Your browser doesn't support javascript.
loading
Show: 20 | 50 | 100
Results 1 - 20 de 112
Filter
1.
Psicol. soc. (Online) ; 33: e232754, 2021.
Article in Portuguese | LILACS, INDEXPSI | ID: biblio-1346844

ABSTRACT

Resumo O presente trabalho busca analisar os modos como se organizam os Centros de Referência em Assistência Social (CRAS), a partir de experiências coletivas e práticas comunitárias realizadas pelas equipes-território, destacando os processos de dissensos e consensos nas relações de trabalho. Metodologicamente, com base na análise de discurso, foram realizadas coletivamente 14 entrevistas semiestruturadas com cada equipe dos CRAS de dois estados da macrorregião sul do Brasil. Os resultados apontam que trabalhar as divergências internas sem tentar homogeneizá-las, compondo práticas transdisciplinares e horizontalizantes, se mostrou um modo potente de organização das equipes de trabalho. Ademais, foi relatado também a potência na produção dos fazeres de territorialização, com e a partir do território, por meio de seus significantes e possibilidades singulares. Finalmente, apontam-se as práticas comunitárias com grupos e coletivos nos CRAS como um dos vetores potentes no enfrentamento ao sofrimento ético-político produzido pelas desigualdades sociais.


Resumen El presente trabajo busca analizar las formas en que se organizan los Centros de Referencia de Asistencia Social (CRAS), a partir de experiencias colectivas y prácticas comunitarias realizadas por los equipos del territorio, destacando los procesos de desacuerdos y consensos en las relaciones laborales. Metodológicamente, con base en el análisis del discurso, se realizaron colectivamente 14 entrevistas semiestructuradas con cada equipo de los CRAS de dos estados del macrorregión sur del Brasil. Los resultados muestran que trabajar las diferencias internas sin tratar de homogeneizarlas, componiendo prácticas transdisciplinarias y horizontales, resultó ser una forma poderosa de organizar equipos de trabajo. Además, también se informó del poder en la producción de actividades de territorialización, con y desde el territorio, a través de sus significantes y posibilidades singulares. Finalmente, las prácticas comunitarias con grupos y colectivos en los CRAS se señalan como uno de los vectores poderosos para enfrentar el sufrimiento ético-político que producen las desigualdades sociales.


Abstract This paper analyzes the ways through which the Social Assistance Reference Centers (CRAS) is organized, based on collective experiences and community practices carried out by the territory-teams, highlighting the processes of dissent and consensus in working relations. Methodologically, based on discourse analysis, 14 semi-structured interviews were conducted collectively with each CRAS team from two states of the Brazilian southern region. The results indicate that working internal differences without trying to homogenize them, composing transdisciplinary and horizontal practices, proved to be a powerful way of organizing the work teams. Besides, the power in the production of territorialization actions, with and from the territory, was also reported through its significant and singular possibilities. Finally, the community practices with groups and collectives in CRAS are pointed as one of the potent vectors in facing the ethical-political suffering produced by social inequalities.


Subject(s)
Psychology , Social Work , Democracy , Public Policy , Territoriality , Community Networks
2.
Pesqui. prát. psicossociais ; 15(1): 1-17, jan.-abr. 2020.
Article in Portuguese | LILACS, INDEXPSI | ID: biblio-1098424

ABSTRACT

Catástrofes naturais produzem impactos na vida da população, em especial daquela parcela que se encontra em situação de vulnerabilidade. O presente estudo teve por objetivo problematizar as contribuições da Psicologia em relação à vulnerabilidade socioambiental gerada por desastres naturais. Trata-se de uma pesquisa qualitativa com utilização de casos extraídos de publicações em mídias digitais. Primeiramente, foram investigados os tipos de catástrofes naturais, bem como a noção de vulnerabilidade socioambiental. Em seguida, foi analisado o caso que ficou conhecido como "Megadesastre da Região Serrana do Rio de Janeiro", ocorrido em 2011. As análises dos documentos de domínio público demonstraram que os processos de desterritorialização e criação de novos territórios acontecem mediante sofrimento e angústia, mas também geram processos de cooperação e conexão. Como conclusão, constata-se que o profissional da Psicologia é chamado frequentemente a intervir nesse tipo de situação, cabendo-lhe realizar um exercício de acolhimento analítico e político das populações atingidas.


Natural disasters produce impacts on the lives of the population, in particular that portion which lies in situation of vulnerability. The present study aimed to discuss the contributions of psychology in relation to social and environmental vulnerability generated by natural disasters. This is a qualitative research using cases drawn from publications in digital media. First were investigated the types of natural disasters as well as the notion of social and environmental vulnerability. Then, was analyzed the case that became known as "Mega disaster of the mountainous region of Rio de Janeiro", held in 2011. The analysis of public domain documents demonstrated that the processes of deterritorialization and creation of new territories happen through suffering and anguish, but also generate cooperation and connection processes. As a conclusion, noted that the professional of psychology is often called to intervene in this kind of situation, and carry out an exercise of analytical and political acceptance of the stricken populations.


Desastres naturales producen impactos en la vida de la población, en particular la parte que se encuentra en situación de vulnerabilidad. El presente estudio pretende analizar las aportaciones de la psicología en relación con la vulnerabilidad social y ambiental generada por los desastres naturales. Es una investigación cualitativa con casos extraídos de publicaciones en medios digitales. En primer lugar, se investigaron los tipos de desastres naturales, así como la noción de vulnerabilidad social y ambiental. Luego, se analizó el caso de que se conocía como "Mega desastres de la región montañosa de Río de Janeiro", que ocurrió en 2011. El análisis de documentos de dominio público demostró que los procesos de desterritorialización y creación de nuevos territorios pasan por sufrimiento y angustia, pero también generan procesos de cooperación y conexión. Como conclusión, se observa que el profesional de la psicología a menudo está llamado a intervenir en este tipo de situación y llevar a cabo un ejercicio de aceptación de análisis y política de las poblaciones afectadas.


Subject(s)
Social Vulnerability , Disaster Vulnerability , Natural Disasters , Psychology, Social , Stress, Psychological , Territoriality , Disasters , Emotions , User Embracement , Psychological Distress
3.
Trab. educ. saúde ; 18(supl.1): e0025183, 2020.
Article in Portuguese | LILACS | ID: biblio-1094563

ABSTRACT

Resumo Neste artigo, discutem-se as diferenciações sociais apresentadas como desafios aos agentes comunitários de saúde no seu trabalho cotidiano. O estudo consistiu em analisar as configurações sociais construídas no território adscrito, com base na ação dos agentes. Destacam-se as ferramentas analíticas que permitem compreender os diferentes padrões de estratificação social entre grupos pertencentes a um mesmo ambiente socioeconômico. O método de pesquisa adotado baseou-se na abordagem qualitativa por meio de dez entrevistas semiestruturadas e acompanhamento em uma clínica da família do município do Rio de Janeiro em 2016 e 2017, valendo-se de técnicas socioetnográficas. Os resultados apontam para a existência de dificuldades que impedem a adesão da população adscrita aos serviços ofertados pela clínica da família, assim como para a identificação de grupos com diferenças de poder e prestígio. Reitera-se a questão sobre como as equipes de saúde lidam com configurações sociais específicas. Conclui-se que as relações estabelecidas no espaço que circunscreve as unidades de saúde da família necessitam ser constantemente monitoradas, para identificar possíveis diferenças na adesão decorrentes das configurações sociais específicas da população adscrita aos serviços de saúde.


Abstract The article discusses the social differentiations presented as challenges to the community health agents in their daily work. The study consisted of analyzing the social configurations built in the assigned territory, based on the agents' action. We highlight the analytical tools that allow us to understand the different patterns of social stratification between groups belonging to the same socioeconomic environment. The research method adopted was based on the qualitative approach through ten semi-structured interviews and follow-up with a family clinic in Rio de Janeiro, in 2016 and 2017 using socio-ethnographic techniques. The results point to the existence of difficulties that prevent the adherence of the population to the services offered by the family clinic, as well as the identification of groups with differences in power and prestige. The question is reiterated about how health teams deal with specific social configurations. It is concluded that the relationships established in the space which circumscribes family health units need to be constantly monitored to identify possible differences in adherence resulting from the specific social configurations of the population enrolled in health services.


Resumen En el artículo discutimos las diferenciaciones sociales presentadas como desafíos para el agente comunitario de salud en su trabajo diario. El estudio consistió en analizar las configuraciones sociales construidas en el territorio adscrito, a partir de la acción de los agentes comunitarios de salud. Se destacan las herramientas analíticas que permiten comprender los distintos padrones de estratificación social entre grupos que pertenecen al mismo entorno socioeconómico. El método de investigación adoptado se basó en el enfoque cualitativo por medio de diez entrevistas semiestructuradas y seguimiento junto a una clínica de la familia, de la municipalidad del Rio de Janeiro, en 2016 y 2017, utilizando técnicas socio-etnográficas. Los resultados apuntan a la existencia de dificultades que impiden la adhesión de la población adscrita a los servicios ofertados por la clínica de la familia, así como la identificación de grupos con diferencias de poder y prestigio. Se reitera la cuestión de cómo los equipos de salud tratan con entornos sociales específicos. Se concluye que las relaciones establecidas en el espacio que circunscribe las unidades de salud de la familia necesitan ser constantemente monitorizadas para identificar posibles diferencias en la adhesión resultantes de las configuraciones sociales específicas de la población adscrita a los servicios de salud.


Subject(s)
Humans , Territoriality , Work , Health , Community Health Workers , Sociocultural Territory
5.
Psicol. ciênc. prof ; 39(2,n.esp): 74-86, ago.-nov. 2019.
Article in Portuguese | LILACS, INDEXPSI | ID: biblio-1050374

ABSTRACT

Este artigo busca problematizar a noção de território na saúde mental por meio da experiência de trabalhadores, usuários e pesquisadores no município de Santa Maria-RS. Trabalhamos com pesquisa de documentos do campo da saúde e da saúde mental, buscando identificar o modo que a noção de território é apresentada nesses textos. Descrevemos e analisamos uma experiência desenvolvida por diversos atores sociais envolvidos na experiência ocorrida em Santa Maria, a partir de dois movimentos. O primeiro é o de usuários em direção à academia, e o segundo, o do cuidado em saúde do serviço de referência para além dos muros. A experiência de trânsito dos diferentes atores sociais em vivências de multiterritorialidades revelou-se um importante vetor de mudança subjetiva e institucional. Vimos em ambos a emergência de uma reivindicação por um direito mais extenso do que o simples acesso aos serviços públicos de saúde. Buscava-se também um "direito à cidade", ou mesmo um trânsito além dela. Enfim, uma busca pela ampliação da experiência de multiterritorialidade e as transformações decorrentes dela...(AU)


This article seeks to problematize the notion of territory in mental health through the experience of workers, users, and researchers in the field of mental health in the municipality of Santa Maria/RS. We work with the research of documents of the field of health and mental health, trying to identify the way that the notion of territory is presented in these texts. We describe and analyze an experience developed by several social actors involved in the experience that occurred in Santa Maria / RS, from two movements. The first is that of users towards academia, and the second is that of the health care of the referral service beyond the walls. The experience of transit of the different social actors in multi-territorial experiences has proved to be an important vector of subjective and institutional change. We have seen in both movements the emergence of a claim for a more extensive right than simple access to public health services. A "right to the city," or even a transit beyond it. Finally, a search for the amplification of the multi territoriality experience and the transformations arising from it...(AU)


Este artículo busca problematizar la noción de territorio en la salud mental por medio de la experiencia de trabajadores, usuarios e investigadores en el municipio de Santa Maria/RS. Trabajamos con la investigación de documentos del campo de la salud y de la salud mental, buscando identificar el modo que la noción de territorio es presentada en esos textos. Describimos y analizamos una experiencia desarrollada por diversos actores sociales involucrados en la experiencia ocurrida en Santa Maria/RS, a partir de dos movimientos. El primero es de los usuarios hacia la academia, y el segundo es del cuidado en salud del servicio de referencia más allá de los muros. La experiencia de tránsito de los diferentes actores sociales en vivencias de multiterritorialidades se ha revelado un importante vector de cambio subjetivo e institucional. Vimos en ambos la emergencia de una reivindicación por un derecho más extenso que el simple acceso a los servicios públicos de salud. Se buscaba también un "derecho a la ciudad", o incluso un tránsito más allá de ella. En fin, una búsqueda por la ampliación de la experiencia de multiterritorialidad, y las transformaciones resultantes de ella...(AU)


Subject(s)
Humans , Adult , Public Policy , Territoriality , Mental Health , Personhood , Deinstitutionalization , Minority Groups , Social Work , Community Mental Health Services , Essential Public Health Functions , Human Rights
6.
Psicol. ciênc. prof ; 39(2,n.esp): 100-111, ago.-nov. 2019.
Article in Portuguese | LILACS, INDEXPSI | ID: biblio-1025628

ABSTRACT

Neste artigo temos como objetivo discutir como podemos promover outras formas de ocupação e produção do território acadêmico frente a questões emergentes na pesquisa em Psicologia em territórios urbanos. Apresentamos um debate teórico sobre como pesquisas relacionadas a territórios e territorialidades têm modificado teórica e epistemologicamente nosso campo de saber e suas formas de construção. Buscando inspiração nas derivas situacionistas damos ênfase à experiência produzida pelos corpos e afetos de quem pesquisa percorrendo a cidade. O caminhar pelos territórios urbanos como alternativa metodológica nos conduz a argumentar que nossos corpos compõem o processo de pesquisa tornando possíveis e ordenando a construção do conhecimento. Seguimos nossa reflexão sugerindo a pesquisaexperiência como estratégia de produção, de narrativa e problematização do conhecimento a partir de um corpo singular afetado pelos encontros ocorridos nos territórios: experienciar é o ponto de partida para um segundo momento, fundamental, quando se desloca a experiência para o território acadêmico e com ferramentas teórico-políticas coloca-se em análise a relação territorialidades-subjetividades....(AU)


In this article we will discuss how we can promote other forms of occupation and production of academic territory in the face of emerging issues in psychology research in urban territories. We present a theoretical debate on how research related to territories and territorialities has theoretically and epistemologically changed our field of knowledge and its forms of construction. Inspired by situationist dérive, we emphasize the experience produced by the bodies and affections of those who investigate the city. Walking through urban territories as a methodological alternative leads us to argue that our bodies make up the research process, making possible and ordering the construction of knowledge. We continue our reflection suggesting experience-based research as a production strategy, of narrative and problematization of knowledge from a singular body affected by the encounters that occurred in the territories: living experience is the starting point for a second moment, fundamental, when the experience is shifted to the academic territory and, with theoretical-political tools, the relationship territorialities-subjectivities is analyzed....(AU)


En este artículo tenemos como objetivo discutir cómo podemos promover otras formas de ocupación y producción del territorio académico ante cuestiones emergentes en la investigación en psicología en territorios urbanos. Presentamos un debate teórico sobre cómo las investigaciones relacionadas a territorios y territorialidades han cambiado teórica y epistemológicamente nuestro campo de conocimiento y sus formas de construcción. Al buscar inspiración en las derivas situacionistas, enfatizamos la experiencia producida por los cuerpos y afectos de quienes investigan recorriendo la ciudad. Caminar por los territorios urbanos como alternativa metodológica nos lleva a argumentar que nuestros cuerpos componen el proceso de investigación, haciendo posible y ordenando la construcción del conocimiento. Seguimos nuestra reflexión sugiriendo la investigación-experiencia como estrategia de producción, de narrativa y problematización del conocimiento a partir de un cuerpo singular afectado por los encuentros ocurridos en los territorios: vivir la experiencia es el punto de partida para un segundo momento, fundamental, cuando la experiencia se desplaza hacia el territorio académico y, con herramientas teórico políticas, se analiza la relación territorialidades-subjetividades....(AU)


Subject(s)
Humans , Psychology , Psychology, Social , Research , Territoriality , Urban Area , Affect , Physical Appearance, Body
7.
Pesqui. prát. psicossociais ; 14(2): 1-12, abr.-jun. 2019.
Article in Portuguese | LILACS | ID: biblio-1012730

ABSTRACT

A partir de narrativas de cenas cotidianas e fragmentos de casos clínicos, discutimos as implicações da permeabilidade entre um Centro de Atenção Psicossocial III (Caps) e o território para a estruturação do cuidado, salientando aspectos que favorecem ou dificultam seu funcionamento como um serviço aberto. Verificamos que, apesar de algumas contradições, ocorre uma ruptura com a noção de fechamento no que concerne à espacialidade, à organização do trabalho e à produção das relações de cuidado. Nesse contexto, a interlocução com territórios marcados por precariedades materiais e violências estruturais interrogam a instituição, seus supostos saberes sobre a loucura e suas formas de tratamento e convidam os trabalhadores a sair de seus muros, buscando construir com os usuários saídas sempre singulares para o que os aflige em seus enlaçamentos com o mundo.


From the narratives of daily scenes and fragments of clinical cases, we discuss the implications of permeability between a Psychosocial Care Center III (Caps) and the territory for structuring care, highlighting aspects that favor or hinder its functioning as an open service. We find that, despite some contradictions, there is a rupture with the notion of closure regarding spatiality, the organization of work and the production of care relations. In this context, the interlocution with territories marked by material precarities and structural violence question the institution, its supposed knowledge about madness and its forms of treatment and invite workers to leave their walls, seeking to build with the users always unique outputs for what afflicts them in their entanglements with the world.


A partir de narrativas de escenas cotidianas y fragmentos de casos clínicos, discutimos las implicaciones de la permeabilidad entre un Centro de Atención Psicosocial III (Caps) y el territorio para la estructuración del cuidado, destacando aspectos que favorecen o dificultan su funcionamiento como un servicio abierto. Verificamos que, a pesar de algunas contradicciones, ocurre una ruptura con la noción de cierre en lo que concierne a la espacialidad, a la organización del trabajo ya la producción de las relaciones de cuidado. En este contexto, la interlocución con territorios marcados por precariedades materiales y violencias estructurales interroga a la institución, sus supuestos saberes sobre la locura y sus formas de tratamiento e invita a los trabajadores a salir de sus muros, buscando construir con los usuarios salidas siempre singulares para lo que los aflige en sus enlazados con el mundo.


Subject(s)
Mental Health Services , Psychology , Territoriality , Mental Health , Delivery of Health Care , Psychosocial Support Systems
8.
Rev. bras. promoç. saúde (Impr.) ; 32: 1-10, 28/03/2019.
Article in English, Portuguese | LILACS | ID: biblio-1048901

ABSTRACT

Objetivo: Analisar potencialidades, desafios e limitações de um território para a construção de ações de promoção da saúde, a partir da percepção dos psicólogos que trabalham em uma região. Métodos: Pesquisa qualitativa, realizada em maio de 2018, com 15 psicólogos que trabalham no território da região Sul de São Paulo, Brasil. A coleta de dados ocorreu através de quatro grupos focais. Os dados foram analisados pela análise de conteúdo, emergindo três categorias temáticas: Potencialidades do território para ações de promoção da saúde; Desafios e limitações para desenvolver ações de promoção da saúde no território; A psicologia promotora de saúde no território. Resultados: Como potencialidades destacam-se a diversidade cultural e a possibilidade de atuação via arte. Os desafios e limitações destacados foram a atuação em rede e a falta de suporte na atuação. Há a necessidade de atuação ampliada e contextualizada, além da constante capacitação. Conclusão: Reconhecer a potencialidade no território engloba o profissional ampliar seus horizontes de atuação e constituir espaços de produção subjetiva e coletiva. Incide também reconhecer as limitações do local, com dificuldades de oferta e articulação de serviços e descaso aos direitos básicos daquela comunidade. Assim, sugere-se uma visão voltada para a capacitação continuada e a legitimidade de seu trabalho nesse contexto da atenção primaria. (AU)


Subject(s)
Psychology , Territoriality , Environment , Health Promotion
9.
Licere (Online) ; 22(1): 122-147, mar.2019.
Article in Portuguese | LILACS | ID: biblio-997233

ABSTRACT

Este trabalho é um recorte da tese de doutorado intitulada Cultura e Lazer na vida cotidiana do povo Akwe-Xerente. Este texto busca uma discussão entre lazer e experiência cultural, aproximando do modo de vida e de constituição da territorialidade e alteridade Akwe-Xerente. Uma aproximação com a antropologia permitiu que a metodologia fosse construída a partir do diálogo entre a pesquisa bibliográfica e de campo; em uma perspectiva etnográfica foi desenvolvida a observação participante e realizadas entrevistas. Através do "olhar de perto e de dentro" buscamos a compreensão do que os indígenas vivenciam que se aproxima das perspectivas de lazer lançadas até o momento. Assim, o objetivo é apresentar as práticas culturais de lazer do povo Akwe-Xerente, mais especificamente o Dasipê e a utilização das tecnologias, trazendo para a discussão questões que permeiam a alteridade e territorialidade deste povo. Estas práticas culturais de lazer fazem parte da vida cotidiana e participam da força geradora que define essa cultura. A tessitura deste habitar é composta por fios da tradição e outros fios da modernidade, revelando o processo híbrido da experiência cultural.


This project work is a cut of the doctoral thesis entitled Culture and Leisure in the daily life of the Akwe-Xerente people. This text seeks a discussion between leisure and cultural experience, approaching the way of life and the constitution of territoriality and distinctiveness from Akwe-Xerente.Through an approach with anthropology, the methodology was constructed from the dialogue between bliographical and field research, from an ethnographic perspective. The present study constitutes a dialogue of the understanding of leisure as dimension of culture and complex social practice, based on the analysis of the daily life of the Akwe-Xerente people, by means of what is revealed as alterity and territoriality of this people. Through the "close and inward look" we seek to understand what indigenous people experience that approaches the perspectives of leisure that have been released so far,considering the way of life of this people, describing the relationships that are established with time, work, nature, traditional knowledge,the knowledge of the surrounding society and how all these elements bring perspectives of dialogue with the field of study of leisure.


Subject(s)
Culture , Population Groups , Leisure Activities , Territoriality , Indigenous Culture
10.
Estud. av ; 33(95): 67-90, 2019. ilus, graf, mapas, tab
Article in Portuguese | LILACS | ID: biblio-1008235

ABSTRACT

O objetivo deste artigo é contribuir com o debate acerca do desmatamento no contexto da evolução das políticas de gestão fundiária e territorial na Amazônia, destacando seu papel relevante para o reconhecimento de direitos políticos de categorias sociais minoritárias. A associação do desmatamento na Amazônia sempre esteve correlacionada a problemas sociais e envolve diferentes agentes e fatores causadores conforme a área de abrangência e o momento de sua realização. Procuram-se evidenciar alguns dos principais fatores institucionais que contribuem para pôr em xeque as conquistas do modelo socioambiental por meio de um estudo de caso no assentamento rural categoria Projeto Agroextrativista Praialta-Piranheira, Pará. Essa análise permite concluir que a falta de coerência institucional representa um aspecto estrutural cujo desconhecimento incapacita a compreensão das dinâmicas territoriais da Amazônia.


The objective of this paper is to analyze the driving forces of deforestation in the context of the evolution of land use and land management policies, emphasizing their role in the recognition of political rights of minority social groups. The underlying causes of deforestation in the Amazon have always been correlated with social problems and the use of labor in conditions similar to slavery. Such dynamics involves different agents and causative factors embedded in a complex web of historical factors, political forces and economic cycles. This paper emphasizes some of the leading institutional factors that contribute to understanding the achievements of the social-environmental model by means of a case study in the rural settlement "Projeto Agroextrativista Praialta-Piranheira", in Pará, Brazil. This analysis allowed us to conclude that the lack of institutional coherence is a structural aspect that hinders a better context-driven understanding of the territorial dynamics of Amazonia.


Subject(s)
Humans , Male , Female , Public Policy , Rural Population , Territoriality , Conservation of Natural Resources , Environment , Land Management and Planning
11.
Rio de Janeiro; Fiocruz; 2019. 157 p. (Fazer Saúde).
Monography in Portuguese | LILACS | ID: biblio-1103414

ABSTRACT

O cotidiano das equipes do Núcleo de Apoio à Saúde da Família (Nasf) em Recife, Pernambuco, é a base desta obra, que convida o leitor à reflexão sobre o lugar central da Atenção Básica à Saúde na organização do cuidado e nos processos criativos e inovadores que cercam os profissionais de saúde públicaOrganizado por professores e pesquisadores da área de Saúde Coletiva, a coletânea reúne sete artigos, que apresentam aspectos legais e normativos de implantação dos Nasf, passando por questões ligadas às estratégias, ferramentas tecnológicas, desafios, territorialização, planejamento e avaliação dos Núcleos


Subject(s)
Primary Health Care , Territoriality , Family Health , Education, Continuing , Planning , Brazil
12.
Saúde Soc ; 27(4): 1246-1260, Out.-Dez. 2018. tab, graf
Article in Portuguese | LILACS | ID: biblio-979239

ABSTRACT

Resumo Este estudo visa identificar e analisar as ações voltadas ao desenvolvimento local da Vila de Paranapiacaba, localizada no município de Santo André, São Paulo, e as formas pelas quais os moradores locais estiveram inseridos nestes processos, verificando em que medida essas ações fortaleceram a territorialidade e a promoção da saúde. A metodologia qualitativa utilizada teve como instrumentos a análise documental e história oral. Os sujeitos foram adultos de ambos os sexos indicados pela técnica do snowball sampling. Os principais resultados mostraram que os processos educativos e de inclusão social promovidos pelo poder público, quando realizados de forma contínua e participativa, reforçaram a ação comunitária. Por outro lado, a descontinuidade na gestão pública enfraqueceu a participação e desencadeou um processo de desapropriação do espaço social, pois a comunidade não conseguiu se organizar e se empoderar. Concluiu-se que os processos educativos contínuos são fundamentais na construção da territorialidade e do empoderamento, assim como o engajamento social e a negociação são essenciais para o exercício da autonomia, a fim de que a comunidade protagonize sua própria história na construção de políticas públicas voltadas à promoção da saúde.


Abstract This study aims at identifying and analyzing actions concerning local development of the village of Paranapiacaba, located in the municipality of Santo André, São Paulo, Brazil, and the ways in which the local inhabitants were inserted in these processes, verifying to what extent these actions strengthened the territoriality and health promotion. The qualitative method employed used as instruments the documentary analysis and oral history. The subjects were adults of both sexes indicated by the snowball sampling technique. The main results showed that the educational and social inclusion processes promoted by the public power, when carried out in a continuous and participative way, favored community action. On the other hand, the discontinuity in public management has weakened the participation and unleashed a process of expropriation of the social space, because the community could not organize itself and be empowered. It was concluded that continuous educational processes are fundamental in the construction of territoriality and empowerment, just as social engagement and negotiation are essential for the exercise of autonomy, so that the community is protagonist of its own history in the construction of public policies for the promotion of health.


Subject(s)
Humans , Male , Female , Territoriality , Case Reports , Power, Psychological , Personal Autonomy , Qualitative Research , Local Development , Health Promotion , Community Participation
13.
Rev. psicol. (Fortaleza, Online) ; 9(1): 8-17, jan.-jun 2018.
Article in Portuguese | LILACS, INDEXPSI | ID: biblio-877870

ABSTRACT

Neste artigo refletimos sobre a potência política da pesquisa-intervenção com jovens, no que concerne às transformações nos planos micro e macro sociais e no processo de produção de conhecimento com os/as participantes. Buscamos problematizar pontos de ruptura da pesquisa-intervenção com relação ao modelo tradicional da pesquisa científica, considerando quatro procedimentos: a (des)institucionalização, o (des)disciplinamento, o encontro entre pesquisadores/as e jovens e a produção de outras possibilidades de vida. Entendemos que, ao considerarmos os significados produzidos pelas/os jovens, reconhecendo-as/os como agentes de suas histórias individuais e sociais, estamos nos contrapondo à visão ainda hegemônica sobre a juventude como potencialmente perigosa, irresponsável e despolitizada. A pesquisa-intervenção que advogamos estabelece uma interface com políticas científicas para a produção de conhecimento prudente, pautada na crítica feminista interseccional e nos estudos sobre processos de subalternização. Discutiremos sobre três estudos realizados com jovens em contextos diferentes, porém semelhantes quanto às suas condições de existência, marcadas pela exclusão social, violência e discriminação de gênero, de raça, de local de moradia e de classe social.


In this article we reflect on the political power of critical participatory action research (CPAR) with young people, regarding the transformations in micro and macro social plans and the process of knowledge production with the participants. We seek to problematize breakpoints of CPAR in relation to the traditional model of scientific research, considering four procedures: (dis) institutionalization, (dis) disciplining, the meeting between researchers and young people and the production of other possibilities of life. We understand that by considering the meanings produced by young people, recognizing them as agents of their individual and social histories, we are countering the still hegemonic vision of youth as potentially dangerous, irresponsible and depoliticized. The intervention research we advocate establishes an interface with scientific policies for the production of prudent knowledge, based on the intersectional feminist critique and the studies on subalternization processes. We will discuss three studies carried out with young people in different contexts, but similar in terms of their conditions of existence, marked by social exclusion, violence and discrimination of gender, race, place of residence and social class.


Subject(s)
Adolescent , Adolescent , Gender Identity , Population Groups , Socioeconomic Factors , Territoriality
14.
Article in Portuguese | LILACS | ID: biblio-1139969

ABSTRACT

A respeito da territorialização na atenção primária à saúde, o presente estudo é um relato de experiência que objetiva descrever a construção de um novo modelo de mapa inteligente em uma unidade de saúde da família no município de Colombo (PR). Para a construção dos mapas foram utilizados softwares de imagem por satélite e de desenho digital. Os mapas foram confeccionados por microárea, impressos e entregues aos agentes comunitários de saúde que, durante visitas domiciliares, inseriram as informações do território. Por serem embasados em fotos por satélite, os mapas representam o território de forma realista e dinâmica, além de ter como características a facilidade em seu manuseio, pois podem ser levados a campo, e ser de fácil preenchimento de informações e compreensão. O mapa inteligente, como instrumento de uso individual do agente comunitário de saúde e de uso coletivo da equipe, se torna ferramenta importante na identificação das situações de saúde do território e no planejamento, execução e acompanhamento das atividades na comunidade. A aproximação do espaço de vivência das pessoas com a equipe de saúde por meio de mapas inteligentes no cotidiano dos serviços permite maior reconhecimento do território e maior vinculação da unidade básica de saúde à população.


Regarding the territorialization in primary healthcare, this study is an experience report on the construction of a new smart map model in a Family Health unit in Colombo, Paraná, using satellite imaging and digital drawing software. The maps were designed according to microarea, printed, and then delivered to community health agents who, during domestic visits, included territory information to it. As the maps were based on satellite images and because they can be taken to the field, they are realistic and dynamic representations of the territory that are easy to use, fill and understand. Smart maps serve as instruments for individual use by community health agents and for collective use by the team and are important tools in the identification of health situations for the territory and in the planning, execution and follow-up of community-related activities. Closer proximity between the living spaces of the general population and the health team with use of smart maps during routine work allows for more precise acknowledgement of the territory and a closer relationship between the family health unit and the population.


En relación con la territorialización en atención primaria de salud, el presente estudio es un relato de experiencia que objetivó describir la elaboración de un nuevo modelo de mapa inteligente en una unidad de salud de la familia en la ciudad de Colombo (PR, Brasil). Para la elaboración de los mapas, se utilizaron softwares de imagen por satélite y dibujo digital. Los mapas se elaboraron por microárea y, tras su impresión, fueron entregados a los agentes comunitarios de salud para que, durante las visitas domiciliarias, se insertasen las informaciones acerca del territorio. Debido a que se basan en fotos satelitales, los mapas representan el territorio de una manera realista y dinámica, presentan la característica de facilidad en el manejo, ya que pueden llevarlos al campo, y son fáciles de completar las informaciones y de comprensión. El mapa inteligente como un mecanismo de uso individual del agente comunitario de salud y de uso colectivo del equipo se convierte en una herramienta importante para la identificación de situaciones de salud en el territorio y para la planificación, ejecución y monitoreo de actividades en la comunidad. El acercamiento del espacio vivencial de las personas con el equipo de salud por medio de mapas inteligentes en el cotidiano de los servicios de salud permite reconocer mejor el territorio y establecer un mayor vínculo entre la unidad básica de salud y la población.


Subject(s)
Humans , Primary Health Care , Territoriality , Public Health , Map
15.
Estud. psicol. (Natal) ; 23(3): 296-305, jul./set. 2018.
Article in Portuguese | LILACS, INDEXPSI | ID: biblio-1008676

ABSTRACT

A noção de enraizamento na Psicologia Ambiental apresenta caráter polissêmico, delimitando um campo de discussão importante nesta área de conhecimento. De maneira geral, as definições enfatizam a importância do passado e da recorrência dos ambientes vividos na constituição da identidade pessoal e coletiva. O objetivo deste trabalho é colaborar com uma definição mais rigorosa deste termo. Para isso, analisa-se seu uso por autores centrais deste campo do conhecimento e procura-se comparar alguns dos sentidos presentes em suas obras. Defende-se que a ênfase no quadro temporal passado e na recorrência dos lugares representa um viés identitário limitador, o que permite propor que o enraizamento implica a participação ativa em uma coletividade, de modo a articular passado, presente e futuro em projetos coletivos significativos para o indivíduo e seu grupo (AU).


Rootedness, time, and participation in Environmental Psychology. The notion of rootedness in Environmental Psychology presents a polysemic character and can be understood in different ways, which, however, emphasize the importance of the past and the recurrence of the lived environments in the constitution of personal and collective identity. The objective of this work is to collaborate with a more rigorous definition of this term. For this, it analyzes its use by central authors of this field of knowledge and tries to compare the meanings that it presents in their works. It is argued that the emphasis on the past time frame and the recurrence of the environment represents a limiting identity bias, which allows us to propose that rooting implies active participation in a collectivity, in order to articulate past, present and future in collective projects that are significant for the individual and his/ her group (AU).


Arraigo, tiempo y participación en la Psicología Ambiental. La noción de arraigo en la Psicología Ambiental presenta carácter polisémico y puede ser entendida de formas distintas, que, sin embargo, enfatizan la importancia del pasado y de la recurrencia de los ambientes vividos en la constitución de la identidad personal y colectiva. El objetivo de este trabajo es colaborar con una definición más rigurosa de este término. Para ello, se analiza su uso por autores centrales de este campo del conocimiento y se busca comparar algunos de los sentidos que presenta en sus obras. Se defiende que el énfasis en el marco temporal pasado y en la recurrencia de los lugares representa un sesgo identitario limitador, lo que permite proponer que el arraigo implica la participación activa en una colectividad, de modo a articular pasado, presente y futuro en proyectos colectivos significativos para el individuo y su grupo (AU).


Subject(s)
Territoriality , Time , Environmental Psychology , Brazil
16.
Ciênc. Saúde Colet ; 22(10): 3259-3268, Out. 2017. tab
Article in Portuguese | LILACS | ID: biblio-890163

ABSTRACT

Resumo O objetivo deste artigo é apresentar uma metodologia de territorialização em saúde construída a partir das experiências dos agentes de controle de endemias e saúde ambiental na Região Metropolitana do Recife (RMR). Foram realizadas dez oficinas de trabalho com a participação de trezentos agentes e supervisores de Vigilância em Saúde que atuam em municípios da RMR. Utilizou-se de técnicas como aplicação de questionários, entrevistas e discussões dirigidas. Os resultados apontam que é incipiente a incorporação de conceitos geográficos para consolidar as ações de campo da Vigilância em Saúde. Adota-se predominantemente o território numa perspectiva administrava e a territorialização é usada como a simples divisão do território para o desenvolvimento das ações. Entretanto, há um entendimento e consenso da necessidade de compreensão dos conhecimentos geográficos, fato que ficou expresso pela rica construção coletiva de um modelo de territorialização participativa que deve envolver uma gama de atores sociais. Concluiu-se que, na prática, os agentes de vigilância possuem habilidades significativas para participarem da gestão do território e do processo de territorialização, não apenas coletando dados, mas principalmente intervindo em prol do bem estar coletivo.


Abstract This paper aims to show a health territorialization methodology built from the experiences of endemic control and environmental health agents in the Metropolitan Region of Recife (RMR). Ten workshops were held with the participation of three hundred Health Surveillance agents and supervisors working in four municipalities of the RMR. Techniques such as the application of questionnaires, interviews and directed discussions were used. Results indicate that the incorporation of geographical concepts to consolidate Health Surveillance field actions is incipient. The territory is predominantly adopted from an administrative perspective, and territorialization is used as a simple territorial division for the development of actions. However, there is an understanding and consensus of the need to understand the geographic knowledge, a fact that was expressed by the rich collective construction of a participatory territorialization model that should involve a range of social stakeholders. We concluded that, in practice, surveillance agents have significant abilities to participate in the territorial management and territorialization process, not only collecting data, but also mainly intervening for the collective well-being.


Subject(s)
Humans , Environmental Monitoring/methods , Environmental Health , Models, Theoretical , Territoriality , Brazil , Surveys and Questionnaires
17.
Fractal rev. psicol ; 29(1): 24-33, jan.-abr. 2017.
Article in Portuguese | LILACS, INDEXPSI | ID: biblio-840631

ABSTRACT

Resumo O artigo reflete sobre a complexidade do cuidado em saúde no território na intercessão entre a Saúde Mental e a Atenção Básica. Para tanto, problematiza o conceito de território, a partir das contribuições da geografia e da filosofia, afirmando-o em seu caráter processual e de experimentação no acompanhamento de processos existenciais que o materializam. Esta discussão permite-nos experimentar uma problematização da prática clínica e nos convoca à construção de uma prática ética de cultivo da dimensão pública de todo processo de saúde. Público, aqui pensado na inseparabilidade de três processos de produção: produção de saúde, subjetividade e territórios existenciais.(AU)


Abstract This article reflects on health care complexity in the territory of the intersection between Mental Health and Primary Care. For both, discusses the concept of territory, from the contributions of geography and philosophy, stating it in its procedural nature and experimentation in monitoring existential processes that materialize it. This discussion allows us to experience a questioning of clinical practice itself and summon us to the construction of an ethical practice of cultivating the public dimension in the entire health care process. The concept of public is analyzed considering the inseparability of three production processes: production of health, subjectivity and existential territories.(AU)


Subject(s)
Humans , Family Health Strategy , Mental Health , Primary Health Care , Territoriality
18.
Interface comun. saúde educ ; 21(60): 123-131, Jan.-Mar. 2017.
Article in Portuguese | LILACS | ID: biblio-829024

ABSTRACT

Com base em uma pesquisa documental realizada na Vara da Infância e Juventude de São Paulo, que continha decisões judiciais determinando o encaminhamento de crianças e adolescentes usuários de substâncias psicoativas para tratamento no campo da saúde mental, este estudo objetivou analisar a orientação das decisões judiciais em relação ao modelo assistencial adotado nos casos concretos: o modelo psiquiátrico clássico ou o modelo de assistência proposto pela reforma psiquiátrica. Os resultados revelaram que, "a priori", não há uma orientação assistencial definida, havendo a necessidade da análise do caso concreto, especialmente em relação a duas condições essenciais para a determinação do paradigma assistencial no campo da saúde mental adotado nas decisões judiciais: avaliação da esfera territorial dos pacientes e o conhecimento do específico serviço de saúde mental indicado para o tratamento.


This research consists of a documental approach performed in the Court for Minors of São Paulo. It includes the judiciary decisions related to the process of forwarding children and teenagers that are users of psychoactive substances for their treatment in the mental health system. This study analyzes the orientation of judicial decisions by their relation to the model of care adopted in real cases. Here, two models are discussed: the psychiatric classic model and the model of care proposed by the psychiatric reform. The results revealed that, in advance, there are not specific orientations that define the health assistance given to children and teenagers. Thus, two conditions for determining the mental health paradigm that is adopted in judiciary decisions are needed: first, an evaluation of the territorial sphere of the patients and second, the knowledge of the specific mental health service that has been indicated for the treatment.


La presente consiste en una investigación documental realizada en la Vara de Infancia y Juventud de São Paulo, Brasil. La misma está referida a decisiones judiciales que determinan el proceso de orientación de niños y adolescentes usuarios de drogas para su tratamiento en el campo de la salud mental. Este estudio propone analizar la orientación de las sentencias judiciales en lo que hace al modelo adoptado en los casos particulares: el modelo psiquiátrico clásico o el modelo de atención propuesto por la reforma psiquiátrica. Los resultados mostraron que no hay "a priori" una orientación asistencial definida, requeriéndose del análisis de los casos de manera individual. El estudio nota que ello ocurre sobre todo em relación con dos condiciones esenciales para determinar el paradigma el cuidado de la salud mental adoptada en las decisiones judiciales: evaluación del ámbito territorial de los pacientes y conocimiento del servicio de salud mental específico que ha sido indicado para el tratamento.


Subject(s)
Adolescent , Adolescent , Mental Health , Mental Health Services , Substance-Related Disorders , Territoriality
19.
Psicol. soc. (Online) ; 28(3): 473-483, set.-dez. 2016. graf
Article in Portuguese | LILACS | ID: lil-796912

ABSTRACT

RESUMO Este artigo analisa interfaces de gênero e território como marcadores identitários presentes nas falas e produções de imagens sobre projetos de vida de jovens mulheres de zonas rurais. O processo de pesquisa contemplou narrativas de caráter autobiográfico e fotocomposições realizadas pelas participantes, em que se buscou integrar aspectos de suas trajetórias acadêmicas, projetos vitais e profissionais, escolhas de vida e demandas culturais e comunitárias que influenciam no processo de construção de seus itinerários vitais. A aproximação a este grupo, comumente à margem da produção do saber em Psicologia, permitiu compreender como tais marcadores despontam de maneira dialógica em suas narrativas, questionando as formas de manifestação relacionadas aos antagonismos normativos entre o urbano/rural, o presente/passado, e das atribuições sociais ao ser mulher/homem.


RESUMEN Este artículo analiza las interfaces entre género y territorio como marcadores identitarios que se encuentran presentes en las verbalizaciones e imaginario de los proyectos de vida de las mujeres rurales jóvenes. El proceso de investigación ha contemplado narrativas de carácter autobiográfico y fotocomposiciones realizadas por las participantes, donde se ha buscado integrar aspectos de sus trayectorias académicas, elecciones de vida, proyectos profesionales y demandas culturales y comunitarias, considerando la influencia de estos aspectos ejercen en el proceso de construcción de sus itinerarios vitales. La aproximación a este colectivo, que comúnmente se encuentra al margen de la producción de saber en psicología, ha permitido comprender cómo tales marcadores despuntan de manera dialógica en sus narrativas, cuestionando las formas en que se manifiestan en relación los antagonismos normativos urbano/rural, presente/pasado, y las atribuciones sociales de ser mujer/hombre.


ABSTRACT This article analyzes the interface between gender and territory as identity markers present in the speeches and pictures about life projects of young women from rural areas. The research process included autobiographical narratives interviews and photo compositions made by the participants, which sought to integrate aspects of their academic trajectories, vital and professional projects, life choices and cultural and community demands that influence in the process of defining their vital projects. The approach to this group, often on the margins of production of knowledge in Psychology, allows us to understand how the identity markers emerge dialogically in their narratives, discussing the manifestations related to the normative antagonisms between urban/rural, present/past, and social assignments related to being woman/man.


Subject(s)
Humans , Male , Female , Adolescent , Rural Population , Territoriality , Photography , Adolescent , Gender Identity
20.
Psicol. soc. (Online) ; 28(3): 453-462, set.-dez. 2016. tab
Article in Portuguese | LILACS | ID: lil-796919

ABSTRACT

RESUMO Este artigo tem por objetivo refletir sobre o contributo específico dos territórios - a casa, a rua, o entorno - enquanto referência fundamental na construção identitária de pessoas idosas. Nossa base reflexiva foi construída a partir de observações e descrições do território conhecido como "Alta", no casco histórico de Coimbra, Portugal; entrevistas semiestruturadas, com 12 de seus residentes; e com notas de campo, sistematizadas num diário de bordo da pesquisa, construído para o efeito. A construção identitária de grande parte das pessoas idosas encontra-se profundamente ancorada nos territórios onde vivem, principalmente quando estas pessoas residem há muito tempo em um mesmo espaço geográfico, no qual vivenciam uma parte muito substantiva do seu cotidiano. Esta centralidade é, ainda, reforçada quando apresentam mobilidades reduzidas ou condicionadas, quer pelas dificuldades de acessibilidade dos próprios territórios, quer por limitações pessoais, iniciadas e/ou acentuadas na velhice.


RESUMEN Este artículo tiene como objetivo reflexionar sobre la contribución específica de los territorios - la casa, la calle, el entorno - como un referente clave en la construcción de la identidad de las personas mayores. Nuestra reflexión fue construida sobre a base observaciones y descripciones del territorio conocido como "Alto" en el centro histórico de Coimbra, Portugal. Este material fue colectado mediante entrevistas semi-estructuradas con 12 de sus residentes, y notas de campo de quien investiga; los datos de la investigación fueron sistematizados en el formato libro de registro, construido para tal propósito. El análisis devela que la construcción de la identidad de gran parte de las personas mayores está profundamente anclada en los territorios en los que viven, sobre todo cuando estas personas viven mucho tiempo en la misma zona geográfica en la que experimentan una parte muy importante de su vida cotidiana. Este aspecto central se refuerza aún más en aquellos casos que han reducido o condicionado sus movilidades, ya sea por las dificultades de accesibilidad a los mismos, territorio o por las limitaciones personales, que comenzaron o se agudizaron en la vejez.


ABSTRACT This article aims to reflect on the specific contribution of the territories - the house, the street, the surroundings - as a key reference in the identity construction of the elderly. Our reflective base was built from observations and descriptions of the territory known as "Alta", situated in the historical core of Coimbra, Portugal, and semi-structured interviews with 12 of its residents as well as from field notes, systematized in a research logbook, built for this purpose. The identity construction of much of the elderly is deeply anchored in the territories where they live, especially when these people have been living for a long time in the same geographic area in which they have experienced a substantial part of their daily lives. This centrality is further reinforced when they have reduced or conditioned mobility, either by the accessibility difficulties of the territories themselves, or by personal limitations, initiated and /or intensified in old age.


Subject(s)
Humans , Male , Female , Aged , Aged, 80 and over , Territoriality , Aged , Social Identification
SELECTION OF CITATIONS
SEARCH DETAIL