Your browser doesn't support javascript.
loading
Show: 20 | 50 | 100
Results 1 - 20 de 59
Filter
1.
Rev. bras. ginecol. obstet ; 45(12): 780-789, Dec. 2023. graf
Article in English | LILACS | ID: biblio-1529912

ABSTRACT

Abstract Objective To compare the patterns of systemic inflammatory response in women with epithelial ovarian cancer (EOC) or no evidence of malignant disease, as well as to evaluate the profile of systemic inflammatory responses in type-1 and type-2 tumors. This is a non-invasive and indirect way to assess both tumor activity and the role of the inflammatory pattern during pro- and antitumor responses. Materials and Methods We performed a prospective evaluation of 56 patients: 30 women without evidence of malignant disease and 26 women with EOC. The plasma quantification of cytokines, chemokines, and microparticles (MPs) was performed using flow cytometry. Results Plasma levels of proinflammatory cytokines interleukin-12 (IL12), interleukin-6 (IL-6), tumor necrosis factor alpha (TNF-α) interleukin-1 beta (IL-1β), and interleukin-10 (IL-10), and C-X-C motif chemokine ligand 9 (CXCL-9) and C-X-C motif chemokine ligand 10 (CXCL-10) were significantly higher in patients with EOC than in those in the control group. Plasma levels of cytokine interleukin-17A (IL-17A) and MPs derived from endothelial cells were lower in patients with EOC than in the control group. The frequency of leukocytes and MPs derived from endothelial cells was higher in type-2 tumors than in those without malignancy. We observed an expressive number of inflammatory/regulatory cytokines and chemokines in the cases of EOC, as well as negative and positive correlations involving them, which leads to a higher complexity of these networks. Conclusion The present study showed that, through the development of networks consisting of cytokines, chemokines, and MPs, there is a greater systemic inflammatory response in patients with EOC and a more complex correlation of these biomarkers in type-2 tumors.


Resumo Objetivo Comparar os padrões de resposta inflamatória sistêmica em mulheres com câncer epitelial de ovário (CEO) ou sem evidência de doença maligna, bem como avaliar o perfil de respostas inflamatórias sistêmicas em tumores dos tipos 1 e 2. Esta é uma forma não invasiva e indireta de avaliar tanto a atividade tumoral quanto o papel do padrão inflamatório durante as respostas pró- e antitumorais. Métodos Ao todo, 56 pacientes foram avaliados prospectivamente: 30 mulheres sem evidência de doença maligna e 26 mulheres com CEO. A quantificação plasmática de citocinas, quimiocinas e micropartículas (MPs) foi realizada por citometria de fluxo. Resultados Os níveis plasmáticos das citocinas pró-inflamatórias interleucina-12 (IL12), interleucina-6 (IL-6), fator de necrose tumoral alfa (tumor necrosis factor alpha, TNF-α, em inglês), interleucina-1 beta (IL-1β), e interleucina-10 (IL-10), e da quimiocina de motivo C-X-C 9 (CXCL-9) e da quimiocina de motivo C-X-C 10 (CXCL-10) foram significativamente maiores em pacientes com EOC do que nos controles. Os níveis plasmáticos da citocina interleucina-17A (IL17A) e MPs derivados de células endoteliais foram menores em pacientes com CEO do que no grupo de controle. A frequência de leucócitos e de MPs derivadas de células endoteliais foi maior nos tumores de tipo 2 do que naqueles sem malignidade. Observou-se um número expressivo de citocinas e quimiocinas inflamatórias/regulatórias nos casos de CEO, além de correlações negativas e positivas entre elas, o que leva a uma maior complexidade dessas redes. Conclusão Este estudo mostrou que, por meio da construção de redes compostas por citocinas, quimiocinas e MPs, há maior resposta inflamatória sistêmica em pacientes com CEO e correlação mais complexa desses biomarcadores em tumores de tipo 2.


Subject(s)
Humans , Female , Ovarian Neoplasms , Cytokines , Chemokines , Inflammation
2.
Femina ; 51(9): 538-542, 20230930.
Article in Portuguese | LILACS | ID: biblio-1532483

ABSTRACT

A mamografia é o método de eleição para o rastreamento do câncer de mama, sendo o único que demonstra redução de mortalidade na população de risco habitual. A periodicidade de realização e a idade de início do rastreamento mamográfico são um tema controverso na literatura. Entretanto, dados no nosso país apontam para uma porção significativa de neoplasia de mamas em mulheres abaixo dos 50 anos. A Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia (Febrasgo), a Sociedade Brasileira de Mastologia (SBM) e o Colégio Brasileiro de Radiologia e Diagnóstico por Imagem (CBR) concordam que o rastreamento mamográfico deveria ser realizado, anualmente, por todas as mulheres a partir de 40 anos de idade. No Brasil, há uma distribuição desigual de mamógrafos nas várias regiões. As políticas de rastreamento devem considerar essa desigualdade. A grande maioria dos serviços no Brasil realiza rastreamento oportunístico para o câncer de mama. A implantação de rastreamento organizado por faixa etária e estratificação de risco pode otimizar os custos do sistema público de saúde. Pacientes de alto risco precisam ser rastreadas de forma diferente das pacientes de risco habitual. Essas pacientes precisam ter acesso à ressonância magnética das mamas e também iniciar seu rastreamento em idade mais precoce. O protocolo abreviado da ressonância magnética para rastreamento de pacientes de alto risco para câncer de mama pode melhorar a adesão e o acesso dessas pacientes ao programa de rastreamento. A ultrassonografia das mamas não é método de rastreamento isoladamente. Entretanto, ela tem seu papel como método complementar à mamografia e à ressonância magnética em cenários específicos, bem como em substituição à ressonância magnética em pacientes com contraindicação ao uso desse método. As mamas densas possuem baixa sensibilidade para o rastreamento por mamografia


Subject(s)
Humans , Female , Adult , Middle Aged , Aged , Aged, 80 and over , Breast Neoplasms/prevention & control , Mammography/methods , Mass Screening , Magnetic Resonance Spectroscopy/methods , Women's Health , Ultrasonography/methods , Early Detection of Cancer/methods
3.
FEMINA ; 51(5): 292-296, 20230530.
Article in Portuguese | LILACS | ID: biblio-1512407

ABSTRACT

PONTOS-CHAVE • A incidência de câncer durante a gestação tem aumentado devido à tendência das mulheres em postergar a gravidez. O câncer de colo de útero é a terceira neoplasia mais comumente diagnosticada durante o período gestacional. • O rastreamento e o diagnóstico devem se dar como nas pacientes não gestantes; a citologia oncótica cervical é o exame obrigatório do pré-natal, e a colposcopia com biópsia pode ser realizada em qualquer período da gestação. • A gestação complicada pelo diagnóstico de um câncer deve sempre ser conduzida em centro de referência e por equipe multidisciplinar. • A interrupção da gestação em situações específicas, para tratamento-padrão, é respaldada por lei. • A quimioterapia neoadjuvante é uma alternativa segura de tratamento durante a gestação, para permitir alcançar a maturidade fetal. Apresenta altas taxas de resposta, sendo relatada progressão neoplásica durante a gestação em apenas 2,9% dos casos. O risco de malformações fetais decorrentes da quimioterapia é semelhante ao da população geral. Contudo, a quimioterapia está associada a restrição de crescimento intraútero, baixo peso ao nascer e mielotoxicidade neonatal. • Na ausência de progressão de doença, deve-se levar a gestação até o termo.


Subject(s)
Humans , Female , Pregnancy , Pregnancy , Uterine Cervical Neoplasms/diagnosis , Uterine Cervical Neoplasms/prevention & control , Women's Health , Pregnancy Complications, Neoplastic/prevention & control , Prenatal Diagnosis , Thorax/diagnostic imaging , Congenital Abnormalities/embryology , Bone Marrow/abnormalities , Infant, Low Birth Weight , Colposcopy/methods , Conization/methods , Neoadjuvant Therapy/adverse effects , Fetal Growth Retardation , Watchful Waiting/methods , Trachelectomy/methods , Abdomen/diagnostic imaging
5.
FEMINA ; 51(4): 228-232, 20230430.
Article in Portuguese | LILACS | ID: biblio-1512396

ABSTRACT

PONTOS-CHAVE As lesões mamárias compreendem uma ampla variedade de diagnósticos que apresentam comportamentos diversos. As lesões mamárias podem ser classificadas como lesões benignas, de potencial de malignidade indeterminado (B3), carcinoma in situ e carcinoma invasor. Na era da medicina personalizada, individualizar e obter um diagnóstico preciso faz grande diferença no desfecho final da paciente, principalmente no caso do câncer de mama. Exames de imagem direcionados e de qualidade, métodos de biópsia adequadamente selecionados e análises de anatomopatologia convencional, imuno-histoquímica e até molecular são determinantes no diagnóstico e no manejo das pacientes.


Subject(s)
Humans , Female , Breast Diseases/diagnosis , Breast Neoplasms/diagnosis , Molecular Diagnostic Techniques/instrumentation , Axilla/diagnostic imaging , Immunohistochemistry/methods , Magnetic Resonance Imaging/methods , Mammography , Mammary Glands, Human/diagnostic imaging , Cell Biology
7.
Femina ; 51(3): 154-160, 20230331.
Article in Portuguese | LILACS | ID: biblio-1428722

ABSTRACT

CONTEXTO CLÍNICO O câncer ginecológico afeta diretamente a fertilidade, pois o tratamento consiste na remoção cirúrgica do sistema reprodutor e/ou na sua exposição a agentes gonadotóxicos. Entretanto, pacientes em estádios iniciais e que estejam dentro de critérios estabelecidos podem ser tratadas com cirurgias conservadoras da fertilidade, com resultados oncológicos equivalentes aos dos tratamentos tradicionais. As técnicas de preservação da fertilidade, como criopreservação de oócitos, embriões e tecido ovariano, também podem ser oferecidas em algumas situações. A American Society of Clinical Oncology (ASCO) publicou recomendações sobre a preservação de fertilidade, com o objetivo de aumentar a conscientização sobre o tema, e, juntamente com a American Society for Reproductive Medicine (ASRM), recomenda que pacientes em idade fértil com câncer passem por aconselhamento reprodutivo. Essas pacientes apresentam menores taxas de arrependimento, mesmo quando optam por desistir do tratamento conservador. O interesse na preservação da fertilidade aumentou nas últimas décadas, tanto pelo fato de as mulheres postergarem a gestação como pelo aumento da incidência de câncer em jovens. A taxa de incidência de todos os cânceres aumentou 29% entre 1973 e 2015 em adolescentes e adultos jovens de ambos os sexos. O câncer de colo uterino, em mulheres de 20-29 anos, aumentou anualmente em uma média de 10,3% entre 2000 e 2009. A omissão em orientar pacientes com câncer sobre as possibilidades de preservação da fertilidade pode gerar questionamentos futuros; em alguns países. isso já se configura má prática médica.


Subject(s)
Humans , Female , Fertility Preservation/methods , Genital Neoplasms, Female , Pregnancy Trimesters , Reproductive Techniques, Assisted , Reproductive Rights/ethics , Conservative Treatment/methods , Genital Neoplasms, Female/diagnostic imaging , Hormones/therapeutic use
8.
Rev. bras. ginecol. obstet ; 45(2): 74-81, Feb. 2023. tab, graf
Article in English | LILACS | ID: biblio-1449703

ABSTRACT

Abstract Objective The present study evaluated the profile of germline mutations present in patients who underwent genetic counseling for risk assessment for breast cancer (BC), ovarian cancer (OC), and endometrial cancer (EC) with a possible hereditary pattern. Methods Medical records of 382 patients who underwent genetic counseling after signing an informed consent form were analyzed. A total of 55.76% of patients (213/382) were symptomatic (personal history of cancer), and 44.24% (169/382) were asymptomatic (absence of the disease). The variables analyzed were age, sex, place of birth, personal or family history of BC, OC, EC, as well as other types of cancer associated with hereditary syndromes. The Human Genome Variation Society (HGVS) nomenclature guidelines were used to name the variants, and their biological significance was determined by comparing 11 databases. Results We identified 53 distinct mutations: 29 pathogenic variants, 13 variants of undetermined significance (VUS), and 11 benign. The most frequent mutations were BRCA1 c.470_471delCT, BRCA1 c.4675 + 1G > T, and BRCA2 c.2T> G. Furthermore, 21 variants appear to have been described for the first time in Brazil. In addition to BRCA1/2 mutations, variants in other genes related to hereditary syndromes that predispose to gynecological cancers were found. Conclusion This study allowed a deeper understanding of the main mutations identified in families in the state of Minas Gerais and demonstrates the need to assess the family history of non-gynecological cancer for risk assessment of BC, OC, and EC. Moreover, it is an effort that contributes to population studies to evaluate the cancer risk mutation profile in Brazil.


Resumo Objetivo O presente estudo avaliou o perfil de mutações germinativas presentes em pacientes submetidas a aconselhamento genético para avaliação de risco para câncer de mama (CM), câncer de ovário (OC) e câncer de endométrio (CE) com possível padrão hereditário. Métodos Foram analisados os prontuários de 382 pacientes que realizaram aconselhamento genético após consentimento informado. Um total de 55,76% dos pacientes (213/382) eram sintomáticos (história pessoal de câncer), e 44,24% (169/382) eram assintomáticos (ausência da doença). As variáveis analisadas foram idade, sexo, naturalidade, história pessoal ou familiar de CM, OC, CE bem como outros tipos de câncer associados a síndromes hereditárias. As diretrizes de nomenclatura da Human Genome Variation Society (HGVS) foram usadas para nomear as variantes e seu significado biológico foi determinado pela comparação de 11 bancos de dados. Resultados Identificamos 53 mutações distintas: 29 variantes patogênicas, 13 variantes de significado indeterminado e 11 benignas. As mutações mais frequentes foram BRCA1 c.470_471delCT, BRCA1 c.4675 + 1G > T e BRCA2 c.2T > G. Além disso, 21 variantes parecem ter sido descritas pela primeira vez no Brasil. Além das mutações BRCA1/2, foram encontradas variantes em outros genes relacionados a síndromes hereditárias que predispõem a cânceres ginecológicos. Conclusão Este estudo permitiu conhecer melhor as principais mutações identificadas nas famílias do estado de Minas Gerais e demonstra a necessidade de avaliar a história familiar de câncer não ginecológico para avaliação do risco de CM, OC e CE. Além disso, é um esforço que contribui com estudos populacionais para avaliar o perfil de mutações de risco para câncer no Brasil.


Subject(s)
Humans , Female , Breast Neoplasms/prevention & control , Risk Factors , Endometrial Neoplasms/prevention & control , Genetic Counseling , Genital Neoplasms, Female/prevention & control , Genetic Diseases, Inborn
9.
Rev. Assoc. Med. Bras. (1992, Impr.) ; 69(8): e20230204, 2023. tab, graf
Article in English | LILACS-Express | LILACS | ID: biblio-1507304

ABSTRACT

SUMMARY OBJECTIVE: This study aimed to assess the sociodemographic and clinical profile of women deprived of their liberty and to identify the prevalence of sexually transmitted diseases and human papillomavirus through self-sampling samples. METHODS: This is an epidemiological, cross-sectional, observational, and descriptive study of the prevalence and correlation of the diagnosis of human papillomavirus infection in 268 encarcered women in Amazonas submitted to self-sampling from June 2019 to September 2020 using the genotyping analysis. Patients with positive and inconclusive results were evaluated by commercialized PCR to detect pathogens causing sexually transmitted diseases. The sample size used was based on a convenience sample. RESULTS: In 268 women, human papillomavirus DNA was detected in 87 (32.5%) of them. Sexually transmitted diseases were detected in 30 (34.48%) of the 87 women with a positive or inconclusive result for human papillomavirus. Women with more than three pregnancies had a higher risk of human papillomavirus detection (p=0.004). CONCLUSION: The prevalence of human papillomavirus and other sexually transmitted diseases in encarcered women in Amazonas is 32.5 and 34.48%, respectively. Most women were single (60.4%) and reported having had more than 15 partners (90.8%).

12.
Femina ; 50(10): 582-588, out. 30, 2022. ilus
Article in Portuguese | LILACS | ID: biblio-1414413

ABSTRACT

O câncer é uma das maiores causas de morte em mulheres na idade reprodutiva e ocorre em aproximadamente 0,05% a 0,1% das gestações. Os cânceres ginecológicos, de mama, tireoide e hematológicos são os mais comuns na gravidez. O obstetra é o principal médico para investigar sintomas que podem estar relacionados à malignidade. O diagnóstico pode ser dificultado devido à sobreposição de sintomas da gravidez, como náusea, vômitos, aumento do útero e das mamas, dor abdominal, além da limitação para uso de exames de imagem e alterações comuns em exames laboratoriais. O risco e o benefício do diagnóstico e o tratamento para o bem-estar materno e fetal devem ser avaliados com cuidado pelos profissionais envolvidos. Este artigo tem como objetivo realizar uma revisão sobre quando suspeitar e como investigar os principais cânceres na gestação.(AU)


Cancer is the major cause of death in women on reproductive age and occurs in approximately 0.05% to 0.1% of pregnancies. Gynecological, breast, thyroid and hema- tological cancers are the most common in pregnancy. The obstetrician is the primary physician to investigate symptoms that may be related to malignancy. The diagnosis can be difficult due to the overlap of pregnancy symptoms, such as nausea, vomiting, enlargement of the uterus and breasts, abdominal pain, in addition to the limitation for the use of imaging tests and common changes in laboratory tests. The risk and be- nefit of diagnosis and treatment for maternal and fetal well-being should be carefully assessed by the professionals involved. This article aims to conduct a review on when to suspect and how to investigate the main cancers in pregnancy.(AU)


Subject(s)
Humans , Female , Pregnancy , Pregnancy Complications, Neoplastic , Therapeutic Approaches , Pregnancy, High-Risk , Neoplasms , Ovarian Neoplasms , Lymphoma, Non-Hodgkin , Breast Neoplasms , Hodgkin Disease , Thyroid Neoplasms , Colorectal Neoplasms , Leukemia , Uterine Cervical Neoplasms , Databases, Bibliographic , Hematologic Neoplasms , Genital Neoplasms, Female , Melanoma
13.
Rev. bras. ginecol. obstet ; 44(6): 621-628, June 2022. tab, graf
Article in English | LILACS | ID: biblio-1394792

ABSTRACT

Abstract Breaking bad news is common in obstetrics and gynecology (ob-gyn). However, it is difficult, and few doctors receive training on how to deal with this situation. This narrative review aims to gather, analyze, and synthesize part of the knowledge on the area, focused on Ob-Gyn. Among the 16 selected articles, two are randomized controlled intervention studies, and most studies refer to obstetrics. The results found by us pointed out that simulation, feedback/debriefing, lectures, and protocols could improve doctors' performance in communicating bad news. For patients, the context and how the information is transmitted seem to impact more than the content of the news. Ob-Gyn doctors could benefit from specific protocols and education, given the specialty's particularities. There is a lack of evidence about the most effective way to conduct such training. Finding validated ways to quantify and classify studies' results in the area, which would allow for the objective analysis of outcomes, is one of the biggest challenges concerning this topic.


Resumo Dar más notícias é comum em obstetrícia e ginecologia. Porém, é difícil e poucos médicos recebem treinamento sobre como lidar com essa situação. Esta revisão narrativa tem como objetivo reunir, analisar e sintetizar parte do conhecimento sobre a área, com foco na obstetrícia. Dentre os 16 artigos selecionados, dois são estudos de intervenção randomizados e controlados, e a maioria dos estudos refere-se à obstetrícia. Os resultados encontrados ressaltaram que simulação, feedback/entrevistas, palestras e protocolos podem melhorar o desempenho dos médicos na comunicação de más notícias. Para os pacientes, o contexto e como as informações são transmitidas parecem ter maior impacto do que o conteúdo das notícias. Os obstetras e ginecologistas poderiam se beneficiar de cursos e protocolos específicos, dadas as particularidades da especialidade. Faltam evidências sobre a forma mais eficaz de realizar esse treinamento. Encontrar formas validadas de quantificar e classificar os resultados dos estudos na área, permitindo uma análise objetiva dos resultados, é um dos maiores desafios neste tema.


Subject(s)
Humans , Physician-Patient Relations , Education, Medical , Health Communication , Simulation Training
16.
Rev. bras. educ. méd ; 46(supl.1): e149, 2022. graf
Article in Portuguese | LILACS-Express | LILACS | ID: biblio-1407401

ABSTRACT

Resumo: Introdução: Embora o conhecimento especializado seja um elemento fundamental para a prática médica qualificada, não há, na maioria das especialidades, uma avaliação cognitiva unificada dos médicos residentes, e, consequentemente, não é possível verificar o conhecimento agregado durante o treinamento pelos programas de residência médica (PRM). O Teste de Progresso (TP) oferece uma oportunidade para avaliação dos PRM a partir do desempenho dos seus residentes. Em 2018, a Febrasgo implementou o Teste de Progresso Individual do Residente em Ginecologia e Obstetrícia (TPI-GO), que tem sido aplicado em todo o Brasil. Relato de experiência: Este estudo descritivo se refere ao acompanhamento longitudinal dos residentes que iniciaram a participação no TPI-GO em 2018 como R1 (n = 497) e concluíram a participação em 2020 como R3 (n = 314). O desempenho desses residentes no TPI-GO serviu de base para analisar o perfil de 32 PRM localizados nas Regiões Sul (28,1%), Sudeste (68,8%) e Centro-Oeste (3,1%), sendo identificados cinco diferentes perfis de PRM em relação ao desempenho dos residentes iniciantes, diferenças de desempenho entre R3 e R1 e desempenho dos concluintes. Discussão: No Brasil, não são oferecidas avaliações abrangentes e unificadas de conhecimento aos médicos residentes na maioria das especialidades, e consequentemente ainda não é possível incorporar essas informações na avaliação dos PRM. No modelo aqui apresentado, o desempenho dos residentes no TP possibilita inferir sobre o processo seletivo, o conhecimento agregado pelo PRM ao longo do treinamento e o nível de conhecimento dos concluintes, sendo reconhecidos PRM qualificados (tipo 1) e PRM que necessitam de melhorias (tipos 2, 3, 4 e 5). Conclusão: O TP oferece uma oportunidade para avaliação dos PRM a partir do desempenho dos seus residentes. Por meio do modelo aqui apresentado, é possível obter informações para subsidiar decisões institucionais que promovam melhorias dos PRM e do seu processo de formação na especialidade.


Abstract: Introduction: Although specialized knowledge is a fundamental element for qualified medical practice, in most specialties, there is no unified cognitive assessment of resident physicians, and it is impossible to verify the knowledge gained during training in Medical Residency Programs (MRPs). The Progress Test (PT) provides an opportunity to evaluate MRPs based on the performance of the residents. In 2018, Febrasgo applied the Resident Progress Test in Gynecology and Obstetrics (TPI-GO) throughout Brazil. Experience report: This descriptive study refers to the longitudinal follow-up of residents who started participating in the TPI-GO in 2018 as R1 (n=497) and completed their participation in 2020 as R3 (n = 314). The performance of these residents in the TPI-GO served as a basis for analyzing the profile of 32 MRPs located in the South (28.1%), Southeast (68.8%), and Central-West (3.1%) regions of Brazil, with five different identified PRM profiles in relation to the performance of beginner residents, differences in performance between R3 and R1 and the performance of residency graduates. Discussion: In Brazil, comprehensive and unified assessments of knowledge are not offered to resident physicians in most specialties, and consequently, it is not yet possible to incorporate this information into the assessment of MRPs. In the model presented here, the performance of residents in the PT enables one to make inferences about the selection process, the knowledge added by the MRP throughout the training, and the level of knowledge of the graduates, being recognized as qualified MRPs (type 1) and MRPs that need improvement (types 2, 3, 4 and 5). Conclusion: The PT offers an opportunity to evaluate MRPs based on the performance of their residents. Through the model presented here, it is possible to obtain information to support institutional decisions that promote improvements in MRPs and their training process in the specialty.

17.
Rev. bras. educ. méd ; 46(supl.1): e153, 2022. tab, graf
Article in Portuguese | LILACS-Express | LILACS | ID: biblio-1407402

ABSTRACT

Resumo: Introdução: O Teste de Progresso (TP) é uma avaliação cognitiva abrangente e longitudinal com vantagens para o aprendiz, os programas educacionais e a sociedade. No Brasil, embora seja amplamente utilizado na graduação, existe pouca experiência do seu uso na residência médica. Este estudo visa retratar a experiência da Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia (Febrasgo) nos quatro primeiros anos de implementação do TP Individual do Residente em Ginecologia e Obstetrícia (TPI-GO). Relato da experiência: O TPI-GO foi implementado em 2018, sendo oferecido anualmente aos residentes brasileiros. Nos dois últimos anos, o TPI-GO passou a ser oferecido no formato on-line. Para incentivar a participação, estabeleceram-se critérios que possibilitam dispensa ou bonificação na prova teórica para a obtenção do Título de Especialista em Ginecologia e Obstetrícia (Tego) para os candidatos com melhor desempenho. Os resultados são fornecidos de maneira sigilosa a cada candidato. Os resultados do desempenho dos residentes de um mesmo serviço são fornecidos ao supervisor do programa sem a identificação dos seus residentes, de modo a oferecer subsídios para autoavaliação da qualidade e indicar pontos de melhoria. Discussão: Desde a implementação do TP, verificou-se um número crescente de candidatos inscritos com elevada taxa de aderência à prova. As medianas de desempenho do grupo de residentes evidenciaram evolução cognitiva entre os iniciantes (R1) e os concluintes (R3) dos programas. Conclusão: A implementação do TP na residência é factível e aceitável, apresentando vantagens e benefícios. No entanto, requer preparo e envolvimento da equipe organizadora, além de apoio logístico e financeiro. O sigilo na divulgação dos resultados é recomendável e preserva o candidato. A possibilidade de bonificação e dispensa na prova teórica do Tego é um grande atrativo para a adesão e aderência dos médicos residentes ao TP. A aplicação da prova em ambiente on-line amplia o acesso, com níveis aceitáveis de segurança.


Abstract: Introduction: The Progress Test (PT) is a comprehensive, longitudinal cognitive assessment with benefits for the learner, educational programs, and society. Although it is widely used in undergraduate courses in Brazil, there is little experience regarding its use in medical residency. This study aims to portray Febrasgo's experience in the first four years of implementing the Resident's Individual PT in ObGyn (TPI-GO). Experience report: The TPI-GO was implemented in 2018, being offered annually to Brazilian residents. In the last two years, the TPI-GO has been provided online. Febrasgo established criteria that allow for exemption or bonus in the theoretical test to encourage the trainees' participation in the TPI-GO to obtain the Specialist Certification in Gynecology and Obstetrics (TEGO). Results are provided confidentially to candidates and allow self-assessment. The results of the residents' performance from the same service are provided to the program supervisor, offering subsidies for self-assessment of quality and indicating points for improvement. Discussion: Since it was implemented, there has been an increasing number of candidates enrolled in the TPI-GO and a high adherence rate. The medians of performance of the two cohorts of residents studied showed cognitive evolution between beginners (R1) and graduates (R3), with differences attributed in part to the adverse effects of the Pandemic on training. Conclusion: The implementation of the PT in medical residency is feasible, acceptable, and shows advantages and benefits, but it requires the commitment of the organizing team, besides logistical and financial support. The results confidentiality is recommended and preserves the candidate. The possibility of granting bonuses and exemptions in the TEGO theoretical test is an excellent attraction aiming at the adhesion and adherence of residents to the PT. The TPI-GO online increases access with acceptable levels of security.

18.
Rev. bras. ginecol. obstet ; 43(12): 980-984, Dec. 2021. graf
Article in English | LILACS | ID: biblio-1357092

ABSTRACT

Abstract Introduction In the present study, we report a case of primary adenoid cystic carcinoma (ACC) of the Bartholin gland with high-grade transformation (HGT). Adenoid cystic carcinoma of the Bartholin gland is a rare tumor and HGT has only been reported in head and neck tumors. Case Report A 77-year-old woman with a non-ulcerated vulvar lesion on the topography of the right Bartholin gland. The patient was submitted to tumor resection followed by V-Y island flap and adjuvant radiotherapy. The histopathological examination revealed primary ACC of the Bartholin gland, with areas of HGT and extensive perineural invasion. The immunohistochemical study with p53 showed a diffuse and strong positive reaction in areas with HGT. After 24 months of follow-up, the patient presented distant metastases and died, despite having undergone to chemotherapy. Conclusion As far as we know, this case is the first description in the literature of HGT in ACC of the Bartholin gland, and HGT appears to be associated with tumor aggressiveness.


Resumo Introdução Este estudo relata o caso de um carcinoma adenoide cístico (CAC) de glândula de Bartholin com transformação de alto grau. O CAC de glândula de Bartholin é um tumor raro, e sua transformação de alto grau é relatada somente em tumores de cabeça e pescoço. Relato de caso Paciente de 77 anos de idade, do sexo feminino, com lesão vulvar não ulcerada na topografia da glândula de Bartholin direita. A paciente foi submetida a ressecção do tumor e realização de retalho em V-Y, seguidas de radioterapia adjuvante. O exame histopatológico revelou CAC primário de glândula de Bartholin, com áreas de transformação de alto grau e invasão perineural. O estudo imunohistoquímico com p53 mostrou reação positiva difusa e intensa em áreas com transformação de alto grau. Após 24 meses de seguimento, a paciente apresentou metástases à distância e faleceu, apesar de ter sido submetida a quimioterapia. Conclusão Pelo que sabemos, este caso é a primeira descrição na literatura de transformação de alto grau em CAC de glândula de Bartholin, e a transformação de alto grau parece estar associada à agressividade do tumor.


Subject(s)
Humans , Female , Aged , Bartholin's Glands , Vulvar Neoplasms , Carcinoma, Adenoid Cystic/therapy , Radiotherapy, Adjuvant
SELECTION OF CITATIONS
SEARCH DETAIL