Your browser doesn't support javascript.
Mostrar: 20 | 50 | 100
Resultados 1 - 20 de 30.782
Filtrar
1.
Brasília; Fiocruz Brasília;Instituto de Saúde de São Paulo; ago. 4, 2020. 13 p.
Não convencional em Português | LILACS (Américas), ColecionaSUS, MTYCI, PIE | ID: biblio-1118201

RESUMO

As práticas corporais da Medicina Tradicional Chinesa (MTC) envolvem movimento ou manipulação corporal, atitude mental e respiração com intuito de equilibrar a energia vital-Qi. As práticas da MTC são recomendadas para promoção, manutenção e recuperação da saúde, bem como prevenção de agravos e doenças. As práticas corporais da MTC, no Brasil, incluem acupuntura, lian gong, chi gong(qigong,chi kung);tui-na e tai chi chuan. Estas práticas foram incorporadas no SUS mediante Portaria no 971,de 03 de maio de 2006.PerguntaQualéa eficácia/efetividade e a segurança das práticas corporais da Medicina Tradicional Chinesa(MTC), exceto acupuntura, na cessação do tabagismo em adultos e/ou idosos? As buscas por revisão sistemática foram realizadas em cinco bases de dados sem restrição de ano de publicação, publicados em inglês, português e espanhol. A busca foi por estudos que avaliassem o efeito das práticas corporais na cessação do tabagismo em adultos e idosos. Uma busca adicional por ensaios clínicos randomizados foi realizada em seis bases de dados, respeitando os mesmos critérios de elegibilidade. A acupuntura, embora faça parte das práticas da MTC, não foi incluída porque estás endo analisada separadamente em outras revisões realizadas por esta mesma equipe. De 111 revisões sistemáticas e 1.525 ensaios clínicos recuperados nas bases de dados, nenhum estudo atendeu aos critérios de elegibilidade. Devido à falta de evidências não é possível tecer considerações sobre a eficácia e segurança das práticas de MTC no controle do tabagismo na população adulta.


Assuntos
Humanos , Adulto , Pessoa de Meia-Idade , Idoso , Tabagismo/prevenção & controle , Terapias Complementares/métodos , Resultado do Tratamento , Abandono do Hábito de Fumar , Medicina Tradicional Chinesa/métodos
2.
Brasília; Fiocruz Brasília;Instituto de Saúde de São Paulo; ago. 3, 2020. 22 p.
Não convencional em Português | LILACS (Américas), ColecionaSUS, MTYCI, PIE | ID: biblio-1118200

RESUMO

As práticas corporais da Medicina Tradicional Chinesa (MTC) envolvem movimento ou manipulação corporal, atitude mental e respiração com intuito de equilibrar o Qi ou energia vital. As práticas da MTC são recomendadas para promoção, manutenção e recuperação da saúde, bem como prevenção de agravos e doenças. As práticas corporais da MTC, no Brasil, incluem acupuntura,lian gong, chi gong (qigong,chi kung); tui-naetai chi chuan. Estas práticas foram incorporadas no SUS mediante Portaria no 971, de 03 de maio de 2006. Qual é a eficácia/efetividade e a segurança das práticas corporais da Medicina Tradicional Chinesa (MTC), exceto acupuntura, no tratamento da obesidade em adultos e/ou idosos? As buscas foram realizadas inicialmente por revisões sistemáticas, mas nenhuma atendeu aos critérios de elegibilidade. Novas buscas foram realizadas em seis bases de dados sem restrição de ano de publicação, para identificar ensaios clínicos randomizados(ECR). Desta forma, foram incluídos ensaios clínicos randomizados em inglês, português e espanhol que avaliaram os efeitos das práticas MTC no tratamento de obesidade na população adulta e idosa. A avaliação da qualidade metodológica foi realizada por meio da ferramenta de risco de viés da Cochrane, feita por uma pesquisadora e revisada por outra. Nesta revisão rápida, produzida em três dias, foram utilizados atalhos metodológicos, de maneira que apenas o processo de seleção foi realizado em duplicidade e de forma independente. A acupuntura, embora faça parte das práticas da MTC, não foi incluída porque está sendo analisada separadamente em outras revisões realizadas por esta mesma equipe. De 1.435 publicações recuperadas nas bases de dados, foram incluídos três ensaios clínicos randomizados que atenderam aos critérios de elegibilidade. A avaliação metodológica dos ECR demonstrou risco de viés, de forma que os resultados devem ser interpretados com cautela. Os estudos mostraram não haver diferença nos resultados entre Taichi e a maioria dos comparadores, com relação aos desfechos IMC, circunferência da cintura, peso corporal, massa corporal, gordura corporal e sensação de fome. O único estudo sobre Qigong não apresentou resultados favoráveis quanto a sua eficácia na redução do peso corporal. Um estudo relatou não ter identificado eventos adversos com a prática de Taichi. Embora existam alguns resultados favoráveis a prática de Taichi, é pequena a evidência de eficácia e segurança da prática no tratamento da obesidade em adultos e idosos. Devido à escassez de evidências não é possível afirmar os reais benefícios do uso dessas tecnologias para o tratamento da obesidade.


Assuntos
Humanos , Adulto , Pessoa de Meia-Idade , Idoso , Resultado do Tratamento , Tai Ji/métodos , Qigong/métodos , Manejo da Obesidade , Terapias Complementares/métodos , Medicina Tradicional Chinesa/métodos
3.
Brasília; Fiocruz Brasília;Instituto de Saúde de São Paulo; ago. 18, 2020. 53 p.
Não convencional em Português | LILACS (Américas), ColecionaSUS, MTYCI, PIE | ID: biblio-1118194

RESUMO

A acupuntura se caracteriza pela estimulação de pontos cutâneos específicos por meio do uso de agulhas. A auriculoterapia consiste na estimulação mecânica de pontos específicos do pavilhão auricular com esferas de aço, ouro, prata, plástico, agulhas ou sementes de mostarda. Acupressão é o estímulo dos pontos de acupuntura por meio de pressão física. A acupuntura é recomendada para promoção, manutenção e recuperação da saúde, bem como prevenção de agravos e doenças. Além disso, parece propiciar a liberação de neurotransmissores e outras substâncias responsáveis pela promoção da analgesia. A auriculoterapia e acupressão promovem a regulação psíquico-orgânica do indivíduo. Estas práticas foram incorporadas no SUS mediante Portaria nº 971, de 03 de maio de 2006. Qual é a eficácia e a segurança da acupuntura, auriculoterapia e acupressão na cessação do tabagismo em adultos e/ou idosos? As buscas foram realizadas em sete bases de dados sem restrição de ano de publicação. Os critérios de inclusão foram: revisões sistemáticas em inglês, português e espanhol que avaliaram os efeitos da acupuntura, auriculoterapia e acupressão no controle do tabagismo na população adulta e idosa. A avaliação da qualidade metodológica foi realizada por meio da ferramenta AMSTAR 2, feita por uma pesquisadora e revisada por outra. Nesta revisão rápida, produzida em cinco dias, foram utilizados atalhos metodológicos, de maneira que apenas o processo de seleção foi realizado em duplicidade e de forma independente. De 127 relatos encontrados nas bases de dados, foram incluídas seis revisões sistemáticas que atenderam aos critérios de elegibilidade. Na avaliação da qualidade metodológica uma revisão apresentou alta qualidade, e cinco, qualidade criticamente baixa. As revisões analisaram o efeito de acupuntura, auriculoterapia e acupressão, combinadas ou não entre si e a outras tecnologias. A maioria dos resultados de metanálises e ensaios clínicos individuais mostraram similaridade da acupuntura em comparação a diversas intervenções. Em geral, a acupuntura e a acupressão mostraram-se superiores em relação a acupuntura simulada, medicamento placebo ou nenhum tratamento. A acupuntura foi inferior à terapia de reposição de nicotina. Duas revisões avaliaram a segurança das intervenções, com relatos sobre ocorrência de eventos adversos leves com o uso da acupuntura, eletroacupuntura, auriculoterapia e acupressão auricular. Esta revisão identificou que, de maneira geral, não houve diferença nos resultados entre acupuntura e auriculoterapia e seus diversos comparadores Acupuntura e acupressão mostraram resultados melhores na comparação com suas modalidades simuladas, medicamento placebo ou nenhum tratamento. No entanto, é necessário atenção ao interpretar estes resultados, uma vez que houve diversidade de terapias utilizadas nos estudos primários e a qualidade metodológica da maioria das revisões sistemáticas foi avaliada como criticamente baixa.


Assuntos
Humanos , Adulto , Pessoa de Meia-Idade , Idoso , Tabagismo/prevenção & controle , Terapia por Acupuntura/métodos , Resultado do Tratamento , Abandono do Hábito de Fumar , Acupressão/métodos
4.
Brasília; Fiocruz Brasília;Instituto de Saúde de São Paulo; ago. 11, 2020. 35 p.
Não convencional em Português | LILACS (Américas), ColecionaSUS, MTYCI, PIE | ID: biblio-1118192

RESUMO

A acupuntura se caracteriza pela estimulação de pontos cutâneos específicos por meio do uso de agulhas. A auriculoterapia consiste na estimulação mecânica de pontos específicos do pavilhão auricular com esferas de aço, ouro, prata, plástico, agulhas ou sementes de mostarda. A acupuntura é recomendada para promoção, manutenção e recuperação da saúde, bem como prevenção de agravos e doenças. Além disso, parece propiciar a liberação de neurotransmissores e outras substâncias responsáveis pela promoção da analgesia. A auriculoterapia promove a regulação psíquico orgânica do indivíduo. Ambas as prá ticas foram incorporadas no SUS mediante Portaria nº 971, de 03 de maio de 2006. Qual é a eficácia e a segurança da acupuntura e da auriculoterapia para o tratamento de asma em adultos e/ou idosos? As buscas foram realizadas em sete bases de dados sem restrição de ano de publicação. Os critérios de inclusão foram: revisões sistemáticas em inglês, português e espanhol que avaliaram os efeitos da acupuntura e auriculoterapia no tratamento de asma na população adulta e idosa. A avaliação da qualidade metodológica foi realizada por meio da ferramenta AMSTAR 2, feita por uma pesquisadora e revisada por outra. Nesta revisão rápida, produzida em cinco dias, foram utilizados atalhos metodológicos, de maneira que apenas o processo de seleção foi realizado em duplicidade e de forma independente. De 142 relatos recuperados nas bases de dados, foram incluídas cinco revisões sistemáticas que atenderam aos critérios de elegibilidade. A pergunta de pesquisa incluiu acupuntura e auriculoterapia, o que orientou as buscas de evidências. No entanto, não foram identificados estudos sobre auriculoterapia e a maioria das revisões analisou um tipo específico de acupuntura, denominada farmacopuntura, uma técnica que combina acupuntura com injeção de ervas medicinais. De maneira geral, a farmacopuntura combinada ou não a outros tratamentos, mostrou melhores resultados, em relação a seus comparadores, nos seguin tes desfechos: taxa de resposta e melhora dos sintomas de adultos com asma, melhora da Capacidade Vital Forçada (CVF), do Volume Expiratório Forçado em 1 segundo (VEF1), da relação VEF1/CVF e no Pico de Fluxo Expiratório (PFE). Os resultados sobre acupuntura foram melhores com relação a taxa de melhora dos sintomas de asma e do VEF1. Duas revisões avaliaram a segurança das intervenções, com relatos sobre ocorrência de eventos adversosleves com o uso da farmacopuntura. Esta revisão identificou alguns benefícios da acupuntura e farmacopuntura como tratamento adjuvante em pessoas com asma. No entanto, é necessário interpretar estes resultados com cautela, devido à diversidade de terapias utilizadas nos estudos primários e à qualidade metodológica das revisões sistemáticas, avaliadas como de confiança baixa ou criticamente baixa.


Assuntos
Humanos , Adulto , Pessoa de Meia-Idade , Idoso , Asma/terapia , Terapia por Acupuntura/métodos , Resultado do Tratamento , Acupuntura/métodos
5.
Brasília; Fiocruz Brasília;Instituto de Saúde de São Paulo; jul. 12, 2020. 40 p.
Não convencional em Português | LILACS (Américas), ColecionaSUS, MTYCI, PIE | ID: biblio-1118198

RESUMO

A meditação é uma prática que consiste no foco da atenção para o momento presente, de modo não analítico ou discriminativo, podendo ser dividida em dois tipos: meditação concentrativa e mindfulness. A meditação e mindfulness trazem benefícios para o fortalecimento físico, emocional, mental, social e cognitivo. Dessa forma, são indicados para estímulo do bem-estar, relaxamento, redução do estresse, da hiperatividade e dos sintomas depressivos. A prática também pode ser efetiva no tratamento do tabagismo. Qual a eficácia e a segurança de meditação/mindfulness no controle do tabagismo em adultos e/ou idosos? As buscas foram realizadas em sete base de dados sem restrição de ano de publicação. Foram incluídas revisões sistemáticas em inglês, português e espanhol que avaliaram os efeitos da tecnologia no tratamento do tabagismo em população adulta e idosa. A avaliação da qualidade metodológica foi realizad por uma profissional e revisada por outra, utilizando-se a ferramenta AMSTAR 2. Nesta revisão rápida, produzida em dez dias, foram utilizados atalhos metodológicos, de maneira que apena so processo de seleção foi realizado em duplicidade e de forma independente. De 64 revisões sistemáticas recuperadas nas bases de dados, nove atenderam aos critérios de elegibilidade e foram incluídas. A avaliação da qualidade metodológica indicou que duas revisões são de qualidade baixa e seis de qualidade criticamente baixa. Não foram encontradas evidências sobre meditação concentrativa. As revisões apresentaram resultados sobre o uso de diversas categorias de mindfulness no controle do tabagismo. A prática de mindfulness mostrou efeito sobre a cessação, o desejo e a abstinência de fumar, bem como no estado de humor de ex-tabagistas. Os estudos mostraram não haver diferença entre mindfulness e outras terapias na redução do consumo de cigarros. É importante ressaltar que a maior parte destes resultados se refere a ensaios clínicos únicos e com número reduzido de participantes. Apenas uma revisão relatou sobre a segurança da prática de mindfulness, mostrando a não ocorrência de eventos adversos. Diversas modalidades do mindfulness mostraram efeitos positivos para o controle do tabagismo com relação à cessação, ao desejo de fumar, à abstinência ao fumo, e ao estado de humor de ex-tabagistas. A segurança da prática de mindfulness e meditação foi pouco investigada. Estes achados, no entanto, devem ser interpretados com cautela, visto que a confiança nos resultados das revisões foi considerada baixa e criticamente baixa na avaliação da qualidade metodológica. Além disso, a grande diversidade de intervenções incluídas nas comparações tornou difícil a realização de metanálises, de forma que os resultados na maioria das vezes foram apresentados de forma descritiva e com frequência sem dados numéricos. Há necessidade de mais estudos, com qualidade metodológica adequada, para afirmar sobre a eficácia da prática de mindfulness no controle do tabagismo.


Assuntos
Humanos , Adulto , Pessoa de Meia-Idade , Idoso , Tabagismo/prevenção & controle , Resultado do Tratamento , Abandono do Hábito de Fumar , Meditação/métodos , Atenção Plena/métodos
6.
Brasília; Fiocruz Brasília;Instituto de Saúde de São Paulo; jul. 29, 2020. 72 p.
Não convencional em Português | LILACS (Américas), ColecionaSUS, MTYCI, PIE | ID: biblio-1118195

RESUMO

A acupuntura se caracteriza pela estimulação de pontos cutâneos específicos por meio do uso de agulhas. A auriculoterapia consiste na estimulação mecânica de pontos específicos do pavilhão auricular com esferas de aço, ouro, prata, plástico, agulhas ou sementes de mostarda. A acupuntura é recomendada para promoção, manutenção e recuperação da saúde, bem como prevenção de agravos e doenças. Além disso, parece propiciar a liberação de neurotransmissores e outras substâncias responsáveis pela promoção da analgesia. A auriculoterapia promove a regulação psíquico-orgânica do indivíduo. Ambas as práticas foram incorporadas no SUS mediante Portaria nº 971, de 03 de maio de 2006. Qual é a eficácia/efetividade e a segurança da acupuntura e da auriculoterapia para o tratamento da ansiedade ou depressão em adultos e/ou idosos? As buscas foram realizadas em sete bases de dados sem restrição de ano de publicação. Foram incluídas revisões sistemáticas em inglês, português e espanhol que avaliaram os efeitos da acupuntura e auriculoterapia no tratamento de ansiedade e depressão na população adulta e idosa. A avaliação da qualidade metodológica foi realizada por meio da ferramenta AMSTAR 2, feita por uma pesquisadora e revisada por outra. Nesta revisão rápida, produzida em cinco dias, foram utilizados atalhos metodológicos, de maneira que apenas o processo de seleção foi realizado em duplicidade e de forma independente. De 881 relatos recuperados nas bases de dados, foram incluídas treze revisões sistemáticas que atenderam aos critérios de elegibilidade. Na avaliação da qualidade metodológica duas revisões apresentaram qualidade moderada, uma baixa qualidade e dez qualidade criticamente baixa. A auriculoterapia, analisada em poucos ensaios clínicos, mostrou eficácia na melhora da ansiedade, na remissão e redução dos sintomas da depressão. Os estudos sobre acupuntura mostraram que os resultados não foram diferentes em relação aos comparadores para remissão do quadro de depressão e melhora da qualidade de vida. Quanto à redução dos sintomas e taxa de resposta ao tratamento da depressão, bem como à redução da gravidade do quadro, em geral os resultados dos estudos foram divergentes. Poucos estudos analisaram os efeitos sobre abandono do tratamento e taxas de recidiva ou recaída. Algumas revisões relataram eventos adversos leves com o uso de acupuntura, sendo mais segura do que os antidepressivos. Esta revisão identificou alguns benefícios da acupuntura, eletroacupuntura e auriculoterapia no tratamento de ansiedade e depressão. No entanto, observam-se muitas divergências entre os resultados e grande heterogeneidade na condução dos estudos primários. Além disso, estas evidências devem ser vistas com cautela, uma vez que a confiança da maioria das revisões foi considerada criticamente baixa na avaliação da qualidade metodológica.


Assuntos
Humanos , Adulto , Pessoa de Meia-Idade , Idoso , Ansiedade/terapia , Terapia por Acupuntura/métodos , Eletroacupuntura/métodos , Resultado do Tratamento , Acupuntura Auricular/métodos , Depressão/terapia
7.
Brasília; Fiocruz Brasília;Instituto de Saúde de São Paulo; jun. 16, 2020. 15 p.
Não convencional em Português | LILACS (Américas), ColecionaSUS, MTYCI, PIE | ID: biblio-1118205

RESUMO

O yoga caracteriza-se como uma prática integrativa de origem oriental que combina posições corporais, técnicas de respiração, meditação e relaxamento. É indicada no tratamento de sistemas musculoesquelético, endócrino, respiratório, além de outros agravos à saúde, e estimula as funções cognitivas. Há evidências de que o yoga pode ser uma alternativa para auxiliar na cessação do tabagismo. Qual a eficácia e a segurança do yoga no controle do tabagismo em adultos e/ou idosos? As buscas foram realizadas em sete base de dados sem restrição de ano de publicação. Foram incluídas revisões sistemáticas em inglês, português e espanhol que avaliaram os efeitos da tecnologia no tratamento do tabagismo em população adulta e idosa. A avaliação da qualidade metodológica foi realizada por uma profissional e revisada por outra, utilizando-se a ferramenta AMSTAR 2. Nesta revisão rápida, produzida em três dias, foram utilizados atalhos metodológicos, de maneira que apenas o processo de seleção foi realizado em duplicidade e de forma independente. De 33 revisões sistemáticas recuperadas nas bases de dados, três atenderam aos critérios de elegibilidade e foram incluídas. A avaliação da qualidade metodológica indica que essas revisões são de qualidade criticamente baixa. As revisões apresentaram resultados sobre o uso de yoga no controle do tabagismo, incluindo as categorias hatha yoga e yoga vinyasa. O uso de hatha yoga e yoga vinyasa como método único ou associado a Terapia Cognitivo-Comportamental mostrou efeito na redução e cessação do desejo de fumar, na abstinência de fumar, no estágio de prontidão para mudanças e no estado de humor dos participantes dos estudos. No entanto, esses resultados têm como base ensaios clínicos únicos e com número reduzido de participantes. Uma revisão relatou sobre a segurança daprática de yoga, mostrando a não ocorrência de eventos adversos. As modalidades de hatha yoga e yoga vinyasa mostraram efeitos positivos para o controle do tabagismo com relação ao desejo de fumar, abstinência, estágio de prontidão para mudanças e humor. Os resultados são baseados em poucos ensaios clínicos. A segurança da prática de yoga foi pouco investigada. Além disso, esses achados devem ser interpretados com cautela, visto que a confiança nos resultados das revisões foi considerada criticamente baixa na avaliação da qualidade metodológica. Há necessidade de mais estudos, com qualidade metodológica adequada, para afirmar sobre a eficácia da prática de yoga no controle do tabagismo.


Assuntos
Humanos , Adulto , Pessoa de Meia-Idade , Idoso , Tabagismo/prevenção & controle , Ioga , Resultado do Tratamento , Abandono do Hábito de Fumar
8.
Washington; Organización Panamericana de la Salud; jun. 23, 2020. 3 p.
Não convencional em Inglês, Espanhol, Português | LILACS (Américas) | ID: biblio-1100598

RESUMO

Un estudio reciente (1) informó que la ivermectina se utilizó con éxito in vitro para el tratamiento del SARS-CoV-2 en células infectadas experimentalmente y dos publicaciones preimpresas (2,3) sobre estudios clínicos observacionales informaron la aparente utilidad de la ivermectina para tratar pacientes con COVID-19 que requirieron ventilación mecánica. Sin embargo, ninguno de estos estudios fue revisado por pares ni publicado formalmente y uno de ellos (3) fue retirado posteriormente.


A recent study reported that ivermectin was successfully used in vitro for the treatment of SARS-CoV-2 in experimentally infected cells, and two preprint publications reported observational clinical studies on the apparent utility of ivermectin to treat patients with COVID-19 needing mechanical ventilation. However, none of these studies was peer-reviewed nor formally published and one study was later retracted. The Pan American Health Organization (PAHO) compiled an evidence database of potential COVID-19 therapeutics for which a rapid review was conducted of all COVID-19 in vitro (lab) and in vivo (clinical) human studies published from January to May 2020. The review concluded that the studies on ivermectin were found to have a high risk of bias, very low certainty of the evidence, and that the existing evidence is insufficient to draw a conclusion on benefits and harms. Though the effectiveness of ivermectin is currently being evaluated in various randomized clinical trials, the World Health Organization (WHO) excluded ivermectin from its co-sponsored Solidarity Trial for COVID-19 treatments, a global effort to find an effective treatment for COVID-19. The Mectizan® (ivermectin) Expert Committee Statement on Potential Efficacy of Ivermectin on COVID-19 emphasized that the laboratory results showing efficacy of ivermectin to reduce viral loads in laboratory cultures, at dosage levels far beyond those approved by the FDA for treatment of parasitic diseases in humans, are not sufficient to indicate that ivermectin will be of clinical benefit to reduce viral loads in COVID-19 patients. Chaccour et al. caution against using in vitro findings as more than a qualitative indicator of potential efficacy and emphasize that "due diligence and regulatory review are needed before testing ivermectin in COVID-19.


Um estudo recente informou que a ivermectina foi usada com êxito, in vitro, para o tratamento do vírus SARS-CoV-2 em células infectadas experimentalmente. Duas publicações preprint sobre estudos clínicos observacionais relataram aparente utilidade da ivermectina no tratamento de pacientes com COVID-19, em ventilação mecânica. Nenhum desses estudos teve revisão por pares, nem foi publicado formalmente, e um deles se retratou depois. A Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) compilou um banco de dados de evidências sobre potenciais tratamentos para COVID-19, e fez uma revisão rápida de todos os estudos realizados em humanos, in vitro (laboratórios) ou in vivo (clínicos), publicados de janeiro a maio de 2020. A revisão concluiu que os estudos sobre ivermectina tinham um alto risco de viés, muito pouca certeza de evidências, e as evidências existentes eram insuficientes para se chegar a uma conclusão sobre benefícios e danos. Apesar da efetividade da ivermectina estar sendo avaliada atualmente em diversos ensaios clínicos randomizados, deve-se enfatizar que a Organização Mundial da Saúde (OMS) excluiu a ivermectina de seu ensaio "Solidarity Trial" para tratamentos da COVID-19, uma iniciativa co-patrocinada, para encontrar um tratamento efetivo para COVID-19.


Assuntos
Humanos , Pneumonia Viral/prevenção & controle , Ivermectina/administração & dosagem , Ivermectina/efeitos adversos , Ivermectina/uso terapêutico , Infecções por Coronavirus/prevenção & controle , Infecções por Coronavirus/tratamento farmacológico , Betacoronavirus/efeitos dos fármacos , Ventiladores Mecânicos , Resultado do Tratamento , Medicina Baseada em Evidências
10.
Brasília; Fiocruz Brasília;Instituto de Saúde de São Paulo; maio 12, 2020. 12 p.
Não convencional em Português | LILACS (Américas), ColecionaSUS, MTYCI, PIE | ID: biblio-1118204

RESUMO

O yoga caracteriza-se como uma prática integrativa de origem oriental que combina posições corporais, técnicas de respiração, meditação e relaxamento. É indicada no tratamento de sistemas musculoesquelético, endócrino, respiratório, além de outros agravos à saúde, e estimula as funções cognitivas. Qual é a eficácia/efetividade e a segurança do yoga para tratamento da obesidade em adultos e/ou idosos? As buscas foram realizadas em sete bases de dados sem restrição de ano de publicação. Foram incluídas revisões sistemáticas em inglês, português e espanhol que avaliaram o efeito da tecnologia no tratamento da obesidade na população adulta e idosa. A avaliação da qualidade metodológica foi realizada por meio do AMSTAR 2, feita por uma pesquisadora e revisada por outra. Nesta revisão rápida, produzida em três dias, foram utilizados atalhos metodológicos, de maneira que apenas o processo de seleção foi realizado em duplicidade e de forma independente. Dos 56 relatos encontrados nas bases, foi incluída apenas uma revisão sistemática com metanálise que atendeu aos critérios de elegibilidade. A avaliação da qualidade indicou que a revisão é de qualidade metodológica moderada. A revisão apresentou resultados sobre o uso de yoga no controle peso, gordura corporal, e redução de Índice de Massa Corporal (IMC) e circunferência de cintura em pessoas com sobrepeso ou obesidade. Houve falta de informação sobre a segurança da prática de yoga. O yoga mostrou efeito somente na redução do IMC. Os resultados encontrados foram favoráveis à prática de yoga para redução do IMC. Cabe ressaltar que os resultados foram baseados em uma única revisão sistemática que foi avaliada como de qualidade metodológica moderada. Não houve relatos sobre eventos adversos, o que não permite tecer considerações sobre a segurança do uso dessa tecnologia em pacientes obesos e com sobrepeso.


Assuntos
Humanos , Adulto , Pessoa de Meia-Idade , Idoso , Ioga , Resultado do Tratamento , Sobrepeso/terapia , Manejo da Obesidade
11.
Brasília; Fiocruz Brasília;Instituto de Saúde de São Paulo; maio 12, 2020. 21 p.
Não convencional em Português | LILACS (Américas), ColecionaSUS, MTYCI, PIE | ID: biblio-1118199

RESUMO

A meditação é uma prática que consiste no foco da atenção para o momento presente, de modo não analítico ou discriminativo, podendo ser dividida em dois tipos: meditação concentrativa e mindfulness. A meditação e o mindfulness trazem benefícios para o fortalecimento físico, emocional, mental, social e cognitivo. Dessa forma, são indicados para estímulo do bem-estar, relaxamento, redução do estresse, da hiperatividade e dos sintomas depressivos. Qual a eficácia/efetividade e a segurança de meditação/mindfulness para o tratamento da obesidade em população adulta? As buscas foram realizadas em seis bases de dados sem restrição de ano de publicação. Foram incluídas revisões sistemáticas em inglês, português e espanhol que avaliaram os efeitos de meditação/mindfulness no tratamento da obesidade na população adulta e idosa. A avaliação da qualidade metodológica foi realizada por meio do AMSTAR 2, por uma profissional e revisada por outra. Nesta revisão rápida, produzida em três dias, foram utilizados atalhos metodológicos, de maneira que apenas o processo de seleção foi realizado em duplicidade e de forma independente. Dos 60 relatos encontrados nas bases, foram incluídas três revisões sistemáticas que atenderam aos critérios de elegibilidade, sendo uma com metanálise. A avaliação da qualidade indica que uma revisão é de baixa qualidade metodológica e duas de qualidade criticamente baixa. Todas as revisões apresentaram resultados sobre o uso de mindfulness no tratamento de obesidade, mas houve poucos resultados sobre meditação. O uso do mindfulness associado ou não a outras terapias teve efeitos favoráveis para perda de peso, redução do IMC, melhora do comportamento alimentar e fome emocional. A meditação mostrou ser benéfica para a redução de peso corporal. Não foram relatados eventos adversos. O mindfulness foi a tecnologia avaliada em todas as revisões selecionadas e mostrou resultados favoráveis em todos os desfechos apresentados. Não houve relatos de eventos adversos. No entanto, a confiança nos resultados da maioria das revisões foi considerada baixa ou criticamente baixa na avaliação da qualidade metodológica. Assim sendo, deve-se ter cautela ao interpretar os resultados.


Assuntos
Humanos , Adulto , Pessoa de Meia-Idade , Idoso , Resultado do Tratamento , Meditação/métodos , Sobrepeso/terapia , Atenção Plena/métodos , Manejo da Obesidade
12.
Brasília; Fiocruz Brasília;Instituto de Saúde de São Paulo; maio 11, 2020. 72 p.
Não convencional em Português | LILACS (Américas), ColecionaSUS, MTYCI, PIE | ID: biblio-1118193

RESUMO

A acupuntura se caracteriza pela estimulação de pontos cutâneos específicos por meio do uso de agulhas. A auriculoterapia consiste na estimulação mecânica de pontos específicos do pavilhão auricular com esferas de aço, ouro, prata, plástico, agulhas ou sementes de mostarda. A acupuntura é recomendada para promoção, manutenção e recuperação da saúde, bem como prevenção de agravos e doenças. Além disso, parece propiciar a liberação de neurotransmissores e outras substâncias responsáveis pela promoção da analgesia. A auriculoterapia promove a regulação psíquico-orgânica do indivíduo. Ambas as práticas foram incorporadas no SUS mediante Portaria nº 971, de 03 de maio de 2006. Qual a eficácia/efetividade e a segurança da acupuntura e da auriculoterapia para o tratamento da obesidade em adultos e/ou idosos? As buscas foram realizadas em sete bases de dados, sem restrição de ano de publicação. Foram incluídas revisões sistemáticas em inglês, português e espanhol que avaliaram os efeitos de ambas as tecnologias no tratamento da obesidade na população adulta e idosa. A avaliação da qualidade metodológica foi realizada por meio do AMSTAR 2. Nesta revisão rápida, produzida em nove dias, foram utilizados atalhos metodológicos, de maneira que apenas o processo de seleção dos artigos foi realizado em duplicidade e de forma independente. Dos 179 relatos identificados nas bases, foram incluídas 12 revisões sistemáticas, sendo apenas uma sem metanálise. A avaliação da qualidade indica que quatro revisões foram de baixa confiança e oito revisões de confiança criticamente baixa. Os relatos destas revisões apresentaram resultados positivos dessas tecnologias na redução de gordura corporal, de circunferências de cintura e de quadril, e da diminuição da relação cintura-quadril, melhora da obesidade, remissão da obesidade e redução da gravidade da obesidade. Contudo, os resultados são conflitantes quanto aos efeitos de acupuntura e auriculoterapia, combinadas ou não com outras intervenções, no controle de peso corporal e redução de IMC (Índice de Massa Corporal). Foram informados eventos adversos leves com as terapias de acupuntura. O foco desta revisão rápida foi a obesidade, no entanto algumas revisões apresentaram metanálises agrupando resultados para obesidade e sobrepeso. A acupuntura, a auriculoterapia e a acupressão foram consideradas benéficas no tratamento da obesidade e sobrepeso, principalmente em reduzir gordura corporal e circunferências de cintura e quadril. Porém os achados devem ser vistos com cautela, em razão da confiança nos resultados das revisões sistemáticas terem sido avaliadas como baixas ou criticamente baixas.


Assuntos
Humanos , Adulto , Pessoa de Meia-Idade , Idoso , Terapia por Acupuntura/métodos , Resultado do Tratamento , Acupressão/métodos , Sobrepeso/terapia , Manejo da Obesidade/métodos
13.
Brasília; Fiocruz Brasília;Instituto de Saúde de São Paulo; maio 6, 2020. 61 p.
Não convencional em Português | LILACS (Américas), ColecionaSUS, MTYCI, PIE | ID: biblio-1118190

RESUMO

A acupuntura se caracteriza pela estimulação de pontos cutâneos específicos por meio do uso de agulhas. A auriculoterapia consiste na estimulação mecânica de pontos específicos do pavilhão auricular com esferas de aço, ouro, prata, plástico, agulhas ou sementes de mostarda. A acupuntura é recomendada para promoção, manutenção e recuperação da saúde, bem como prevenção de agravos e doenças. Além disso, parece propiciar a liberação de neurotransmissores e outras substâncias responsáveis pela promoção da analgesia. A auriculoterapia promove a regulação psíquico-orgânica do indivíduo. Ambas as práticas foram incorporadas no SUS mediante Portaria nº 971, de 03 de maio de 2006. Qual a eficácia/efetividade e a segurança da acupuntura e da auriculoterapia para o tratamento da hipertensão arterial sistêmica (HAS) em adultos e/ou idosos? As buscas foram realizadas em cinco base de dados sem restrição de ano de publicação. Foram incluídas revisões sistemáticas em inglês, português e espanhol que avaliaram os efeitos de ambas tecnologias no tratamento da HAS na população adulta e idosa. A avaliação da qualidade metodológica foi realizada por meio do AMSTAR 2, feita por uma profissional e revisada por outra. Nesta revisão rápida, produzida em dez dias, foram utilizados atalhos metodológicos, de maneira que apenas o processo de seleção foi realizado em duplicidade e de forma independente e a avaliação foi realizada por uma pesquisadora e revisada por outra. Dos 279 relatos encontrados nas bases, foram incluídas onze revisões sistemáticas que atenderam aos critérios de elegibilidade, sendo nove com metanálise. A avaliação da qualidade indica que uma revisão é de alta qualidade metodológica, sete de baixa qualidade e três de qualidade criticamente baixa. Todas as revisões apresentaram resultados sobre o uso de acupuntura no tratamento de hipertensão, mas houve poucos resultados sobre auriculoterapia. O uso da acupuntura, da eletroacupuntura e da associação de acupuntura com anti-hipertensivos ou com mudanças no estilo de vida mostraram efeito na redução e controle das pressões arteriais sistólica e diastólica em pacientes hipertensos. Uma revisão abordou o uso da auriculoterapia, observando resultados benéficos na redução e controle das pressões arteriais sistólica e diastólica. Foram encontrados eventos adversos leves e graves com a prática de acupuntura. A acupuntura foi a tecnologia avaliada em todas as revisões selecionadas e mostrou resultados favoráveis na redução da pressão arterial, particularmente sistólica. No entanto, há divergências entre alguns estudos e a heterogeneidade entre eles é elevada, comprometendo dos resultados da maioria das meta análises apresentadas. Além disso, estas evidências devem ser vistas com cautela, uma vez que a confiança nos resultados da maioria das revisões foi considerada baixa ou criticamente baixa na avaliação da qualidade metodológica. Embora, poucos estudos tenham relatado eventos adversos, houve casos de eventos graves que precisam ser considerados.


Assuntos
Humanos , Adulto , Pessoa de Meia-Idade , Idoso , Terapia por Acupuntura/métodos , Eletroacupuntura/métodos , Resultado do Tratamento , Acupuntura Auricular/métodos , Hipertensão/prevenção & controle
14.
Gastroenterol. latinoam ; 31(1): 49-52, mayo 2020. ilus
Artigo em Espanhol | LILACS (Américas) | ID: biblio-1103463

RESUMO

The presence of bezoars in daily clinical practice is a event that poses a challenge both diagnostic, due to the associated factors in its development, as well as therapeutic. The management of this entity is associated with medical, endoscopic and surgical procedures and it is necessary to know its usefulness in different clinical scenarios. The role of carbonated beverages is increasingly accepted given its low cost, wide availability and high efficiency. For the aforementioned, it seems important to report a series of cases and the management performed.


La presencia de bezoares en la práctica clínica diaria es un evento que establece un desafío diagnóstico, por los factores asociados en su desarrollo, como también terapéutico. El manejo de esta patología se asocia a procedimientos médicos, endoscópicos y quirúrgicos siendo necesario conocer su utilidad en distintos escenarios clínicos. El rol de las bebidas carbonatadas es cada vez más aceptado dado su bajo costo, amplia disponibilidad y alta eficacia. Por lo antes señalado, nos parece importante reportar una serie de casos y el manejo realizado.


Assuntos
Humanos , Masculino , Feminino , Adulto , Idoso de 80 Anos ou mais , Bezoares/terapia , Bebidas Gaseificadas , Lavagem Gástrica/métodos , Bezoares/diagnóstico , Endoscopia do Sistema Digestório , Resultado do Tratamento
15.
Rev. avances en salud (Montería. En línea) ; 4(1): 12-23, ene.-jun. 2020.
Artigo em Espanhol | LILACS (Américas) | ID: biblio-1097179

RESUMO

Objetivo. Evaluar y describir los resultados posoperatorios de la colpocleisis en una población de mujeres del Quindío. Materiales y métodos. Estudio de corte transversal. En una población de mujeres mayores de 69 años, con prolapso genital ≥ al grado III, sexualmente inactivas y sin interés por preservar la función sexual coital; se les realizó la colpocleisis de LeFort (entre 2009 y 2019). La investigación se efectuó en una institución prestadora de servicios de salud privada, de nivel III, en la ciudad de Armenia. Las mujeres fueron evaluadas antes del procedimiento, luego en las primeras 2 semanas, a los 6 meses, a los 12 meses y después cada año. Resultados. Se operaron 102 mujeres, 69 (67,64 %) por prolapso grado IV y 33 (32,35 %) grado III. La edad media fue de 75,39 ± 8,46 años, con un IMC de 27,48 ± 7,59. El tiempo quirúrgico promedio fue 45,93 ± 18,63 minutos. La mediana de la hemorragia transquirúrgica fue de 75 mL. El éxito quirúrgico alcanzado fue del 98,03 %. Conclusiones. La colpocleisis de LeFort, como tratamiento del prolapso genital ≥ al grado III, ofrece una tasa de mejoría cercana al 98,03 %, con mínimas complicaciones


Objective. To evaluate and describe the postoperative results of colpocleisis in a population of women from Quindío. Materials and methods. Cross-sectional study. In a women population older than 69 years, with genital prolapse ≥grade III, sexually inactive and without interest in preserving coital sexual function; They underwent LeFort colpocleisis (between 2009 and 2019). The research was conducted at a private level III in a health care institution in the city of Armenia. The women were evaluated before the procedure, then in the first 2 weeks, at 6 months, at 12 months, and then every year. Results. 102 women underwent surgery, 69 (67.64%) for grade IV prolapse and 33 (32.35%) grade III. The average age was 75.39 ± 8.46 years (range 69 - 96), with a BMI of 27.48 ± 7.59 (range 18.36 - 42.39). The average surgical time was 45.93 ± 18.63 minutes. The median trans-surgical bleeding was 75 mL. The surgical success achieved was 98.03%. Conclusions. LeFort colpocleisis, as a treatment for genital prolapse ≥ grade III, offers an improvement rate of about 98.03%, with minimal complications.


Assuntos
Humanos , Feminino , Prolapso , Mulheres , Resultado do Tratamento , Cuidados Pós-Operatórios , Doenças dos Genitais Femininos
16.
Brasília; Fiocruz Brasília;Instituto de Saúde de São Paulo; abr. 27, 2020. 17 p.
Não convencional em Português | LILACS (Américas), ColecionaSUS, MTYCI, PIE | ID: biblio-1118191

RESUMO

A acupuntura se caracteriza pela estimulação de pontos cutâneos específicos por meio do uso de agulhas. A auriculoterapia consiste na estimulação mecânica de pontos específicos do pavilhão auricular com esferas de aço, ouro, prata, plástico, agulhas ou sementes de mostarda. A acupuntura é recomendada para promoção, manutenção e recuperação da saúde, bem como prevenção de agravos e doenças. Além disso, parece propiciar a liberação de neurotransmissores e outras substâncias responsáveis pela promoção da analgesia. A auriculoterapia promove a regulação psíquico-orgânica do indivíduo. Ambas as práticas foram incorporadas no SUS mediante Portaria nº 971, de 03 de maio de 2006. Qual é a eficácia/efetividade e a segurança da acupuntura e da auriculoterapia para o tratamento de diabete melito tipo 2 (DM2) em adultos e/ou idosos? As buscas foram realizadas em cinco bases de dados sem restrição de ano de publicação. Foram incluídas revisões sistemáticas em inglês, português e espanhol que avaliaram os efeitos de ambas as tecnologias no tratamento da diabete melito tipo 2 na população adulta e idosa. A avaliação da qualidade metodológica foi realizada por meio do AMSTAR 2, feita por uma pesquisadora e revisada por outra. Nesta revisão rápida, produzida em cinco dias, foram utilizados atalhos metodológicos, de maneira que apenas o processo de seleção foi realizado em duplicidade e de forma independente. Resultados Dos 66 relatos encontrados nas bases, foi incluída uma revisão sistemática com metanálise que atendeu aos critérios de elegibilidade. A avaliação da qualidade indica que a revisão é de baixa qualidade metodológica. A revisão apresentou resultados sobre o uso de acupuntura e auriculoterapia no controle glicêmico de pessoas com DM2. Houve pouca informação sobre a segurança da prática de acupuntura e nenhuma sobre auriculoterapia. A prática de acupuntura, da eletroacupuntura e auriculoterapia combinadas com cuidado usual mostraram efeito no controle da glicemia de jejum, glicemia duas horas depois de um teste de tolerância à glicose e hemoglobina glicosilada. Somente em relação a prática de acupressão que houve resultados sem significância estatística. A revisão sistemática abordou o uso da auriculoterapia, observando resultados benéficos no controle glicêmico. Foram encontradas poucas informações sobre eventos adversos para avaliar essas práticas são seguras. Embora os resultados sejam favoráveis à acupuntura, eles são baseados em uma única revisão sistemática que analisou estudos primários com alto risco de viés. A própria revisão foi avaliada como de baixa qualidade metodológica, por isso as evidências devem ser vistas com cautela. Além disso, a heterogeneidade dos resultados estatísticos é elevada e faltam informações sobre o tempo de acompanhamento dos participantes dos ensaios. Os relatos sobre eventos adversos são escassos e não permitem tecer considerações sobre a segurança do uso dessas tecnologias em pacientes diabéticos


Assuntos
Humanos , Adulto , Pessoa de Meia-Idade , Idoso , Glicemia/análise , Terapia por Acupuntura/métodos , Eletroacupuntura/métodos , Resultado do Tratamento , Acupuntura Auricular/métodos , Diabetes Mellitus Tipo 2/terapia
20.
Rev. argent. coloproctología ; 31(1): 21-27, mar. 2020. tab
Artigo em Espanhol | LILACS (Américas) | ID: biblio-1102171

RESUMO

Introducción: El tratamiento del carcinoma anal escamoso (CAE) en los pacientes HIV positivos resulta controvertido. Si bien las guías actuales recomiendan realizar en los pacientes con buen estado inmunológico la quimiorradioterapia (QRT) concurrente estándar, algunos autores consideran que estos pacientes presentan mayor toxicidad y peores resultados a largo plazo, por lo que requerirían un abordaje diferente. El objetivo de este trabajo es comparar los resultados del tratamiento del CAE en los pacientes VIH positivos y negativos. Diseño: Estudio retrospectivo comparativo. Pacientes y métodos: Se revisaron retrospectivamente las historias clínicas de los pacientes tratados en el Sector Coloproctología, Hospital Fernández, entre 01/2007 y 10/2018. Los del conducto anal se dividieron en: Grupo I: VIH negativos y Grupo II: VIH positivos. Se compararon variables demográficas, factores de riesgo específicos, estadificación, QRT (drogas, toxicidad y respuesta), tratamiento quirúrgico curativo/paliativo, persistencia/recurrencia y supervivencia específica y global. Resultados: Se incluyeron 28 pacientes (18 mujeres); margen: 2, conducto: 26 (Grupo I: 15. Grupo II: 11). Los VIH positivos eran en su mayoría hombres que tienen sexo con hombres vs. 100% de mujeres VIH negativas (p<0,01), más jóvenes (45,2±0,9 vs. 63,6±8; p<0,01) y tabaquistas (82% vs. 27%; p=0,005). No hubo diferencia significativa en la estadificación, aunque el Grupo II tuvo tumores con complicaciones más severas. Pudieron completar el tratamiento: Grupo I: 93%, Grupo II: 64% (p<0,05). Tuvieron respuesta completa a la QRT 13/14 (93%) pacientes del Grupo I y 3/7 (43%) del Grupo II (p<0,01). Hubo 3 recurrencias, 2 locorregionales y 1 a distancia (p=NS). Los VIH positivos requirieron más cirugías (82% vs. 27%; p<0,01). A 5 pacientes (4 del Grupo II) se les realizó una resección abdominoperineal (RAP). Tuvieron colostomía definitiva, con o sin RAP, el 46% de los pacientes, la mayoría VIH positivos (82% vs. 27%; p=0,002). En los VIH positivos el RR de mortalidad por cáncer fue 4 (IC95%: 1,01-16,5; p=0,02) y el RR de mortalidad global fue 5,45 (IC95%: 1,42-20,8; p=0,002). Tuvieron menor supervivencia, tanto global (p=0,001) como libre de enfermedad (p=0,01). Mediana de seguimiento: 27 meses (4-216).Conclusiones: Los pacientes VIH positivos con CAE se diferenciaron de los VIH negativos en una menor tasa de respuesta completa a la QRT y una mayor necesidad de tratamiento quirúrgico. Además, tuvieron una supervivencia global y libre de enfermedad significativamente menor que los VIH negativos. (AU)


INTRODUCTION: The treatment of anal squamous cell carcinoma (SCC) in HIV-positive patients is controversial. Although current guidelines recommend performing standard concurrent chemoradiotherapy (CRT) in patients with good immune status, some authors believe that these patients have greater toxicity and worse long-term results, so they would require a different approach. The purpose of this study was to compare the results of SCC treatment in HIV-positive and HIV-negative patients.DESIGN: Comparative retrospective study.PATIENTS AND METHODS: The records of patients treated in the Coloproctology Section, Hospital Fernández, between 01/2007 and 10/2018 were retrospectively reviewed. Those of the anal canal were divided into: Group I: HIV-negative and Group II: HIV-positive. Demographic variables, specific risk factors, staging, CRT (drugs, toxicity, and response), curative/palliative surgical treatment, persistence/recurrence, and cancer-specific and global survival were compared.RESULTS: 28 patients (18 women), margin: 2, conduit: 26 (Group I: 15. Group II: 11). The HIV-positive were mostly men who have sex with men (vs. 100% HIV-negative women; p<0.01), younger (45.2 ± 0.9 vs. 63.6 ± 8; p<0.01) and smokers (82% vs. 27%; p=0.005). There was no significant difference in staging, although Group II had tumors with more severe complications. Completed the treatment: Group I: 93%, Group II: 64% of patients (p<0,05). Thirteen out of 14 (93%) patients in Group I, and 3/7 (43%) patients in Group II had a complete response to CRT (p<0.01). There were 3 recurrences, 2 loco-regional and 1 distance (p=NS). HIV-positive required more surgery (82% vs. 27%; p<0.01). 5 patients (4 of Group II) underwent an abdominal-perineal resection (APR). Forty six percent of patients had permanent colostomy, with or without APR, most of them were HIV-positive (82% vs. 27%; p=0.002). In HIV-positive patients, the RR of cancer mortality was 4 (95% CI: 1.01-16.5; p=0.02) and the RR of overall mortality was 5.45 (95% CI: 1.42-20, 8; p=0.002). They also had lower overall (p=0.001) and disease-free survival (p=0.01). Median follow-up: 27 months (4 - 216).CONCLUSION: HIV-positive patients with anal SCC were different from HIV-negative patients in that they had a lower complete response rate to CRT, and a greater need for surgical treatment. They had a significantly lower overall and disease-free survival than HIV-negative patients. (AU)


Assuntos
Humanos , Masculino , Feminino , Adulto , Pessoa de Meia-Idade , Idoso , Adulto Jovem , Neoplasias do Ânus/terapia , Colostomia , Carcinoma de Células Escamosas/terapia , Infecções por HIV , Quimiorradioterapia , Neoplasias do Ânus/cirurgia , Neoplasias do Ânus/complicações , Neoplasias do Ânus/mortalidade , Argentina , Carcinoma de Células Escamosas/cirurgia , Carcinoma de Células Escamosas/complicações , Carcinoma de Células Escamosas/mortalidade , Análise Estatística , Estudos Retrospectivos , Resultado do Tratamento , Sobreviventes/estatística & dados numéricos , Assistência ao Convalescente , Protectomia , Recidiva Local de Neoplasia , Estadiamento de Neoplasias
SELEÇÃO DE REFERÊNCIAS
DETALHE DA PESQUISA