatal. Porém, ocorreu aumento da proporção entre a TMI por malformações congênitas, deformidades e anomalias cromossômicas em relação a TMI geral.


Verify the temporal trend of the infant mortality and its main causes among the state's Health Regions of Santa Catarina between 2004 and 2013. Ecological time series study in which were calculated the overall and main causes' Infant Mortality Rate (IMR) in Santa Catarina and its Health Regions; the state's rates were analyzed by simple linear regression. There were 10.076 infant deaths in Santa Catarina during the studied period; the IMR decreased from 13,61 to 10,45, the main causes are related to disorders of the perinatal period and congenital malformations; twelve regions showed a decrease in their IMR for disorders of the perinatal period and ten regions showed an increase in their IMR for congenital malformations. We observed a significant reduction of time trends in general IMR and child mortality rate for conditions originating in the perinatal period. However, there was an increase in the proportion between the infant mortality rate for congenital malformations, deformations and chromosomal abnormalities and the overall infant mortality rate.

6.
Cad. saúde colet., (Rio J.) ; 23(3): 280-288, jul.-set. 2015. tab
Article in Portuguese | LILACS-Express | ID: lil-766386

ABSTRACT

Resumo Pretende-se a avaliar o acesso aos medicamentos na atenção primária a partir da perspectiva do usuário. Trata-se de estudo seccional com 692 usuários, entrevistados na atenção primária em Blumenau, no Estado de Santa Catarina, no ano de 2010. Foram estudadas variáveis que estimam algumas dimensões do acesso em relação a duas modalidades de atenção primária. As associações foram testadas por meio dos testes de qui-quadrado e t de Student. A maioria era do sexo feminino (78,0%), com média de idade de 43,3 anos, e utilizava 2,6 medicamentos em média. O acesso a medicamentos foi de 75,0%. A mediana de tempo de espera foi de 3,0 minutos, e de dispensação, 2,0 minutos. Usuários assistidos por equipes de Estratégias Saúde da Família, quando comparados com aqueles dos Ambulatórios Gerais, eram mais idosos (26,8% vs 18,5%; p<0,0001), de menor escolaridade (74,6% vs 60,9%; p<0,01), tomavam em média mais medicamentos (3,0 vs 2,2; p<0,0001), estocavam menos medicamentos nos domicílios (37,2% vs 63,5%; p<0,0001) e recebiam menos informações sobre como acessar medicamentos não disponíveis (56,9% vs 90,1%; p<0,0001), e mais informações sobre as possíveis interações medicamentosas (13,6% vs 6,6%; p<0,005) e sobre as reações adversas (23,5% vs 11,9%; p<0,0001), respectivamente. A avaliação do acesso aos medicamentos pode fornecer subsídios para melhorar as práticas profissionais nas diversas modalidades de atenção primária.


This study aims to evaluate the access to medicines in primary care from the users’ insights. This is a cross-sectional study with 692 primary care users interviewed, in Blumenau, Santa Catarina, 2010. We studied variables that represent some dimensions of access regarding the two primary care modes. Associations were tested using Chi- square test and Student t-test. Most were female (78%), with a mean age of 43.3 years and took on average 2.6 drugs. Seventy five percent (75%) had access to medicines. The average waiting time was 3 minutes and dispensing time was 2 minutes. Users assisted by Family Health Strategy were older (26.8% vs. 18.5%, p < 0.0001), with lower education (74.6 vs. 60.9, p < 0.01), took more drugs on average (3.0 vs. 2.2, p < 0.0001), stored less medicines at home (37,2% vs 63,5%, p < 0.0001) compared to those in the General Ambulatory. However, they received less information on how to get non-available medicines (56,9% vs 90,1%, p < 0.0001), but more information about possible drug interactions (13.6% vs. 6.6%, p < 0.005) and adverse drugs reactions (23.5% vs. 11.9%, p < 0.0001). The evaluation of medicines access may provide support to improve professional practices in different types of primary care.

7.
ACM arq. catarin. med ; 42(3): 09-14, jul. - set. 2013. Graf
Article in Portuguese | LILACS-Express | ID: biblio-413

ABSTRACT

Contexto: A exposição de indivíduos a acontecimentos desorganizadores como desastres naturais representa condição com potencial de adoecimento físico e desequilíbrio emocional e/ou psíquico. Objetivo: verificar se houve aumento das taxas de suicídio após a enchente de novembro de 2008 em Santa Catarina (SC). Métodos: Trata-se de um estudo transversal, ecológico. Foram analisados os dados disponíveis no DATASUS, na Defesa Civil e IBGE nos anos de 1998 até 2009. Foram utilizados como critérios de inclusão indivíduos procedentes de SC cujas causas de óbitos tenham sido suicídios. As cidades foram divididas em categorias: todas as cidades, cidades que decretaram estado de calamidade pública e emergência. Foram coletadas as variáveis idade, sexo e raça. Resultados: A média de suicídios total entre 1998 e 2007 foi de 7,68 suicídios/ cem mil habitantes, enquanto que nos anos de 2008 e 2009 foi de 8,09 e 8,51, respectivamente, sem apresentar diferenças estatisticamente significativas. Apenas 13 cidades, das 77 em calamidade ou emergência, apresentaram taxas de suicídio superiores à média do estado com diferença estatisticamente significativa. O suicídio predominou em adultos, brancos e homens. Conclusão: Não encontrou- se associação estatisticamente significativa, na maioria das cidades, entre a enchente de 2008 e o suicídio.


Background: The exposure of subjects to unsettling events such as natural disasters represents a potential condition for physical illness and emotional or psychic imbalance. Objectives: To assess whether the suicide rate has increased after the November 2008 flood at Santa Catarina State. Methods: This is an ecological transversal study. Were analyzed the data available in DATASUS, Civil Defense and IBGE from 1998 to 2009. Only individuals from SC whose deaths were due to suicide were included. The cities were divided according to the following categories: all the cities, cities which declared public calamity and emergency state. The age, gender and race variables were collected. Results: The total average of suicides between 1998 and 2007 was 7.68 suicides/a hundred thousand inhabitants, while in 2008 and 2009 it was 8.09 and 8.51, respectively, not reaching statistical significance. Only 13 out of the 77 of the cities in calamity or emergency showed suicide rates higher than the state average with a statistically significant difference. The prevalence of suicide was higher among white, male, adults. Discussion: For most of the cities, the association between the 2008 flood and suicide was not statistically significant.

8.
Braz. j. pharm. sci ; 46(4): 795-804, Oct.-Dec. 2010. tab
Article in English | LILACS (Americas) | ID: lil-622880

ABSTRACT

The aim of this study was to examine the possible adverse drug-drug interactions in the elderly population (>60 years) diagnosed either with diabetes, arterial hypertension or both, at a Family Health Unit (FHU) clinic in Blumenau, state of Santa Catarina, Brazil. For this purpose 318 subjects were interviewed using a pretested form with social and demographic aspects regarding their disease and its complications. All drugs used by this population were grouped, and the drug-drug interactions were detected by using the "Drug Interaction Checker" software, and classified for frequency and severity. The average age of patients was 70.6 years, with a higher number of female patients (216; 67.9%). Most subjects were being treated for both diseases (149; 46.86%). Out of a total of 1,541 medications prescribed, the most prevalent were: hydrochlorothiazide (131; 8.4%) and enalapril maleate (130; 8.4%). A total of 295 possible drug-drug interactions were detected in 152 patients (1.9 interactions per subject), 275 (93.2%) moderate and 20 (6.8%) severe or highly severe. The possible interaction prevalence was 0.93 (0.55 to 1.40 depending on health unit). The most frequent possible interaction was that between acetylsalicylic acid and enalapril maleate (37; 12.5%). Patients had an average consumption of 6.6 drugs and 9.8% of subjects reported physical discomfort when using medicines. Elderly patients use many medications that could cause adverse reactions and possible drug-drug interactions, where this issue warrants closer attention of prescribers and health providers.


Buscou-se identificar possíveis interações medicamentosas em pessoas idosas com diabetes melito (DM) e/ou hipertensão arterial sistêmica (HAS) sendo atendidas em unidades de Saúde da Família, em Blumenau (SC). Entrevistaram-se 318 pessoas com 60 e mais anos, portadoras de DM e/ou HAS, mediante questionário estruturado pré-testado, com variáveis sócio-demográficas da doença e do tratamento. As interações medicamentosas foram verificadas através do aplicativo "Drug Interaction Checker" e classificadas quanto a freqüência e severidade. A maioria dos pacientes era do sexo feminino (216; 67,9%), com média de idade de 70,6 anos (DP = 6,9), recebendo tratamento por ambas as doenças (149; 46,86%). Dentre 1.541 medicamentos prescritos, os mais prevalentes foram: hidroclorotiazida (131; 8,4%) e maleato de enalapril (130; 8,4%). Foram detectadas 295 possíveis interações medicamentosas em 152 idosos (média 1,9 interações), das quais (275; 93,2%) foram moderadas e (20; 6,8%) severas ou muito severas. A prevalência de possíveis interações foi de 0,93 (0,55 a 1,40, dependendo da unidade de saúde). A possível interação mais freqüente foi entre ácido acetilsalicílico e maleato de enalapril (37; 12,5%). Cada paciente fazia uso de 6,6 medicamentos em média e 9,8% relataram algum desconforto físico com o uso de medicamentos. Idosos utilizam grande quantidade de medicamentos que resultam em reações adversas e possíveis interações medicamentosas, merecendo maior atenção dos prescritores e gestores.


Subject(s)
Humans , Male , Female , Middle Aged , Patient Care/statistics & numerical data , Brazil , Diabetes Mellitus , Drug Interactions , Hypertension/therapy , Family Health Strategy , Cross-Sectional Studies , Drug-Related Side Effects and Adverse Reactions , Surveys and Questionnaires
9.
Cad. saúde pública ; 26(12): 2389-2398, dez. 2010. ilus, tab
Article in Portuguese | LILACS (Americas) | ID: lil-571491

ABSTRACT

In order to estimate the prevalence of treatment non-adherence and associated factors among individuals with systemic arterial hypertension treated at family health care facilities, a cross-sectional study was performed with 595 patients. The dependent variable non-adherence was measured with a Medication Adherence Questionnaire (MAQ). A hierarchical logistic regression model was used to analyze socioeconomic, health care-related, personal, and treatment-related variables. Prevalence of non-adherence was 53 percent. Variables associated with non-adherence were: (1) socioeconomic _ belonging to economic classes C, D, or E; work market participation in unskilled labor; (2) health care _ out-of-pocket payment for medication; more than six months since last physician consultation; and (3) personal and treatment characteristics _ previous interruption of treatment; being on treatment for less than three years; and presence of a common mental disorder. The study of determinants of non-adherence articulated in a hierarchical model suggests that social inequalities are either directly associated with non-adherence or mediated by personal and health services factors.


Para estimar a prevalência e analisar fatores associados à não-adesão ao tratamento de pessoas com hipertensão arterial sistêmica, atendidas em unidades de saúde da família, procedeu-se a estudo transversal com 595 pacientes. A variável dependente não-adesão foi medida com questionário (Questionário de Adesão a Medicamentos - QAM-Q). Foram coletadas variáveis sócio-econômicas, assistenciais, pessoais e do tratamento, analisadas por modelo de regressão logística hierarquizado. A prevalência de não-adesão foi de 53 por cento. As variáveis associadas à não-adesão foram: (1) sócio-econômicas _ pertencer às classes econômicas C/D/E, estar inserido no mercado de trabalho, em ocupações não qualificadas; (2) assistenciais _ precisar comprar os medicamentos e mais que 6 meses desde a última consulta, e; (3) características das pessoas e do tratamento _ interromper previamente o tratamento, estar em tratamento há menos de 3 anos e presença de transtorno mental comum. O estudo dos determinantes da não-adesão articulados em um modelo hierarquizado sugere que as desigualdades sociais se mostram diretamente associadas à não-adesão, ou mediadas por fatores dos serviços e das pessoas.


Subject(s)
Humans , Middle Aged , Antihypertensive Agents , Health Services Accessibility/statistics & numerical data , Medication Adherence/statistics & numerical data , Epidemiologic Methods , Family Health , Human Characteristics , Health Facilities , Medication Adherence/psychology , Patient Satisfaction/statistics & numerical data , Socioeconomic Factors
10.
Saúde Soc ; 18(supl.2): 79-83, abr.-jun. 2009. ilus, graf
Article in Portuguese | LILACS (Americas) | ID: lil-522033

ABSTRACT

O sucesso da terapia antirretroviral (TARV) para o tratamento da Aids depende da manutenção de altas taxas de adesão à terapêutica medicamentosa. Em que pese o destaque que o plano propositivo do Programa Nacional de DST/Aids tem dado para a questão, não se conhecem as tecnologias voltadas para a adesão em curso nos serviços. Com base na análise de questionário semiestruturado distribuído a todos os serviços ambulatoriais do Estado de São Paulo, este estudo descreve os tipos de intervenções implantados. No Estado de São Paulo, a adesão à TARV está incorporada nas atividades ambulatoriais dos serviços que assistem PVHA. Quase todos os serviços informam realizar atividades individuais e, a maioria, pelo menos uma atividade coletiva para melhorar a adesão. Entretanto, para grande parte dos serviços as atividades para a adesão, bem como a avaliação da adesão do paciente, ocorrem nas consultas médicas e de enfermagem. Isso indica que o trabalho de adesão consiste predominantemente de questionamentos e discussões com o paciente: o profissional decide de que modo e quando abordar a adesão. Os serviços especializados e que acompanham o maior número de pacientes tendem a apresentar atividades mais qualificadas e mais específicas.


Subject(s)
Humans , Acquired Immunodeficiency Syndrome , Antiretroviral Therapy, Highly Active , Health Services Research , Patient Compliance
11.
Epidemiol. serv. saúde ; 18(1): 45-53, 2009. tab, graf
Article in Portuguese | LILACS (Americas) | ID: lil-511299

ABSTRACT

Descreve-se o perfil das pessoas vivendo com aids no Município de Blumenau, Estado de Santa Catarina, Brasil, e analisam-se os possíveis fatores associados a sua sobrevida. Estudaram-se pessoas com 13 anos de idade e mais, registradas no Sistema de Informação de Agravos de Notificação (Sinan) e no Sistema de Informações sobre Mortalidade (SIM) – ambos gerenciados pelo Ministério da Saúde –, e diagnosticadas com HIV/aids, entre 1997 e 2004. Os dados foram descritos e calculou-se a taxa de letalidade. Utilizou-se o modelo de Cox para predição de risco de óbito, e curvas de sobrevida pela técnica de Kaplan-Meier para análise de sobrevida. Dos 650 casos estudados, 66,3% eram do sexo masculino, com idade entre os 30 e os 49 anos (61,7%), heterossexuais (75,5%) e de baixa escolaridade (76,1%). A taxa de letalidade estimada foi de 24,2%. A análise de sobrevida mostrou que ela foi menor entre os usuários de drogas, os atendidos em serviços não especializados, os de baixa escolaridade e aqueles com contagem de linfócitos T CD4+ menor que 200. A análise multivariada apontou baixa escolaridade e baixo número de linfócitos T CD4+ como fatores associados a menor sobrevida. Recomenda-se a ampliação do acesso a cuidados especializados e o devido acompanhamento ambulatorial, especialmente daqueles com baixa escolaridade.


This study describes the characteristics of people living with aids in the Municipality of Blumenau, Sate of Santa Catarina, Brazil, and factors associated to their survival. It was evaluated people aged 13 years or more registered in the Notifiable Diseases Information System (Sinan) and the Mortality Information System (SIM) – booth coordinated by the Ministry of Health of Brazil –, diagnosed with HIV/aids, between 1997 and 2004. Data was described, and calculated the lethality rate. The risk of death was estimated using Cox proportional hazards model, and Kaplan-Meier survival curves for survival analysis. The authors observed 66.3% of males in 650 studied cases, 61.7% aged 30-49, 75.5% heterosexual, and 76.1% cases of low educational level. Lethality rate estimate was of 24.2%. The analysis of survival showed it lower between injection drug users, non-specialized health service clients, low educational level cases, and HIV diagnosed individuals with CD4+ T lymphocytes lower than 200. Multivariate analysis suggests low educational level and low counts of CD4+ lymphocytes predictors of less survival. It’s recommended to improve specialized health care – and regular follow-up – of low educational level groups to get better survival.


Subject(s)
Humans , Male , Female , Child , Adult , Educational Status , Survival Analysis , Acquired Immunodeficiency Syndrome/diagnosis
12.
Rev. saúde pública ; 42(4): 764-767, ago. 2008. tab
Article in English, Portuguese | LILACS (Americas) | ID: lil-488994

ABSTRACT

O estudo objetivou desenvolver e validar instrumento capaz de medir não-adesão ao tratamento com medicamentos em suas múltiplas dimensões. O Questionário de Adesão a Medicamentos com três perguntas foi aplicado a 46 pessoas com hipertensão arterial em Blumenau, SC, 2006. Compararam-se as medidas de não-adesão obtidas com outros quatro métodos: testes de Haynes, Morisky, contagem de comprimidos e desfecho clínico. As medidas de não-adesão variaram de acordo com o método. A medida composta obtida a partir do questionário desenvolvido resultou em não-adesão de 47,8 por cento (IC 95 por cento: 32,9;63,1), enquanto o padrão-ouro foi 69,6 por cento (IC 95 por cento: 54,3;82,3). As medidas de acurácia para detectar não-adesão mostraram sensibilidade de 62,5 por cento e especificidade de 85,7 por cento, área sob a curva ROC de 74,1 por cento e valor preditivo positivo de 90,9 por cento. Os resultados sugerem bom desempenho do Questionário de Adesão a Medicamentos.


The study aimed to develop and validate an instrument capable of measuring non-adherence to drug treatment in its multiple dimensions. The Questionário de Adesão a Medicamentos (Adherence to Medicines Questionnaire) with three questions was applied to 46 people with arterial hypertension in the city of Blumenau, Southern Brazil, in 2006. Non-adherence measures obtained were compared to four other methods (Haynes, Morisky, pill count and clinical outcome). Non-adherence measures varied according to the method. The combined Questionário de Adesão a Medicamentos non-adherence measure was 47.8 percent (95 percent CI: 32.9;63.1), whereas the gold standard was 69.6 percent (95 percent CI: 54.3;82.3). Accuracy measures to detect non-adherence showed a sensitivity of 62.5 percent and specificity of 85.7 percent, ROC curve area of 74.1 percent, and positive predictive value of 90.9 percent. Results suggest the Questionário de Adesão a Medicamentos has a good fit.


El objetivo del estudio fue desarrollar y evaluar un instrumento capaz de medir la no-adhesión al tratamiento con medicamentos en sus múltiples dimensiones. El Cuestionario de Adhesión a Medicamentos con tres preguntas fue aplicado a 46 personas con hipertensión arterial en Blumenau (sul de Brasil), 2006. Se compararon las medidas de no-adhesión obtenidas con otros cuatro métodos (testes de Haynes, Morisky, cuenta de comprimidos y conclusión clínica). Las medidas de no-adhesión variaron de acuerdo con el método. La medida compuesta obtenida a partir del cuestionario desarrollado resultó en no-adhesión de 47,8 por ciento (IC 95 por ciento: 32,9;63,1), mientras que el padrón-oro fue 69,6 por ciento (IC 95 por ciento: 54,3;82,3). Las medidas de exactitud para detectar no-adhesión mostraron sensibilidad de 62,5 por ciento y especificidad de 85,7 por ciento, área bajo la curva ROC de 74,1 por ciento el valor de predicción positivo de 90,9 por ciento. Los resultados sugieren buen desempeño del Cuestionario de Adhesión a Medicamentos.


Subject(s)
Humans , Antihypertensive Agents/therapeutic use , Hypertension/drug therapy , Patient Compliance/psychology , Surveys and Questionnaires , Brazil , Predictive Value of Tests , ROC Curve , Sensitivity and Specificity
13.
ACM arq. catarin. med ; 37(1): 54-62, jan.-mar.2008. tab
Article in Portuguese | LILACS (Americas) | ID: lil-490950

ABSTRACT

Introdução: A satisfação dos pacientes pode influenciar sua adesão ao tratamento em doenças crônicas. Tem-se por objetivo estudar a associação entre satisfação com o serviço e não-adesão ao tratamento entre diabéticos atendidos no PSF em Blumenau, SC. Métodos: Estudaram-se características sóciodemográficas, da doença, do tratamento e satisfação numa amostra aleatória de usuários em 2006, mediante entrevistas estruturadas. A variável dependente foi não adesão ao tratamento. Mediu-se a glicemia capilar pósprandial. Calculou-se a prevalência de não-adesão, razão de prevalência (IC95%) e análise estratificada por possíveis variáveis de confusão. Utilizou-se teste de Quiquadrado de Pearson e ajustado de Mantel-Haenszel, sendo aceito um valor de p<0,05. Resultados: foram entrevistadas 341 pessoas, sendo 67,4% do sexo feminino, 79,5% brancas, 60,2% casadas e 73,9% católicas. A média de idade foi de 59,4 anos (±13.51) e mediana de 59,3 anos. 93,3% estão satisfeitas com o atendimento do pessoal de saúde, 92,9%, com o médico; 81,7% estão satisfeitas com a estrutura do serviço e acesso a consultas 73,1%. A prevalência de não-adesão ao tratamento foi de 71,0% (IC 95% 65,8 - 75,7) e 47,2 % apresentaram glicemia capilar acima de 180 mg/dl. A não-adesão ao tratamento se mostrou associada a idades mais jovens, cor preta/parda, religião não-católica, consumo de álcool, interrupção previa do tratamento, presença de transtorno mental comum e menor grau de satisfação (p<0,05). Esta última associação sofreu ajuste das variáveis consumo de álcool, transtorno mental e idade. Conclusões: A elevada prevalência de não-adesão deve servir de alerta sobre a qualidade dos serviços. Pessoas mais satisfeitas parecem apresentar maior adesão ao tratamento.


Background: The patients' satisfaction can influence its adherence to drug treatment in chronic diseases. Objective: It was stuied the association between satisfaction of with the health service and non-adherence to treatment among diabetic patients' assisted by PSFin Blumenau, SC. Methods: The socio-demographic characteristics of the illness, treatment and also of the satisfaction were studied in a random sample of users in 2006, through structured interviews. The dependent variable was nonadherence with treatment. The post-prandial glycemic capillary was measured. The prevalence of nonadherence and prevalence ratio (95% confidence interval)were calculated, with stratified analysis by confounding. It was used Pearson's an Mantel-Haenszel Chi-Square test, with an accepted 'p -value' < 0,05. Results: population study had 341 people with age means of 59,4 years (± 13.51) and median of 59,3 years. They are female (67,4%), white (79,5%), married(60,2%) and catholic (73,9%). 93,3% are satisfied with the attendance health service, 92,9% with the doctor, 81,7% are satisfied with the structure of the service and access to appointments 73,1%. The prevalence of nonadherence to treatment was 71,0% and 47,2% hadcapillary glycemia above 180 mg/dl. Non-adherence to treatment was associated with younger age, black color,non-Catholic religion, alcohol consumption, premature interruption of treatment, presence of common mentaldisorder and smaller degree of satisfaction (p < 0,05). This last association was adjusted by variables alcohol consumption, common mental disorder and age. Conclusions: The high prevalence of non-adherence should serve as a warning about the quality of services. People who seem more satisfied produce greater adherence to treatment.


Subject(s)
Humans , Male , Female , Diabetes Mellitus/prevention & control , Diabetes Mellitus/therapy , Primary Health Care , Patient Satisfaction , Treatment Refusal/statistics & numerical data
14.
São Paulo; s.n; 2007. 113 p. graf, tab.
Thesis in Portuguese | LILACS (Americas) | ID: lil-586915

ABSTRACT

A adesão ao tratamento representa um problema de âmbito mundial por piorar os resultados terapêuticos, em especial de doenças crônicas, e aumentar os custos dos sistemas de saúde. Pouco se conhece sobre a magnitude da não-adesão ao tratamento com medicamentos antihipertensivos, em particular no contexto da atenção primária no Brasil. O objetivo desta tese é estudar a prevalência e fatores associados à não-adesão ao tratamento anti-hipertensivo de pessoas com HAS atendidas no PSF de Blumenau, SC. Trata-se de um estudo epidemiológico observacional, transversal, com amostra aleatória estratificada, de 595 pessoas usuárias de serviços de saúde da familia de Blumenau, SC. A não-adesão foi medida com questionário previamente validado (QAM-Q). Foram coletadas variáveis socioeconômicas, relativas aos serviços de saúde, das pessoas (características demográficas, biológicas e comportamentais) e do tratamento com medicamentos, em visita domiciliar, com instrumento padronizado e entrevistadores treinados. Procedeu-se análise descritiva com intervalo de 95% de confiança para caracterização da amostra. Na análise univariada, utilizou-se o odds ratio como medida de efeito, sendo incluídas na análise multivariada as variáveis com p<0,10. Para o ajuste para variáveis de confusão, foi utilizado um modelo de regressão logística não condicional hierarquizado por blocos de variáveis, com nível de significância de p<0,05. As características predominantes das pessoas com HAS foram: sexo feminino (70,4%) e com idade média de 60,6 anos, brancas (80,7%), casadas (63,6%), com ate 4 anos de estudo (64,3%), sem trabalhar (75,5%). 13,1% relataram ser tabagistas e 23,7% consumiam álcool. O tempo médio de uso de medicamentos foi de 127,9 meses, em média 1,9 medicamentos, sendo a monoterapia com IECA o esquema mais freqüente (19,1%) e 20,1% relataram reações adversas. As principais doenças associadas foram diabetes mellitus (44,8%) e dislipidemias (24,7%), sendo que em 44,8%...


Adherence to treatment represents a worldwide problem, due to the outcome chronic diseases, increasing in mortality and health systems costs. In Brazil, the magnitude of non-adherence to antihypertensives is not well-known. This thesis aims to find out the prevalence and risk factors associated to non-adherence to antihypertensive treatment among people with hypertension assisted by family health program in Blumenau, SC. Its a sectional epidemiological study with 595 persons provided by stratified sample procedure. Users of family health services were visited at home and a tested questionnaire (QAM-Q) was used to measure non-adherence and other variables (related to social, economical, demographics, health assistance and medicines) in an private interview. Descriptive analysis was presented with 95% confidence interval, and odds ratio was calculated to measure association. Variables with p-value <0.10 were included in mulvariated analysis. Non-conditional logistic regression model with a hierarchical approach was used to fit odds ratio for confounding, with a p-value <0.05. Most of people are females (70.4%) average age between 60.6 years, whites (80.7%), married (63.6%), studied 4 years or less (64.3%), unemployed (75.5%). 13.1% are smokers and 23.7% drink alcohol beverages. The average time of medicine use was of 127.9 months, on average 1,9 medicines. Monotherapy with IECA is the most frequent scheme (19.1%) and 20.1% told adverse reactions. Diabetes mellitus (44.8%) and lipid disorders (24.7%) were the most frequent associated disease and common mental disorders present in 44.8% of people. The majority of people seemed satisfied with the health services. The prevalence of nonadherence to antihypertensives was 53% and 69.3% have blood pressure higher than 140x90mmHg. People of C/D/E classes(OR=1.7; IC95% 1.1-2.4), employed workers (OR=1.6; IC95% 1.1-2.4), specially unqualified ones (OR=3.2; IC95% 1.8-5.8), are in conditions associated with non-adherence...


Subject(s)
Humans , Male , Female , Adult , Middle Aged , Aged, 80 and over , Epidemiologic Studies , Family Health , Hypertension/therapy , Primary Health Care , Surveys and Questionnaires , Risk Factors
15.
RBCF, Rev. bras. ciênc. farm. (Impr.) ; 40(4): 549-558, out.-dez. 2004. tab
Article in Portuguese | LILACS (Americas) | ID: lil-420720

ABSTRACT

Os medicamentos constituem parte importante dos recursos terapêuticos disponíveis e muitas vezes são a opção com melhor perfil custo-benefício. O conhecimento do padrão de prescrição de um determinado local possibilita melhor gerenciamento da assitência farmacêutica. O objetivo do presente trabalho foi descrever os medicamentos prescritos em uma amostragem do Programa de Saúde da Família (PSF) de Blumenau, SC. Foram entrevistados 186 pacientes durante um dia de atendimento, classificando-se dados de acordo com os indicadores de prescrição da OMS. Foram prescritos 336 medicamentos, sendo que o número médio de medicamentos por prescrição foi 1,8...


Subject(s)
Humans , Drug Prescriptions , World Health Organization , Cost-Benefit Analysis , Drugs, Essential , Education, Continuing
16.
Rev. bras. saúde matern. infant ; 3(1): 75-83, jan.-mar. 2003. tab
Article in Portuguese | LILACS (Americas) | ID: lil-345705

ABSTRACT

Objetivos: quantificar o sub-registro e avaliar a qualidade das informações dos óbitos infantis em Blumenau, durante o ano de 1998. Métodos: foram obtidas informações de 125 óbitos registrados nos cartórios de registro civil e de outros 12 óbitos junto aos hospitais de Blumenau. Preencheu-se uma Declaração de Óbito Nova (DO Nova) para comparação com cada Declaração de Óbito Original (DO Original), com base nas informações dos prontuários hospitalares. Foram comparados os novos coeficientes de mortalidade infantil e sub-componentes com os originais e determinada a concordância entre variáveis. Resultados: observou-se um sub-registro de 8,8 por cento de óbitos, verificando-se que: os coeficientes oficiais são Coeficiente de Mortalidade Infantil 16,7 ; Coeficiente de Mortalidade Perinatal 21,0; Coeficiente de Mortalidade Neonatal 12,8: Coeficiente de Mortalidade Pós-neonatal 3,9; e os novos são 18,0; 23,0; 13,8; e 4,1 respectivamente. As variáveis sócio-demográficas dos óbitos fetais e não fetais são mal preenchidas tanto na DO Original como nos prontuários médicos. No geral, as DO Originais de óbitos fetais são pior preenchidas que as de óbitos não fetais. O índice Kappa entre as DO Originais e Novas para causas perinatais e malformações congênitas foi de 0,73 e 0,80, respectivamente. Conclusões: apesar do sub-registro e da insatisfatória qualidade das informações sócio-demográficas dos óbitos infantis, as causas podem ser utilizadas para planejamento em saúde em vista da boa concordância observada.


Subject(s)
Infant Mortality , Information Systems , Death Certificates
17.
Inf. epidemiol. SUS ; 7(3): 36-42, jul.-set. 1998. tab
Article in Portuguese | LILACS (Americas) | ID: lil-235769

ABSTRACT

O SINASC iniciou sua implantaçäo parcial em Blumenau em 30/09/93, estando disponível informatizado desde janeiro de 1994, sendo completamente municipalizado em 1997. O estudo das DNs de 01 de janeiro de 1994 a 31 de dezembro de 1997 evidencia uma melhora progressiva no preenchimento de todos os campos, sendo o percentual de campos ignorados inferior a 1 por cento no ano de 1997. Com relaçäo às características do parto, 99,7 por cento dos partos ocorreram em hospitais, 48 por cento destes em hospital público e 41,7 por cento de partos cirúrgicos com maior prevalência no hospital privado. O perfil dos nascidos vivos mostra 52 por cento do sexo masculino, com melhora progressiva dos indicadores de risco biológico como baixo peso (8,7 por cento em 1994 para 6,8 por cento em 1997), prematuridade (5,1 por cento em 1994 para 4,9 por cento em 1997) e apgar de quinto minuto menor ou igual a 7 (6,5 por cento em 1994 para 3,1 por cento em 1997). Com relaçäo à mäe, observa 14 por cento de adolescentes e 54,4 por cento com menos de 8 anos de estudo. O fato do SINASC ser municipalizado contribui para a sua melhoria e permite o uso regular enquanto instrumento para vigilância à saúde


Subject(s)
Humans , Male , Female , Pregnancy , Infant, Newborn , Adult , Adolescent , Birth Rate , Information Systems/organization & administration , Brazil , Infant, Low Birth Weight , Infant, Newborn , Local Health Systems , Mothers , Parturition/classification , Sex Factors , Socioeconomic Factors
SELECTION OF CITATIONS
SEARCH DETAIL