Your browser doesn't support javascript.
Show: 20 | 50 | 100
Results 1 - 20 de 75
Filter
1.
GAZZETTA MEDICA ITALIANA ARCHIVIO PER LE SCIENZE MEDICHE ; 181(3):183-186, 2022.
Article in English | Web of Science | ID: covidwho-1939613

ABSTRACT

Cardiovascular diseases have been associated with higher risk of COVID infection, severity of its clinical presentation and a significant increase in overall mortality. We reported the case of a 77-year-old patient who recovered from a severe acute respiratory syndrome-coronavirus-2(SARS-CoV-2) after a complex treatment approach that included mechanical ventilation for 26 days and high flow nasal cannula (HFNC) therapy for 17 days. Relevant ST-segment elevations in inferior leads were documented, with mild troponin elevation and without relevant ultrasound alterations. A Cardiac magnetic resonance imaging was then requested. We emphasize the relevance of postponing invasive tests until significant recovery. The real incidence of acute myocardial injury related to COVID-19 requires a standardized definition beyond surveillance of future complications.

2.
Texto e Contexto Enfermagem ; 31, 2022.
Article in English, Portuguese | Scopus | ID: covidwho-1933427

ABSTRACT

Objective: To compare absenteeism in Hospital Nursing before and during the COVID-19 pandemic. Method: A cross-sectional study. It involved compilation of the records of absence from Nursing work at a university hospital in southern Brazil in March, April and May 2019 (n=622) and during the same period in 2020 (n=475). The data were analyzed by means of descriptive and analytical statistics. Results: Both periods presented the same absence frequencies in women (98.4%;98.3%), aged between 40 and 49 years old (47.9%;44.8%) and working in wards for adults (30.7%;29.2%). Absenteeism-Disease was the most prevalent cause (48.4%;48%). The absolute number of absence cases was higher in the prepandemic period;however, the time in days and hours lost, as well as the absenteeism rate (13.9;18.6%), was significantly higher (p-value<0.001) in the current pandemic period. Conclusion: The COVID-19 pandemic exerted an impact on the increase in Hospital Nursing absenteeism. © 2022, Universidade Federal de Santa Catarina. All rights reserved.

3.
BMJ Open ; 12(7): e060305, 2022 07 06.
Article in English | MEDLINE | ID: covidwho-1923253

ABSTRACT

OBJECTIVES: Evaluate the associations between patients taking ACE inhibitors and angiotensin receptor blockers (ARBs) and their clinical outcomes after an acute viral respiratory illness (AVRI) due to COVID-19. DESIGN: Retrospective cohort. SETTING: The USA; 2017-2018 influenza season, 2018-2019 influenza season, and 2019-2020 influenza/COVID-19 season. PARTICIPANTS: People with hypertension (HTN) taking an ACEi, ARB or other HTN medications, and experiencing AVRI. MAIN OUTCOME MEASURES: Change in hospital admission, intensive care unit (ICU) or coronary care unit (CCU), acute respiratory distress (ARD), ARD syndrome (ARDS) and all-cause mortality, comparing COVID-19 to pre-COVID-19 influenza seasons. RESULTS: The cohort included 1 059 474 episodes of AVRI (653 797 filled an ACEi or ARB, and 405 677 other HTN medications). 58.6% were women and 72.9% with age ≥65. The ACEi/ARB cohort saw a larger increase in risk in the COVID-19 influenza season than the other HTN medication cohort for four out of five outcomes, with an additional 1.5 percentage point (pp) increase in risk of an inpatient stay (95% CI 1.2 to 1.9 pp) and of ICU/CCU use (95% CI 0.3 to 2.7 pp) as well as a 0.7 pp (0.1 to 1.2 pp) additional increase in risk of ARD and 0.9 pp (0.4 to 1.3 pp) additional increase in risk of ARDS. There was no statistically significant difference in the absolute risk of death (-0.2 pp, 95% CI -0.4 to 0.1 pp). However, the relative risk of death in 2019/2020 versus 2017/2018 for the ACEi/ARB group was larger (1.40 (1.36 to 1.44)) than for the other HTN medication cohort (1.24 (1.21 to 1.28)). CONCLUSIONS: People with AVRI using ACEi/ARBs for HTN had a greater increase in poor outcomes during the COVID-19 pandemic than those using other medications to treat HTN. The small absolute magnitude of the differences likely does not support changes in clinical practice.


Subject(s)
COVID-19 , Hypertension , Influenza, Human , Respiratory Distress Syndrome , Angiotensin Receptor Antagonists/therapeutic use , Angiotensin-Converting Enzyme Inhibitors/therapeutic use , Cohort Studies , Female , Humans , Hypertension/drug therapy , Hypertension/epidemiology , Influenza, Human/drug therapy , Influenza, Human/epidemiology , Male , Outpatients , Pandemics , Renin-Angiotensin System , Retrospective Studies
4.
Societies ; 12(3):12, 2022.
Article in English | Web of Science | ID: covidwho-1917711

ABSTRACT

Introduction: The rapid global spread of severe acute respiratory syndrome coronavirus 2 (SARS-CoV-2) has made COVID-19 one of the biggest pandemics of all time, with several devastating public health challenges. In this study, we investigated the knowledge towards COVID-19 best practices in the north of Portugal. Methods: A descriptive cross-sectional study was performed with a convenience sample of the population of northern Portugal to assess their knowledge about COVID-19, SARS-CoV-2 and measures to prevent and mitigate pandemics. An online validated questionnaire was completed by 411 participants, from September to October 2020. Results: The overall correct knowledge was 81.3%, which indicates a good knowledge by the northern Portuguese respondents about COVID-19. The correct answer score differed considerably between men and women, being significantly higher among the latter (12.28 +/- 1.22;p = 0.011). Moreover, the highest knowledge was observed in participants who attended high school or above (12.27 +/- 1.21;p < 0.000). Conclusion: This study contributes to the analysis of COVID-19 knowledge by the northern Portuguese population, emphasizes the crucial role of health education in the control and mitigation of the COVID-19 pandemic, and provides field-based evidence to prevent the next pandemic event.

5.
6th World Conference on Qualitative Research, WCQR 2022 ; 466 LNNS:137-152, 2022.
Article in English | Scopus | ID: covidwho-1872325

ABSTRACT

Introduction: The pandemic of COVID-19 imposed the elaboration and dissemination of content about protection and prevention of the disease for different audiences. Objective: Analyze videos released by government institutions related to COVID-19 protection and prevention for people with disabilities (PWD) in light of Cognitive Theory of Multimedia Learning (CTML). Methods: Documentary research, carried out on the official websites of the governmental spheres of Brazil and on the YouTube video sharing platform. Results: Identified 33 videos produced in 2020 and their contents presented understandable language, clear and varied colors, devoid of figures or animations. Of these, 29 videos included the Libras interpreter and one used audio description of the images. Two categories were identified: Protective Measures of COVID-19 in PWD and Preventive Measures of COVID-19 in PWD. According to the principles of the Theory it was observed adequacy in the conveying of information on the protective measures regarding the principles of coherence, signaling, spatial and temporal contiguity, pre-training, modality, multimedia and customization in the language on individual and collective protection measures, educational inclusion and accessibility to rehabilitation assistance by telehealth. In the preventive measures, the principles of multimedia, personalization, voice, image, signaling, and personalization are attended to, as hand washing, respiratory etiquette, correct use of the face mask and with lip visor, facing COVID-19 for intellectual PWD, hygiene of support equipment, and protocols used in inclusive residences were explained. Conclusions: The principles of CTML contributed satisfactorily to the visual materials published about COVID-19 for PWD, however, this communication modality needs a greater reach to the interested public. © 2022, The Author(s), under exclusive license to Springer Nature Switzerland AG.

6.
Geologia USP - Serie Cientifica ; 22(1):3-20, 2022.
Article in Portuguese | Scopus | ID: covidwho-1863317

ABSTRACT

Protected Areas contribute to the preservation of natural resources, promoting the implementation of activities related to ecological and geological tourism. The objective was to characterize the main geotouristic and ecotouristic attractions of the Forno Grande State Park (Parque Estadual Forno Grande - PEFG) and to evaluate the environmental impacts on the stretch of the trail from the Visitor Center to the Yellow Wells, resulting from the visitation before the COVID-19 pandemic and absence of visitation for four months during the pandemic. For this, we sought to describe, based on in situ observations and bibliographic consultation, the geosystemic aspects of the PEFG. For the evaluation of environmental impacts, the check-list method performed on February 27th and July 26th, 2020 was used. From the first evaluation, points with water accumulation, damaged stringers, erosion grooves, root exposure, and soil compaction were identified. In the second evaluation, some positive impacts were verified, especially in relation to the amount of litter deposited on the trail floor. On the other hand, there was a greater accumulation of plant remains in the trail corridor, due to the lack of visitation. In some of the stretches, a reduction in the size of erosion grooves was observed. There was also more evidence of the presence of wild animals, such as footprints and excrement along the trail. Therefore, there are challenges to be faced for the geoconservation of the PEFG, which include a multidisciplinary and holistic vision aiming to achieve sustainability through geotourism and in the expectation that it can contribute to the preservation of the biotic and abiotic environment. © 2022 Universidade de Sao Paulo. All rights reserved.

7.
Hematology, Transfusion and Cell Therapy ; 43:S540-S541, 2021.
Article in Portuguese | EMBASE | ID: covidwho-1859758

ABSTRACT

Objetivos: A pandemia da COVID-19, doença causada pelo coronavírus da síndrome respiratória aguda grave 2 (SARS-CoV-2), já ultrapassou 200 milhões de casos no mundo e mais de 4 milhões de óbitos. Os indivíduos podem apresentar-se assintomático, com sintomas leves ou graves associados às infecções do trato respiratório. Pacientes com COVID-19 apresentam anticorpos do tipo IgG em média duas semanas após a infecção, e persistem em níveis estáveis por alguns meses. Ainda não foi completamente elucidada a influência dos níveis desses anticorpos e o tempo de permanência em circulação, com a proteção e gravidade da doença em reinfecções. O objetivo deste trabalho foi avaliar a presença de anticorpos anti-SARS-CoV-2 IgG em pacientes assintomáticos ou com sintomas leves em um período de 3 meses. Material e métodos: Estudo prospectivo em que indivíduos adultos de ambos os sexos, participantes do projeto EpiSergipe e que apresentaram resultado positivo ao teste rápido para IgG/IgM confirmado por sorologia, foram convidados a continuar participando da pesquisa durante o período de 3 meses. Para as análises foram coletadas amostras de sangue periférico, sendo a amostra inicial descrita como D+0 e a final como D+90. A análise sorológica foi realizada por meio do kit comercial, de imunoensaio fluorescente (IchromaTM COVID-19 Ab) e os procedimentos foram realizados de acordo com as recomendações do fabricante. Resultados: Foram analisadas amostras dos 20 indivíduos, sendo 9 do sexo masculino e 11 do sexo feminino. A idade variou de 28 a 73 anos. Os sintomas mais comumente relatados foram mal-estar, febre, cefaleia e dor de garganta. Os níveis de IgG no D+0 variaram de 19,4 a 45,7, média de 34,47 (± 7,12), e no D+90 a variaram de 1,2 a 45,6, com média de 20,64 (± 12,18). Após 3 meses foi observada uma diminuição significativa (p < 0,0001) dos níveis de IgG em 85% dos indivíduos com média de 52,74%, e apenas 15% apresentaram aumento significativo (p < 0,05) com média de 27,47%. Discussão: Estudos descrevem que os níveis de IgG permanecem por apenas 3-4 meses no organismo dos indivíduos que tiveram contato prévio com o SARS-CoV-2, entretanto neste estudo inicial foi observado que a maioria dos indivíduos apresentou uma diminuição significativa e gradual de anticorpos IgG anti- SARS-CoV-2 circulantes, antes mesmo de completos os 3 meses após a exposição ao vírus. Conclusão: A partir destes resultados preliminares é possível compreender que os indivíduos, sejam eles assintomáticos ou sintomáticos leves, apresentaram soroconversão, produzindo IgG e estes anticorpos permaneceram em circulação por um período mínimo de 3 meses. Este estudo apresenta dados mais extensivos, ainda em análises, que futuramente corroborarão com a compreensão desta manutenção de anticorpos, e ainda assim, serão necessários mais estudos com o mesmo objetivo.

8.
Hematology, Transfusion and Cell Therapy ; 43:S529, 2021.
Article in Portuguese | EMBASE | ID: covidwho-1859739

ABSTRACT

Objetivo: Analisar o perfil clínico-epidemiológico de pacientes com neoplasia hematológica infectados com o SARS-CoV-2. Metodologia: Trata-se de um estudo observacional, transversal, descritivo e quantitativo, baseado em informações obtidas por revisão de prontuários eletrônicos de um hospital escola de São Paulo de pacientes admitidos no período de março a agosto de 2020, que foram analisados descritivamente quanto a variáveis clínicas e desfecho dos pacientes infectados. Resultados: De março a agosto de 2020 um total de 32 pacientes foram diagnosticados com a infecção por SARS-CoV-2 no Serviço de Onco-Hematologia da instituição estudada. Deste total, 20 (62,5%) eram do gênero feminino e 12 (37,5%), masculino. A média de idade foi de 59 anos, sendo 54% com idade acima de 60 anos. O diagnóstico hematológico consistiu em sua maioria de leucemias agudas e linfomas, com 31,25% cada, sendo desses últimos,90% do subtipo não Hodgkin;pacientes com mieloma múltiplo constituíram 12,54% da amostra, leucemia linfocítica crônica 12,5%, e outros diagnósticos 12,5%. Pouco mais da metade dos pacientes do estudo estavam em quimioterapia (53,12%), e destes, 88,8% haviam recebido quimioterapia nos últimos trinta dias antes da apresentação dos sintomas. Os sintomas mais relatados pelos pacientes foram: fadiga (96,87%), dispneia (87,5%), febre (62,5%) e tosse (59,37%). Menos que 20% dos pacientes apresentaram outros sintomas como náuseas, vômitos e/ou diarreia. Quanto às comorbidades, 25% eram tabagistas ou ex-tabagistas, 15,62% eram obesos ou com sobrepeso, 46,87% apresentavam hipertensão arterial sistêmica e 25% diabetes mellitus. Além disso, 31,25% dos pacientes apresentavam contagem de neutrófilos segmentados abaixo de 1500/mm³na internação ou início dos sintomas e 18,75% abaixo de 500/mm³. Durante a internação, 90,62% dos pacientes necessitaram de suporte de oxigênio e 56,25% de ventilação invasiva. O desfecho óbito por COVID-19 nesse estudo ocorreu em 65,62% dos pacientes infectados e destes, 76% eram mulheres com idade superior a 50 anos. Além disso, os diagnósticos onco-hematológicos mais relacionados ao desfecho óbito foram linfomas e leucemias agudas, correspondendo a 33% e 24%, respectivamente. Discussão: Nesse estudo, a maioria da população analisada se constituía de mulheres, com idade superior a 50 anos, características também encontradas em estudo realizado no Rio de Janeiro no mesmo período em pacientes internados com Covid-19. Também observamos aumento expressivo da necessidade de ventilação mecânica nos pacientes onco-hematológicos, sendo 56% em nosso trabalho (31,4% na pesquisa supracitada). A letalidade encontrada foi próxima a um estudo realizado em Wuhan, China, com pacientes hematológicos (letalidade 61,5%), situação que pode estar relacionada ao fato do hospital aqui analisado se constituir em uma unidade de referência para atendimento de ambas as afecções, além do tratamento quimioterápico recente. Conclusão: Apesar do estudo apresentar limitações expressivas, incluindo diagnósticos hematológicos heterogêneos e diferentes estágios da doença, a grande letalidade encontrada nesta população reforça ser imperativo o isolamento protetivo, diagnóstico e suporte precoce dos pacientes. A análise dos dados prosseguirá até 2021 para verificar se houve um decréscimo na letalidade e na necessidade de suporte ventilatório com o conhecimento científico adquirido em relação ao tratamento da COVID-19 na segunda onda dessa pandemia no Brasil.

9.
Hematology, Transfusion and Cell Therapy ; 43:S524-S525, 2021.
Article in English | EMBASE | ID: covidwho-1859731

ABSTRACT

Introdução: A recuperação intraoperatória de sangue (RIOS) é a prática de transfusão autóloga destinada a recuperar sangue que seria perdido durante cirurgias de médio e grande porte.Sendo as cirurgias cardíacas, vasculares, ortopédicas e transplantes de órgãos sólidos contempladas com este serviço. Com a pandemia da Covid-19 o serviço sofreu um impacto diante do número de procedimentos, onde a quantidade de cirurgias foram afetadas, principalmente por não haver vagas em unidades de terapia intensiva no pós-operatório, vale ressaltar a exposição da equipe nos hospitais que continuam operando mesmo em menor fluxo e atendendo pacientes infectados pela covid. Objetivo: Comparar a demanda dos procedimentos da Rios durante a pandemia da Covid-19 em relação a utilização em anos anteriores. Método: Trata-se de um estudo descritivo analítico em formato de relato de experiência, vivenciado pela equipe composta por enfermeiras em regime de sobreaviso em um serviço de hemoterapia, disponível 24h por dia no Centro de Hematologia e Hemoterapia do estado do Ceará. Usando dados no período de 2018 a junho de 2021. Resultados: Após analisar o número de procedimentos realizados nos anos anteriores a pandemia, identificou-se uma redução na utilização do serviço. Em 2018 foram 1.029 procedimentos, 2019 1.237 procedimentos, 2020 foram 942 procedimentos e 2021 foram 395 procedimentos até junho. Observamos que houve um crescimento de 23 % entre 2018 e 2019, pois houve a conscientização dos profissionais em relação a importância do serviço para os pacientes, no intuito de minimizar os riscos da transfusão sanguínea, e a redução veio em 2020 com o início da pandemia, devido a restrição de cirurgias eletivas, transplantes, equipes e o acesso e disponibilidade aos leitos de terapia intensiva. Considerações finais: A atuação da RIOS é de importância, pois minimiza os riscos transfusionais para os pacientes ao diminuir a quantidade de transfusão alogênica, diante o cenário atual da pandemia da Covid-19, o serviço sofreu uma redução considerável de procedimentos.

10.
Hematology, Transfusion and Cell Therapy ; 43:S516-S517, 2021.
Article in English | EMBASE | ID: covidwho-1859717

ABSTRACT

Introduction: Hypercoagulability in COVID-19 has been attributed to immunothrombosis, a process that involves the formation of neutrophils extracellular traps (NETs). The moment of the COVID-19 evolution in which immunothrombosis mechanisms are triggered is not established. Aim: To describe the kinetics of NETs release during COVID-19 hospitalization associating with thrombosis and death. Methods: We quantified citrullinated H3 and inflammatory cytokines (TNF-α, IL-6), markers of NETs release, on 4 time points during COVID-19 hospitalization (admission, day 4, day 8 and last day) between May and July 2020. The association between changes in these markers levels and clinical outcomes was determined. Results: 101 patients were included, the median days in-hospital were 15, 62% were men, 27% were obese, 43% were diabetic, 54% were hypertensive, 59% were critically ill, 11% had a thrombotic event and 21% died. IL-6 levels were high on admission in survivors (median 25.32, IQR 24.19-28.15) and non-survivors (median 24.19, IQR 12.51-27.19), but gradually decreased on day 4 (median 12.07, IQR 6.32-17.81), day 8 (median 9.34, IQR 5.18-17.59) and last day (median 8.64, IQR 4.81-14.89) in survivors. TNF-α levels remained 2 times higher in non-survivors: admission (median 1.60, IQR 0.64-2.26), day 4 (median 1.78, IQR 1.02-2.60), day 8 (median 1.65, IQR 0.93-2.5), last day (median 2.41, IQR 1.31-4.06);than in survivors: admission (median 0.81, IQR 0.52-1.26), day 4 (median 0.84, IQR 0.44-1.16), day 8 (median 0.72, IQR 0.44-1.24), last day (median 0.69, IQR 0.4-1.14). CitH3 levels were similar between non-survivors at the beginning of hospitalization: admission (median 1.03, IQR 0.43-4.34), day 4 (median 1.1, IQR 0.65-3.45);as for survivors: admission (median 1.20, IQR 0.45-2.60), day 4 (median 1.27, IQR 0.64-3.29). On day 8, citH3 increased by 3-fold (median 3.80, IQR 1.98-10.15) in non-survivors and 2-fold (median 2.60, IQR 1.22-5.01) in survivors. While IL-6 and TNF-α levels were similar between patients with and without thrombosis, citH3 levels increased shortly on day 4, before the occurrence of a thrombotic event: admission (median 1.64, IQR 0.44-4.14), day 4 (median 3.21, IQR 2.57-9.31);but it didn't change on non-thrombotic event patients: admission (median 1.05, IQR 0.44-2.50), day 4 (median 1.06, IQR 0.58-2.95). Conclusion: Markers of inflammation and immunothrombosis were associated with poor outcomes in COVID-19;however, these disorders were detected in different moments during COVID-19 course. While an increased inflammatory response was observed since the beginning of hospitalization, markers of immunothrombosis arose latter during the course of the disease. Acknowledgment of the time-course of immunothrombosis development in COVID-19 is important for planning therapeutic strategies against this pathological process.

11.
Hematology, Transfusion and Cell Therapy ; 43:S512-S513, 2021.
Article in English | EMBASE | ID: covidwho-1859709

ABSTRACT

Objetivos: A COVID-19, oriunda do novo coronavírus (SARS-CoV-2) se espalhou como uma pandemia, causando mais de 4 milhão de mortes globalmente, tornando-se uma emergência de saúde pública. O número de casos de pacientes recuperados é crescente, o que pode ser crucial sobre o curso da doença. Na forma grave da doença é possível observar linfopenia e leucopenia. Estes achados podem ser auxiliares como indicadores clínicos para avaliação e progressão da doença. Desta forma, este trabalho teve como objetivo descrever o perfil leucocitário dos indivíduos positivos na sorologia para o SARS-CoV-2. Material e métodos: Trata-se de um estudo prospectivo em que indivíduos adultos de ambos os sexos, participantes do projeto EpiSergipe e que apresentaram resultado positivo ao teste rápido para IgG/IgM confirmado por sorologia. Foram coletadas amostras de sangue periférico para realização do hemograma e análise sorológica utilizando o kit comercial de imunoensaio fluorescente (IchromaTM COVID-19 Ab) em que os procedimentos foram realizados de acordo com as recomendações do fabricante. Resultados: Foram analisadas amostras de 847 pacientes com sorologia positiva para o SARS-CoV-2, assintomáticos ou com sintomas leves, sendo 275 do sexo masculino (32,47%) e 572 do sexo feminino (67,53%). Do total de hemogramas analisados, 9,33% apresentaram leucocitose e 2,01% leucopenia (média leucócitos totais = 7.370/mm3 /±2,10). A linfocitose foi observada em 23,61% dos indivíduos e a linfopenia foi observada em apenas 1,18% (média linfócitos = 2.550/mm3/±772). A neutrofilia foi observada em 5,90% dos participantes e a neutropenia em 5,31% (média neutrófilos = 4.280/mm3/±1,67). A maioria dos hemogramas analisados (67,41%) apresentaram todos os parâmetros normais. Discussão: A linfocitose, de acordo com estudos, pode auxiliar na previsão e acompanhamento da progressão da COVID-19, neste estudo foi observada em 23,61% dos hemogramas analisados, enfatizando que os participantes do presente estudo eram assintomáticos e sintomáticos leves, o que pode justificar o porquê grande parte dos pacientes apresentaram parâmetros dentro da normalidade. Além disso um estudo publicado em 2021, comparou os achados hematológicos de óbitos por COVID-19 com os de sobreviventes, nos indivíduos que morreram havia maior contagem de neutrófilos e leucócitos, e uma diminuição nos linfócitos, quando comparados aos sobreviventes. Neste estudo, não houveram óbitos, as taxas encontradas de leucocitose e neutrofilia foram de 9,33% e 5,90% respectivamente, e a linfopenia 1,18%. Conclusão: A partir dos resultados prévios encontrados, observa-se alterações no perfil leucocitário em indivíduos com COVID-19, condizentes com os descritos recentemente na literatura.

12.
Hematology, Transfusion and Cell Therapy ; 43:S477-S478, 2021.
Article in Portuguese | EMBASE | ID: covidwho-1859689

ABSTRACT

Objetivos: Evidências prévias sugerem que o risco trombótico é maior na COVID-19 do que em outros tipos de síndrome respiratória aguda grave (SRAG). Contudo, tal comparação se baseou principalmente em coortes históricas. O objetivo deste estudo foi avaliar a incidência de eventos tromboembólicos em pacientes com COVID-19 e outras SRAG internados em um mesmo período de tempo. Material e métodos: Foram selecionados pacientes internados entre março e junho de 2020 no Hospital de Clínicas - UNICAMP que atendiam aos critérios clínicos de SRAG segundo o Ministério da Saúde e a Definição de Berlim, e que apresentavam ao menos 2 resultados de RT-PCR ou ELISA confirmando ou excluindo o diagnóstico de COVID-19. Dos 253 indivíduos internados por SRAG nesse período, foram incluídos 101 pacientes COVID-19 e 102 pacientes não-COVID-19. Os demais foram excluídos por prontuário médico incompleto (n = 16) ou falta de exame laboratorial para COVID-19 (n = 34). Análise descritiva, testes de qui-quadrado, testes-t e regressão logística binária foram usados para comparar os pacientes COVID-19 e não COVID-19. Resultados: Pertenciam ao sexo masculino 62% e 48% dos pacientes COVID-19 e não-COVID-19, respectivamente (P = 0.07). A mediana de idade, em anos, foi 55.77 (IQR 42.31 a 66.68) no grupo COVID-19 e 59.04 (IQR 45.13 a 69.73, P = 0.39) no grupo não-COVID-19. Ambos os grupos apresentaram um escore de Pádua (COVID-19: 3 IQR 2 a 4;não-COVID-19: 3 IQR 2 a 5, P = 0.47) e uma saturação de oxigênio (COVID-19: 92% IQR 90% a 96%;não-COVID-19: 94% IQR 91% a 97%, P = 0.44) semelhantes à admissão. Contudo, a necessidade de suporte de oxigenação invasiva (37.6% vs. 14.7%, P = 0.0002), de drogas vasoativas (44.6% vs. 21.6%, P=0.0006) e de internação em UTI (55.4% vs. 40.2%, P = 0.04) foi maior entre aqueles infectados por SARS-CoV-2. Em conformidade, esses mesmos pacientes permaneceram internados por mais tempo (15 dias IQR 6 a 30.5 vs. 7 dias IQR 3 a 16.3, P < 0.0001) e vieram a óbito com mais frequência (27.7% vs. 14.7%, P = 0.03). Em relação a marcadores de coagulação, não houve diferença estatisticamente relevante entre os grupos quanto a tempo de protrombina, fibrinogênio e D-dímero (COVID-19: 1488 ng/mL IQR 726.5 a 3476;não COVID-19: 1773 ng/mL IQR 807.5 a 4153.8, P = 0.57). Apesar do uso de tromboprofilaxia ter sido mais comum entre pacientes COVID-19 (76.2% vs. 41.2%, P < 0.0001), a incidência de eventos tromboembólicos confirmados por exame de imagem se mostrou similar entre os grupos, mesmo após ajuste para múltiplos fatores (idade, sexo, tromboprofilaxia, hipertensão arterial, diabetes mellitus, escore de Pádua, internação em UTI, tempo de internação total): houve 7 eventos em 7 pacientes não COVID-19 e 13 eventos em 9 pacientes COVID-19 (OR ajustado 0.91, 95% IC 0.28-2.95, P = 0.87). Os eventos mais recorrentes no grupo COVID-19 foram embolismo pulmonar (53.8%) e trombose venosa profunda (23.1%), que representaram 57.1% (P = 0.37) e 14.3% (P = 0.37) dos eventos não-COVID-19, respectivamente. Discussão: Ao analisar pacientes internados em um mesmo período de tempo, constatamos que, embora elevado, o risco tromboembólico na COVID-19 é semelhante ao de outros tipos de SRAG, indicando que um estado de hipercoagulabilidade é inerente à SRAG em geral. Além disso, os resultados obtidos revelam que o uso de tromboprofilaxia foi significativamente maior no grupo COVID-19, e que não houve diferença estatisticamente relevante entre os níveis de D-dímero dos pacientes COVID-19 e não COVID-19. Conclusão: Tais achados fornecem uma melhor compreensão sobre o risco tromboembólico associado à infecção por SARS-CoV-2, e sugerem que evidências prévias de taxas de trombose mais elevadas na COVID-19 sofreram viés pelo uso de coortes históricas.

13.
Hematology, Transfusion and Cell Therapy ; 43:S344, 2021.
Article in Portuguese | EMBASE | ID: covidwho-1859649

ABSTRACT

Objetivos: Elucidar através de gráficos e porcentagens, a ocupação de mulheres em espaços majoritariamente masculinos, sendo um deles a doação de sangue. Analisamos a evolução do gênero do doador do Banco de Sangue do Hospital Santa Marcelina ao longo de 10 anos (2011 a 05/2021) para determinar a linha de tendência das doações do sexo feminino e a importância de fortalecer o papel igualitário dos gêneros na sociedade. Material e métodos: Através da coleta do dado “Quanto ao gênero do doador” informado no SISHEMO, coletamos as informações de 01/2011 a 05/2021 e avaliamos a evolução ao longo do tempo. Resultados: Em 2011, o Banco de Sangue do Hospital Santa Marcelina apresentava média anual de 39,1% de doadores do sexo feminino, ao longo dos anos seguintes até 2019, essa taxa aumentou gradativamente e em 2019 atingiu 46,2%. Em 2020, pela pandemia por SARS-CoV-2, houve queda nessa tendência de alta, ficando em 44,6% a média anual. Em 2021, estratificando por mês, em janeiro houve 45,2% de doadoras e em maio atingiu 47,4%, índice superior à média mensal de 2019, mostrando que após a queda de 2020 a taxa voltou a crescer. Discussão: A doação voluntária de sangue é um ato de causa humanitária, este comportamento é regido e administrado pelas diretrizes da lei vigente e padrões internacionais de qualidade para segurança dos receptores e dos doadores, diante disto, existem algumas restrições quanto a aptidão por gênero. Enquanto o candidato do sexo masculino pode doar 4 vezes em 12 meses, a candidata do sexo feminino tem algumas restrições a mais, podem doar sangue total até 3 vezes ao ano;as multíparas são excluídas da doação de plaquetas por aférese como forma de prevenir a lesão pulmonar aguda associada à transfusão (transfusion-related acute lung injury, TRALI), temos restrições relacionadas a gestação, amamentação, entre outras diferenças por gênero. Porém, essas peculiaridades podem ser compensadas com mais doadoras aptas. Dados de 2019 da OMS (Organização Mundial da Saúde) mostram que mundialmente 33% das doações são feitas por mulheres, mas esse número pode ser muito baixo em alguns países. Em 14, dos 111 países que notificaram à pesquisa da OMS, menos de 10% das doações são feitas por doadoras. No Brasil, a participação feminina é mais expressiva, a média nacional da ANVISA em 2019, mostra que 42,63% das doações são do sexo feminino, a região Sul atinge o maior percentual, com 43,89%. No Banco de Sangue do Hospital Santa Marcelina os índices estão acima da média nacional, em 2019 alcançamos 46,20%, e em especial no mês de setembro/2019 esse índice atingiu 49,2%, maior índice da série histórica de 10 anos. Houve uma queda em 2020, mas apesar do momento sanitário em que o país se encontra, ainda ficamos acima da média nacional, com 44,65%. Em 2021 os índices mensais estão aumentando progressivamente, mostrando que com o avanço do controle da pandemia as mulheres estão retornando as doações. Tais números evidenciam a transformação e a evolução da expressão da mulher na sociedade a um caminho de empoderamento e emancipação do sistema patriarcal. Conclusão: Manter os estoques de hemocomponentes suficientes para atender toda demanda transfusional de um hospital de grande porte que atende também a outros serviços é um desafio para o setor de captação e triagem. O equilíbrio entre quantidade diária constante e qualidade, tem que nortear as ações de recrutamento. O estímulo a esse grupo de doadoras é fundamental como ferramenta para o suporte aos estoques e está associado a evolução histórica do papel da mulher perante a sociedade que cada vez mais ocupa posições importantes enquanto membro ativo, mostrando a necessidade de dinamismo e coparticipação entre ambos. Todos juntos, pelo ato de doar-se.

14.
Hematology, Transfusion and Cell Therapy ; 43:S241, 2021.
Article in Portuguese | EMBASE | ID: covidwho-1859616

ABSTRACT

Objetivo: Correlacionar as internações hospitalares por embolia e trombose arteriais com as infecções por SARS-Cov-2 no Brasil, através da lista de morbidade do CID-10 (CID 10 - I74) no período de maio de 2020 a maio de 2021. Materiais e métodos: Estudo epidemiológico, descritivo e retrospectivo, de análise quantitativa, cuja fonte de dados foi o Sistema de Morbidade Hospitalar (SIH-SUS) do Ministério da Saúde, tabulados em gráficos e tabelas no programa Microsoft Excel 2016. Resultados: Entre maio de 2020 e maio de 2021 foram observadas 24.971 internações por embolia e tromboses arteriais, sendo que 23.209 (93%) foi em caráter de urgência. Já entre maio de 2019 e abril de 2020 o número de internações foi de 20.706, valor que entre maio de 2018 e abril de 2019 foi de 20.400. Discussão: A infecção por SARS-Cov-2 em pacientes que desenvolvem a forma grave da Covid-19 é associado ao maior risco de formação de coágulos e, consequentemente, de embolias e tromboses. Uma das principais teorias para explicar a associação entre Covid-19 e coagulopatias é que o estado de hiperinflamação provoca uma desregulação nos eventos trombóticos. Desse modo, o aumento de 12% no número de internações por embolia e trombose arteriais observados entre maio de 2020 e maio de 2021 quando comparado ao período de maio de 2019 a abril de 2020 pode ter sido causado pela pandemia da Covid-19 iniciada em março de 2020. Além disso, uma análise retrospectiva mostra que esse aumento foi o maior em números absolutos nos últimos cinco anos. Conclusão: É possível notar o aumento do número de casos de embolias e tromboses arteriais no contexto pandêmico, corroborando com os estudos que associam a Covid-19 com os distúrbios da coagulação.

15.
Hematology, Transfusion and Cell Therapy ; 43:S56-S57, 2021.
Article in Portuguese | EMBASE | ID: covidwho-1859594

ABSTRACT

Introdução: A combinação de doxorrubicina, bleomicina, vinblastina e dacarbazina (ABVD) representa a principal opção de tratamento em primeira linha para o Linfoma Hodgkin classico (LH). Desde 2018, o desabastecimento de bleomicina no Brasil têm trazido consequências graves aos pacientes com LH. No âmbito da medicina privada, instituições têm feito o uso de A+AVD, esquema no qual a bleomicina é substituída por brentuximabe-vedotina, ou importado a bleomicina de forma independente. Para diversas instituições públicas, entretanto, estas opções não são acessíveis. Objetivo: Avaliar a segurança e a eficácia da combinação AEVD (doxorrubicina;etoposídeo, em substituição à bleomicina, na dose de 100 mg/m2;vinblastina e dacarbazina) para tratamento de LH em primeira linha, nos dias 1 e 15 de ciclos de 28 dias. Métodos: Realizamos estudo clínico aberto não-randomizado para avaliar o regime AEVD como tratamento de primeira linha em pacientes com diagnóstico recente de LH no Hospital Municipal São José em Joinville, Brasil. Resultados: Vinte e cinco pacientes com mais de 18 anos e diagnóstico de LHc entre junho e novembro de 2020 foram incluídos. Quatorze pacientes (56%) eram homens, com mediana de idade de 27 anos (variando de 18 a 66 anos). A maioria dos pacientes tinham doença Estágio II (60%, n = 15), tinham sintomas B (56%, n = 14) e lactate-desidrogenase (LDH, 52%, n = 13). Para estágios III-IV (n = 5), 3 pacientes apresentaram IPS alto risco (escore >2;60%). Para doença localizada (n = 20), alto risco conforme GHSG foi observado em 16 pacientes (n = 80%). Todos os pacientes passaram por 3 a 6 ciclos de quimioterapia e não se observou evento adverso com necessidade de internação hospitalar, interrupção ou descontinuação de tratamento. A realização de PET-CT ocorreu exclusivamente fora da nossa instituição. Oito pacientes tiveram acesso a PET-CT no ínterim, todos com escore Deauville de 1-3. A taxa de resposta global foi de 96%, com um paciente apresentando progressão da doença após 5 ciclos. Sete pacientes tiveram avaliação de final de tratamento (FT) apenas com TC, com 5 respostas completas (RC) e 2 respostas parciais (RP), com ambos os pacientes RP mantiveram remissão após 10 e 12 meses. Avaliação ao FT com PET-CT (n = 18) resultou em DS 1-3 em 72% (n = 13), 4 em 22% (n = 4) e 5 em 6% (n = 1). Todos os 5 pacientes DS 4-5 foram submetidos a biópsia após avaliação FT, com confirmação de LH recidivado ou refratário (RR) em 4 casos (mulher de 22 anos, estágio IV, alto risco com doença progressiva;homem de 65 anos, estágio III, baixo risco, com recidiva 11 meses após FT;homem de 26 anos, estágio II, alto risco com recidiva 6 meses após FT;mulher de 25 anos, estágio II, alto risco com recidiva 4 meses após FT). Dois pacientes LH RR (50%) tiveram atraso de mais de 30 dias no tratamento devido a fatores psicossociais ou financeiros secundários à pandemia Covid-19. Todos os pacientes LH RR tiveram acesso a terapia de resgate. Com mediana de seguimento de 16 meses (variando de 8 a 36 meses), nenhuma morte foi registrada e a probabilidade de sobrevida livre de progressão foi de 66% (IC95%: 72%-100%). Conclusões: A escassez de quimioterápicos tem sido um problema recorrente em todo o mundo, e é mais evidente em medicações citotóxicas sem substituições validadas, como é o caso da bleomicina. O uso do esquema AEVD para tratamento de LH recém-diagnosticado parece ser seguro, eficaz e factível, em uma população composta principalmente por pacientes de alto risco.

16.
Seguranca Alimentar e Nutricional ; 28(24), 2021.
Article in Portuguese | CAB Abstracts | ID: covidwho-1836190

ABSTRACT

Since 2007, food prices have risen more sharply than the set of consumer prices in Brazil. The objective of the work is to compare food inflation in the first half of 2020 with that of 2007 and 2019, checking if there have been changes in its characteristics and reasons. Information from the Instituto Brasileiro de Geografia e Estatistica (IBGE) is used to analyze the Extended National Consumer Price Index (IPCA) at different levels of aggregation. Between 2007 and 2019, prices of food outside the home expanded more than that of food at home. Among the components of this, the prices of the least processed increased more than those of the most processed, indicating that the origin of food inflation was agricultural, with meat having a great contribution to the fact. In turn, in the first half of 2020, non-tradable products, beans, rice and fruits, vegetables and greens, were the ones that put the most pressure on inflation. Throughout the period, conditions of foreign trade, international price and exchange rate, had a strong influence on food inflation. In the first half of 2020, among the causes, increased demand for food in supermarkets gained relevance, apparently not accompanied by the expansion of supply.

17.
27th Brazilian Congress on Biomedical Engineering, CBEB 2020 ; 83:2391-2395, 2022.
Article in English | Scopus | ID: covidwho-1826151

ABSTRACT

The global situation caused by a coronavirus in 2020 has become an unprecedented health crisis. Since 1918, during the Spanish flu, Brazilian society haven’t seen a pandemic disease. Among the many individuals exposed to the virus, health care professionals are essential workers who fight the disease. However, due to the lack of previous investments in the public health sector in Brazil, several obstacles are evident, such as the reduced number of Personal Protective Equipment (PPE) available for healthcare professionals who have direct contact with those affected by the disease. Therefore, undergraduate students and professors from UFPA (Universidade Federal do Pará—Federal University of Pará) Biomedical Engineering program course mobilized to create solutions to this problem through the study and production of a low-cost face shield model, which proved to be essential in helping professionals, in addition to engaging several students in the social causes. Similar initiatives like this took place in states in southeastern Brazil, through the making of PPE in 3D printers from PLA (polylactic acid) or ABS (Acrylonitrile Butadiene Styrene) filaments, which can take hours to be ready. Therefore, the present study presents a handmade model to promote higher cost–benefit and shorter manufacturing time. To measure how this PPE proposed here affected the daily work of these professionals, this study performed a feedback form focused on the professionals who used the handmade model. Also, a comparison between the 3D printed versus the handmade model was done. The study showed that 69.5% of the respondents, which were professionals working in the health field, felt more protected with the handmade face shield. Finally, for this research, it is possible to say that the handmade faceshields have proven to be effective, providing confidence when used by the research participants. © 2022, Springer Nature Switzerland AG.

18.
Revista Brasileira De Medicina Do Esporte ; 28(4):300-305, 2022.
Article in English | Web of Science | ID: covidwho-1799032

ABSTRACT

Introduction: Although studies have been conducted in the athlete population during the pandemic, its impacts on Paralympic athletes are still unknown. Objective:To evaluate the mood and quality of life of Paralympic boccia players during the COVID-19 pandemic period. Method: Questionnaires assessing mood, quality of life, and demographic data were sent electronically via social media.The study included 43 athletes from all functional classes (BC1= 8, BC2 = 12, BC3 =11, and BC4 = 11) and four regions of Brazil (Northeast= 12, Southeast = 12, Central-West = 3, and South = 17). ANOVA, t test, and similar non-parametric tests were used, with the respective effect sizes (ES). Resu Its: Regarding mood states, BC4 athletes differed from BC1 athletes in the depression subscale score (25.5 vs.14.5, p = 0.026, ES=1.47).The fatigue subscale score differed between BC4 and BC1 athletes (17.8 vs. 10.4, p= 0.023, ES=138) and between BC4 and BC2 athletes (17.8 vs 10.3, p = 0.008, ES=1.32). BC4 athletes had higher total mood disturbance (TMD) values than BC1 (175 vs. 141, p = 0.025, ES=1.35) and BC2 (175 vs.141, p = 0.025, ES=0.97) athletes. Lower stress (18.5 vs.21.8, p = 0.027, ES=0.64) and TMD (148.0 vs 162.0;p = 0.044;ES= 0.53) values were observed among the national level athletes. In terms of quality of life, differences were found between BC4 and BC2 athletes in the psychological health domain (3.73 vs. 4.49, p = 0.024, ES=0.89) and between athletes from the Northeast and South in the environment domain (3.39 vs. 4.18, p=0.030, ES=0.44). Conclusion: BC4 athletes are more susceptible to negative mood and quality-of-life perceptions. Additionally, athletes from the Northeast region may have poorer perceptions of quality of life related to the environment in which they live.

19.
Humanid. Inov. ; 8(61):350-359, 2021.
Article in Portuguese | Web of Science | ID: covidwho-1790211

ABSTRACT

This article, part of a broader research entitled "Impact of the use of educational technologies through remote teaching on school activities in Bahia municipalities in the context of the Covid-19 pandemic', analyzes and discusses the perception of teachers, as well as the necessary measures for non-classroom teaching in Youth and Adult Education (EJA). The methodological path of the research was based on qualitative and quantitative methods, being of an exploratory and descriptive nature. The data indicate that EJA is one of the modalities of educational offer that suffers the most from the impacts caused by the pandemic, since the particularities of this field of education, in addition to the specificities of its subjects, present themselves as obstacles to operationalize emergency remote education as an alternative against the suspension of face-to-face activities.

20.
Revista Enfermagem ; 29, 2021.
Article in English, Portuguese | Scopus | ID: covidwho-1786355

ABSTRACT

Objective: to map the evidence available in the literature about management and outcomes of postpartum infection by the new coronavirus. Method: scoping review conducted in four electronic sources, following Joanna Briggs Institute guidelines. Data were extracted, analyzed and summarized by four researchers independently. Results: nine of the 188 publications located were reviewed. The evidence, all obtained and published in 2020, was produced in six countries. These publications considered 21 cases of postpartum COVID-19, 15 (71.4%) of which related to severe developments / exacerbation of the disease and six (28.6%) diagnosed after hospital discharge. Conclusion: the mapping points to the occurrence of infection or worsening of the disease in the postpartum period, indicating the need for monitoring of signs and symptoms, diagnostic exploration and accurate treatment and the need for close monitoring of postpartum women diagnosed with COVID-19, whether symptomatic or not. © 2021, Centro de Estudos da Faculdade de Enfermagem da UERJ. All rights reserved.

SELECTION OF CITATIONS
SEARCH DETAIL